Em nova manifestação, Bolsonaro ataca sistema eleitoral: “Há indício fortíssimo de manipulação”

 (crédito: Reprodução / Redes Sociais)

Carro de som transmitiu Bolsonaro ameaçando a eleição

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro participou neste domingo (01/08), por meio de videoconferência, da manifestação a favor do voto impresso na Esplanada dos Ministérios. O áudio foi reproduzido de um carro de som. Durante a declaração, o mandatário voltou a atacar o sistema eleitoral apontando que as eleições de 2018 estão “recheadas” do que chamou de “indício fortíssimo de manipulação” nas urnas eletrônicas.

“Eu fico muito feliz e orgulhoso em ver o povo brasileiro cada vez mais se inteirando do que acontece no Brasil, como é o jogo do poder, como cada vez mais consegue se identificar aqueles que têm o discurso de democracia apenas da boca para fora. Cada vez mais entender que algumas pessoas aqui no Planalto Central, usando a força do poder, querem a volta daqueles que saquearam o país há pouco tempo, querem a impunidade e a corrupção. Não pode, em nenhum regime democrático, uma pessoa ser aquela dona da verdade e reverberar o que ela quer impor para a sociedade”, disparou em indireta ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso.

EXÉRCITO DO POVO – Bolsonaro completou que “sem eleições limpas e democráticas, não haverá eleição” e repetiu que a população é o seu “exército”.

“Nós mais que exigimos, pode ter certeza, juntos, porque vocês são, de fato o meu exército, o nosso exército, fazer com que a vontade popular seja expressada na contagem pública do voto. Nós temos que ter a certeza de que quem você porventura votar, o seu voto vai ser computado para aquela pessoa. As eleições últimas estão recheadas de indício fortíssimo de manipulação. Isso não pode ser admitido por mim e nem por vocês. Nós, juntos, somos a expansão da democracia no Brasil. O nosso entendimento, a minha lealdade ao povo brasileiro, o meu temor a Deus, a nossa união nos libertará da sombra do comunismo e do socialismo”, bradou em um vídeo postado pelo assessor da presidência, Max Guilherme Machado de Moura.

URNA INAUDITÁVEL – O mandatário alegou ainda que quem fala que a urna é auditada e segura é mentiroso. “É quem não tem amor à democracia, é quem não respeita o seu povo. Essas pessoas tem que reconhecer qual é o seu lugar. Não vou entrar em provocações baratas, eu quero uma forma limpa de realizar eleições. Quem for contra a vontade de vocês que é a contagem pública, que é o voto democrático, está contra a democracia. Nós somos a maioria no Brasil. Nós estamos do lado certo. Nós não vamos esperar acontecer para depois tomar providências. Juntos nós faremos o que tiver que ser necessário para que haja contagem pública dos votos e tenhamos eleições democráticas o ano que vem”, continuou.

O presidente destacou que, se necessário, convidará os paulistanos a irem às ruas a favor do voto impresso para dar um “último alerta” a quem é contrário à medida.

A VOZ DO POVO – “Se preciso for, para dar um último alerta àqueles que não tem respeito para conosco, eu convidarei o povo de SP, a maior capital do Brasil a comparecer à Paulista para que o som deles, a voz do povo, seja ouvida por aqueles que teimam em golpear a nossa democracia. Se o povo lá disser que o voto tem que ser auditado, que a contagem tem que ser pública e que o voto tem que ser impresso na forma como se propõe a PEC da Bia Kicis, tem que ser dessa maneira”.

Por fim, ele justificou que a “maioria” da Câmara é favorável ao voto impresso, mas que Barroso tem atuado para derrubar o projeto do governo.

“A maioria da Câmara pelo que sei é favorável ao voto impresso. É uma minoria (que é contra) que foi agora escolhida por líderes depois de uma reunião com o Barroso, um ministro que deveria ser o primeiro a estar do lado da transparência das eleições, está exatamente do outro lado”, concluiu.

NO TRIO ELÉTRICO – Em cima de um trio elétrico, participaram do ato ainda a deputada Bia Kicis (PSL-DF), autora do projeto do voto auditável e o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. A maioria das faixas erguidas pedia por “voto impresso já” e “contagem pública de votos”.

Também houve críticas aos magistrados da Corte, além de pedidos pela soltura do deputado Daniel Silveira, que justificaram estar preso injustamente.  Silveira é acusado de ameaçar o Supremo e seus ministros, em um vídeo que publicou na internet. Ele foi preso novamente em junho, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acusado de violar o uso da tornozeleira eletrônica.

VOTO DE NINGUÉM – A parlamentar alegou que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não podem decidir sobre o modelo de apuração dos votos, pois não receberam “voto de ninguém”. “Respeita o povo, ministro do Supremo e do TSE. Não recebeu voto de ninguém. Não tem que decidir como vai ser a apuração”, defendeu.

Minutos depois, Bolsonaro publicou um vídeo onde aparece falando aos manifestantes do ato diretamente do Palácio da Alvorada. Segundo ele, também enviou mensagem para apoiadores que participam em outras capitais, como Belo Horizonte e Rio de Janeiro. O chefe do Executivo destacou que às 16h deverá falar para os bolsonaristas que estiverem presentes na Avenida Paulista, em São Paulo.

PERDA DE TEMPO – No último dia 30, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que a discussão em torno da PEC do voto impresso é uma “perda de tempo”. O deputado voltou a afirmar que confia no sistema eleitoral brasileiro. Mencionou, ainda, que dificilmente a proposta chegará ao plenário da Câmara.

A votação da PEC 135/2019, que institui o voto impresso, foi adiada para este mês, após o término do recesso parlamentar. Caso tivesse ido à votação no final de julho, sofreria total derrota.

Em live do último dia 29, o presidente prometeu apresentar provas de que as eleições de 2018 foram fraudadas. Contudo, durante o evento, ele comentou que “não tinha como se comprovar”. E foi rebatido pelo Tribunal Superior Eleitoral, que emitiu nota alertando que o chefe do Executivo propagou notícias falsas na transmissão

9 thoughts on “Em nova manifestação, Bolsonaro ataca sistema eleitoral: “Há indício fortíssimo de manipulação”

  1. Bolsonaro sonha em suas fantasias de caudilho que seus coletivos o irão o reconduzir ‘pelas armas’ ao poder quando for derrotado em 2022. Me lembra o mesmo ‘exército do Stédile’… kkkkk.

  2. Quanto mais o “cabrón” espernea e grita que é macho, que faz e acontece – caso de Boçalnalha -, é porque não passa d’um ENRUSTIDO “doidim, doidim” pra soltar a franga.

  3. Meu Deus do céu quem é que vai parar este maluco? Além do tal “voto impresso” agora querem apuração pública? Que loucura é esta, este povo enlouqueceu todo de uma vez só? Em que país estamos vivendo? Onde vamos para? O que o mito quer , como se dizia antigamente, empastelar as eleições, quer ganhar de antemão como em todas as boas ditaduras acontece, os eleitos já são conhecidos de antemão.

    • É o Sr. é o tolete!!

      Kkkkk!!!
      Vocês estão perdidinhos!

      POR falar um perdidos, KADÊ O ALIANÇA PELO BRASIL?
      KKKKK!!

      Com tanta motodefecada pelo país inteiro, não deu pra recolher mais assinaturas?

      Kkkkk!!!

      Os motocitacaganeiros não querem nem saber em se filiar ao partido da famílicia miliciana!

      Em nome de Jesus!!!
      Kkkkk!!!

      Nem o bispo Macedo resolve! Foi expulso de Angola de mala e cuia!!!
      Kkkkk!!!

      Um forte abraço,
      JL.

Deixe um comentário para J.Rubens. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *