Enquanto os humanos morrem, os promotores dos tribunais internacionais cruzam os braços

Coronavirus: the cost of China's public health cover-up ...

A China precisa ser incriminada pelos tribunais internacionais

Jorge Béja

Não é crível que os procuradores (promotores) do Tribunal Penal Internacional (TPI), firmado no Estatuto de Roma que instituiu e estabeleceu leis e regras universais para o funcionamento do próprio TPI, ainda não tenham iniciado investigação para apurar a responsabilidade criminal das autoridades (pessoas, indivíduos, pessoas naturais) da República Popular da China por causa do flagelo que este coronavírus-19 causou ao próprio povo chinês e a toda a Humanidade.

Também não é crível que os procuradores do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), que decide exclusivamente sobre a responsabilização dos Estados (países, pessoas jurídicas do Direito Internacional), também ainda não tenham dado início à investigação para apurar a responsabilização do Estado chinês pela mortandade que sofre a Humanidade por causa deste maldito vírus que teve origem na China.

SÃO ÓRGÃOS DA ONU – Ambos os tribunais, o TPI e o TIJ, são órgãos da Organização das Nações Unidas (ONU). Que esperam os procuradores destes tribunais internacionais? Por que estão omissos se cumpre-lhes agir de ofício? Sim, porque se depender de provocação, de queixa e/ou de representação da algum país membro da ONU, tudo vai ficar sem investigação, sem responsabilização e sem punição. Isto porque nas relações internacionais prevalece a lei do mais forte.

Não existe solidariedade. Não existe fraternidade. Muito menos preocupação e amor. E os países mais fracos têm apenas o direito de sofrer. De gemer. De chorar e enterrar seus mortos. E a China é o mais o país mais forte, porque tudo fabrica e tem para vender para o mundo, e Os outros países muito pouco têm para vender aos chineses. Então, para as autoridades chineses, que se dane a Humanidade.

DEVER DOS PROCURADORES – Acordem, senhores procuradores. Comecem a agir. É dever dos senhores. Os senhores não enxergam que o mundo parou e que a Humanidade está morrendo?

Aqui no Brasil houve manifestações corajosas contra o governo chinês. Uma, é de se reconhecer que, em parte foi ofensiva ao povo chinês, primeiro vitimado pelo aparecimento deste misterioso vírus. Foram as manifestações do deputado Eduardo Bolsonaro e do ministro da Educação, que fez o seu justo protesto no twíter. Mas o ministro não precisava imitar o povo chinês falando. “Geopoliticamente, quem podeLá saiL foLtalecido em teLmos  Lelativos dessa cLisse mundial?”. Que infantilidade, ministro Weintraub!. Da resto, o senhor deu o recado que era para ser dado.

E a cobrança que o embaixador da China dirigiu ao Palácio do Planalto, exigindo retratação, foi gesto de arrogância e prepotência.

AQUI, SOMOS DEMOCRACIA – Saiba, o senhor embaixador, que suas imunidades diplomáticas não lhe asseguram prepotência nem arrogância. Saiba que no Brasil somos uma democracia. E nossa Constituição Federal garante o Direito de Expressão e Manifestação do Pensamento. O erro do ministro foi escrever imitando o bravo povo chinês falando. Fora isso, nada de mais. Temos liberdade de expressão. Não somos a República Popular da China.

A outra manifestação foi do deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente da República, e que levou o pai a telefonar para o chefe de Estado da China, certamente para reafirmar as “boas relações” entre Brasil e China. Apenas isso.

As autoridades de Pequim têm o indeclinável dever de explicar ao Mundo como este vírus apareceu lá.

DE QUEM É A CULPA? – À luz do Direito Internacional, não se vê, a priori, nenhuma excludente de responsabilidade.

Não foi caso fortuito. Não foi força maior. Não existiu culpa exclusiva ou concorrente das vítimas. Não foi “Act of God” (Ato de Deus). Se um meteoro tivesse caído lá em Wuhan, província de Hubei, e trazido e espalhado o vírus, a hipótese (inimaginável e surrealista) seria, então, de força maior. Ou “Act of God”.  Mas tanto não aconteceu.

Espera-se quem em breve, ou ainda em razoável espaço de tempo, os procuradores dos dois tribunais comecem a agir. Caso contrário, então que se extinguem e deixem de existir os referidos tribunais. Vejam abaixo o noticiário da TV australiana (SkyNews Australiana). Sem medo e corajosamente, fez uma justa acusação contra Pequim.

CONFÚCIO, MAO E JESUS – Daí porque prefiro a companhia do filósofo e pensador chinês Confúcio (28/09/551 a.C – 11/04/479 a.C): A melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros”, e “não corrigir as próprias falhas é cometer a pior delas“.

E não quero nunca estar na companhia deste outro chinês, Mao Tsé-Tung (1893-1976): O poder político nasce do cano da espingarda”; “O poder nasce da ponta do cano de um  fuzill”; “Comunismo não é amor, comunismo é um martelo com o qual se golpeia o inimigo”.

E por ser hoje (10/04/2020), Sexta-Feira Santa, estou sempre com Jesus, que disse na Cruz, ao ser assassinato no ano 33: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” e “Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito

Vejam o vídeo da SkyNews Australiana:

34 thoughts on “Enquanto os humanos morrem, os promotores dos tribunais internacionais cruzam os braços

  1. Tenho visto várias reportagens da SKY News Australia durante este tempo. Melhor midia desde a controvérsia do “Bolsonaro esta tacando fogo na Amazônia”. Lá eles estão pedindo punição para a China e OMS e não estão seguindo as recomendações vindas destas duas fontes.

  2. Não foi à toa que assim que começaram os rumores do novo vírus, Taiwan fechou todos os voos vindos da China. Enquanto o idiota italiano criava o “abrace um chinês”.
    Quem vive perto do monstro e sente seu bafo quente agiu rápido.
    Já os idiotas úteis ocidentais logo se puseram de joelhos pedindo desculpas aos chineses.

  3. -Prezado Jurista, se fosse o Kaddafi ou o Assad, a ONU estaria todas as noites no Jornal Nacional denunciado a carnificina, conforme foi feito na queda do avião e no suposto uso de gás.

    -Mas as leis foram feitas pelos fortes para servir apenas aos fortes. Até que são, algumas vezes, usadas para protegem os fracos, mas só quando o seu uso for conveniente aos fortes.

    Veja este vídeo:

    “”A China realmente mentiu!”, EUA – Mas o que podemos fazer quanto a isso?”
    https://www.youtube.com/watch?v=VziVR7vZ08A&t=5s

    -No final, o autor confirma o que já sabemos: Não podemos fazer nada! O dragão cresceu, armou-se com bombas atômicas, ficou independente e já não aceita essa tal “soberania relativa” pregada ao Brasil pelo presidente francês.
    -Mas a vida é assim mesmo: O inteligente sempre acaba manipulando os idiotas, dominando-os.

    Abraços.

  4. Fazendo coro com as palavras de nosso editor Dr. Carlos Newton, até um certo ponto, também digo que ” Como os empresários não se preocupavam com o meio ambiente, o problema da chuva ácida foi se agravando e a partir da década de 70 as leis se foram se tornando muito rigorosas, a ponto de inviabilizar as indústrias mais poluentes.

    Como Napoleão previra, o capitalismo então mostrou que não tem pátria. Ao invés de alterar os processos industriais, instalar filtros ou reduzir a produção, as multinacionais simplesmente desmontaram as fábricas obsoletas e as reinstalaram na China Comunista, que lhes ofereceu as condições ideiais, pois não havia leis trabalhistas nem antipoluição, e isso, para os capitalistas, era o paraíso na terra.

    O resultado agora todos sabem. A China está poluindo o planeta de uma forma devastadora, e se tornou a segunda maior potência, exportando tudo o que se possa imaginar, até mesmo perigosos vírus”, todavia acrescento que os operários que trabalham na China são especialmente os próprios chineses, as fábricas do ocidente, principalmente do Ocidente, foram sucateadas e levadas para lá porque os chineses trabalham em regime de semi-escravidão, em número de horas incompatível com as necessidades humanas de descansar,gozar férias, conviver tempo razoável com suas próprias família, e recebem salários ínfimos, muito inferiores ao que o Ocidente, e principalmente os EEUU pagam aos seus operários industriais. E os empresários e industriais dos países ocidentais entregaram a produção de bens industrializados para a China, por ser mais lucrativo para o capitalismo e os proprietários das indústrias, sem estes se darem conta que estavam entrando na armadilha de dependerem dos produtos feitos na China para abastecer o ocidente, desde manufaturados a maquinaria pesada. Tudo é comprado da China, que com isso chegou a ser a segunda potência econômica do mundo. Não levaram em conta a brutalidade da ditadura chinesa, e, em especial, as ambições de controle do mundo, agora em mãos chinesas, conduzidas com a mão de ferro desumana do ditador chinês Xi Jinping, cuja história de vida vou mostrar no vídeo o youtube logo abaixo.

    A obsessão de Xi Jinping, que conseguiu ser proclamado no último congresso do PCC como Secretário Geral Perpétuo do PCC , isto é, o líder do Poder Executivo da China até sua morte, é a obsessão de transformar o mundo, o Ocidente inclusive, em uma espécie de pensamento único, distorcendo, como vem acontecendo desde Mao Tsé Tung, as teorias marxistas. Deseja dominar o mundo e que o mundo seja uma espécie de colônia da China, e várias destas táticas e artimanhas para tal fim são reveladas no vídeo internacional, feito em vários países, inclusive na própria China, que coloco abaixo. Deseja colocar o mundo sob seus desígnios, o que nada tem a ver com a filosofia de Marx.

    Como sua obsessão não tem escrúpulos, não tenho certeza de que seja verdade que o paciente zero tenha sido um acidente como consta da versão chinesa de que o coronavirus infectou o paciente zero num mercado de animais vivos, e como consta do informe oficial chinês. É uma resposta que omite, ou não sinaliza,como foi que na China que a pandemia começou. A China não explicou devidamente ao mundo (o que é a sua obrigação), ou à OMS, o que de fato aconteceu com o paciente zero, qual animal (se foi isso que aconteceu) mordeu o paciente zero, e se este animal morreu com Covid-19..

    Além disso, a China retardou em meses a comunicação aos organismos de Saúde internacionais, como a OMS , que esta pandemia havia começado em Wuhan e estava se espalhando entre os chineses. Os médicos chineses que tentaram divulgar isso ao mundo foram executados, e não está claro se realmente a pandemia se iniciou no paciente zero por picadura de animal ou foi criada propositadamente no laboratório de virologia situado justamente em Wuahn, com poder de destruição das populações de diversos continentes mais eficaz de que dezenas ou centenas de bombas atômicas.

    Desconfio que a intenção de Xi Jinping foi, como está acontecendo, é a de matar a população do Ocidente, especialmente a dos Estados Unidos e da Europa, do Japão, e mesmo dos países pobres como o Brasil, em todos os continentes, para dar lugar aos chineses, em seu projeto de dominar o mundo, e tornar o mundo uma única China de pensamento único, com sede em Pequim e a seu comando.

    Uma confirmação do que estou falando pode ser notada no vídeo abaixo, feito a várias mãos, no youtube , que é intitulado: “Quem é Xi Jinping”.

    https://youtu.be/EeeQHj65v-s

  5. “Em artigo publicado no Le Monde, um dos principais jornais franceses, Yuval Noah Harari, historiador e filósofo israelense, alertou para o risco de políticas isolacionistas em decorrência do coronavírus: “[S]em confiança e solidariedade globais, não seremos capazes de parar a epidemia de COVID-19 e provavelmente teremos que enfrentar outras epidemias parecidas no futuro.”

    Ele se refere ao discurso dominante no atual momento de pandemia. De acordo com ele, “[N]os últimos anos, políticos irresponsáveis minaram a confiança que se poderia ter na ciência, nas autoridades públicas e na cooperação internacional.”

    Por exemplo, declarações como “vírus chinês” de líderes mundiais e teorias da conspiração que visam atacar a China, como a de que a tecnologia 5G é responsável pela transmissão do coronavírus, geram um ressentimento geopolítico que pode levar ao isolacionismo”

  6. “A propaganda política busca imbuir o povo, como um todo, com uma doutrina… A propaganda para o público em geral funciona a partir do ponto de vista de uma idéia, e o prepara para quando da vitória daquela opinião”. Adolf Hitler escreveu tais palavras em 1926, em seu livro Mein Kampf , no qual defendia o uso de propaganda política para disseminar seu ideal de Nacional Socialismo que compreendia o racismo, o anti-semitismo e o anti bolchevismo.”

    https://encyclopedia.ushmm.org/content/pt-br/article/nazi-propaganda

    Ao que parece, os chineses entraram na dança.
    Por sorte, podem explodir o planeta umas duas vezes. Se quiserem,,,,

  7. Pingback: Enquanto os humanos morrem, os promotores dos tribunais internacionais cruzam os braços - Flávio Chaves

  8. O duro Dr. Beja, é que não tem nenhum articulista dessa TI parabenizando o senhor. O Copelli eu realmente não espero nada, mas do CN? Não se omita CN, você está voltando aos seus melhores momentos.

  9. Mr. Abrahão Moyses Renée y Alfinete,

    Your comment is inappropriate, pornographic, it is not possible to know who you are mocking, but who is mocking you are yourself. You have no civility or ideas, and your presence on this blog is undesirable. Please, for everyone’s sake, disappear from here.

    • Prezado leitor, peço desculpa por não ter respondido imediatamente. Só hoje, sábado, é que tomo conhecimento da sua pertinente pergunta.

      Estados Unidos, China, Israel, Iêmen, Iraque, Líbia e Qatar não subscreveram o chamado Estatuto de Roma que criou o Tribunal Penal Internacional.

      No entanto, a falta de adesão não exclui os Estados, que não subscreveram o Estatuto, à sua jurisdição. Isto porque, todos eles —- Estados não aderentes —- fazem parte do organismo maior, que é a ONU, e que criou e instituiu o referido Tribunal.

      Em suma: Estados (países) federados não podem recusar e desrespeitar o que ficou decidido pela Confederação à qual pertencem e integram. Logo, a falta de adesão é nula. Não gera efeitos jurídicos. Essa é a mais pura e autêntica lógica primária da Ciência do Direito, nacional e/ou internacional. No caso da China, a recusa é ainda menos válida. Isto porque a China é Estado-membro-fundador da ONU.

      Agradeço por ter lido, comentado e perguntado.

  10. Por falar em cruzar braços, o que o Bolsonaro faz? Hoje mesmo vi na TV que ele saiu com os seus bodyguards para passear pelas ruas de Brasilia e comer bolinho em padaria. Isso quando o país está de luto não pela sexta-feira bíblica, mas pelos milhares de brasileiros vítimas do desgraçado do virus.
    Parece que o presidente não tem o que fazer, além de criar problemas e “aparecer”.
    Por respeito ás famílias que perderam seus entes queridos, o presidente deveria pelo menos fingir tristeza, se não a pode sentir.

  11. Me parece que o articulista esqueceu de relacionar em sua peça acusatória, um possível principal cúmplice.

    A Europa. As nações europeias, cujos lideres politicos ignoraram as recomendações da OMS de isolamento social e restrição de circulação de pessoas em viagens e que propagaram o vírus para os demais continentes, em especial o americano e africano, o fizeram por desleixo? Ou por imprevidência sanitaria?
    Aqui também não se poderá falar em excludente de responsabilidades uma vez que seus dirigentes politicos e administrativos possuem as chaves dos portões de entrada e saída de suas fronteiras.
    Um exemplo, apenas um: as atitudes inconsequentes do primeiro ministro da Inlaterra contra as recomendações de isolamento social, etc…

    1.
    https://theintercept.com/2020/04/04/coronavirus-europa-china/

    2.
    https://oglobo.globo.com/sociedade/geneticistas-mapeiam-rotas-globais-que-coronavirus-usou-para-viajar-24295164

    3.
    https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/03/20/novo-coronavirus-nao-foi-criado-em-laboratorio-diz-estudo.ghtml

    4.
    https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/cientistas-publicam-um-novo-estudo-sobre-coronavirus-a-cada-tres-horas-china-lidera.shtml

    • Você tem certeza de que a OMS recomendou restrição de circulação de pessoas em viagens? Veja esta notícia publicada em 03 de fevereiro deste ano pela Reuters – presumivelmente uma fonte confiável, não uma fábrica de “fake news”:

      “O chefe da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na segunda-feira que não há necessidade de medidas que “interfiram desnecessariamente nas viagens e no comércio internacional” na tentativa de impedir a propagação de um coronavírus que matou 361 pessoas na China.”

      https://www.reuters.com/article/us-china-health-who/who-chief-says-widespread-travel-bans-not-needed-to-beat-china-virus-idUSKBN1ZX1H3

      Claro que quem quiser pode falar, como sempre se faz nesses casos, de contexto, e que a OMS só criticou interferências “desnecessárias” nas viagens internacionais. Mas quais interferências são “desnecessárias”? Parece que a OMS nunca explicou isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *