Em defesa de um verdadeiro socialismo cristão

Almério Nunes

Hoje – mais do que em qualquer outra época – o distanciamento do Sentido da Existência é crescente. Vivemos em tempos do “Eu compro, logo existo”. Materialismo Puro. E lá vão eles, felizes, em regozijo pleno ao Deus Dinheiro. E são eles mesmos, os súditos desta religião, os que praticam aqui no Blog as maiores violências verbais contra os que deles discordam; seja com deboches explícitos, “verdades definitivas” ou violentas agressões, reveladoras de que não estão dispostos  a um debate educado.

Sou pelo Social, pela integração de todos numa sociedade pelo menos um pouco mais justa. A desigualdade chegou a um ponto que a veneração ao Deus Dinheiro transformou o meio em que vivemos numa selva autêntica: os trabalhadores/escravos são alvo de uma humilhação que nem representa qualquer novidade.

Estamos aqui para crescer, para sermos solidários, para praticar a compaixão, a caridade e a misericórdia. A quantidade de excluídos pela jogatina desenfreada é contada aos bilhões de indivíduos, em quase todo o mundo.
EXEMPLO DA ESCANDINÁVIA

 

Vejamos o que acontece na Escandinávia. Eles arrecadam muito e repassam esta enorme arrecadação para as famílias mais necessitadas. Estas passam a integrar a sociedade deles, com poder de compra mais do que razoável. E ainda desfrutam de saúde e educação de graça, o Estado paga tudo.

 

Eis o verdadeiro Socialismo em ação. Eis uma sociedade que produz as pessoas mais felizes do mundo. O mundo capitalista… com seus cérebros lavados e condicionados a não enxergar nada além do que “lhe prepararam”, permanece escravizado. Este sistema é feroz e voraz.

 

Mas o assunto é a Existência. Como colocaram Sócrates, Platão, Aristóteles, Epicuro, Descartes, Spinoza, Kant, São Francisco de Assis, São Tomás de Aquino e outros. A Metafísica deles é uma preciosa razão para meditarmos sobre o nosso papel aqui, lembrando o Mestre de Todos os Mestres, Jesus de Nazaré.

 

SEUS ENSINAMENTOS

 

Ele pediu-nos para dividir o pão, a água. Foi morto por causa disso. Foi alvo de deboches, e continua sendo. Ele sempre será pelo Social. É a própria essência do Social. Do olhar para o outro. Pela integração entre todos nós. Se não nos é permitido praticar pelo menos um pouquinho dos Seus Ensinamentos, então, de que vale estar aqui???

Eu e outros socialistas não entendemos o dinheiro como o Bem Maior, alvo de toda uma vida. Preciso dele, é claro. Mas tenho e pratico outras prioridades, que tornam a minha vida válida para a minha consciência. Quero apenas ser feliz com o que tenho e obtenho meus resultados. Aos 70 anos, nem sei o que é Rivotril, Prozac e sucedâneos. Vivo em Paz comigo mesmo.

E lá vou eu… dando minhas caminhadas matinais, conversando e fazendo amigos, sem ter verdades para lhes apresentar, pois sou um socrático inveterado. Muito aprecio a investigação sobre Deus (a Teosofia de Helena Blavátski), refletir sobre a vida que tenho e se posso melhorar como pessoa. Isso me basta.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

40 thoughts on “Em defesa de um verdadeiro socialismo cristão

  1. Almério tá certo, e o que falta no Brasil é o estado praticar o socialismo para o povo, porque na arrecadação de impostos ele já o pratica. Infelizmente aqui, ao contrário da Escandinávia, o dinheiro dos imposto some no ralo da corrupção e da incompetência administrativa.
    Enfim, a base do socialismo é o imposto alto e isso aqui já se faz, só falta distribuir os benefícios.
    E, pasme, até em alimentos e remédios tem impostos.
    O cidadão miserável, que aqui neste país são milhões, vai a uma padaria e em vez de comprar quase 2 pães, leva apenas 1.

    Não se pode esquecer também que a Escandinávia é composta por países com alta produção e tecnologia.

    Outro item que muitos preferem generalizar como coisa negativa é o livre mercado, como se existisse livre mercado em algum país do mundo. Não existe.
    Existem boas leis de mercado e más leis de mercado como nos países que se fecham e acabam inibindo investimentos.
    Sem investimentos não há produção e sem ela será impossível uma melhor distribuição de renda.

  2. Parabéns Almério Nunes. A sociedade de consumo corrói o tecido social. O lucro acima de tudo e de todas as coisas provoca distorções e o distanciamento entre ricos e pobres. O resultado estamos vendo todos os dias com as mortes dos cidadãos nos países pobres. Quando o povo vai às ruas em busca de melhores condições, os governos mandam atirar para matar, como agora no Egito.

    Falamos do capitalismo pela simples razão de ser o regime que vigora na maior parte do mundo e o que está gerando os massacres vergonhosos no Oriente Médio e a legião de desempregados na Europa. O capitalismo ainda não é a última palavra, outra coisa virá. Não sabemos o que será, pois não somos pitonisa para desnudar o futuro. E o socialismo não foi completamente testado, pois o que tivemos tratou-se de capitalismo de Estado, casos da URSS, da China e de Cuba.

    Os filósofos citados pelo professor Almério foram exemplos de humildade e dedicação a causa da verdade e do conhecimento, entretanto, os exemplos das sumidades citadas não estão sendo seguidos. Vivemos um tempo de confronto entre governantes e governados. Os três poderes concebidos por Montesquieu se digladiam e não dão as respostas que a sociedade requer. A Justiça é lenta, o Legislativo não legisla e o Executivo trabalha mais para os empresários do que para o povo.

    Que fazer?

  3. Tudo muito bem escrito, analisado, constatado. Tanto no campo das ciências sociais, filosofia, história,psicologia, linguística, entre outras subdivisões que conferem credibilidade indiscutível para uma gama de autores que demostram grandeza pessoal ao descrever a gradeza da historia do homem ( da humanidade.
    Tudo pode acabar na marreta e pilhas de entulho semelhante ao dia 9 de novembro de 1989.
    Visto que sempre omitem que quando feito o muro-prisão houve inúmeras tentativas de de fuga, na maioria das vezes fatais para aqueles que só queriam liberdade.
    Quando penso nos comunistas com seus ideais de grandeza, escondo meu talão de cheques.
    Outra coisa, quando temos um pote de margarina, sabemos que temos algo criado, imaginado, querido, algo que melhora o sabor, prática, barata, solucionadora de todos os problemas e males em nossa culinária diária. O pote de margarina é uma revolução para ninguém botar defeito, visto tratar, de um produto que auxilia na melhora do sabor das coisas dando vida nova. Agora, analisando melhor a margarina nem alimento é, faz mal a saúde e sequer deveria estar nas prateleiras dos nossos supermercados. Ao contrário dos livros que devem cada vez mais estarem ao alcance de todos, para serem lidos, devorados, compreendidos, discutidos. Para quem sabe um dia, deixarmos de ver tanta besteiras e asneiras sendo defendidas sem razão, como as descritas acima.
    Com uma observação, se a dispensa das medicações é saudável, por outro lado deveria pelo menos ajustar os parafusos soltos ao longo de pensamentos complicados e tortuosos.

  4. Para alguns idiotas que se dizem donos do saber, o ser humano não passa de uma cobaia para ser testado com ideias totalitárias, sanguinárias e sórdidas. Já Montesquieu não dá a resposta satisfatória para a sociedade democrática de direito.
    Acreditem, já vi muita coisa, mas a defesa de tanta tolice com argumentações nesse nível intelectual, chega a causar espanto!

  5. Caro Almério,

    Cristo disse: Se alguém lhe obriga a caminhar mil passos, vai com ele dois mil; se alguém lhe toma a túnica, dai-lhe também a capa; amai aos vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem e vos caluniam…Caro amigo Almério, você imagina libelos mais anti-capitalistas do que estes? O que os capitalistas que frequentam este blog não entendem é que o senso de prioridade de Jesus de Nazaré era outro, bem diverso do Deus Dinheiro: meu reino não é deste mundo, dizia! Mas o que mais exaspera os capitalistas é essa prescrição fulminante de Cristo: a cada um será dado segundo suas obras! Essa premissa do Cristo, também conhecida por Lei de Causa e Efeito, além de ser uma lei física, também é uma lei Divina: ninguém, nem mesmo os capitalistas mais espertos e canalhas, conseguirá burlá-la! Colherão o que estão a plantar: dores, prantos e sofrimentos…Mas até a estes capitalistas, mesmo os mais espertos e canalhas, Cristo estenderá a mão, pois ele mesmo afirmava: eu vim para buscar aquela ovelha que se desgarrou do rebanho…
    Um abraço cordial

    Horridus

    • Prezado Cézar-Fortaleza,

      há um equivoco de sua parte em relação as minhas colocações.
      Os donos da verdade são João Pedro Stédeli, José Rainha, Pablo Capilé, Valter Pomar, Leonardo Boff, Mauro Santayana, Luis Inácio Lula da Silva, José Dirceu, Fidel Castro, o falecido Hugo Chavéz. Eles preparam o mundo para que ignorantes como nós possamos caminhar. Eles estão dando o sangue para repartir com os pobres e desvalidos seus ganhos auferidos de forma honesta da labuta diária. Eles sim, são o caminho a ser seguido, visto serem lideres incontestes de sabedoria e bondade, modernos e transformadores. Boff é um inconformado com a miséria, por isso, corrompe as pessoas desatentas com sua doçura lúdica e libertadora. E sempre que tem generosa acolhida do editor Carlos Newton, as carolas de menor envergadura tipo Almério Nunes, Roberto Nascimento entre outros, encontram abrigo no blog da Tribuna da Imprensa para expressar essas “ideias libertadoras” que representam a ideologia do comunismo plenitude a ser alcançada pela humanidade. Os donos da verdade são eles, que tentam persuadir os menos atentos com suas asneiras de socialismo cristão, onde, primeiro é preciso o aparelhamento do Estado nas mãos totalitárias de um partido(PT), pra depois começar a prática do “bem”. Nunca querem assumi-se comunistas espertos e cheios de blá blá blá. Essa turma é perigosa e alimenta os projetos do Foro de São Paulo, entidade clandestina e ilegal que cada vez mais ganha forças para colocar o povo brasileiro nas corretes da escravidão totalitarista de homens gananciosos e corruptos.

  6. parabens a este senhor Almerio pela sua vitalidade e saude fisica e mental!
    agora quanto ao comentario sobre o social e pelo qual Cristo teria sido morto, é bom
    lembrar o que o próprio Cristo alertou: “meu Reino nao é deste mundo” continuam a confundir a forma com o conteudo, mesmo sociedades material social e politicamente “acertadas”como a escandinava eles resolveram algumas questoes materiais, o indice de suicidios e de alcoolismo por exemplo é por lá bastante elevado. Cristo disse ninguem me tira a vida eu a dou, as circunstancias historico-cultural e religiosas da sua morte nao sao de forma nenhuma as causas que querem atribuir-lhe, do tipo foi um preso politico, um rebelde social, um contestador religioso, um socialista, etc Ele era muito mais do que isso e nunca querem ver o fundamento profundo da Encarnaçao do Verbo e a vida eterna. Alguns nao acreditam, outros nao aceitam, outros nao sabem, mas tambem querem dar um significado sempre estreito e limitado a sua vida, morte e ressurreiçao, Cristo é a vida! e nao apenas por um pedaço de tempo nem de uma felicidade material, mas de uma vida para sempre portanto sem limitacoes.

  7. Como já demonstrei lá a traz, prefiro me ligar na prática das coisa.
    Se o caso é ser socialista, o nosso país já o é com os impostos absurdos que onera quem trabalha e produz. Então, já que é assim, temos que cobrar desse estado os benefícios sociais: educação cientifica, saúde, moradia decente, transporte, segurança e punição severa aos criminosos.
    Já, na questão dos gostos pessoais, como a pessoa ser consumista ou querer lucrar por exemplo, não podemos censurar, pois todos somos iguaisinhos.

  8. Ainda quanto á censura ao modo de ser de outras pessoas:
    Não foi o Cristo que falou que quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra?

  9. O fato é, como gostam de vociferar alguns comentaristas defensores ferrenhos do CAPITAL, que de 2007 até os dias atuais foram emprestados a juros subsidiados algo em torno de 438 bilhões aos empresários via BNDES (Bolsa Empresário). O subsídio custou aos cidadãos contribuintes a bagatela de 24 bilhões de reais. Vejam senhores é o mesmo valor repassado ao Bolsa Família no período= 24 bilhões.

    Leiam por favor a coluna da Miriam leitão de sexta-feira no Jornalão. Está lá com todas as letras.

    Então, é esse capitalismo que vocês tanto defendem, o capitalismo cujo Estado entra com os financiamentos e prejuízos e os empresários com os lucros fantásticos? Pura balela meus caros senhores, todos os governos agem de forma a proporcionar os meios financeiros para os grandes empreendimentos. Agora, para os microempresários, os que verdadeiramente empregam mais, o caixa do tesouro está sempre vazio.

    O Brasil não viveu ainda o apogeu do regime capitalista, pois não há o risco inerente ao sistema. Se pode comprovar com a nossa industrialização bancada na totalidade pelo governo Vargas com o ciclo do petróleo e do aço e a energia elétrica. Caso o Estado não se fizesse presente ainda estaríamos na era da exportação de produtos agrícolas e de minérios.

    Quando falam de comunismo com tal virulência fico deveras espantado, pois onde ELE existe de fato senhores? Respondo em lugar nenhum e principalmente no Brasil. Todos os governos desde a República Velha, Nova, Nova República, enfim, até hoje foram capitalistas como é da tradição do povo brasileiro, inclusive o PT professa os ideais do regime capitalista e burguês sem tirar nem por. Alguém ainda tem dúvidas depois de 10 anos no exercício do poder?

    Vamos debater gente, com fatos e dados, como alguns pedem mas não praticam. Agora, quem não tem essa capacidade resta partir para ataques pessoais demonstrando falta de civilidade e falta de delicadeza no trato pessoal.

    Almério Nunes nos brindou com excelente arrazoado, mesmo assim não foi compreendido. Que fazer? A vida segue e a luta continua. Quanto mais contraditório, mais força para resistir aos patrulhamentos de todos os tipos.

  10. Então,só para reforçar o que Cristo falou, quanto á condenação do próximo por atos, não criminosos, de que não gostamos:

    “Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra”

  11. Minha admiração pelo Almério Nunes extrapola ser um simples apreço, pois mais eu me enquadro na condição de discípulo desta pessoa que respeito e a considero primordialmente sensata e equilibrada!
    Assim, independentemente de discordarmos em certos aspectos – não que meu pensamento deva sobrepujar o de Almério, haja vista eu não lhe chegar aos pés na intelectualidade -, a verdade é que o articulista nos brinda com textos sempre adequados, pontuais, que nos fazem refletir sobre o momento vivido e a viver.
    Almério consegue dosar sem ocasionar celeumas o socialismo com as mensagens de Cristo, alertando o trabalho e ensinamentos que o Filho de Deus deixou entre os pobres, justamente como uma forma de compensação entre os destituídos nesta existência por outra infinitamente melhor fora desta, uma espécie de esperança e ao mesmo tempo promessa, SE o pobre também cumprisse com Suas determinações.
    E, Cristo, não odiava os ricos, não os culpava pela miséria que havia, mas alertava que os abastados já tinham ganho a sua recompensa, razão pela qual teriam muitas dificuldades para entrar no Reino dos Céus, porém, em nenhum momento afirmou que não entrariam ou que o destino seria o Inferno!
    Almério me obriga a resgatar, a meu ver, o capitulo mais importante e elucidativo do Novo Testamento, que nos faz meditar e considerar tais observações, em Matheus Mateus 6:19-34:

    “Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam.
    Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam.
    Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração.
    O olho é a luz do corpo. Se teu olho é são, todo o teu corpo será iluminado.
    Se teu olho estiver em mau estado, todo o teu corpo estará nas trevas. Se a luz que está em ti são trevas, quão espessas deverão ser as trevas!
    Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza.
    Portanto, eis que vos digo: não vos preocupeis por vossa vida, pelo que comereis, nem por vosso corpo, pelo que vestireis. A vida não é mais do que o alimento e o corpo não é mais que as vestes?
    Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros e vosso Pai celeste as alimenta. Não valeis vós muito mais que elas?
    Qual de vós, por mais que se esforce, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?
    E por que vos inquietais com as vestes? Considerai como crescem os lírios do campo; não trabalham nem fiam.
    Entretanto, eu vos digo que o próprio Salomão no auge de sua glória não se vestiu como um deles.
    Se Deus veste assim a erva dos campos, que hoje cresce e amanhã será lançada ao fogo, quanto mais a vós, homens de pouca fé?
    Não vos aflijais, nem digais: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos?
    São os pagãos que se preocupam com tudo isso. Ora, vosso Pai celeste sabe que necessitais de tudo isso.
    Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.
    Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu próprio mal.”

    Almério, meu mestre, meu abraço afetuoso e forte.

    • Prezado Francisco Bendl,
      para Almério Nunes por exemplo, Jesus de Nazaré foi apenas um pensador que no seu tempo defendeu o “social”. Jesus de Nazaré, Apolônio de Tiana, Hermes Trimegisto, Sócrates, Platão abriram as trincheiras para o homem moderno de hoje, tudo isso claro, com a ajuda de grandes pensadores no aprimoramento do socialismo, Mark, Stalin, Lenin, Madame Helena Blavátsky, Alan Kardec, Nostradamus. Todos investigadores de Deus e aplicadores do socialismo cristão/comunismo na evolução da humanidade. Nós somos( … E o socialismo não foi completamente testado, R. Nascimento, logo acima…) apenas cobaias para servir de experimento daqueles que detém o “saber”. O socialismo cristão é o último estagio na evolução e superação do homem em sua miséria social, devido a falta de solução dada por Monstesquieu, que nada soube resolver.
      Fica difícil de ver tanta sabedoria no socialismo cristão com tanta bondade como promessas a serem feitas, e tantas atrocidades deixadas ao longo do caminho.

  12. Por favor,
    Na primeira linha da primeira frase, quero dizer ENQUADRO e não enquadrando como foi escrito.
    Perdão pelo erro involuntário e meus agradecimnentos pela compreensão.

  13. Tenho uma profunda admiração pelo Almério,sua simplicidade,pureza de alma,compromisso com a ética à exemplo de Bendi enriquece este espaço.Que a caminhada de vocês seja repleta de luz.

  14. Já falei isso aqui, mas para reforçar repito: para mim, Cristo como Buda, se é que existiram, foram pessoas que pregavam a boa convivência pela solidariedade entre as pessoas. Mas isto já é da natureza e a maioria é solidária entre si. Nada a ver com socialismo político.
    Eles, Buda e Cristo, achavam que com o desapego material as pessoas poderiam viver mais tranquilas.
    Muitas vezes isso pode funcionar, embora de minha parte acho que é coisa da genética de cada um.

    Na questão política, o estado menos injusto se constrói seguindo parâmetros técnicos e não sentimentais.
    Exemplos: Canadá, EUA, Coreia do Sul, Japão, Alemanha e outros do tipo.

    Quanto ao nosso país, o povo tá na pior e por isso foi às ruas, porque o estado tira tudo em impostos dele e não devolve em benefícios sociais.

  15. Quanta besteira, asneira, proferida pelo articulista.
    Esse Sr. é cheio de “boas intencoes”, mas o caminho que leva ao inferno é pavimentado com as melhores intencoes.
    O Sr. articulista me parece uma pessoa paradoxal, ja que em um dia prega a paz e o amor, em outro, prega o fuzilamento do Eik Batista, Fernando Henrique, como fez dias atrás.
    Nao existe qualquer relacao entre o socialismo e o cristianismo, sao antiteses. O socialismo pretende impor, a forca, por coercao, aquilo que a Nomenklatura considera “certo, justo”. Um pequeno grupo de falsos sábios tentam impor goela abaixo de todos, uma cartilha vencida, cheia de vicios e falhas. O cristianismo propoe a transcendencia, a salvacao, uma outra vida depois da morte , enquanto o marxismo é ateu, materialista, e nega qualquer espiritualidade. Lenin mandou destruir todas a igrejas da URSS, e a religiao católica da China é uma pantomima.Os cristaos sao perseguidos na China, os budistas sao massacrados no Tibet.
    O cristianismo propoe o perdao, a misericordia, o marxismo propoe o aniquilamento fisico de todos os adversarios, o partido único, como aconteceu na U.R.S.S, China, Cuba, e todo leste europeu. Os comunistas so conhecem a paz dos túmulos, ou os gulags, que resultaram na morte de 100 milhoes de pessoas.
    Com o advento do capitalismo, com a revolucao industrial, a expectativa de vida de todos duplicou. Antes do capitalismo vigorava a sociedade de status, onde so os bem nascidos, nobres, tinham acesso a bens e servicos de qualidade, depois, com o capitalismo, o poder de consumo cresceu exponencialmente, e a vida de todos melhorou. Surgiram vacinas, remedios, tranportes de massa, e milhares de invencoes propiciaram a melhoria da vida de todos.
    O socialismo, pelo contrario, limita a criatividade, subtrai as liberdades individuais, empobrece a vida economica, empobrece a vida, em todos os sentidos, criando a engenharia social.
    Afirmar que existe o socialismo cristao e tao estaparfudio como dizer que existe o nazismo, ou facismo cristaos. O nazismo, socialismo e facismo sao primos irmaos, no sentido que sao totalitarios, autoritarios, e anti-democraticos.
    Falar em socialismo cristao e uma agressao a inteligencia, uma traicao aos Evangelhos, uma burrice incomum.
    P.S Os “advogados” do articulista, os “confrades”, et caterva, que tomem providencia e provem que estou errado.

  16. O problema daqueles que acham que a mente humana pode criar paraísos na terra é que eles desconhecem a fenomenologia desse apêndice do cérebro humano também conhecido como consciência.
    O Homem já está pronto há milhões de anos e nada que sua mente produz superará seus instintos. As regras que determinam isso está além da nossa vã filosofia. Assim, as regras criadas pela mente humana sempre colidem com a nossa natureza, por melhores que sejam. O Homem não é dado a regras comportamentais. Contudo tendo que viver em sociedade algumas são necessárias. Quanto menos melhor.
    O Homem nasceu para ser livre e só assim ele cria e produz mais.
    O excesso de regras do socialismo impostas ao cidadão soviético matou sua alma, sua vontade de melhorar de vida com as próprias mãos, de sonhar com um amanhã diferente.Com isso faliu a URSS e Cuba está aí na penúria.
    Ninguém cria nada e por isso não há consumo e sem ele não há indústrias e sem ela não há empregos.

  17. Muito se fala que o “povo” precisa ser conduzido por um “grande” líder para vivenciarmos o nascimento de uma “nação”. Exemplo marcante do apogeu dessa tirania insana exacerbada, é o resultado das últimas eleições na Venezuela. Eleição, não é a única via na construção de um regime democrático, mas sem duvidas é muito importante, e já estão conseguindo burlar descaradamente ou com caríssimos artifícios essa prerrogativa constitucional. O Foro De São Paulo atuou de maneira clandestina e ilegal. Alguém irá pagar pela manutenção desses comunistas no poder, o Cid Gomes está custando só na cozinha palaciana R$ 3,5 milhões.
    A balela do comunismo/socialista/cristão, são difundidas pelos idiotas defensores da “causa”. Idiotas lunáticos de parafuso solto, com formação aprendida na coleção “Os pensadores” da editora Abril. Ou subsidiados pelo governo para alimentar a mídia com bobeiras tipo descrita acima.
    Na verdade, os lideres querem conduzir e domesticar os miseráveis apenas para se enriquecerem. Alguém um dia falou assim: …E a Constituição? … a Constituição que vá a mer…!…E ninguém discordou, deixou a coitadinho levar adiante a tramoia.
    Como se vê, aqueles que estão no poder dificilmente querem ser substituídos.
    A alternância de poder é um oxigênio, que por ora se faz necessário, porém o PT não admite tal hipótese. Antes de assumir o poder, o PT tinha como compromisso a “luta” pelas “grandes” transformações sociais. O partido se estabeleceu num contexto histórico, por um conjunto de colaborações insanas de uma minoria acrescentada ao sonho de muitos. Essa mistura fez o partido um colosso sem igual. Com a vitória de Lula, tudo mudou. As mascaras caíram. Hoje, essa identificação com o “povo” está abalada pelas manifestações de junho. E pela descoberta do Foro de São Paulo.
    O governo se sustenta, exclusivamente com o o programa bolsa-família (entre tantas bolsas, querem impor a fraude bolsa-Mais Médicos, com objetivo de transferência de renda para Cuba).
    O que o PT tem é um programa de poder. Está governando com o único propósito de se perpetuar como possuidor de uma solução final para todos os males nacionais.
    Para tanto, faz um esforço enorme de engrandecer méritos e feitos que nunca fizeram. Fazem apenas propaganda enganosa. Mentem, mentem e mentem como se não houvesse amanhã ou depois de amanhã.
    Misturam as coisas, e enganam o povo com promessas que não serão realizadas. Aos poucos e ardilosamente subsidia novas fontes de energia como Black Bloc, Mídia Ninja e outras, juntamente com as antigas “forças” CUT, MST, UNE para estabelecerem uma sensação de alinhamento social e respaldo popular, que sem dúvida nenhuma, terão peso significativo quando forem apeados do poder. Estão desesperados tentando mimetizar o clamor das ruas, para “legitimar” o ideário do Foro de São Paulo, no desejo de mudar a forma do regime politico.
    Tudo em prejuízo do regime democrático de direito conquistado com muito trabalho, suor, sangue e lagrimas. Para Lula, esse processo que “está em curso”, é fazer politica. Leonardo Boff mente sobre tudo. Esses companheiros de meia pataca, que ficam escrevendo mentiras no blog da Tribuna da Imprensa, também mentem. E quando indagados se ofendem e nada respondem. Covardia não vale!
    Como já falei essa turma serve a dois senhores. Vivem com os pés em dois barcos.
    PS. Se fosse possível medir a felicidades das pessoas, o resultado seria assustador.
    Em Cuba falta liberdade, comida e futuro.
    Na Venezuela, Maduro marionete de Fidel, encena como um bufão uma farsa grotesca.
    Na Argentina, Cristina patina na lama. Uma ladra que vende ilusões.
    Na Coreia do Norte, o choro é obrigatório como reverência ao ditador. E crianças servem de alimento nas cidades do interior.
    Na Russia, todos estão submersos em vodca, tentando reconstruir a destruição deixada pelo comunismo..
    Na Bolívia o vale-tudo abaixo da linha da cintura é a lei.
    Aqui, o consumismo é o único lastro imposto pelo petismo para a felicidade geral da nação “grande”. Querem dar drogas para cooptar a juventude (proposta do Rui Falcão). Com uma pequena diferença, a cúpula da “organização” tem o cartão corporativo, enquanto o povo tem o cartão bolsa-família. Eles têm carros blindados, helicópteros, aviões e o povo ônibus lotado e caro. Eles têm Sírio-Libanês e Albert Einstein, o povo tem SUS e maca nos corredores. Eles têm duplex e contas no exterior, o povo minha casa minha vida e saldo no zero.

    Rodrigo

  18. Vamos promover logo uma silepse: Socialismo cristão, socialismo islâmico, socialismo ateu, socialismo budista, socialismo marxista, ou socialismo de qualquer tipo, contanto que seja socialismo.

  19. Caro Rodrigo,
    Eu já deixei registrado o quanto tu és inteligente, como sabes manejar as palavras e argumentares com propriedade, em consequência.
    Desta forma, receber um comentário e me questionando sobre o artigo em tela, muito me honra e me deixa na obrigação em respondê-lo de acordo, isto é, com sinceridade e honestidade.
    Sobre o socialismo/cristão defendido pelo Almério e que também me agrada, que contestaste diante das “atrocidades deixadas ao longo do caminho”, eis o ponto crucial a ser debatido na tua ótica ou nesta contradição entre esperança e destruição.

    Vejamos:
    Ao longo da História das Civilizações não encontramos um só exemplo de paz e harmonia entre as sociedades. O homem sempre teve como meta a conquista, o poder, o domínio.
    Sendo eu frio e calculista – afirmei acima que serei honesto comigo mesmo, inclusive -, o ser humano criou para estabelecer para si mesmo maior hegemonia entre seus pares três grandes invenções:

    A primeira e mais importante, Deus.
    O desconhecido. A nossa grande dúvida sobre sua existência. A outra vida. A espiritualidade. Ora, quem se aproximasse do público e saísse a dizer com convicção que mais “entendia” o pensamento deste Criador, mais respeito adquiria, razão pela qual os sacerdotes, os pajés, os líderes espirituais antes até mesmo do OIKOUMENE, ou seja, o início das civilizações:
    geográfica (se estende a todos os lugares e recantos da terra);
    cultural (envolve os povos de diversas culturas ou modos de viver);
    política (considera todos os povos, independentemente do sistema político em que vivam);
    de gênero (supera as discriminações de gênero ou identidade sexual);
    social (supera as discriminações sociais e de classe);
    racial (supera as discriminações raciais ou as decorrentes da cor da pele).

    Portanto, o deus dos homens quando reunidos em sociedade era diferente de um para o outro, afora os que não acreditavam em suas existências, mas sempre esteve latente em nosso interior como algo a ser descoberto ou que necessitava de maiores esclarecimentos.

    A segunda invenção, o trabalho.
    A vida nas cidades para quem não possuísse terras, comércio ou uma ocupação que servisse como útil e necessária àquela sociedade (ferreiro, carpinteiro, construtor, alfaiate…) obrigava a pessoa se sujeitar às outras para conseguir alimentos, surgindo a figura do criado, lacaio, do subalterno, que ganhava apenas para comer, sendo usado pelos líderes locais que se utilizavam daquela mão de obra barata, de custo inexistente.

    A terceira, o dinheiro.
    No início não havia moeda. Praticava-se o escambo, simples troca de mercadoria por mercadoria, sem equivalência de valor.
    Com o advento das conquistas, de imperadores que expandiram seus impérios, uma forma de deixarem indelével seus reinados era a cunhagem de moedas com suas efígies.
    As mercadorias utilizadas para escambo geralmente se apresentam em estado natural, variando conforme as condições de meio ambiente e as atividades desenvolvidas pelo grupo, correspondendo a necessidades fundamentais de seus membros. Nesta forma de troca, no entanto, ocorrem dificuldades, por não haver uma medida comum de valor entre os elementos a serem permutados.

    Algumas mercadorias, pela sua utilidade, passaram a ser mais procuradas do que outras.
    Aceitas por todos, assumiram a função de moeda, circulando como elemento trocado por outros produtos e servindo para avaliar-lhes o valor. Eram as moedas–mercadorias.

    O gado, principalmente o bovino, foi dos mais utilizados; apresentava vantagens de locomoção própria, reprodução e prestação de serviços, embora ocorresse o risco de doenças e da morte.

    O sal foi outra moeda–mercadoria; de difícil obtenção, principalmente no interior dos continentes, era muito utilizado na conservação de alimentos. Ambas deixaram marca de sua função como instrumento de troca em nosso vocabulário, pois, até hoje, empregamos palavras como pecúnia (dinheiro) e pecúlio (dinheiro acumulado) derivadas da palavra latina pecus (gado). A palavra capital (patrimônio) vem do latim capita (cabeça). Da mesma forma, a palavra salário (remuneração, normalmente em dinheiro, devida pelo empregador em face do serviço do empregado) tem como origem a utilização do sal, em Roma, para o pagamento de serviços prestados.

    Com o passar do tempo, as mercadorias se tornaram inconvenientes às transações comerciais, devido à oscilação de seu valor, pelo fato de não serem fracionáveis e por serem facilmente perecíveis, não permitindo o acúmulo de riquezas.

    Quando o homem descobriu o metal, logo passou a utilizá-lo para fabricar seus utensílios e armas anteriormente feitos de pedra.
    Por apresentar vantagens como a possibilidade de entesouramento, divisibilidade, raridade, facilidade de transporte e beleza, o metal se elegeu como principal padrão de valor. Era trocado sob as formas mais diversas. Em princípio, em seu estado natural, depois sob a forma de barras e, ainda, sob a forma de objetos, como anéis, braceletes etc.
    O metal comercializado dessa forma exigia aferição de peso e avaliação de seu grau de pureza a cada troca. Mais tarde, ganhou forma definida e peso determinado, recebendo marca indicativa de valor, que também apontava o responsável pela sua emissão. Essa medida agilizou as transações, dispensando a pesagem e permitindo a imediata identificação da quantidade de metal oferecida para troca.
    Os utensílios de metal passaram a ser mercadorias muito apreciadas.
    Como sua produção exigia, além do domínio das técnicas de fundição, o conhecimento dos locais onde o metal poderia ser encontrado, essa tarefa, naturalmente, não estava ao alcance de todos.
    A valorização, cada vez maior, destes instrumentos levou à sua utilização como moeda e ao aparecimento de réplicas de objetos metálicos, em pequenas dimensões, que circulavam como dinheiro.

    Surgem, então, no século VII a.C., as primeiras moedas com características das atuais: são pequenas peças de metal com peso e valor definidos e com a impressão do cunho oficial, isto é, a marca de quem as emitiu e garante o seu valor.
    São cunhadas na Grécia moedas de prata e, na Lídia, são utilizados pequenos lingotes ovais de uma liga de ouro e prata chamada eletro.

    As moedas refletem a mentalidade de um povo e de sua época. Nelas podem ser observados aspectos políticos, econômicos, tecnológicos e culturais. É pelas impressões encontradas nas moedas que conhecemos, hoje, a efígie de personalidades que viveram há muitos séculos. Provavelmente, a primeira figura histórica a ter sua efígie registrada numa moeda foi Alexandre, o Grande, da Macedônia, por volta do ano 330 a.C.

    Em princípio, as peças eram fabricadas por processos manuais muito rudimentares e tinham seus bordos irregulares, não sendo, como hoje, peças absolutamente iguais umas às outras.
    Os primeiros metais utilizados na cunhagem de moedas foram o ouro e a prata. O emprego destes metais se impôs, não só pela sua raridade, beleza, imunidade à corrosão e valor econômico, mas também por antigos costumes religiosos. Nos primórdios da civilização, os sacerdotes da Babilônia, estudiosos de astronomia, ensinavam ao povo a existência de estreita ligação entre o ouro e o Sol, a prata e a Lua. Isto levou à crença no poder mágico destes metais e no dos objetos com eles confeccionados.
    A cunhagem de moedas em ouro e prata se manteve durante muitos séculos, sendo as peças garantidas por seu valor intrínseco, isto é, pelo valor comercial do metal utilizado na sua confecção. Assim, uma moeda na qual haviam sido utilizados vinte gramas de ouro, era trocada por mercadorias neste mesmo valor.

    Bom, eu me estendi nesta explicação, Rodrigo, haja vista tu entenderes que, o cristianismo, que tem uma trajetória de lutas e mortes, sofrimentos e atrocidades, usou através de seus representantes – SERES HUMANOS COMO QUALQUER UM DE NÓS – meios HUMANOS para se projetar, para se expandir, para ter o domínio sobre o espírito humano, MAS NÃO OS ENSINAMENTOS DE CRISTO, divinos, que visavam unicamente a salvação contra o que o homem havia criado como seus princípios e valores com base na riqueza, no trabalho alheio e em deuses falsos. E, tal procedimento, conforme a moral vigente à época, foi sendo questionado pela própria Igreja quando percebeu o seu distanciamento do homem, da sua função maior, razão pela qual ela mesma tratou de aceitar filósofos que passaram a norteá-la e orientá-la sobre a retomada do caminho perdido, pois a Igreja se misturava ao poder, à suntuosidade e, mais, porque detinha através da confissão, os segredos do reino, tanto dos reis, imperadores e conquistadores quanto de seus vassalos, da plebe, da massa ignara.

    Nesta trajetória, a Igreja perdeu a sua moral, sua respeitabilidade, e passou a ser criticada de forma incisiva merecidamente desde o início do Renascimento e culminado com o Iluminismo, mais tarde o Humanismo , Existencialismo e Realismo.
    Afora tais correntes de pensamento, a Psicologia e Psicanálise, que deram outra característica e significado aos radicais e ortodoxos membros de uma Igreja gasta pelo tempo e fragilizada no seu poder pela perda das crença em uma religião que, se prometia a vida eterna, esta somente seria conquistada pelo sofrimento, renúncia, pobreza e obediência!
    No entanto, o mesmo não acontecia com os padres, bispos, cardeais e Papas, que viviam nababescamente em palácios, catedrais imensas e belíssimas, além das doações, dinheiro e tesouros guardados a sete chaves, sendo o maior deles e exclusivo da religião católica: O CONHECIMENTO!

    Finalizo, ao afirmar inexistir feito pela mão do homem, algo que não seja alvo de críticas e contestações, que não poderia ser diferente com aqueles que se julgaram representantes de Cristo e, portanto, poderosos. Então, não se trata de culpares e acusares o Cristianismo, mas de apontares os verdadeiros culpados pelas atrocidades que permeiam a nossa História, independente de religiões, regimes e sistemas, que sempre tinham e têm ainda, como objetivo o poder, a ganância, o domínio:
    O PRÓPRIO HOMEM!

    Almério Nunes, e tantos outros que frequentam este Blog incomparável, desejam a retomada da valorização do homem pelo homem, e não o culto ao dinheiro, uma de suas invenções que tanto nos faz padecer e sofrer para tê-lo – capitalistas e socialistas, ateus e crentes – por não saberem que a maior vitória do ser humano é vencer a si próprio e não se deixar vencer pelo que ele mesmo criou.

    Em outras palavras:
    Ser derrotado por si mesmo pelo que não consegue ter, e ter sido ele mesmo seu autor.
    O sofrimento é indescritível!
    É exatamente esta a questão a ser debatida, a diminuição do sofrimento alheio e nosso, ao invés de continuarmos nesta saga de enaltecermos o dinheiro como um deus falso que deve ser cultuado, mantido, sob pena de, sem ele, não se ser FELIZ!
    Ledo engano, e este é o nosso erro imperdoável.
    Um abraço Rodrigo, e me perdoa se eu fui longe nas minhas alegações, mas eu as considerei necessárias para melhor esclarecê-las e ser mais didático, se possível.

  20. Caros Comentaristas!!!
    Prossigamos em nossa Caminhada!!! Que desafio maravilhoso, este de querer crescer como pessoas, como indivíduos!!!Olhem quantos amigos estou (estamos) fazendo!!!
    Agradeço de coração a todos, todos, todos que me brindaram com suas atenções.
    Para cada um, envio meu mais afetuoso abraço.
    Almério Nunes

  21. Prezado Francisco Bendl,

    agradeço toda sua valorosa atenção dispensada. É incrível constatar que o homem, como já foi dito, é uma criatura estranha; que não pede para nascer, não sabe viver e não quer morrer.
    Não há dúvidas, quando o homem deixa o dinheiro se sobrepor acaba se transformando num idiota. Porém, minha preocupação fica restrita na mudança de rumo do ordenamento politico do pais. De maneira sórdida, uma ilusão está sendo alimentada como solução para todos os males. Todos sabemos do perigo, mas não encontramos meios pra deter os propósitos do Foro de São Paulo.
    Querem sim, passar o trator sobre tudo. Confundem tudo, embaralham tudo propositadamente pra que a esperança, a fé, sejam destruídas. Mentem o tempo todo, e muitos tolos embarcam no barco furado do socialismo cristão.
    Fidel enlouqueceu Lula, pessoa que já não valia uma pataca furada. Lula é um agente do mal, em todos os sentidos.
    Não podemos querer corrigir Joaquim Barbosa na maneira áspera como tratou seu colega, apenas chamou a atenção do pais para o que está acontecendo e ninguém quer ver. Ricardo Lewandowski infelizmente é um chicaneiro. Já, Leonardo Boff que faz parte da gang, sempre procurou promover a desmoralização da igreja, através de seus relacionamentos, condutas e de suas “ideias libertadoras”.
    Para finalizar, sem querer tomar o tempo do senhor, das colocações feitas aqui no Blog, faço minhas modestas discrepâncias, não para confrontar ou desrespeitar os “detentores do saber”, mas para alerta-los que estão ensinando errado o que poderiam estar ensinando certo. E, sinceramente, espero abrir os olhos de quem esteja apoiando de forma inocente, os delírios ideológicos de gente nociva.
    Agora, aqueles que não creem em Jesus Cristo como sendo o Sagrado Filho de Deus, e que Ele está fora das questões mundanas e corrompidas da politica, deveriam permanecer em silêncio para sempre.
    Um grande abraço,
    Rodrigo

  22. Caro Rodrigo,
    A tua preocupação com a forma como estamos sendo governados – a ideologização se sobrepondo à cidadania – merece atenção, indiscutivelmente.
    Movimentos que se intitulam das minorias e querem atenções especiais, atos escabrosos nas ruas contrários à fé e que desrespeitam a crença alheia, reivindicações contrárias aos cucifixos em repartições públicas, alegando o Estado ser laico(!), discriminações sociais, corrupção desenfreada, aparelhamento do Estado, campanha de desmoralização do Judiciário, amenizações dos crimes políticos e manutenção de suas impunidades, liberação do aborto e tantos outros “fenômenos” inexplicáveis à lógica e à razão, alinhavam situações no horizonte de difíceis prognósticos sobre o futuro que nos aguarda na condição de País e de uma população alheia a tais movimentos, levados a efeito por gente especializada em alterar a essência de uma Nação e de seu povo.
    Nesta questão específica, então, de pessoas que desejam melhorar as condições de vida dos necessitados e resgatando o papel do socialismo, admito, Rodrigo, que estão sendo usados, lá pelas tantas, maquiavelicamente para fortalecer o poder atual vigente que engana, mente, ilude, que, ao divulgar constantemente ser a preocupação promordial com os pobres quando, na verdade, quer a manutenção do poder e dele se aproveitar para seus objetivos e interesses pessoais ou do grupo que os apóia.
    Tens razão plena nesta tua observação, que concordo e saliento que devemos discutir com mais profundidade a temática deste Foro de São Paulo no que diz respeito aos seus interesses, objetivos, intenções, alvos, e as razões pelas quais foi elaborado.
    Neste particular, conta comigo.

  23. Prezado Francisco Bendl,

    mesmo coadunando sua maneira de pensar com Almério Nunes e outros fervorosos defensores do socialismo-cristão, pela primeira vez escreve com lucidez de quem entendeu minhas inquietudes. Com todo respeito, parece que acaba de sair do plano ficcional delirante, e passa a ver a realidade em nossa volta.
    Agradeço sua disposição, sinto orgulho de ombrear com pessoa tão digna nessa peleja. Vamos à luta!

  24. Caro Rodrigo,
    Não podemos esquecer em nenhum momento que o mais importante é o ser humano, a vida humana, em comparações a movimentos, regimes, sistemas, ideologias e religiões.
    Tais métodos, que foram criados pelo próprio homem em busca de satisfação interna e externa, não deveriam acorrentá-lo, ao contrário, libertá-lo de si mesmo e das pessoas que se prenderiam a ele de maneira errônea e equivocada.
    Assim, líderes políticos, religiosos, militares, devem ser admirados, claro, mas jamais erguidos à categoria de semideuses como solução de nossos problemas, haja vista que nossas limitações mentais podem entender diferentemente suas reais intenções para conosco, e por serem também HUMANOS.
    Ora, temos defeitos, cometemos enganos, queremos ter sempre um salvador da pátria à disposição, e fechamos os olhos à realidade que nos cerca, à manipulação que estão fazendo conosco, que nos conduzem para os caminhos que eles querem e que não seriam por nós os escolhidos se pudéssemos alcançar o âmago de seus objetivos, os motivos pelos quais o “social” é permanentemente veiculado em discursos e campanhas políticas, menos serem comprovados na prática e no desenrolar da gestão governamental que tanta propaganda enganosa faz a respeito.
    Lula, que concetizou o bolsa família, não a distribuiu com a intenção de diminuir a fome do pobre, mas cooptá-lo como eleitor permanentemente, condenando-o à miséria por somente lhe dar alimentos e sem lhe propiciar meios que saísse desta condição, mas ficasse na dependência do governo petista e suas “bondades” com o “social”, ameaçando-o com a suspensão deste benefício caso esta mesma população votasse em outros candidatos que não sejam do PT.
    Então, de modo a enaltecer a miséria e o pobre, admito que surjam “teologias” que queiram agrupá-los em torno de algo a ser conquistado e que ainda está pendente de domínio absoluto. Ora, como a democracia estabelece o voto como condição para se ser eleito e pela maioria, o pobre que sempre será esta parcela maior em um País como o nosso, dirigido por mentes pequenas e bitoladas, interesseiras e carreiristas, elegerá aquele que lhe fala o que quer ouvir e prova mediante a comida que lhe é ofertada gratuitamente, sem entender que esta esmola é a sua própria valorização pelos que se intitulam de salvadores, de governantes, que se importaram com os pobres quando, na verdade, querem reafirmar que os necessitados irão permanecer nesta condição pelo voto tão necessitado e disputado!
    Além da condenação como pobres indefinidamente, a pena estabelece a ignorãncia, razão pela qual o Ensino Público brasileiro se deteriora, se desintegra, pois não poderia ele ser o autor da construção do senso crítico da população, de uma nova interpretação sobre sua razão de ser, da sua cidadania e de estar servindo como massa de manobra para interesses escusos.
    Rodrigo, certamente estamos assistindo a debacle social e econômica brasileira não por incompetência de nossos mandatários como eu venho equivocadamente escrevendo, mas por intenção, como propósito, de modo que sejamos governados por uma nova ordem política que conduzirá ao poder permanentemente os que nos manipulam, que nos jogam uns contra os outros, que olham e ficam às gargalhadas dos nossos confrontos pedindo por mais Educação, Saúde e Segurança!
    Precisamos ficar atentos, meu caro Rodrigo, bem mais que agora.

  25. Parabens. Sr. Almerio, pelo texto. Mas o sr, Bendl, desta vez, deu um show. Parabens, sr. Bendl. Muito bom, quando se opina sem condenar, atacar ninguem!.
    …mas, 2 dos comentaristas, eu preferiria dar o calado como resposta . Sao renItentes, so vale
    o pensamento deles. …

  26. A propósito da Suécia citada por um comentarista lá em cima, ele precisa levar em conta que os parlamentares e magistrados lá não necessitam de estômagos especiais para digerirem e apoiarem tantas injustiças como os daqui. Não esquecer também que aqui, principalmente na zona sul do Rio, tem um montão de encanadores enganadores que cobram caríssimo e fazem serviços porcos, como, por exemplo, deixar joelhos enferrujados ao trocarem canos de ferro por PVC.

  27. Prezado Fred,
    Não mereço que tu te debruçes sobre meus textos, eles não trazem nada que não sabemos, apenas pensamentos de um quase ancião sobre a vida, nossas relações, o quanto somos manipulados, e como nos sujeitamos às circunstãncias sem enfrentá-las ao nos oprimirem.
    Penso que precisamos ser mais corajosos, destemidos, e considerar até que ponto as consequências serão mesmo mais graves que imaginamos ou é o medo que as aumenta de tamanho!
    E escrevo de forma ampla, Fred, meu caro, desde os desafios clássicos que a vida nos impõe diariamente até quando temos de decidir entre ser ator coadjuvante do filme da nossa existência ou ator principal, pipocas, sendo que alguns, infelizmente, meros figurantes.
    Admito que nem sempre o roteiro fomos nós mesmos que os elaboramos, agora, o modo de viver, de interpretar, de construir, tais detalhes devem ter o meu comando por mais erros que eu venha a cometer ou acertos que eu tiver, mas, EU, dono da minha vida e jornada.
    Desta forma, Fred, se temos um pequeno clarão em nossas mentes, de discernimento, de conhecimento e sabedoria, precisamos saber escolher nossos deuses, nossos ícones, e não criarmos fantasmas, espectros, e raciocinarmos incredulamente como se essas imagens fossem verdadeiras e delas necessitássemos para seguir em frente.
    A verdade é que só dependemos de nós mesmos e, no mínimo, temos de ter CONFIANÇA, disposição, vontade de vencer e, JAMAIS, esmorecer, sentirmo-nos derrotados, acabados, fracassados.
    Vamos em frente, meu rapaz.

  28. Prezado José a,
    Não vou me desculpar pelos meus ataques e condenações alegando que sou “humano” como todos neste espaço democrático.
    Quero me desculpar contigo porque estou cônscio de que exagero, que me inflamo, o sangue me vem à cabeça e deixo de medir as consequências, volta e meia.
    Então, o meu perdão, humildemente.
    Quanto ao “show”, minhas desculpas, mas escrevi o que a maioria sente, que teria escrito do mesmo jeito, e até com mais propriedade e elegância, estilo e clareza.
    Mesmo assim, obrigado pelo incentivo.
    Um abraço cordial.

  29. A mente mente, o cérebro constata.
    Todos os animais possuem cérebro, embora haja exceções como em alguns aqui. Falo isto com maior respeito para não ofender ninguém, mas a mente é um apêndice do cérebro exclusiva dos humanos.
    De posse desse fato biológico a percepção do Homem se torna mais sólida a respeito do que significa a mente e seu produto: a farsa da organização humana.
    Desde o começo aqui venho falando sobre isso, resumido no “a mente mente”.
    Só os céticos percebem este fato e portanto não se deixam levar por qualquer coisa produzida pela mente humana, mas sim por constatações que, só o cérebro captura como fatos concretos. Científicos.

    Enfim, é preciso não crer se não quiser ser um escravo.

  30. A mente mente, o cérebro constata.

    Todos os animais possuem cérebro, embora haja exceções como em alguns aqui. Falo isto com maior respeito para não ofender ninguém, mas a mente é um apêndice do cérebro exclusiva dos humanos.

    De posse desse fato biológico a percepção do Homem se torna mais sólida a respeito do que significa a mente e seu produto: a farsa da cultura humana,fundamentada em religião ou ideologia, o que dá no mesmo.
    Desde o começo aqui venho falando sobre isso, resumido no “a mente mente”.

    Só os céticos percebem este fato e portanto não se deixam levar por qualquer coisa produzida pela mente humana, mas sim por constatações que, só o cérebro captura como fatos concretos. Científicos.

    Enfim, é preciso não crer se não quiser ser um escravo.

  31. …veja sr. Bendl, o que foi dito, “pela primeira vez escreve com lucidez de quem entendeu minhas inquietudes. Com todo respeito, parece que acaba de sair do plano ficcional delirante, e passa a ver a realidade em nossa volta.
    Agradeço sua disposição, sinto orgulho de ombrear com pessoa tão digna nessa peleja”, …
    O autor do coment, parece um tanto confuso, hora, fala de delirios, noutra, sente-se ombreado e sente ougulho do referido. Mas, é bom. Provavelmente, ja sente-se influenciado, pela sua grande
    cortezia que tens passado em seus textos nos ultimos tempos.

    Sds

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *