Embora essa questão Brasil-Bolívia esteja longe do fim, é preciso “situar” quem é quem no episódio nada diplomático. E que não pode atingir Brasil e Bolívia. Só os protagonistas da FUGA devem ser responsabilizados.

 

Helio Fernandes

São muitos os personagens pessoais (além de dois países) nesse caso que envolve tanta gente importante. Assim, é necessário examinar a participação de cada um. O que vou fazer por ordem de entrada em cena.

SENADOR (DA BOLÍVIA)
ROGER PINTO MOLINA

Tudo começou com ele. Processado pelo governo da Bolívia, em mais de 20 processos e já condenado em um por corrupção, entrou no edifício onde fica a Embaixada do Brasil, em 28 de maio de 2012, pediu asilo. Em 8 de junho do mesmo 2012 o governo brasileiro decide conceder o asilo, com base na Constituição brasileira.

A Bolívia, diretamente pelo presidente Evo Morales, protestou, o Brasil não levou em consideração. Em mais de 450 dias, nada foi feito, a Bolívia insistindo em não conceder o salvo-conduto, o Brasil deixando que ele ficasse na Embaixada. Sem tentar um acordo, possível e aconselhável, não teria havido a fuga tão estranha e inexplicável, mas cheia de “patrocinadores”.

EDUARDO SABOIA, UM
DIPLOMATA BRASILEIRO

Faccioso, fastidioso e fantasioso, entra em cena. Encarregado de Negócios, age com total desenvoltura. Começa revelando um fato que aconteceu realmente, mas não podia ser contado publicamente: “Estou como Encarregado de Negócios, respondendo pela Embaixada, porque EVO MORALES EXIGIU DO BRASIL A TRANSFERÊNCIA DO EMBAIXADOR, mandado para a Suécia”.

Foi o artífice de quase tudo, abertamente, fora os que agiram, mas não ostensivamente, e também serão examinados. O senador fugiu, como se sabe, em dois carros oficiais, com a placa do Brasil, tudo providenciado. E com fatos silenciosos e silenciados, até agora, mas estridentes e até retumbantes.

CUMPRINDO O PLANEJADO
COM O SENADOR FERRAÇO

Eduardo Saboia telefonou na véspera da fuga, para o senador Ferraço, presidente da Comissão de Relações Exteriores. Este agiu logo, e por notável coincidência, sendo do Espírito Santo e trabalhando em Brasília, “estava em Mato Grosso do Sul, na fronteira”, assim que o fugitivo chegou.

(Como já contei, falou antes com Renan Calheiros, que não se comprometeu, mas era mais um a saber antes do fato ser consumado. E quem acredita que um senador como Renan, que adora “blasonar”, que palavra, iria ficar calado, não contaria, “em sigilo”, para alguém?)

O TELEFONEMA PARA
CELSO AMORIM, MAQUIAVÉLICO

Diplomata há quase 25 anos, conhece bem o Itamaraty. Sabia que o ex-chanceler e agora ministro da Defesa, e o então ministro Patriota, são inimigos e não é de hoje. Como no projeto de fuga estavam dois policiais federais (por que razão?), decidiu comunicar o fato ao ministro da Defesa.

Ora, apenas dois policiais federais, por que revelar tudo ao ministro da Defesa? Se queria “autorização”, por que não falou com o ministro da Justiça, a quem os policiais federais são subordinados? Elementar,  precisava envolver o ex-chanceler na sonata e fuga.

UM DIPLOMATA
FALASTRÃO

Corto para o encarregado de Negócios, já no Brasil, depois da fuga (o desenrolar dela será contado quando aparecer cada personagem, na ordem em que surgem), e as diversas e contraditórias versões.

1 – Ainda no aeroporto: “Salvei um ser humano, que PENSAVA até em suicídio”. Como ele conhecia o pensamento do preso que não recebia visitas?

2 – “O que me comoveu e me motivou foi SALVAR um PERSEGUIDO, como foi PERSEGUIDA no passado a nossa presidente”. Um diplomata, com vocação para voluntário da Cruz Vermelha. Mas não parou por aí, entrou pelo caminho da ameaça e da intimidação.

TENTANDO BLEFAR PARA
A COMISSÃO DE SINDICÂNCIA

Não acreditava que fosse haver sindicância. Logo que ela foi criada, mudou de tom: “Sei que vão tentar jogar toda a culpa em cima de mim, mas pratiquei apenas um ato humanitário”. E nessa linha espantosa, a confissão: “OUVI A VOZ DE DEUS”.

Tendo sido chamado ao Itamaraty, “sentindo” o clima e o espanto com tudo o que praticou, foi ainda mais estarrecedor, incluindo a ele mesmo nas mais diversas infrações criminais e antidiplomáticas: “Sei me defender muito bem, tenho documentos extraordinários, que poderei revelar”.

E reafirmando, mas também mostrando o próprio medo: “Não me atingirão, voltarei para o meu cargo na Bolívia”. (Não sei e ninguém sabe em quanto tempo, mas o futuro de Eduardo Saboia será desvendado pela Comissão de Sindicância.)

CELSO AMORIM, BOM
ARTICULADOR DE SI MESMO

Foi um dos mais longos ministros do Exterior. Nada brilhante, mas bom articulador de si mesmo. Tinha a proteção do presidente Lula, até a última viagem, quando na véspera, sem aviso, foi cortado da delegação, Lula colocou Mantega em seu lugar.

Logo seria demitido, nem deveria ter feito a “carreira” que fez, pois há dezenas de anos, no início, foi envolvido em escândalos tremendos como presidente da Embrafilme.

Um sortista completo, Amorim saiu do ostracismo para ser ministro da Defesa. Nem acreditou quando foi nomeado. E agora, tranquilo, o diplomata da fuga coloca seu nome na aventura, o ex-chanceler passa a interlocutor e intermediário da própria Dona Dilma.

PATRIOTA, EX-CHANCELER,
SABE TUDO SOBRE A ONU

É respeitado no Itamaraty, da geração dele mesmo, do embaixador Figueiredo (seu substituto), do embaixador Roberto Azevedo, que foi eleito para a OMC (Organização Mundial do Comércio), e outros que também se destacam.

Patriota não recebeu “compensação” por ter deixado o cargo. Tendo sido embaixador do Brasil em Washington e ministro do Exteror, seria péssimo “jogá-lo” num lugar qualquer. Não foi bom ministro, mas sabe tudo sobre a ONU, seu novo posto,

DONA DILMA FICOU
SABENDO COMO?

Ainda não é certo quando ela soube do fato espantoso. No sábado, quando começou? Assim que a “comitiva” com o fugitivo chegou a Corumbá? Falam que Celso Amorim telefonou contando. Que era o que o encarregado de Negócios queria.

Também dizem que soube diretamente por um telefonema do senador Renan. Este, tendo sabido do fato como mostrei, acompanhou o caso, facílimo com os meios de que dispõe. Concretizado tudo, contou para Dona Dilma, falou como se fala entre parceiros: Você me deve uma”.

O INTRANSIGENTE
EVO MORALES

Tudo começa e termina com ele. Foi intransigente com o senador asilado. Embora este não seja personagem para ser citado, podia ter conversado com o ministro Patriota ou até com Dona Dilma. É impossível JUSTIFICAR esse fato inacreditável: um fugitivo, sem vigilância externa, percorrer 1,6 mil quilômetros de território da Bolívia, em carro oficial do Brasil (três carros, dois com placa oficial) sem que despertasse a menor suspeita, perseguição ou uma parada para verificação?

Um criminoso ou apenas um perseguido, vá lá, faz tudo isso e percorre um trajeto enorme, volta para o Brasil na maior tranquilidade? Quem vai acreditar nisso? O que ainda não se sabe com segurança: autoridades da Bolívia (até mesmo do Ministério do Exterior) teriam sabido com antecedência do que aconteceria. FICARAM EM SILÊNCIO. Os fatos confirmam a versão. Razoável e possível, dentro do “carteado” chamado de diplomacia.

“TUDO NOS UNE,
NADA NOS SEPARA

Embora a frase seja do presidente da Argentina, Saens Peña (grande figura), em 1922, quando veio ao Brasil para o centenário da Independência, pode servir também para identificar as relações Brasil-Bolívia. Em 1957, o Brasil serviu à Bolívia, mas também obteve os objetivos desejados.

Nesse ano, a Petrobras praticamente só existia no papel, precisávamos de gás, que a Bolívia tinha em quantidade. Juscelino fez contato com a Bolívia, foram assinados os importantes Acordos de Roboré. JK indicou para cuidar do assunto, Roberto Campos, então presidente do BNDE ( Não tinha o S de Social, hoje tem o S, mas continua sem Social).

Roberto Campos decidiu que os Estados Unidos deveriam participar do acordo de compra e venda, que era apenas entre Brasil e Bolívia. Eles protestaram, JK decidiu imediatamente: “O acordo é só entre Brasil e Bolívia”. Ótimo para os dois países.

E evidente que o caso Roger Pinto tem que ser investigado, não ficar como se não tivesse acontecido nada. Mas por que Brasil e Bolívia têm que ser atingidos de forma preconceituosa e mesquinha? O que não serve aos dois países, ainda se pode conversar e com sucesso.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

31 thoughts on “Embora essa questão Brasil-Bolívia esteja longe do fim, é preciso “situar” quem é quem no episódio nada diplomático. E que não pode atingir Brasil e Bolívia. Só os protagonistas da FUGA devem ser responsabilizados.

  1. Respeito sua importante opinião caro e nobre Jornalista Helio Fernandes, mas me permita discordar do seu texto acima.

    Realmente vergonhoso para todos nós brasileiros vermos e assistirmos pela televisão o rumoroso caso do Senador oposicionista da Bolivia. Dona Dilma e o governo brasileiro se curvam aos dtames deste senhor chamado Evo Morales. Há anos atrás este senhor tomou refinarias da Petrobras e as comprou por preços módicos e Lula, na época presidente do Brasil, se calou e deixou que este absurdo acontecesse. Agora dona Dilma fica irritada porque acha que o que foi feito feriu seu comando. Me desculpe dona Dilma se a senhora tivesse forçado, junto com este tal de Patriota, o governo boliviano de Evo Morales a dár salvo conduto para o Senador Oposicionista Molina nada disto estaria acontecendo, mais uma vez o governo brasileiro e a presidente do Brasil se curva ao senhor Evo Morales. Vergonhoso tudo isto! E bota vergonhoso nisto. Política externa brasileira no governo do PT um verdadeiro engodo.

  2. Jornalista Helio Fernandes
    Sou seu bastante admirador mais discordo do seu comentário sobre o diplomata brasileiro Sr. Eduardo Saboia.
    Concordo com Carlos Chagas quando diz: “De forma “humanitária”, o Encarregado de Negócios do Brasil resolveu fazer o que o antigo embaixador não fizera: convocou dois fuzileiros navais e, no automóvel oficial da embaixada, rodou por 22 horas até a fronteira brasileira, libertando o senador sem dar conhecimento ao Itamaraty ou ao palácio do Planalto.

  3. Nós já avacalhamos a máfia italiana. Quem se lembra do Tomaso Busceta? Aqui, nem o comunismo bolivariano-petralha-cubano do Foro de São Paulo dará certo. Mesmo o governo petralha tendo financiado a Rodovia Cocaleira e desprotegido a fronteira, para facilitar o tráfico de drogas e armas para os seus irmãos das FARC; mesmo o governo petralha tendo feito acordo econômico exclusivamente com as grandes potências denominadas Bolívia, Venezuela, Líbia, Irã e, mais recentemente, Guiana (por onde roubam o nosso valiosíssimo minério nióbio); mesmo o governo petralha tendo hostilizado os EUA e a UE; mesmo o governo petralha não tendo feito acordo comercial com a China; mesmo o governo petralha tendo perdoado as dívidas de países africanos governados por ditadores corruptos; mesmo o governo petralha tendo se aproximado dos banqueiros e empreiteiros para foder a classe média; mesmo o governo petralha tendo torrado o nosso dinheiro em esmolas à Cuba; ainda assim o Brasil resiste. Os petralhas não conseguirão acabar com o Brasil, embora continuem tentando. Nós, brasileiros trabalhadores honrados e dignos é que ficaremos livres dos petralhas. Não há mal que sempre dure. Hitler teve fim. Stalin teve fim. Os senhores feudais irmãos Castro, da Ilha-presídio, terão fim. Hugo Chavez teve fim (graças a Deus, mais rápido). Maduro ficará podre. Evo cocaleiro e Correia passarão, porque ninguém aguenta esses messiânicos de araque por muito tempo. O primeiro passo para derrotar as ditaduras bolivarianas acaba de ser dado pelo valoroso brasileiro Eduardo Saboia.

  4. Cinquenta anos de admiração pelas análises, escritos e coragem do Hélio Fernandes, mas desta vez ele foi por demais infeliz. Imperdoável seu tratamento ao Sabóia que, se não agiu movido pelo espírito humanitário ( e agiu, sim), se houve muito bem de acordo com o espírito do que melhor tem o povo brasileiro. Quanto à crítica ao senador Ferraço – também absolutamente imprecisa – é preciso lembrar-lhe que o próprio senador, em entrevista a jornal de nosso país, informou ter se deslocado de Vitória para receber o senador boliviano, após avisado por Sabóia.

  5. Em qualquer regime um cara desses é alijado do corpo diplomático. Não merece confiança nem para gerenciar uma lanchonete. Duvido que nos Estados Unidos não vá preso por traição. Ninguém ousa fazer lá no Departamento de Estado o que esse canalha fez no Itamaraty. Porque sabe que vai roer da banda podre. Descumpriu seu dever no exercício de um cargo público de confiança para servir a interesse de um político estrangeiro e desmoralizar a instituição de seu país. Só pode ter sido por dinheiro. É um lixo.

  6. Extremamente interessante quando um assunto recebe opiniões diversas e todas, indistintamente, têm as suas razões.
    Hélio deu o seu parecer a respeito deste imbróglio diplomático;
    Chicão da Serra apresentou um texto brilhante;
    José Paulo de Resende, Ricardo Sales e José Valente, defenderam a questão humanitária, fundamental;
    Laco Silva, a seu modo, apresentou o aspecto comportamental do diplomata, igualmente correto na sua observação.
    E agora, quem tem razão, se os comentaristas acima e com muita propriedade apresentaram suas alegações irrefutáveis por onde se quiser analisar esta encrenca?
    Só posso aplaudir a Tribuna da Imprensa que consegue arregimentar pessoas com tão alto nível de discernimento e interpretação sobre um fato que não é simples de se ter uma tomada de posição definida.
    Meu reconhecimento, portanto, que os registros postados são excelentes pela suas diversificações onde qualquer delas não pode ser eliminada, razão pela qual esta é uma situação que exigiria uma decisão salomônica!

  7. Prezado jornalista Hélio Fernandes,
    gostei mesmo foi da palavra “blasonar”. Vou usar. Aqui mesmo, no blog, há muitos blasonadores que desfilam um grande conhecimento adquirido nos almanaques do Elixir Paregórico. Na maioria, sabem tanto quanto um de “pai de santo”. Muitos adquiriram estratégias como pilotos de carrinho de rolimã ou como recruta no Tiro de Guerra.
    Eduardo Saboia merece uma condecoração. Se o senador liberto do cativeiro é corrupto e responde a processos, não está em melhor lugar que Brasilia onde tem o metro quadrado mais infestado de canalhas, malandros e salafrários. Só por ter cometido ato de insubordinação contra o bugre comunista produtor de drogas e contra a baleia comandanta do Brasil, já valeu o ingresso. Agora, é libertar o Brasil, que está em vias de confinamento ditatorial pelos cães petistas. Abaixo a ditadura popular do Partido dos Trabalhadores!!!

  8. Hélio, apenas um reparo: os escoltas de Saboia não eram policiais federais, mas sim fuzileiros navais; deste modo, quem deveria ter sido avisado era mesmo o Ministro da Defesa, e não o Ministro da Justiça.

    • Os servidores da embaixadas cumprem ordens do EMBAIXADOR. No caso o comando foi do ENCARREGADO INTERINO. Se a presidenta não foi informada pela ABIN, o órgão falhou e precisa de uma recauchutagem geral. Mais grave ainda por ter se originado dentro de nossa embaixada situada num PAÍS VIZINHO.

  9. Caro Jornalista,

    “… Em 8 de junho do mesmo 2012 o governo brasileiro decide conceder o asilo, com base na Constituição brasileira.”

    -Realmente… AINDA NÃO INVENTARAM LIVRO QUE PROTEJA E DÊ DIREITO A BANDIDO MAIS DO QUE A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA!
    Aliás, todos os artigos que têm essa finalidade são considerados “cláusulas pétreas”…
    Abraços.

  10. O encarregado de negócios da embaixada do Brasil em Bogotá merece elogios. Foi brilhante. Faz lembrar a esposa de Gui8marães Rosa quando na Europa dominada pelo nazismo deu rota de fuga a vários judeus que seriam exterminados por Hitler.
    Evo Morales não merece confiança. Recentemente tomou da Petrobras refinarias de petróleo por mero capricho.Na verdade um roubo. O governo brasileiro nada fez.
    Os bolivianos arrogantes aumentaram o valor cobrado pelo gas que nos fornecem, rompendo contratos.
    O Brasil brevementre não precisará mais deste gas.
    Minas Gerais tem reservas de gás natural superiores às reservas bolivianas.
    O diplomata Eduardo Saboia só merece elegios pela sua destemida conduta.

  11. Governozinho de merda.

    Patriota, um BOSTA, acompanhado pela Dilma MAÇANETA.

    Republiqueta de bananas.

    Jose Maria da Silva Paranhos Júnior deve estar muito envergonhado e dando voltas no caixão.

    Ajuda “UMANITARIA” êh soh dada nos governos em regime de excessao.

    Esse laco êh uma MALA ENSEBADA SEM ALÇA. SACO DE COCO.

    Cabra, mete na tua cabeça: ESSE GOVERNO ÊH DE MERDA.

    Volte a raiz do “POBREMA”.

    A inação foi no começo, MALA!

  12. Como o imPatriota não tomava providencias no sentido do asilo do Senador boliviano Rogério Molina, o diplomata Eduardo Sabóia tomou a decisão de traze-lo sem autorização. E o fez muito bem. E vai uma pergunta: como foi tão fácil um bandido italiano conseguir asilo? Ideologia? Se Nápoles e parece.

  13. Diplomata irresponsável, o BRASIL já cheio de políticos corruptos e ele vem pousar de bom samaritano (o coitadinho estava deprimido, talvez por não poder usar o dinheiro de suas falcatruas )deveriam os dois serem deportados um pelos crimes que cometeu o outro por dar fuga a um criminoso e dividirem a mesma cela ,lá na Bolívia ,despesa ao Brasil já basta o combustível gasto por eles na fuga .

  14. O que é BOM para a Bolívia e para o governo petista é RUIM para o Brasil. Assim sendo, aplausos para a fuga! A propósito, onde anda o idolatrado petista Cesare Battisti, o protegido?

  15. Senhor,
    Francisco Vieira Brasilia-DF
    Vejo que o senhor não conhece muito de leis. Nossa Constituição, embora com um erro no Art. 80 é a melhor que conheço.
    O Código de Processo Civil mantém, embora proibida pela Constituição, o ação rescisória. A Justiça que não se alinha com a CARTA DA REPÚBLICA.
    Finalizando é uma GRANDE CONSTITUIÇÃO.

  16. Bolívia

    O abaixo exposto, foi extraído de um artigo do professor Eugênio Rezende de Carvalho, doutor em História Social e das Ideias pela Universidade de Brasília e professor da Universidade Federal de Goiás.

    A desmedida cobiça externa pela prata, estanho, nitrato, petróleo e gás natural, resultou num verdadeira pilhagem dos recursos naturais da Bolívia, provocando, desde a independência boliviana em 1825, a deflagração de inúmeras guerras e disputas territoriais com países vizinhos. Tais conflitos, quase sempre por interesses econômicos imperiais e multinacionais resultando na perda pela Bolívia de partes significativas de seu território, inclusive, sua conexão com o mar, com drásticas consequências para sua economia.

    Essa trágica história remonta a 1544, quando foram descobertas pelos conquistadores espanhóis as maiores reservas mundiais de prata nas montanhas da região de Potosí, no Alto Peru (atual território boliviano). Potosí se converteu logo numa das mais importantes regiões do império espanhol. Passou a deter a maior aglomeração humana do continente americano e a se constituir no centro economicamente mais próspero, chegando a exportar metade da prata do mundo. Tanto que em meados do século XVII a prata de Potosí representava praticamente a totalidade das exportações da América espanhola, respondendo pela principal fonte de receita para a coroa. Toda essa fabulosa riqueza proveniente da exploração da prata se fazia com base no trabalho escravo dos indígenas, recebendo salários aviltantes.

    Já durante o período republicano, no final do século XIX e início do XX, três acontecimentos marcariam profundamente essa trágica história do povo boliviano. O envolvimento e a derrota do país em duas guerras (Guerra do Pacífico, contra o Chile entre 1879 e 1884, e Guerra do Chaco, contra o Paraguai entre 1932 e 1935) e um conflito territorial (com o Brasil, na região do Acre, entre 1899 e 1903) expressão as dificuldades da Bolívia na preservação da integridade de seus territórios e na busca de meios de controle e exploração de suas próprias riquezas naturais.

    O primeiro desses episódios foi a Guerra do Pacífico (1879-1884). O palco do conflito tendo o Chile, contra a Bolívia e Peru, por conta da região do deserto do Atacama, uma faixa de quase mil quilômetros da costa do Pacífico (norte do Chile atual). A descoberta nessa região de importantes jazidas de nitratos (salitre) precipitou reivindicações territoriais conflitantes entre esses três países. Em 1884, derrotada na guerra, junto com o Peru, a Bolívia perdeu para o Chile a província litorânea (350 quilômetros de costa) e o porto de Antofagasta, única conexão que tinha com o mar, além de seus campos ricos em salitre.

    O segundo conflito envolveu o Brasil na disputa pela região do Acre. Entre 1877 e 1879, começou a adentrar e povoar o território amazônico da Bolívia, a fim de explorar seus seringais, um número crescente de brasileiros oriundos do nordeste. Apesar das resistências bolivianas, fruto de uma intensa rebelião dos seringueiros brasileiros, foi proclamado em 1902 o estado independente do Acre. Esse novo estado foi anexado ao Brasil em 1904, ano seguinte ao da assinatura do Tratado de Petrópolis que pôs fim ao conflito brasileiro-boliviano. Pelo acordo, o Brasil incorporou o território de 190 mil Km2, mediante o pagamento à Bolívia da indenização de 2 milhões de libras esterlinas e o compromisso da entrega de uma área de fronteira no Mato Grosso de pouco mais de 3 mil Km2 e da construção da estrada de ferro Madeira-Mamoré para permitir uma conexão da Bolívia com o Oceano Atlântico, que nunca se concretizou.

    O terceiro conflito foi com o Paraguai, na chamada Guerra do Chaco (1932-1935). O palco foi na região do Chaco boliviano, um território desolado e desértico (tal como o de Atacama), na fronteira com o Paraguai. Na década de 1920, a descoberta de petróleo nessa região ocupada majoritariamente por paraguaios, aliada à cobiça de companhias britânicas e norte-americanas sobre tal riqueza, precipitou a guerra entre os dois países. Duas multinacionais do petróleo tiveram uma atuação decisiva no conflito: a companhia norte-americana Standard Oil of New Jersey, que se colocou do lado da Bolívia; e a companhia anglo-holandesa Royal Dutch-Shell, que se colocou do lado do Paraguai. Diante da derrota militar pelas forças paraguaias, a Bolívia perdeu, além dos cerca de 60 mil indígenas que formavam os seus exércitos, mais 250 mil Km2 de seu território. Além disso, a Bolívia perdeu uma possibilidade de saída para o mar, através do rio Paraguai, a partir da região do Chaco.

    O saldo final dessas guerras e conflitos foi a perda pela Bolívia, além de uma saída para o oceano, de mais da metade de seu território original desde a época da independência, com todas as riquezas neles existentes, provocando trágicas consequências para a economia e a política do país, mas sobretudo para o já sofrido e explorado povo boliviano.

    Somente com base nessa ignorada e trágica história é possível compreender em outro patamar os últimos acontecimentos na Bolívia, envolvendo a ascensão do presidente aymará Evo Morales à presidência da República e seu audacioso projeto nacionalista de redefinição do modelo de exploração dos recursos naturais do país, que visa em última instância transformar o povo boliviano no principal beneficiário de suas próprias riquezas naturais.

    A grande preocupação de Evo Morales é evitar que não aconteça com o seu gás natural o mesmo que ocorreu no passado com a prata, os nitratos, o estanho, o petróleo e outros de seus formidáveis recursos naturais. Da eficiente defesa de suas riquezas naturais remanescentes dependerá o futuro da economia, da justiça social e da democracia na Bolívia.

    Esse é o dilema histórico da Bolívia que contraditoriamente leva no próprio nome a homenagem a Simon Bolívar, ícone da causa da independência, da liberdade e da unidade latino-americana, mas que se confronta de forma trágica com a realidade dos difíceis caminhos para a concretização dos nobres ideais sonhados e buscados por esse libertador.

  17. na minha opinião esse sabóia é um trapalhão que quis somente as páginas dos jornalões,primeiro foi o zelaya lá em Honduras e agora esse sujeito todo enrolado com a justiça boliviana.embaixada brasileira agora virou pousada ou hotel cinco estrelas? mais ficaram com medo dos eua e mais do que depressa negaram que fossem dar asilo a edward snowden

  18. O ilustre jornalista foi com tanta sede ao pote que até polícia federal entrou na história! A partir daí, misturou alhos com bugalhos e fez tudo para provar que focinho de porco é tomada. Afinal, fuzileiros navais são da Marinha e o Saboia, gostem ou não, se for candidato a deputado ou senador, já está com assento no Congresso!

  19. O Itamarati, após rápida investigação, deverá punir o Sr. Sabóia. Êle tem por dever de ofício, pleno conhecimento do erro cometido. Imaginem se um diplomata estrangeiro tivesse o mesmo comportamento em relação ao Brasil? Tenho a mais absoluta certeza de que ele deve e vai ser punido. Se o Brasil quer ser respeitado, tem que respeitar!

  20. Caro Ronaldo.

    Desculpas mas:

    Qual a sua logica?

    E o caso Battisti?

    A quem respeitar cara-palida?

    Concordo com a sua ultima assertiva:

    “SE O BRASIL QUER SER RESPEITADO, TEM QUE RESPEITAR”.

    Isso aqui eh a CASA DA MAE JOANA.

    GOVERNOZINHO DE MIERDA.

  21. Se o diplomata brasileiro falhou ao providenciar a retirada do senador boliviano sem o devido aval das “desautoridades” brasileiras, talvez o tenha feito por justo motivo.
    Se falhou, ainda assim continua com estatura para servir ao desgoverno “pestista”.
    Esse governo é muito fraco. Dona Dilma é muito ruim. Foi ruim até como terrorista.
    Se ganhou uns tapas no famigerado DOI-CODI, pode ser considerada feliz.
    Rubens Paiva não teve essa sorte. E olha que não era nem ativista de nenhum grupo de combate armado, contra a ditadura, como é o caso de Dona Dilma e alguns outros ( ex. Aloisio Nunes Ferreira, que era motorista do bravo Carlos Mariguela ).
    Se o pt é ruim, Dilma é o que o partido tem de pior.
    Lula pelo menos consegue vender melhor o peixe estragado, ou seja, nos f..emos, mas pelo menos alguns até acreditam, o que também não serve de consolo.
    O Brasil precisa mandar o Mercosul para o devido lugar. Quanto a Bolivia, país que merece todo o nosso respeito, não ganharemos nada bajulando desgovernos deles. Talvez se o Brasil se livrar dessas ideologias governamentais, talvez sejamos até mais uteis para os nossos vizinhos!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *