Em boa hora, Bolsonaro desmente que governo pretenda ressuscitar a famigerada CPMF

Resultado de imagem para bolsonaro na portaria do alvorada

Bolsonaro diz que a reforma tributria ainda est em estudos, sem CPMF

Jos Carlos Werneck

Respondendo a jornalistas na entrada do Palcio da Alvorada, quando perguntado sobre a reforma tributria, o presidente Jair Bolsonaro desmentiu que esteja em estudos a recriao da Contribuio Provisria sobre Movimentaes Financeiras, a chamada CPMF.

“J falei que no existe CPMF. O que ele quer mexer, tudo proposta, no vai depois dizer l na frente que eu recuei, tudo proposta. Ns queremos facilitar o imposto de renda, aumentar a base, acabar com algumas dedues, diminuir o imposto mximo de 27,5%, diminuir um pouco. Essa que a ideia”, afirmou.

Pela proposta de reforma tributria que ser enviada ao Legislativo, o novo imposto seria ressuscitado para compensar a desonerao da folha de pagamento em todos os setores da Economia e teria uma alquota entre 0,5% e 0,6%, bem mais alta do que anteriormente.

REJEIO DO CONGRESSO – Membros da equipe econmica foram avisados por parlamentares de diversos partidos, tanto governistas, quanto oposicionistas, de que haver enorme rejeio no Congresso Nacional para a aprovao de uma nova CPMF, tenha ela o nome que tiver, tendo em vista que, durante a campanha eleitoral, Bolsonaro negou veementemente que pretendesse recriar o famigerado imposto, extinto em 2007, aps uma quase unnime campanha contrria dos mais diversos segmentos da sociedade civil.

3 thoughts on “Em boa hora, Bolsonaro desmente que governo pretenda ressuscitar a famigerada CPMF

  1. At que a CPMF era um imposto sensato, tirava mais de quem tinha mais e menos de quem tinha menos. Esse imposto no agradou principalmente a classe rica.
    Pretendem diminuir o percentual do imposto de renda, mas pelo que eu soube, vai cobrar de quem ganha dois salrios mnimos, Vo dar com uma das mos e tirar com as duas. Quem sai favorecido a classe rica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.