Embaixador dos EUA avisa que Cúpula sobre o Clima é a última chance de Bolsonaro em metas ambientais

Recado foi dado por Chapman durante reunião virtual privada

Marina Dias
Folha

O governo dos EUA considera a Cúpula de Líderes sobre o Clima, marcada por Joe Biden para a próxima semana, como a última chance de o Brasil mostrar preocupação ambiental para recuperar a confiança dos americanos e ampliar as relações com a Casa Branca.

O recado contundente foi dado pelo embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman, durante reunião virtual privada no domingo, dia 11, com políticos, economistas, diplomatas e empresários

ULTIMATO – Participantes do encontro, promovido pelo Grupo Parlatório, relataram à reportagem que Chapman foi firme ao dizer que o meio ambiente vai nortear as relações entre Brasil e EUA, e que acordos comerciais entre os dois países e a entrada do Brasil na OCDE, por exemplo, dependem da latitude do plano que o governo Jair Bolsonaro vai apresentar na cúpula organizada por Biden, entre os dias 22 e 23 de abril.

“As relações entre nossos países dependerão muito dessa postura ambiental do Brasil”, disse Chapman. O diplomata afirmou que existe uma percepção de que o desmatamento ilegal na Amazônia cresceu muito e que esse “não é um problema de comunicação”, como justificam auxiliares de Bolsonaro, mas uma realidade que precisa ser revertida, inclusive com o envolvimento do setor privado.

De acordo com dados divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o desmatamento na Amazônia voltou a bater recordes em março e foi o maior dos últimos seis anos. A destruição da floresta no mês passado teve crescimento de 12,6% em relação ao mesmo período de 2020, ano em que o desmatamento atingiu os níveis mais elevados em 12 anos, mesmo em meio à pandemia da Covid-19.

OPORTUNIDADE – O embaixador americano classificou a cúpula do clima como “uma oportunidade” para o Brasil virar o jogo e resgatar a preocupação ambiental diante dos olhos do mundo, e disse que o país vai “se tornar herói” se fizer uma “declaração contundente” e retomar seu papel de protagonista no debate sobre meio ambiente.

A mensagem foi vista pelos participantes da reunião como a forma mais firme de traçar as prioridades da agenda de Biden e dar um ultimato a Bolsonaro diante de influentes nomes dos setores público e privado, que podem capitanear pressões sobre o Planalto quando o assunto for mudanças climáticas.

Os EUA querem que o Brasil se comprometa durante a cúpula com metas objetivas de redução de desmatamento ilegal, zerando a prática até 2030, e apresente resultados ainda neste ano.

DINHEIRO ANTECIPADO – O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), por sua vez, insiste na ideia de que o Brasil vai se comprometer com números apenas se receber dinheiro antecipado de países estrangeiros, mas os americanos condicionam o financiamento a resultados concretos.

Nos últimos dias, equipes técnicas dos governos brasileiro e americano mergulharam em uma série de reuniões em busca de um acordo. Chapman conversou nesta semana também com Salles e com integrantes da Apib (Articulação dos Povos Indígenas), que pediram abertura de um canal direto com o governo Biden para tratar da preservação da Amazônia.

A entidade questiona o comprometimento americano com uma gestão como a de Bolsonaro, que patrocina políticas ambientais negligentes.

CONVIDADOS – Entre os convidados para a reunião com Chapman no domingo, estavam o ex-ministro da Justiça Sergio Moro e o ex-embaixador dos EUA no Brasil Rubens Barbosa, que quis saber o motivo de o Brasil ter ficado de fora da primeira viagem do enviado de Biden à América do Sul.

Diretor sênior para o Hemisfério Ocidental no Conselho de Segurança Nacional, Juan Gonzalez viajou nesta semana para Colômbia, Argentina e Uruguai na esteira da agenda verde e da pandemia. Chapman respondeu que Gonzalez passaria pelos países onde as conversas estavam mais avançadas, o que foi entendido pelos presentes como a sinalização de que as tratativas com o Brasil não caminham no ritmo desejado.

Moro, por sua vez, perguntou se haveria alguma coisa que o setor privado pudesse fazer caso o governo brasileiro não cooperasse com o meio ambiente, e ouviu de Chapman que muitas empresas americanas estão exigindo uma resposta mais contundente sobre meio ambiente, porque não querem pagar a conta de quem está envolvido com ilegalidades e desmatamento.

“SALVAR A AMAZÔNIA” – Segundo o diplomata, não há marca melhor que “salvar a Amazônia”, e é preciso um acordo global sobre mercado de carbono.

Outro tema em que Chapman destacou a necessidade de envolvimento do setor privado foi o 5G. Os EUA tentam banir ou ao menos limitar a participação da empresa chinesa Huawei no leilão da frequência no Brasil. O embaixador disse que a decisão sobre a tecnologia é do Brasil, mas que é preciso decidir se o país quer “tecnologia de ponta ou tecnologia sem compromisso com proteção de dados”. “O setor privado precisa se manifestar”, insistiu Chapman.

O argumento dos americanos é que a Huawei repassa informações sigilosas ao governo chinês, o que ameaça a segurança de dados do Brasil e a cooperação com os EUA.

9 thoughts on “Embaixador dos EUA avisa que Cúpula sobre o Clima é a última chance de Bolsonaro em metas ambientais

  1. Norte-americanos adoram negociar com chefes de Estados, quando estes estão com a moral e o moral baixos. Principalmente, se a nação for alvo da cobiça do insaciável, Tio Sam.
    Se confirmada a notícia, publicada no jornal El País, sobre o “socorro” que os ianques propuseram à Amazônia brasileira, o Enclave de 16.000 km2, correspondente ao Projeto Jari de Daniel Keith Ludwig, poder-se-á ampliar para 5.217.423 km2, a área da Amazônia Legal.
    E, nesta fase, mais um agravante em nosso desfavor: desesperado para se afirmar, no governo, Jair Messias não titubeia vender até mãe. O STF e a sociedade têm de ficar de olho. Como já dizia Mike Tyson: “Devemos temer quem não tem nada a perder”

  2. Felipe Quintas (via Facebook)

    Artigo que escrevi sobre a Assessoria Econômica do segundo governo Vargas, que reuniu os mais sérios e brilhantes planejadores que o Brasil já teve, verdadeiros pais fundadores de muitas das maiores iniciativas já feitas pelo Brasil, como a Petrobrás, a Eletrobrás, o Banco do Nordeste, a Capes e o CNPq, o programa nuclear, os biocombustíveis, entre tantos outros. Toda cidade, escola e universidade deveria ter uma estátua em homenagem a Rômulo de Almeida, Jesus Soares Pereira e Ignácio Rangel (para citar os principais), grandes brasileiros que mudaram nossa vida para melhor.

    Um contraste absoluto com os hoje chamados pela grande mídia de “economistas e banqueiros”, que não passam de cleptomaníacos que não podem ver um patrimônio público, uma instituição pública, que a mão coça para privatizar (eufemismo para afanar) e entregar para a curriola de agiotas e especuladores. Não constroem nada, só sugam o que os outros construíram, deixando um rastro de destruição irrecuperável no curto e médio prazos.

    https://www.facebook.com/felipe.quintas.1/posts/1564258827104699

  3. Nós vamos devastar 0%(zero por cento), quando não tiver mais floresta alguma para ser devastada.
    Tive um professor de Geografia que vivia falando lá no inicio da década de sessenta do século passado: Com a floresta de mogno que se descobriu no Pará, nós vamos pagar nossa dívida externa e ainda vai sobrar dinheiro.
    A floresta de mogno não deve existir mais e o $ sumiu.

    • Há cerca de três anos, o Fantástico da Globo mostrou: uma tora de mogno saia do Pará, contrabandeada, inclusive, por índios, pelo custo de R$ 500,00 e chegava em Londres no valor de R$ 12.000,00

Deixe um comentário para Paulo III Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *