Eduardo Campos sinaliza ser mesmo candidato em 2014

 
Pedro do Coutto
 
Ao apoiar a atuação do diplomata Eduardo Saboia no episodio que culminou com uma crise no Itamarati e irritou a presidente Dilma Rousseff, o governador Eduardo Campos finalmente sinalizou que pretende mesmo disputar, pela oposição, as eleições presidenciais de 2014. Reportagem de Flávia Guerreiro, Fábio Mendes e Taí Nalon, Folha de São Paulo de 28, focalizou amplamente o assunto. Amplamente porque de um lado da página destacou a reação de Dilma Rousseff e, de outro, as declarações de Aécio Neves e Eduardo campos. O senador mineiro já se anunciou candidato de oposição ao governo. O governador de Pernambuco, pela primeira vez, de modo incisivo, contesta a posição assumida pela presidente da República.

Rousseff condenou a atitude de Eduardo Saboia sustentando os riscos a que se expôs, a si, e à própria vida do senador Roger Pinto Molina, ao passar por várias barreiras policiais. Nada aconteceu, mas poderia ter acontecido. Um governo não negocia vidas: age para proteger vidas. Nós não estamos numa situação de exceção Condenou fortemente a comparação de Saboia colocando no mesmo patamar a embaixada em La Paz e o Doi-Codi da ditadura militar.

Eduardo Campos contestou: eu só posso ter uma opinião. Salvamos uma vida, ameaçada pela depressão, uma doença terrível. Cumprimos uma tradição do país, que é de abrigar perseguidos políticos. Por dever de consciência, cumprimento o diplomata Eduardo Saboia, por sua atitude humanitária. A afirmação do governador se choca principalmente com uma das declarações de Dilma Rousseff, quando lamenta profundamente a atuação do diplomata.

PEDIDO DE FÉRIAS

A revolta da presidente da República foi autêntica, não um lance no tabuleiro do xadrez internacional, como alguns analistas admitiram. Tanto assim que suspendeu (matéria de Valdo Cruz e Eliane Catanhede, além também de Gabriela Guerreiro) a designação do embaixador Marcel Biato para a embaixada brasileira na Suécia. Marcel Biato é embaixador em La Paz. Havia entrado de férias, o que levou Eduardo Saboia a substituí-lo interinamente. Dilma Rousseff interpretou que o pedido de férias foi programado para Saboia retirar Molina da embaixada.

E só poderia ter irritado, seja qual for a verdade completa, uma vez que o episódio afetou a autoridade presidencial na medida em que, no plano internacional, colocou-a na posição de desinformada. Nenhum dirigente político sente-se confortável em tal posição levada pelas circunstâncias rocambolescas da atuação de Saboia, quase uma aventura de capa espada lançada nos tempos modernos.

Portanto, as afirmações de Aécio Neves e Eduardo Campos só podem ter contribuído para irritá-la ainda mais. As de Aécio nem tanto porque ele sempre se anunciou um candidato de oposição. Mas principalmente as de Eduardo Campos, que é do PSB, legenda que ocupa dois cargos ministeriais na administração federal. O próximo lance de Eduardo Campos deverá ser a iniciativa de retirar o partido da equipe do Planalto, pois não faz o menor sentido alguém assumir a trilha da oposição e, ao mesmo tempo, permanecer integrando a equipe do governo. Lançando-se candidato, por fim, Eduardo Campos terá que renunciar ao governo de Pernambuco até 5 de abril do próximo ano. A atuação de Saboia, do dia para noite, projetou-se profundamente no quadro político nacional.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Eduardo Campos sinaliza ser mesmo candidato em 2014

  1. Comissão da verdade para sabermos quem votou por Donadon

    Milton Corrêa da Costa

    A recente e mal cheirosa absolvição política do deputado-recluso Natan Donadon, onde a decisão condenatória e legal do Poder Judiciário, sobre os crimes de formação de quadrilha e peculato praticados pelo parlamentar em questão, foi desprezada, é o golpe de misericórdia desferido frontalmente na boca do estômago do povo brasileiro. Um golpe baixo, sujo, secreto, imoral, anti-ético, corporativista e conivente com o crime.

    O povo deveria, inclusive, sair as ruas, não como os vândalos arruaceiros, mas pacificamente para exigir a constituição de uma Comissão da Verdade para investigar e divulgar, publicamente, a lista (podre) dos deputados que, em mais um balcão de negócios, votaram pela manutenção do cargo de Donadon. Se é que de fato queremos mudar alguma coisa no país, este deveria ser o ponto de partida da mudança. O direito de cada cidadão saber quem faz parte da lista de que votou pela falta de ética e a favor da imoralidade.

    Pior ainda de quem votou secretamente a favor do deputado-presidiário que compareceu algemado ao plenário, foi quem se absteve -alguns estavam em justificada licença médica- da votação que acabou de enlamear a política brasileira, com o intuito de beneficiar. mais a frente, deputados, quadrilheiros do escândalo do mensalão. Vergonha com todas as letras.

    O que dizer ao mundo? O que dizer aos nossos filhos? Como explicar, por exemplo, o exercício do mandato de um deputado federal com o nome na lista da Interpol? A falta da ética na política brasileira chegou mesmo ao limite do poço. Daí não passa mais. A sociedade brasileira, com toda razão, está mais indignada ainda. O deputado Natan Donadon continuará, sendo tratado, mesmo no cárcere,, de “Vossa Excelência”. Vergonhoso,

    Pois bem, a partir de agora, enquanto os que votaram secretamente pela manutenção do mandato do parlamentar e os que se abstiveram ardilosamente do voto estiverem no repouso de seus lares ou em seus momento de lazer, contingentes da Polícia Militar, contra quem se cospe, atiram pedras e bombas incendiárias, tentarão conter, em nome da ordem pública, o ímpeto ainda mais agressivo dos vândalos arruaceiros que destroem o patrimônio público e privado, impedem o direito de ir e vir e cuja própria benevolência da lei os solta apressadamente aos serem detidos.

    O fato é que o 28 de agosto de 2013 é um dia para ser esquecido e apagado da história política brasileira. Uma data pouco nobre, mas que no entanto espera-se que seja o ressurgir de uma nova era com o fim do indesejável voto secreto, um instrumento indesejável de uma política mal cheirosa e anti-ética.

  2. ESCOLHA A ALTERNATIVA CORRETA
    (A)Será candidato em 2014
    (B)Esta somente valorizando o seu passe
    (C)Não que ficar fora do novo governo
    (D)Alternativas B e C são corretas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *