Empresas beneficiadas com isenções por Cabral enriqueceram a mulher dele

Resultado de imagem para adriana ancelmo

Cabral não trabalha e é sustentado pela mulher

Chico Otavio e Daniel Biasetto
O Globo

Dos dez maiores contratos do escritório Ancelmo Advogados, da mulher do ex-governador Sérgio Cabral, nos últimos oito anos (2008-2015), sete foram celebrados com empresas que receberam no mesmo período benefícios fiscais do governo fluminense. Dados obtidos pelo GLOBO, que teve acesso a todos os contratos assinados pelo escritório neste tempo, demonstram que R$ 27,33 milhões derivam dos sete contratos com empresas contempladas, que, juntas, receberam quase R$ 4 bi em isenções.

Os investigadores suspeitam de uma conexão entre os bilionários benefícios fiscais concedidos pelo governo Cabral — cerca de R$ 140 bilhões em renúncia entre 2008 e 2013 — e estes contratos. As empresas Telemar, CSN, Light, Reginaves, Metrô, Brasken e Unimed, entre outras favorecidas pelos benefícios, figuram na lista de clientes da ex-primeira-dama.

A força-tarefa da Lava-Jato sustenta que Adriana Ancelmo, mesmo sendo casada com Cabral, não “reportou qualquer dificuldade ético-profissional” ao ser contratada, por meio de seu escritório de advocacia, por empresas que mantinham contratos com o governo do Rio de Janeiro e com concessionárias de serviços públicos.

OPERAÇÕES SUSPEITAS – Entre os contratos avaliados pela força-tarefa, dois deles — Reginaves, no valor de R$ 1,1 milhão, e Hotel Portobello, de R$ 844 mil — dizem respeito a empresas diretamente envolvidas em operações suspeitas com o grupo investigado.

Já quanto aos contratos celebrados entre o escritório de Adriana Ancelmo e empresas concessionárias do poder público e com outros vínculos com o governo fluminense, a investigação destaca Metrô-Rio (R$ 1,9 milhão), CEG (R$ 865 mil), OI-Telemar (R$ 10 milhões) e Light (R$ 3,5 milhões).

Um dos mais expressivos contratos registra o pagamento no ano passado de R$ 13 milhões pela Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio), comandada por Orlando Diniz. A federação tem convênios com o governo fluminense.

Em 2014, Cabral e Orlando, como revelou a “Folha de S. Paulo”, trocaram e-mails. O ex-governador, na ocasião, pediu a seu vizinho de prédio, no Leblon, que aumentasse o salário da chefe de cozinha Ana Rita Menegaz, que dava expediente no Palácio Guanabara e também trabalhava para o Senac, gerido pela Fecomércio. O pedido foi atendido.

VAGA PARA A CUNHADA – Cabral também pediu a Orlando uma vaga no Departamento de Marketing do Senac para a cunhada, Jacqueline Ribeiro Cabral (mulher de Maurício Cabral): “Trata-se da minha cunhada. Publicitária com enorme experiência em grandes agências de publicidade. Te agradeço”.

Há outras ligações. Maria Angélica, mulher de Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, acusado pela Lava-Jato de ser principal operador de Cabral, foi funcionária do Sesc (Fecomércio) de 2003 a 2013.

CURRÍCULO FRACO – Adriana Alcemo foi gerente judicial do Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (ISP), entre 2000 e 2001, e procuradora assistente da Alerj de 2001 a 2003, quando conheceu Cabral.

Em abril de 2012, foram divulgados vídeos e fotos que mostram Cabral, Adriana e outras autoridades estaduais na companhia do empresário Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, em 2009. Cavendish havia se afastado do comando da empresa depois de relatórios da Polícia Federal, na Operação Monte Carlo, apontarem a Delta como financiadora de empresas fantasmas criadas pelo contraventor Carlinhos Cachoeira.

O empresário Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, preso sob a acusação de ser operador de Cabral, também aparece nas investigações como dono de uma firma rural, a LRG Agropecuária, fabricante de queijo de cabra, favorecido com contratos de valores elevados com empresas igualmente contempladas com benefícios fiscais.

SERVIÇOS PRESTADOS – As empresas CSN, Light, MetrôRio e Rica descartaram irregularidades na contratação do escritório de Adriana Ancelmo. Segundo nota da CSN, “o escritório Coelho & Ancelmo foi contratado para serviços advocatícios contenciosos que foram efetivamente prestados“.

De acordo com o MetrôRio, o mesmo escritório chegou a ser um dos 35 escritórios, de diferentes áreas de especialização, que prestaram serviços de advocacia à companhia. Os serviços não estariam mais sendo usados desde 2014.

Já a Light informou que o escritório Ancelmo Advogados presta serviços para a concessionária na área trabalhista. No total, são pagos mensalmente R$ 34.584, definidos com base num valor fixo por processo, padrão também utilizado pela Light para outros fornecedores do setor.

INDICAÇÃO DE CABRAL – No caso da Rica, o advogado criminalista Michel Assef contou que Alexandre Igayara, presidente da empresa, prestou depoimento na quinta-feira à Polícia Federal sobre a questão. Ele teria dito que a indicação do escritório de Adriana Ancelmo partiu de Sérgio Cabral, de quem Igayara seria amigo há 20 anos.

A CEG afirmou em nota que o escritório Ancelmo Advogados presta serviços à empresa há cerca de dois anos, na gestão de causas de consumidores, trabalhistas e recuperação de créditos. Oi, Braskem e Unimed não se manifestaram.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Não adianta conversa fiada. O fato concreto é que Adriana Ancelmo é completamente desprezível no meio jurídico. Não se conhece nenhuma ação de destaque defendida por ela. Os excelentes repórteres Chico Otavio e Daniel Biasetto estão dando um show de cobertura, com informações exclusivas, e demonstram que muitas vezes a imprensa pode caminhar à frente das investigações. A relação de “clientes” da superadvogada Adriana Ancelmo é grotesca e diz tudo. As isenções fiscais são o mapa da mina do enriquecimento ilícito da família Cabral. (C.N.)

45 thoughts on “Empresas beneficiadas com isenções por Cabral enriqueceram a mulher dele

  1. Ele como governador, concedeu ao escritório da mulher, processos de empresas Rio Trilhos, Supervia e virou sócia, verdadeiro nepotismo, mas o MP e justiça, nada fizeram, jornais publicaram à época, mas ficaram calados.

  2. Lamentável chutar cachorro morto, mas,infelizmente essas pessoas merecem, talvez, muito mais….
    Pena que a lei é branda demais ….Os chineses ao que consta são severos com ladrões do dinheiro do povo. Não sei se é verdade que a mulher do Cabral é filha do famoso BARATA – rei dos transportes no Rio….INVESTIGAÇÃO PROFUNDA É NECESSÁRIO!

  3. Estou na terra do Renan , paguei R$ 5,50 em uma cerveja que em qualquer pé sujo do Rio custa R$ 10,00.Um peixe a Brasileira para 3 pessoas nesse quiosque de uma praia urbana custa R$ 58,00. Esse é o real ” benefício ” dessas isenções fiscais do Rio.
    Força Fecomercio…

  4. Qual o trabalho que a mulher do Cabral fez para receber R$ 13 milhões da Fecomercio ?
    A gasolina em Alagoas , Paraíba e Sergipe é mais barata que no Rio.
    Viva a Fecomercio….

  5. A casa do Cabral caiu e ele ficou embaixo dos escombros.
    Como desgraça pouca é bobagem e na república brasileira, só se livra da cadeia com deduragem, só falta agora a mulher dele pedir o divorcio e fazer delação premiada, ai o bicho vai ver com quantos paus se faz uma canoa.
    O rapaz esta no mato sem cachorro e observado por um macaco tarado.

  6. A questão na presente postagem não é debater se a concessão de isenções fiscais é ou não, foi ou não oportuna, mas sim a coincidência (será?) de que 7 dos maiores contratos fechados pelo escritório da esposa do lalau, dizerem respeito, todos 7, a contratos celebrados com empresas contempladas com isenções fiscais pelo governo do Estado. Convenhamos, é difícil considerar isso uma mera coincidência diante do histórico de corrupção do lalau. Portanto, seria interessante o MP averiguar a natureza desses contratos e o andamento de suas ações para consecução dos objetivos a que se propõem.

  7. Carlos Newton, vocês dois têm razão e estão falando de coisas diferentes. Os hotéis mas só a parte de hospedagem são tributados pelo ISS enquanto a parte de restaurante e outros serviços são tributados pelo ICMS. Viajo bastante aqui no Brasil e quando fecho a conta nos hotéis, recebo duas notas. Uma estadual e uma municipal. Aliás, a municipal a gente nunca recebe pois ela tem que ser emitida pela SF do município e muitas vezes só recebo um código e um link para pegar a nota na internet. A maioria das prefeituras acabam não emitindo a nota e perdendo o ISS:

  8. O interessante é que todos sabiam dos tipos de clientes da referida advogada, neste RJ.

    A imprensa inclusive cutucou bastante essa história de Adriana defender tantas empresas com contratos junto ao Estado do RJ.

    Mas quase que o RJ inteiro fingia não enxergar quaisquer promiscuidades, ou conflitos de interesses…

    Ora, ora… será que este Estado adorava ser roubado por essa quadrilha tão classuda e chique???

  9. Desconfio de todo sujeito que generaliza criticando a imprensa! Boa coisa não é!

    Aliás:

    – “Toda generalização é terrível vingança social que não corresponde à realidade”.

  10. Uiiiiii estou histerico Uiiiii a Rússia vai invadir o Brasil e expropriar aquela bilionária inutilidade chamada Sistema S e fazer com que a horda de sonegadores e caloteiros paguem o que devem. Empresário não paga imposto, quando é honesto apenas recolhe o que a população já pagou.
    Eles que paguem o Pato !

  11. Banania é o paraíso dos tributos, de feto a defunto, não tem perdão.
    São mais de 1,6 milhões de novos brasileirinhos a cada ano, futuros honestos, desonestos, corruptos, vitimas, criminosos, vencedores, perdedores, conformados que antes de nascerem tem visitas aos ginecologistas, complementos alimentares, transportes, maternidade,enxoval,… tudo tributado, federal, estadual e municipal,….. xiii nasceu agora são alimentação, fraldas e mais fraldas que são tributadas pela quantidade de bosta que comportam, roupinhas, pediatra, brinquedos da China,…. idade escolar, tem que comprar cada item da papelaria, uniformes, transportes, lanches,…ensino médio, universidade ou estudo técnico, finalmente vida própria, muitos trabalharão 30 ou 35 anos, 10 desses para pagar impostos e a vida segue até que chega a hora da despedida, do “tributo” ao durão, com os pés juntos dentro do caixão, cercado de amigos, das coroas, das flores, tudo devidamente tributado, federal, estadual e municipal .

  12. Pelo que se vê, também o sempre atento Francisco Bendl teve preguiça de perguntar ao Google se hotel paga ICMS. Se perdesse apenas 1 minuto de seu tempo, também saberia que hotel paga ISS (municipal) pela hospedagem e ICMS (estadual) pela venda de refeições e bebidas, não incluídas na diária.

    Abs.

    CN

    • Pô, Newton, até tu?!

      Escrevi que eu não iria entrar na seara tua e do Pires e me atiras uma pedra na cabeça?!

      Independente deste aspecto fiscal porque no Rio e não no RS, a imprensa brasileira, na sua maioria, é venal, tendenciosa, dita de esquerda, quando, na verdade, adora sorver uísque importado e caviar, um resquício da esquerda festiva de antigamente, que lembras muito bem porque temos a mesma idade!

      O modo como a mídia julgou e condenou os que invadiram o plenário da Câmara Federal, acusando-os de fascistas, foi pernicioso, pois deixaram de lado a revolta do povo com os ladrões, os que querem abafar a Lava-Jato, os escroques travestidos em parlamentares!

      Uma pena que tenhas me chamado à atenção dessa maneira, meu caro, pois eu me referia à parcela de culpa que a imprensa tem com relação à situação do Brasil, pois não deves esquecer que esta mídia que me reporto é exatamente aquela que era “acariciada” pelo PT com verbas milionárias para enaltecer o governo ladrão dos petistas!!!

      Um forte abraço.
      Não me condenes injustamente, pois não mereço.
      Saúde e paz!

  13. Por que o Sr. não perde alguns minutos lendo a lei que o senhor mesmo cita? Seria interessante, já que o Sr. trabalha com isso. Vou repetir, ad nauseam: aqui no Brasil, hotel paga ISS pela hospedagem e ICMS pela venda de refeiçoes e bebidas, conforme o comentarista Paulo2 já esclareceu, de forma perfunctória, citando inclusive a forma diferenciada de cobrança dos impostos, e o sr. nem respondeu a ele, claro, porque nem poderia responder. Fica citando apenas um dispositivo da Lei Complementar, sem citar o outro dispositivo que faz a ressalva.

    CN.

  14. Então se eu ganhar alguns milhões e não querer ser rentista para ganhar 0,33% de juros ao mês mais 1/12 da inflação do ano e fabricar caixões, toda a matéria prima sera isenta de tributos, meus lucros serão isentos ou é tudo estatal?

    • Neste caso, prezado Fabio Vale, você não fechou comigo, mas com o que diz a lei e acontece na prática, porque só na Terra do Nunca Jamais um governante daria isenção tributária a quem já é isento.

      Forte abraço,

      CN

  15. Sr. Carlos Newton, sou obrigado a discordar do Sr. em um unico ponto do seu texto, como advogado (não chegando aos pés do Dr. Beja), sou obrigado a relatar que a Drª Adriana Ancelmo, possui casos de destaques, o mais importante deles foi defendendo a familia do Luciano Huck, onde 2 meses apos ser contratada (a peso de ouro), foi emitido um decreto pelo Cabral alterando a Area de proteção ambiental e salvando a mansão da familia em Angra

  16. Excelente debate, meu caro Carlos Newton.

    A imprensa livre é fundamental a toda nação que deseja o desenvolvimento, nos mais diversos aspectos, sejam sociais, econômicos, morais, tecnológicos, dentre outros!

    Cidadãos que, de forma generalizada, atacam a imprensa livre não percebem que atiram nos seus próprios pés.

  17. Pena que o tributarista tenha de trabalhar aos sábados. Se estivesse de folga, poderia entender que me referi a medicamentos revendidos pelos hospitais aos pacientes, cobrando o preço que bem entendem, como é fato público e notório. Aliás, farmácia também paga ICMS, ou o tributarista também dará isenção?

    CN

  18. Pelo que entendi, essa polêmica sobre hotéis e suas isenções fiscais, nos comentários desse artigo, decorre da menção ao fato de que um contrato do Hotel Portobello com a Adriana Ancelmo teria sido investigado pela força-tarefa da Lava Jato.

    É bem verdade que nem sempre a imprensa é cuidadosa, e a legislação tributária é confusa e casuística, mas fica o fato de que o contato em questão foi investigado pela força-tarefa, pelo que se presume deveria haver, ao menos em tese, alguma irregularidade com esse contrato, e algum vínculo com Sérgio Cabral.

    Se não são isenções fiscais concedidas por Cabral, o que exatamente a força-tarefa investigou nesse contrato?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *