Eduardo Paes é alvo de busca e apreensão, vira réu na Justiça Eleitoral, mas continua candidato

Ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

Eduardo Paes e Pedro Paulo estão envolvidos juntos

Deu em O Globo

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, na manhã desta terça-feira.  O mandado foi expedido pelo juiz Flávio Itabaiana Nicolau, que aceitou a denúncia contra Paes e outros quatro investigados pelo Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) junto à 204ª Zona Eleitoral.

Eles são suspeitos dos crimes de corrupção, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

De acordo com o G1, agentes do MP-RJ estiveram na casa de Paes e, por volta das 7h30, saíram com documentos.  A ação acontece a pouco mais de dois meses do primeiro turno das eleições municipais, marcado para 15 de novembro. Paes teve sua candidatura oficializada na semana passada à prefeitura do Rio pelo partido Democratas.

INDIGNAÇÃO – Em nota, a assessoria de Paes afirmou que o ex-prefeito está “indignado” que tenha sido alvo de uma ação de busca e apreensão “numa tentativa clara de interferência do processo eleitoral – da mesma forma que ocorreu em 2018 nas eleições para o governo do estado” e que “a defesa sequer teve acesso aos termos da denúncia” para se pronunciar.

A denúncia do MP-RJ sustenta que Paes teria recebido da Odebrecht aproximadamente R$ 10,8 milhões para financiar  sua campanha de reeleição em 2012 por meio de caixa 2. Além do ex-prefeito, foram denunciados o deputado federal Pedro Paulo e os empresários Benedicto Barbosa da Silva Junior, Leandro Andrade Azevedo, o marqueteiro Renato Pereira e Eduardo Bandeira Villela, ligados à agência de publicidade Prole.

VANTAGEM INDEVIDA – Para os procuradores, o deputado Pedro Paulo, que era o coordenador da campanha à época, “encarregou-se de gerenciar o recebimento da vantagem indevida, especificando a forma como seria destinada e indicando os responsáveis por sua arrecadação”.

“Uso político de instrumentos da Justiça para interferir na eleição. Não nos intimidarão. Ao ter acesso ao conteúdo da denúncia, farei a minha defesa no processo”, diz nota do deputado Pedro Paulo.

DELAÇÃO DA ODEBRECHT –  A denúncia é um desmembramento de um inquérito instaurado em abril de 2017 no Supremo Tribunal Federal (STF) para apuração dos crimes de corrupção passiva e corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, supostamente praticados nas campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014, por Paes e Pedro Paulo, com base nas delações de executivos da Odebrecht.

O MP afirma que além das delações, a prática dos crimes é confirmada por “grande volume de provas obtidas de fontes independentes” como guias de transporte de valores e declarações de cinco funcionários da transportadora de valores Trans-Expert que teriam confirmado as entregas de dinheiro em espécie realizadas pela Odebrecht à agência de publicidade Prole, responsável pela campanha de Paes em 2012.

Mesmo com aceitação da denúncia, ele não terá impedimentos para disputar a eleição uma vez que não possui condenação neste processo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
 –  Do jeito que as coisas estão indo, todo candidato a prefeito do Rio terá de mostrar folha corrida, ao invés de atestado de atestado de bons antecedentes. (C.N.)

9 thoughts on “Eduardo Paes é alvo de busca e apreensão, vira réu na Justiça Eleitoral, mas continua candidato

  1. Essa é a minha Cidade Maravilhosa . . .

    e esse é um dos nossos Candidatos a Prefeito . . .

    “Cada povo tem o governo que merece!”
    Conde Joseph-Marie de Maistre (Savoia, 1 de Abril de 1753 — 26 de Fevereiro de 1821) escritor, filósofo, diplomata e advogado.

  2. Hum! Chegando a eleição, que já está ganha pelo Eduardo Paes, é feita a denúncia. É pra se desconfiar do Judiciário estadual(se é que me entendem). O Ministério Público Federal e a Polícia Federal investigaram Paes e a família aqui no Brasil e no exterior, e não encontraram nada que pudesse associá-lo a ilícitos ou corrupção. Ou vocês acham que ele não estaria fazendo companhia aos políticos presos em Bangú há muito tempo. As forças políticas ocultas do Rio de Janeiro continuam agindo nos bastidores, tentando afastar quem tem condição e pode fazer a diferença, administrando a cidade com uma gestão pública de primazia. Fica o registro, e meus protestos contra a justiça estadual.

  3. Já sobrevivemos na cidade e no Estado a Cesar Maia, Conde. Garotinho, Rosinha entre outros,
    Ser carioca é resistir, mas Crivella em dose dupla … exorbitou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *