Em aula magna de hipocrisia, Fachin queria reprimir a ação política de pastores evangélicos

Lava Jato e STF: por que Fachin queria tanto ficar na vaga de ...

Edsn Fachin queria inventar o abuso de poder econômico

J.R. Guzzo
Estadão

Virou coisa rara, no Brasil, ver os tribunais mais elevados da Justiça tomarem alguma decisão decente e, por isso mesmo, vale a pena aproveitar o bom momento que acaba de nos ser proporcionado pelo Tribunal Superior Eleitoral – ao rejeitar o ataque mais maligno à liberdade religiosa já tentado em tempos recentes por uma autoridade pública.

A autoridade é o ministro Edson Fachin, do TSE e Supremo Tribunal Federal, que pretendia criar a possibilidade de cassar os mandatos de quem cometesse “abuso religioso”, em apoio a uma tentativa nesse sentido feita pelo Ministério Público Eleitoral de Goiás.

UMA IDEIA INEPTA – Do ponto de vista jurídico, a ideia é grosseiramente inepta: não pode haver punição sem que o punido tenha praticado um crime previamente previsto em lei, e não existe nenhum crime de “abuso de religião” previsto em qualquer código legal em vigor neste país.

 Os crimes eleitorais que se pode cometer já estão previstos na legislação existente; o MP e Fachin não podem inventar um delito novo. Do ponto de vista político, a tentativa de cassar mandatos de pessoas eleitas pelo voto popular livre, porque os magistrados não gostam da religião do cassado, é exatamente o que parece: um ataque totalitário às liberdades individuais e à democracia.

Esse episódio é também uma aula magna em matéria de hipocrisia e de falsificação de propósitos.

AÇÃO DOS PASTORES – Fachin e quem embarcou neste bonde não estão minimamente interessados em punir abuso algum – o que querem é reprimir a ação política dos cultos e pastores evangélicos. O ministro não gosta da sua carga conservadora e supostamente governista. Como não pode impedir que os eleitores votem em candidatos de fé evangélica, imaginou que a solução é cassar os mandatos dos que forem eleitos. Qual a surpresa?

Esse mesmo ministro quis, um dia, dar à ONU o direito de anular leis aprovadas pelo Congresso brasileiro; ultimamente, tem dito que a eleição presidencial de 2018 não foi legítima e sugere que a de 2022 também não deveria valer, se a “alienação eleitoral” que a seu ver foi indicada pelas últimas pesquisas de opinião continuar de pé.

Como aconteceu no caso da ONU, o ministro Fachin ficou sozinho nesta sua tentativa de policiar a liberdade religiosa no Brasil e de atribuir a si mesmo o direito de decidir quais são, e quais não são, as religiões politicamente aceitáveis. Há certas coisas que a alta Justiça brasileira ainda não faz. Fachin precisará tentar de novo daqui a mais algum tempo.

8 thoughts on “Em aula magna de hipocrisia, Fachin queria reprimir a ação política de pastores evangélicos

  1. A propósito, em período eleitoral, os candidatos investem maciçamente, aliciando os pastores, pois subentende-se que os templos evangélicos ainda sejam currais eleitorais, cujo cabresto está na mão do seu dirigente espiritual. E isso parece ter um fundo de verdade, porque se não houvesse o retorno esperado, o político não iria aplicar seu dinheiro em vão. E para reforçarem o “recado divino”, os reverendos ainda invocam Mateus 7:6 “Irmãos, não dêem vossas pérolas aos porcos; povo santo deve votar somente em candidatos revelados por Deus!” Tamanha incoerência peculiar aos hipócritas mais descarados! Percebendo-se tratar de uma exploração politiqueira em nome de Deus, o ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça-STJ, Nilson Naves, em entrevista, sugeriu que o parlamento criasse um instrumento legal capaz de frear a enxurrada de pastores ao poder político, em detrimento das outras lideranças da sociedade civil desprovidas de uma máquina de manipulação dessa ordem. -Ora, se creio em um Deus onipotente, por que eu tenho de recorrer a recursos mundanos (como dinheiro, política, medicamentos, guarda-costas) para solucionar os meus simplórios problemas existenciais?! É uma forma indireta de negar a fé professada. Isso seria como afirmar: eu resido em um conjunto de 4 unidades habitacionais – não moro na residência 1 nem na 2 nem na 4 – por exclusão habito na casa 3. Ou por inclusão direta: resido na moradia 3! O caso anterior de fé de araque é análoga à de um certo papa, quando encenou enfrentar a gripe espalhola:
    “Porque, para a maioria das pessoas, uma epidemia ou seja, o surto de uma doença infecciosa era um castigo divino, que vinha diretamente do céu ou, quem sabe, do inferno. Por isso, no auge da epidemia da peste, o papa Clemente VI conclamou os fiéis de toda parte a pedir clemência em Roma. Acredita-se que 1,2 milhão de peregrinos tenham atendido ao pedido, informa o epidemiologista Afonso Dinis Costa Passos, professor da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto. Mas, no meio do caminho, nove em cada dez pessoas caíram mortos. Quem chegou em Roma, por sua vez, não viu o papa, que preferiu ficar encarcerado, com medo de se transformar em mais uma vítima.”

  2. Não pertenço a nenhuma agremiação religiosa. Creio em Deus por que nunca vi efeito sem causa. Explico: a causa da existência de um universo imenso e infinito como o que vemos diariamente, só pode ser fruto da existência de um ser eterno e infinito, extremamente poderoso, a que eu chamo de DEUS. É bem mais fácil entender o universo desse modo do que acreditar que toda essa imensidão de planetas e estrelas seja fruto de um peido que ninguém sabe de onde veio. De qualquer modo, não gosto de profissionais religiosos, sejam homens ou mulheres. Isto, no entanto, não me faz persegui-los. Numa coisa, entretanto, eu creio firmemente: POLÍTICA + RELIGIÃO = MERDA !!!

  3. Há muitos anos, dizia Voltaire, Adão e Eva experimentaram o sexo, pra ver como ele é.
    Porque estavam acostumados ao nectar como alimento, com a maçã tiveram cólicas, dessarranjos e contratempos.
    Logo foram a Deus se lastimar, revelando as dores e a necessidade primeira de defecar.
    Deus chamou-os ao lado e apontou para uma bola imensa azul bem distante, e llhes disse:
    Filhos, vocês pecaram, foram contra a minha determinação. Por isso não há perdão. De agora em diante vão viver no mundo dos homens e lá poderão á vontade defecar.
    Assim deixou o Paraíso o primeiro casal que vagou pelo mundo afora até bater em nossas terras através de Cabral! Aqui eles defecaram e construiram sua prole. E isso explica o nosso mal atual.

  4. Bom dia , leitores (as):

    Senhores J.R. Guzzo ( Estadão ) , Carlos Newton e Marcelo Copelli , infelizmente no Brasil existem os tais ” ABUSOS RELIGIOSOS ” e até mesmo cometimento de inúmeros crimes por parte de boa parte de alguns líderes ” EVANGÉLICOS ” , tais como , descontar de seus funcionários e não recolher a quem de direito , a ” Previdência Social e FGTS ” , sonegação fiscal ,evasão de divisas e apropriação indébita , e ainda se acham no direito de não devolverem o que literalmente ” ROUBARAM ” , pois não é a toa que vários desses líderes religiosos estão sendo presos em vários países pelo mundo afora , além de terem suas religiões banidas e proscritas em vários países , por acharem que podem praticar nos países que os hospedou , os mesmos crimes que praticam aqui no Brasil impunimente .

  5. Bom dia , leitores (as):

    Senhores J.R. Guzzo ( Estadão ) , Carlos Newton e Marcelo Copelli , infelizmente no Brasil existem os tais ” ABUSOS RELIGIOSOS ” e até mesmo cometimento de inúmeros crimes por parte de boa parte de alguns líderes ” EVANGÉLICOS ” , tais como , descontar de seus funcionários e não recolher a quem de direito , a ” Previdência Social e FGTS ” , sonegação fiscal ,evasão de divisas e apropriação indébita , e ainda se acham no direito de não devolverem o que literalmente ” ROUBARAM ” , pois não é a toa que vários desses líderes religiosos estão sendo presos em vários países pelo mundo afora , além de terem suas religiões banidas e proscritas em vários países , por acharem que podem praticar nos países que os hospedou , os mesmos crimes que praticam aqui no Brasil impunimente , ou seja , muitas dessas religiões ditas evangélicas , foram literalmente transformadas em ” ENTIDADES CRIMINOSAS “.

  6. A Carmem Miranda gauderia realmente está encapetada, como não tem religião quer cancelar quem tem. Como faz parte das onze sacrossantas excrescências da suprema corte, não faz o que devia fazer, interpretar e defender a Constituição, invés disto faz o que não tem o direito de fazer, legisla, privilégio de outro poder. E não se atem só a isto, o que já é muito, adora também administrar o país, pautar a vontade da maioria, dizer quem pode ou não ser candidato segundo o seu gosto. Esta do abuso do poder religioso foi mesmo de matar de tanta maldade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *