Em plena crise, AGU promove 606 procuradores a topo da carreira, com salários de R$ 27,3 mil

Charge do Bruno (Arquivo do Google)

Bernardo Caram  e Matheus Teixeira
Folha

Dias após a apresentação da proposta de reforma administrativa pelo governo, que pretende proibir progressões automáticas de carreira, a AGU (Advocacia-Geral da União) promoveu 606 membros da Procuradoria-Geral Federal ao topo da carreira. Com a medida, efetivada no dia 18 de setembro, 92% dos membros do órgão estão agora no ponto mais alto da categoria, com salário mensal de R$ 27.303. A remuneração inicial é de R$ 21.014.

Além dos salários, os procuradores federais recebem honorários. Dados de 2019 apontam que o incremento à remuneração desses profissionais é de R$ 7.000 por mês, em média. De acordo com a AGU, as promoções na carreira de procurador federal são realizadas semestralmente, todos os anos, em cumprimento ao que determina a legislação. “As promoções decorrem de dois critérios: antiguidade e merecimento”, afirma o órgão.

ARGUMENTO – Em nota, informou que existem hoje 3.738 cargos de procurador federal ocupados. Desse total, 3.489 estão na categoria especial, o nível mais alto. Apenas 249 se encontram na primeira categoria. A AGU argumenta que o quadro da carreira prevê um total de 4.362 membros. Isso significa que parte das cadeiras está desocupada atualmente. Com isso, o órgão afirma que a proporção de procuradores no topo da carreira é de 79%.

O presidente da Anafe (Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais), Marcelino Rodrigues, afirma que as promoções têm relação com o tempo de serviço dos procuradores e não estão ligadas à apresentação da reforma administrativa.

“Apesar dessa coincidência com a discussão da reforma, é um processo normal, não houve nenhum tipo de excepcionalidade. Não houve criação de qualquer tipo de vaga neste momento”, disse. A proposta do governo ainda vai iniciar a tramitação no Congresso e tem um longo caminho a percorrer antes de ter validade.

PROGRESSÕES – Entre os pontos da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), está a proibição de progressões automáticas de carreira, como as gratificações por tempo de serviço. A medida também proíbe licenças-prêmio, férias superiores a 30 dias e reajustes salariais retroativos.

Nos planos do governo, também estão a redução das remunerações de entrada no serviço público e a ampliação do número de faixas de salário para evolução ao longo da carreira. Esses pontos devem ser tratados em projetos que serão apresentados em um segundo momento.

4 thoughts on “Em plena crise, AGU promove 606 procuradores a topo da carreira, com salários de R$ 27,3 mil

  1. Dizer o quê?!

    Para o governo, nas palavras do vice-presidente, gen.Mourão, 600,00 se mantém o consumo, come-se mais e melhor, e até se pode reformar a casa!

    Não comungam dessa idiotice e imbecilidade, evidente, os poderes constituídos, que o próprio ex-militar participa e através de um cargo importante.

    Assistimos, passiva e covardemente, um desfile de atos abomináveis contra o povo.
    Uma interminável procissão de injustiças, de mandos e desmandos, que mais aumentarão a pobreza e a miséria.

    Se, lá pelas tantas, nossos governantes têm uma ideia de como elitizar o Brasil, de antemão ela obrigatoriamente passa pelo genocídio em massa!

    Explico:
    Para cadas parlamentar nas esferas do Legislativo, certamente existem 4 pessoas ligadas a ele diretamente – mulher, filhos, namoradas, namorados, companheiras, companheiros …;
    ao mesmo tempo, em razão da quantidade de assessores que possuem, naturalmente pagos com o nosso dinheiro, mais 20 pessoas que também terão 4 ligadas a si da mesma forma.

    Ora, o número de parlamentares, vereadores, deputados estaduais, federais e senadores, na ordem de 60 mil, multiplicados pelos seus familiares, multiplicados pelos assessores, multiplicados pelas mesas pessoas da família, o legislativo alberga quase 20 milhões de pessoas que possuem ótimas condições de vida!
    E não falo dos funcionários do legislativo que as casas possuem para suas manutenções.

    Do lado do Judiciário, pesquisei que existem 18.500 juízes, desembargadores e ministros.
    Mesmo cálculo:
    família, assessores, famílias dos assessores, temos um universo de 6 milhões de brasileiros vivendo muito bem, sem qualquer necessidade, pelo contrário.
    Igualmente não conto os servidores, que mantém o aparelho judicial funcionando.

    Não encontrei a quantidade de promotores e procuradores dos Ministérios Públicos estaduais e federal.
    Vou pelo palpite.
    Imagino que sejam o dobro dos juízes, 40 mil servidores.
    Cálculo igual, apenas diminuí o número de assessores de 20 para 10:
    mais 6,5 milhões de pessoas vivendo muito bem, sem problema algum.

    Executivo:
    O número de funcionários está na ordem de 610 mil pessoas.
    Repito o raciocínio, dessa vez eliminando assessores, claro:
    temos 3 milhões de pessoas da mesma forma vivendo muito bem, sem problemas de salários.

    As FFAA possuem um efetivo de 220 mil ativos.
    Logo, 1 milhão de pessoas subsistem através dos soldos dos militares, sem maiores preocupações salariais.

    Agora, o sonho do parlamentar, a cereja do bolo, o gás da Coca-Cola, os tribunais de contas:
    Considerando a média de 1.000 servidores para cada tribunal “do faz de conta”, temos cerca de 30 mil pessoas – só o TCU tem 2.500!
    Ou seja, 120 mil seres humanos que vivem muito bem.

    Somando:
    Neste país das injustiças, temos 37 milhões de pessoas que vivem sem saber o que é problema de sustento, educação, saúde pública, segurança, perda do emprego.

    Gente que defenderia seus interesses prá valer, até pegando em armas, se for o caso, pois estas não lhes faltam.
    Logo, sobram 170 milhões de pobres, miseráveis, desempregados, analfabetos funcionais e absolutos, mão de obra desqualificada, pessoas que servem para serviços domésticos, pequenos agricultores, donos de armazém, lojinhas, motoristas, garçons, professores municipais e estaduais, policiais civis e militares, ascensoristas, mecânicos, pedreiros, serventes, entregadores, despachantes …. a massa anônima que move o Brasil e sustenta esses 37 milhões de abonados, merecida ou imerecidamente, caso da maioria!

    Portanto, eis o plano:
    quanto mais pessoas que citei, a plebe, a ralé, esmoleiros, moradores de rua, aposentados do INSS, trabalhadores que recebem o salário mínimo – quanto mais dessa gente perecer, seja pela violência, fome, desnutrição, doenças, O GOVERNO DIMINUI A POPULAÇÃO, diminui os gastos com o povão, e paga salários nababescos para os escolhidos, para as castas, as elites e sistema econômico!

    Encontra-se em curso um plano de ação que não encontra referência na História Mundial;
    o genocídio de uma população, de modo que esses milhões de desprezados cedam espaço e dinheiro para a minoria, que compreende os poderes constituídos!

    E quero ser contestado, peço que haja o contraponto, pois estou convicto e resoluto no que afirmo.

    O aumento da fome, da miséria, da violência exacerbada, a condição cada vez pior do povo para sobreviver, o desemprego … sem que presidente algum se dedique a amenizar o sofrimento do povo, afirmo que são sintomas irrefutáveis e insofismáveis desse genocídio incontestável, dessa intenção monstruosa dos governantes, respaldados pelas castas, elites e poder econômico!

    Eis a verdade plena, absoluta, apodítica, estocástica!
    O objetivo dos poderes é aniquilar com aquele que custa, que não contribui, então cada vez mais carente, fraco, frágil, definhando, até ir morrendo aos poucos!

    ACUSO as autoridades brasileiras de crimes contra a Humanidade!
    ACUSO as autoridades brasileiras de genocidas!
    ACUSO as autoridades brasileiras de limpeza social, étnica e religiosa no país!

    E digam se estou errado ou me processem, mas as provas abundam em meu favor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *