Empreiteiro confirma que Odebrecht comandava o cartel

Mendonça Neto, ao prestar o depoimento

Mario Cesar Carvalho, Graciliano Rocha e Flávio Ferreira
Folha

O executivo Augusto Mendonça Neto, diretor da Setal que se tornou delator na Operação Lava Jato, disse em audiência na Justiça federal do Paraná que a Odebrecht comandava o cartel de empresas que dividiam obras da Petrobras.

“A Odebrecht, pelo peso e importância, tinha uma voz predominante no grupo. Quando ela queria alguma coisa, era muito difícil que aquilo não fosse feito daquela forma. Se ela não quisesse, isso certamente não seria feito”, declarou ao juiz Sergio Moro.

Ainda segundo ele, “as empresas escolhiam as suas preferências, e as demais apresentavam preços superiores”.

ABREU E LIMA

Mendonça citou como exemplo do poder da Odebrecht o fato de a empreiteira ter conseguido dois dos maiores contratos da refinaria Abreu e Lima. Por meio de consórcios, a Odebrecht obteve em Abreu e Lima negócios que somam R$ 4,67 bilhões.

O executivo da Setal contou que o ex-diretor da Odebrecht Márcio Faria participava das reuniões em que as empresas discutiam como seriam divididas entre elas as obras da Petrobras.

Para Mendonça, as empresas pagavam propina porque temiam retaliações dos diretores da Petrobras. “Pagavam [suborno] porque a capacidade de um diretor de atrapalhar é muito grande. Todas as empresas tinham medo de não pagar”.

AMEAÇAS

O dirigente da Setal diz que sofreu ameaças do deputado José Janene (PP-PR), que indicou Paulo Roberto Costa para a diretoria de abastecimento da Petrobras e cobrava propina das empresas que eram contratadas pela estatal. Mendonça diz que foi ameaçado por Renato Duque e Pedro Barusco, diretor e gerente da diretoria de Serviços da estatal. Ambos disseram, segundo o executivo, que sem suborno o contrato não seria assinado.

O diretor diz que a divisão de obras beneficiou a Setal em duas obras: as das refinaria Getúlio Vargas, no Paraná, e de Paulínia, em São Paulo.

PAGAMENTOS NO EXTERIOR

Funcionário de Alberto Youssef, Rafael Angulo López voltou a dizer que entregou números de contas no exterior para que Alexandrino Alencar, um dos executivos do grupo Odebrecht presos desde junho, realizasse depósitos a pedido do doleiro.

Segundo López, houve entre 10 e 15 encontros em escritórios da Braskem (petroquímica do grupo) e da própria Odebrecht, em São Paulo, de 2008 a 2013. A defesa de Alexandrino recusou-se a fazer perguntas à testemunha de acusação porque não teve acesso à íntegra de todos os depoimentos de López.

Parte deles permanece em segredo de Justiça porque integra inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal para apurar se políticos com foro privilegiado receberam propina com origem no esquema de corrupção da Petrobras.

CASTELO DE AREIA

Em depoimento na mesma ação penal, o ex-presidente da construtora Camargo Corrêa, Dalton Avancini, disse que o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque criou dificuldades para a assinatura de um contrato vencido pela empreiteira na obra da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, com o objetivo de pressionar pelo pagamento de propina.

Segundo Avancini, Duque chegou a citar até mesmo o fato de a construtora estar sendo investigada em uma operação da Polícia Federal como um entrave para a assinatura do contrato.

À época, a Camargo Corrêa era alvo da operação Castelo de Areia (desencadeada em 2009), que investigou supostos crimes financeiros e de fraude a licitação cometidos pela empreiteira. A operação foi anulada pelo Superior Tribunal de Justiça sob a justificativa de que a apuração policial começou apenas a partir de uma denúncia anônima.

 

2 thoughts on “Empreiteiro confirma que Odebrecht comandava o cartel

  1. A Justiça (e também os brasileiros) precisa apurar quanto o caixeiro-viajante da Odebrecht, Luiz Ignácio Lula da silva ganhou de comissão da empreiteira pelo trafico de influência que obrigou o BNDES a oferecer a Cuba condições vantajosas no financiamento do porto de Mariel, a 40 quilômetros de Havana, incluindo um prazo de 25 anos para pagar, com juros subsidiados pelo banco brasileiro a uma taxa de 4,44% e 6,91% ao ano, taxa “atípica” e prazo “atípico”, isto comparando com o empréstimo que o BNDES faz a empresas brasileiras: Uma das poucas comparações possíveis é com financiamento do Porto do Sudeste, projeto de Eike Batista vendido para investidores estrangeiros. Neste caso, o BNDES concedeu, direta e indiretamente, cerca de R$ 1,74 bilhão, com juros mais altos e prazos menores que o porto cubano – entre 7,9% e 8,9%, com 13 a 14 anos de prazo.

    Como fica demonstrado que o BNDES só empresta a empresas brasileiras a prazos que não ultrapassam os 14 anos, fica flagrante o favorecimento à Odebrecht e à Cuba que anomalamente o BNDES tenha feito empréstimo para a construção do porto de Mariel com um prazo de 25 anos para pagar e a juros reduzidos, o que significa subsídio porque dá prejuízo ao banco e ao Tesouro Nacional.

    A Justiça brasileira (e o povo brasileiro) precisa saber quanto foi que o Lula ganhou de comissão da Odebrecht por ter conseguido, com o seu prestígio, que o BNDES fizesse este tipo de empréstimo para a empreiteira trabalhar em Cuba. Dado o histórico de propinas, que se confunde com a história do PT, ninguém acredita que Lula tenha feito este serviço sujo de graça, não é mesmo ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *