Eduardo Campos no caminho da oposição


Pedro do Coutto

O governador Eduardo Campos lançou-se candidato à presidência da República na sucessão de 2014. Vai assumir o caminho da oposição. Seu objetivo real é chegar ao segundo turno. Ele, portanto, disputa o mesmo espaço de Aécio Neves, uma vez que José Serra, se concorrer pelo PPS, abala a campanha de Aécio. E Marina Silva não poderá concorrer pelo Rede Sustentável, por falta das assinaturas exigidas e, portanto, ou ingressa em outra legenda ou desiste. Bem mais forte nas pesquisas que Eduardo Campos, dificilmente aceitaria ser vice na chapa do PSB. 

Mas, seja como for, o governador de Pernambuco, que terá de renunciar a 5 de abril de 2014, disputa na realidade o segundo lugar. Não importa para ele que Dilma Rousseff chegue em primeiro no turno inicial. Espera chegar em segundo e reunir as oposições em torno de si para o desfecho no último domingo de outubro do ano que vem. 

Aécio Neves, assim, tem que voltar suas atenções sobre Eduardo Campos, cuja meta é crescer e derrotá-lo, indo à final com a atual presidente da República. A hipótese de Lula vir a ser candidato do PT, nesta altura da ópera parece afastada, uma vez que está assumindo a coordenação da campanha de Dilma Rousseff. Fazendo-se um exercício de futurologia, pode-se deduzir que o segundo turno será entre Dilma e o vencedor da luta nas urnas, se Aécio Neves ou Eduardo Campos.
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

5 thoughts on “Eduardo Campos no caminho da oposição

  1. O experiente e sempre brilhante Jorn. Sr. PEDRO DO COUTTO faz perfeita análise do posicionamento político do Gov. PE, Sr. EDUARDO CAMPOS (PSB), buscando liderar a Oposição, chegar em 2º no Primeiro Turno das Presidenciais, e finalmente vencer a Situação, ou pelo menos se reforçar tanto que voltaria invencível em 2018. Tem boa chance porque seu concorrente próximo, Gov. AÉCIO NEVES (PSDB-MG), é apoiado pelo ex-Presidente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, o Presidente da ” A Era VARGAS acabou”, e tentando acabar “a Era VARGAS” fez um fraquíssimo Governo, quebrou o País 3 vezes, e só chegou ao final de seu Governo porque o brilhante Economista ARMÍNIO FRAGA assumiu o Banco Central e milagrosamente conseguiu estabilizar o barco até Dez/2002. A meu ver AÉCIO NEVES por isso, está condenado a estagnar/decrescer.
    O inteligente e bem informado Comentarista Sr. ANTONIO SANTOS AQUINO, opina que a posição do PT-Aliados é fortíssima, que seu desgaste é pequeno e que não há risco algum, pelo menos na re-Eleição da Presidenta DILMA. Eu acho que não. O desgaste é grande, e apesar do esforço e do bom Governo da Presidenta DILMA, com Desemprego baixo +- 6,5% da Força de Trabalho, Inflação na meta +- 6,5%aa, crescimento do PIB baixo mas ascendente, sinto que Forças Poderosas se articulam para tentar encerrar o ciclo do PT, e que como nos mostra Sr. PEDRO DO COUTTO, o Gov. EDUARDO CAMPOS tem boa chance de chegar lá, sendo o Anti-PT. E convenhamos, o nome SOCIALISTA no Partido, ajuda um eito. Abrs.

  2. Prezado mediador, tendo em vista a relevância do assunto solicito o obséquio de publicar matéria de interesse de todos conforme segue:

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    Ilustre Governador do Estado do Rio de Janeiro
    Ilustre Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro
    Presidente do CREA RJ, ilustres senhores,

    Prezados senhores, mais uma vez nos os moradores do Estado e da Cidade do Rio de Janeiro somos surpreendidos pela criação de Lei Estadual e Lei Municipal Complementar estabelecendo mais um imposto para quem mora neste Estado e Cidade, sem que a matéria fosse discutida amplamente com a população e sem levar em consideração a existência de cobrança de imposto com outro nome para a mesma finalidade.
    O ilustre Governador deste Estado por meio da Lei 6400/13 de 05 de Março de 2013 e o ilustre Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro por meio da Lei complementar Nº126 de 26 de Março de 2013 estabeleceram mais um imposto indireto a ser pago pelos moradores do Estado do Rio de Janeiro e da Cidade do Rio de Janeiro instituindo o Laudo Técnico e Vistoria Predial (LTVP).
    Ambas as Leis, a Lei Estadual e a Lei Complementar Municipal versam sobre o mesmo tema, estabelecem a obrigatoriedade do LTVP a ser contratada junto a terceiros, para que seja emitido um Laudo Técnico sobre as condições de segurança de cada um dos prédios existentes no Estado do Rio de Janeiro e no caso na Cidade do Rio de Janeiro, é uma festa.
    Não fosse o açodamento e a forma como a Lei Estadual foi promulgada, uma rapidez incrível, pena na ser sempre assim, seria ela muito bem vinda, a questão tratada pela Lei já é assunto contemplado em outras Leis e Instrumentos Legais existentes.
    Essa vistoria e agora cobrança já é parte das atribuições da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, a quem cabe efetuar essas inspeções e para os quais recolhemos anualmente IPTU e FUNASBOM este último criado arbitrariamente, pois parte do valor do IPTU já era destinado ao Corpo de Bombeiros para exercerem suas atividades de defesa civil e combate a incêndios.
    A Lei em questão aborda un passat o formato da inspeção/ vistoria a ser contratada junto a profissional arquiteto(a) e/ou engenheiro(a) e estabelece a obrigatoriedade de após a elaboração do Laudo Técnico emitido por profissional e a ART paga junto ao CREA, entrar no site do Município e preencher formulário online destinado ao atendimento dessa Lei Estadual e Lei Complementar Municipal.
    Estabeleceu a Lei Estadual em seu artigo terceiro, que o Município definirá um Modelo de LTVP a ser utilizado para a realização dessas inspeções/avaliações, entretanto, até agora não se tem noticias que esse modelo tenha sido definido e publicado.
    Salve melhor juízo, e outras medidas necessárias, tudo faze crer que se a Lei for implementada do jeito que foi sancionada, sem que o Município tenha efetivamente elaborado é publicado o modelo de LTVP e esse mesmo modelo ter passado por avaliação técnica e ter sido aprovado pelo CREA, estaremos criando mais uma reserva de mercado esdrúxula criada as custas dos consumidores proprietários e locatários de imóveis no Estado do Rio de Janeiro.
    Esses consumidores e pagadores de impostos criados a revelia, ao invés de serem beneficiados com o pagamento dos mesmos, serão mais uma vez penalizados com impostos duplos e triplos criados pela administração pública do Estado do Rio de Janeiro e do Município do Rio de Janeiro, não cabendo outra coisa, tendo em vista a maioria não entende tecnicamente do assunto, que não aceitarmos ser enganados por profissionais e empresas que atuarão nessa atividade sem que saibam efetivamente o que produzem, criando dificuldades para venderem soluções.
    Assim, tendo em vista o bem comum e a seriedade do processo e apesar da tripla tributação, solicito ao ilustre Governador deste Estado e Prefeito desta Cidade e ao presidente do CREA que se manifestem publicamente sobre o assunto, que definam um modelo padrão de LTVP, com uma lista de verificação técnica a ser aplicada abrangendo as matérias técnicas mencionadas no artigo sexto e artigo terceiro, respectivamente da Lei Estadual e Lei Complementar Municipal. Que definam claramente, pelo menos isso, critérios explícitos de vistoria/avaliação técnica a serem adotados por Empresas e Profissionais que realizarão esse tipo de atividade.
    A definição dessa lista de verificação do que trata o artigo sexto da Lei Estadual supramencionada e o artigo terceiro da Lei Complementar Municipal precisa ser claramente explicitado, estabelecido e definido de forma a expressarem o que se deseja efetivamente, para evitarmos que se produzam uma enxurrada de LTVP sem qualidade técnica alguma e sem que os mesmos acrescentem efetivamente oportunidades de melhoria para as situações de risco detectadas nas inspeções/avaliações, assim como a definição do conjunto de recomendações que farão parte do mesmo Laudo a serem implementadas por prédios e instalações avaliadas.
    Reitero a necessidade do cumprimento desta parte da matéria pelo Município do Rio de Janeiro visando atender o que estabeleceu a Lei Estadual que delegou a definição do modelo como sendo responsabilidade do Município. (imaginem municípios da baixada e outros, será uma grande festa).
    Ao CREA que recebe cópia desta mensagem, solicito que faça bem mais que cobrar ART e criar oportunidades de faturamento fácil para empresas e profissionais de engenharia e arquitetura, que atue de forma propositiva visando dar credibilidade ao próprio CREA, não permitindo que profissionais e empresas não capacitadas criem mais um condomínio de aferição de ganhos fáceis como ocorre na elaboração/realização de PPRA, PCMSO e PCMAT uma indústria que não serve a ninguém, não protege os empregados e tampouco os empresários na eliminação e/ou redução de riscos presentes nas obras realizadas em todo o Brasil, com as exceções de praxe é claro.
    Sem mais para o momento e no aguardo que medidas adequadas sejam adotadas, atenciosamente, Angelo Cataldo.

  3. Como estou fazendo pré-campanha para uma pessoa muito cara, a qual conheço desde os 15 anos (sou mais velha que ele, 6 anos), renomado professor de Geografia, votarei no `PSDB ano que vem. Ele é presidente do movimento negro no RJ e vice nacional (dentro do partido). Apesar do estigma negativo que o PSDB carrega, ele continua sendo social democrat e estamos tentando mudar, da nossa parte. Há muito preconceito. Mas o nosso grupo, apesar de pequeno, tem valor e acreditamos nele. Por isso que não vou discutir mais com militantes do PT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *