Em menos de dez anos, Palocci movimentou R$ 216 milhões em suas contas

Resultado de imagem para PALOCCI charges

Charge do Amarildo (amarildo.charge.worldpress.com)

Carlos Newton

Em qualquer país minimamente sério, o ex-ministro Antonio Palocci há tempos já teria sido algemado e estaria atrás das grades, cumprindo prisão perpétua em funções dos graves crimes cometidos, que já eram públicos e notórios. Na verdade, na denúncia que o levou à prisão, não há maiores novidades em relação à sua vida pregressa . As recentes revelações da Lava Jato, como diria Roberto Carlos, são apenas detalhes, porque em 2015 já havia provas cabais de que o sanitarista que virou ministro da Fazenda de Lula e chefe da Casa Civil de Dilma não passa de um criminoso do colarinho branco, que fica encardido com facilidade, porque ele sempre faz serviço sujo.

CONSULTORIA – Em outubro do ano ano passado, reportagem explosiva na revista Época, redigida pelo excelente jornalista Thiago Bronzatto, revelou que um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão subordinado ao Ministério da Fazenda, já apontava que em menos de dez anos o ex-ministro movimentara nas contas da  “consultoria” Projeto a mísera quantia de R$ 216,2 milhões, entre 2006 e março de 2015.

Mas como alguém pode fazer operações financeiras de tal monta, sem procedência lícita, e sair impune? O tráfico de influência foi liberado? Como isso pode acontecer? Que país é esse, Francelino Pereira? E o compositor Renato Russo, o que diria?

LEI IMPOSITIVA – A Lei 9.613, que criou o Coaf em 1998, aprovada pelo Congresso Nacional, é bastante impositiva. Em seu artigo 15,  determina que o Coaf “comunicará às autoridades competentes para a instauração dos procedimentos cabíveis, quando concluir pela existência de crimes previstos nesta Lei, de fundados indícios de sua prática, ou de qualquer outro ilícito”.

Na ocasião, não foi divulgado que Palocci tenha sido motivo de qualquer investigação, nada, nada. Mas a notícia vazou na revista Época, chegou ao Congresso Nacional e à oposição ao governo Dilma (PSDB, DEM e PPS), que imediatamente convocou o festejado “consultor” para comparecer à CPI do BNDES, mas o ex-ministro foi blindado pela base aliada, com PT e PMDB à frente.

Por óbvio, o relatório da Coaf não passou despercebido à força-tarefa da Lava Jato, que trabalha em conjunto com a Receita Federal. E o resultado aí está, com a prisão de Antonio Palocci. As provas são abundantes. Para se ter uma ideia, no período de 20 de junho de 2011 a abril de 2015, a “consultoria” do ex-ministro da Fazenda  registrou entrada de R$ 52,8 milhões em seu caixa.

“COMPRA E VENDA” – Embora não tivesse sido o maior cliente da consultora Projeto, o grupo automotivo Caoa se relacionava com Palocci para “comprar” medidas provisórias e portarias dos governos Lula e Dilma, em esquemas de corrupção levantados pela Polícia Federal nas operações Zelotes e Acrônimo. O empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, conhecido como Doutor Caoa (acrônimo de sua empresa), é parceiro antigo de Palocci.

E o maior cliente da “consultoria”, a Odebrecht, contou com atuação forte de Palocci no esquema de corrupção do BNDES, durante a tenebrosa gestão do petista Luciano Coutinho, que também não tarda a ter sua prisão decretada. Somente para Angola, Coutinho mandou liberar mais de US$ 3 bilhões em benefício da Odebrecht, conforme a força-tarefa revelou na entrevista desta segunda-feira.

VEM MAIS POR AÍ – As acusações são múltiplas e estarrecedoras. Uma delas se refere à atuação de Palocci como operador do esquema de corrupção da empresa Sete Brasil, na qual a Petrobras tem participação societária. A Sete Brasil ficou responsável pela construção dos navios sondas para exploração do pré-sal. Na trama, Marcelo Odebrecht e Palocci trocavam informações extraoficiais para se atualizarem sobre o andamento das operações da Sete Brasil e da exploração petroleira. Palocci atualizava o empresário via Branislav Kaontic. Dessa forma, a Odebrecht soube de convite para licitação do pré-sal antes da oficialização.

Como prevê o ministro-relator Teori Zavascki, o pior ainda está para vir, desta vez envolvendo outros personagens importantíssimos, como Lula da Silva, Erenice Guerra e Fernando Pimentel. Vai ser um verdadeiro festival. Podem esperar.

8 thoughts on “Em menos de dez anos, Palocci movimentou R$ 216 milhões em suas contas

  1. Por essas e muitas e muitas outras desde meus 18 anos (anos 70) eu nunca acreditei no Brasil.
    Isso aqui é América Latina, isso aqui é o Brasil.
    Ninguém que por aqui escreve alcançará o Brasil ao nível de um Chile (não estou falando de tamanho geográfico, de PIB e muito menos de futebol) imaginem de uma Dinamarca ou de uma Coreia do Sul.

  2. Quando me lembro dos inúmeros comentários que postei neste blog incomparável, sempre fui radical com o PT quanto à corrupção do partido, e jamais tive qualquer problema em generalizar, situação que particularmente rejeito.

    No entanto, os roubos do PT e de seus partidários, tanto do Executivo quanto Legislativo, exacerbaram qualquer limite que a mais fértil imaginação contabilizasse sobre uma quantidade de ilícitos que um governo poderia praticar!

    O próprio Jaques Wagner – anda sumido, lá pelas tantas o seu nome será apontado em manchetes policiais – foi categórico ao afirmar que os petistas haviam se lambuzado com os roubos cometidos!

    Mas as quantias têm sido absurdas, verdadeiras fortunas foram desviadas do erário público, que foram roubadas do povo, que fizeram falta aos setores mais carentes à população, principalmente na saúde e segurança – nessas alturas, a educação é secundária, inacreditavelmente!

    As centenas de milhões de reais que Palocci embolsou de forma criminosa, já deveriam tê-lo levado à cadeia há tempos, e ontem quando vi a entrevista da senadora Gleisi, PT/PR, corrupta e desonesta, dissimulada e cínica, hipócrita e criminosa, criticando a prisão do meliante ex-ministro uma semana antes das eleições porque prejudicaria os candidatos petistas, no dia que esta mulher for levada presa junto com o ladrão do seu marido eu gasto o meu salário em foguetes, em bombas, e faço uma festa!

    A lamentar e, profundamente, a demora da Justiça em condenar esses delinquentes, e o comportamento dos comprometidos politicamente ministros do STF, que os soltam imediatamente, tanto em ofensa e clamorosa injustiça aos que estão em presídios por crimes infinitamente menos graves cometidos, quanto ao desprezo pelos prejuízos que a quadrilha petista ocasionou aos cofres brasileiros!

  3. O Sr. João da Bahia faz um comentário triste e lamentável… Se nunca acreditou no Brasil, faz o quê ainda por aqui? Este país é de um valor extraordinário, suas lutas, histórias e homens públicos ralam pela pátria amada. A nossa juventude de aprendizado civilizatório, nesse país de dimensões continentais, vive do duro aprendizado que outras nações milenares passaram, sofrendo com muito mais suor, sangue e lágrimas. Na Itália, exemplo de luta doída e mortal contra a corrupção, ainda não se libertou, os EUA podem tornar presidente o lixo do luxo norte-americano, a Rússia se debate para ser reconhecida – um dia – como democrática (!?), a China intoxica seu povo com o grosso cheiro da poluição ambiental comunista… No Brasil, Sr, Bahia, muito de bom e do bem acontece, com resultados surpreendentes; como este de emparedar a quadrilha lulo-petista. Permaneço aqui, em minha luta de base pelas comunidades mais sofridas e pobres do país, acreditando no movimento pela agroecologia, na ação social de igrejas e voluntários, na coragem da PL e MPs, na luta dos movimentos sociais, na bravura de veículo como a Tribuna da Internet, na solidariedade, num país rico e ainda farto de matéria-prima, etc. Eu acredito!!!!

  4. Eu gostaria de saber onde os advogadas que defendem este bando de ladrões que assumiram o poder estudaram, que curso fizeram. Pois na maior cara de pau todos vem com a mesma cantilena que seus clientes são honestos e não fizeram nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *