‘Enquanto Ratzinger viver, não é bom que Francisco me receba em Roma’, diz Leonardo Boff

Francho Barón (El País)

Genézio Darci Boff, ou Leonardo Boff (nascido em Santa Catarina em 1938), teólogo da Libertação, foi condenado ao ostracismo por Joseph Ratzinger em 1985, depois da publicação de seu livro “Igreja, Carisma e Poder”, um torpedo contra o “establishment” do Vaticano nos últimos dois papados. Ele volta à cena para anunciar a chegada da igreja do terceiro milênio, liderada por Francisco. Segundo Boff, uma instituição “com cheiro de ovelhas, e não flores de altar”.

El País: O que o mundo pode esperar do papa Francisco?

Leonardo Boff: Vem um papa cujo nome, Francisco, não é um nome, mas um projeto de igreja. Uma igreja pobre, humilde, despojada do poder, que dialoga com o povo. Temos muita esperança de que ele inaugure a igreja do terceiro milênio. Também creio que se criará uma dinastia de papas do Terceiro Mundo.

El País: O senhor foi uma grande voz dissidente na Igreja Católica e um dos mais críticos com os dois papas anteriores. O que o faz ser tão otimista quando fala do novo pontífice?

Boff: Creio que é muito corajoso. Situou-se ao lado dos pobres e contra a injustiça. Temos uma igreja que tem hábitos palacianos e principescos. Este papa mandou sinais de que quer outro estilo de igreja, dos pobres para os pobres, e essa é a grande herança da Teologia da Libertação. Vai pôr em xeque os hábitos tradicionais de cardeais e bispos.

El País: A igreja brasileira sofre uma sangria de fiéis há anos. O senhor pensa que a chegada de Francisco ao Brasil poderá ser crucial para reverter essa tendência?

Boff: Certamente, muitos protestantes vão participar dos atos desta Jornada Mundial da Juventude. Por outro lado, não considero uma desgraça que haja muitas igrejas cristãs. Em grande parte é culpa da Igreja Católica, porque, de fato, para o número de católicos que temos no Brasil, deveríamos ter 120 mil sacerdotes e temos somente 17 mil. Em nível institucional, a igreja fracassou.

El País: O senhor considera a possibilidade de voltar à Igreja Católica com este novo papa?

Boff: Sempre me considerei um teólogo católico que nunca abandonou a igreja. Sempre disse que mudei de trincheira, mas não de batalha. Portanto, meu trabalho eclesiástico continua, mas com uma diferença: casei-me. Se o papa acabasse com o celibato obrigatório, voltaria ao caminho comum da igreja.

El País: O senhor acredita que Bergoglio poderia abolir o celibato obrigatório?

Boff: Creio que existe essa possibilidade, porque Francisco traz a experiência do Terceiro Mundo, onde o celibato nunca foi uma virtude especial. Vejo que pode dar dois passos: primeiro, reconhecer que há 100 mil sacerdotes casados na igreja e permitir que voltem a seu trabalho. Segundo, que se institua o celibato opcional. Todas as igrejas já fizeram isso e a única que resiste é a católica. E com isso se causa muito dano.

El País: O senhor pretende se encontrar com o Papa?

Boff: Não quero forçar essa situação. Ele já disse que gostaria de me receber em Roma, mas antes tem que reformar a Cúria. E, enquanto Bento 16 viver, não seria bom para Francisco que eu, que tive um confronto doutrinário com ele [Ratzinger], seja recebido em Roma. Mas ele está aberto a me receber, inclusive trocamos correspondência.

El País: O senhor pensa que a Teologia da Libertação pode viver um novo apogeu a partir de agora?

Boff: Creio que sim. A Teologia da Libertação nasceu como uma tentativa de escutar o grito do oprimido. A maneira de atuar do novo papa favorece essa doutrina. E seria melhor que nem a mencionasse, porque poderia criar polêmica.

El País: Como o senhor vê o futuro do catolicismo na América Latina?

Boff: Creio que o futuro da América Latina não será um futuro de cristianismo. Será uma religião nova, na qual haverá muitos elementos cristãos, especialmente os santos, a missa, os ritos como o batismo, a eucaristia e o matrimônio, mas também com elementos da tradição indígena e das religiões afro-americanas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

37 thoughts on “‘Enquanto Ratzinger viver, não é bom que Francisco me receba em Roma’, diz Leonardo Boff

  1. A Igreja católica tem lá suas regras e procedimentos que não agradam a todos.
    Se alguma coisa não agrada a alguém, o lógico é que esse alguém procure outra coisa de que goste.
    Não é o caso de Boff, em que a Igreja católica não agradou e até o convidou a sair dela.

    A verdadeira religião de Boff é a marxista-lenista, que desde a “redentora” de 1917 na Rússia declarou guerra à religião católica por esta exercer grande influência em grande parte da população mundial, contrariando desde o começo a sanha totalitária vermelha.

    Enquanto os religiosos marxistas-leninistas não fizerem da religião católica sua subalterna, Boff e outros do tipo, não sossegarão.

  2. Eu gostaria apenas que o ex-frei Leonardo Boff me explicasse o seguinte:
    Por que tanta preocupação com o pobre, e não vejo trabalho para tirá-lo desta condição?!
    O PT e a Teologia da Libertação são íntimos.
    Excetuando o Bolsa Família como uma medida social importante, inegavelmente, a dúvida que oprime o cidadão pensante é por que ele não percebe obras neste sentido, de RETIRAR O POBRE desta situação de ser sempre POBRE?!
    Então, lemos artigos infindáveis sobre as causas da pobreza;
    Críticas avassaladoras contra as elites;
    Acusações intermináveis contra o Capitalismo;
    Comentamos sobre os interesses estrangeiros que nos empobrecem;
    Constatamos enorme quantidade de artigos vinculando Cristo à pobreza, dando a entender que ele gostava mais de ver o homem se humilhando ao pedir esmolas que auxiliá-lo a retirar-se com as suas próprias forças do meio em que vive – que pecado quem divulga esta mentira;
    Enfim, quais as razões que se vê tanto enaltecimento à pobreza ao invés de condená-la e trabalhar à sua eliminação?!
    Enquanto a Teologia da Libertação e o PT, juntos, não explicarem ou provarem o que fazem para diminuí-la, respeitosamente não vou acreditar nas palavras deste homem inteligente, haja vista que se deixou conduzir para estágios mais políticos que sociais e religiosos, descaracterizando a sua bela obra em tese, mas nada prática porque nada do que apregoa foi posta em execução para minimizar a pobreza e angústia de milhões de pessoas!
    Finalizo com duas simples perguntas:
    Por que Leonardo Boff e o PT não se dirigem à população abordando o Ensino Público como exatamente a maneira mais fácil, efetiva e eficiente, de acabar com a pobreza?!
    Por que antes de citarem a Bíblia e Cristo, não erígem os extraordinários CIEPS, que resolveriam a criança pobre abandonada nas ruas e lhe dariam a chance de crescimento individual e futuro como cidadão?
    A meu ver, mais quer Leonardo Boff a propagação de sua Teologia que resolver a pobreza, infelizmente!

  3. http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19850311_notif-boff_po.html termina com: “Ao tornar público o que acima ficou exposto, a Congregação sente-se na obrigação de declarar, outrossim, que as opções aqui analisadas de Frei Leonardo Boff são de tal natureza que põem em perigo a sã doutrina da fé, que esta mesma Congregação tem o dever de promover e tutelar.” … Boff é quem não deu continuidade ao diálogo. Lionço Ramos Ferreira

  4. Caro amigo Bendl:

    Sinceramente, o notável saber do Teólogo Leonardo Boff é inquestionável. Sua cultura filosófica se constata pelos artigos que temos a honra de ler no Blog da TI.

    O Frei foi afastado da Igreja pelo papa conservador alemão. Trata-se de um cidadão brasileiro perseguido pelas suas ideias libertadoras, pela sua preferência pelos pobres, desde que pontuou suas ações através da Teologia da Libertação.

    Bendl, os Padres e Bispos ligados a Teologia da Libertação são exatamente aqueles mais preocupados com a exclusão da imensa maioria da população massacradas pelo capitalismo neoliberal e pela globalização da miséria.

    Agora, se realmente o filósofo Boff têm suas preferências políticas pelo PT, quem somos nós para julgar não é mesmo. Aqui mesmo no BLOG, leitores e comentaristas militam e defendem o PDT de Brizola, o PSDB de Fernando Henrique, o PSB de Eduardo Campos e a Rede da Marina. Então, qual a razão de tantos ataques virulentos ao articulista por ele ter acreditado na proposta do PT?

    É positivo para o debate, para o conhecimento, para as experiências de vida, a pluralidade do pensamento. Se pontuasse aqui somente as ideias capitalistas, o amor pela economia de mercado, o deixe passar, o deixe andar, a mão invisível de Adam Shimit, o cada um por si e Deus por todos, certamente seria muito chato. Na outra ponta, se por acaso também tivéssemos que ler somente as teorias de Marx e Friedrich Engels, de Lenin, de Mao, nos sentiríamos igualmente com a mente distorcida.

    Quanto a resolver a pobreza, creio que a Teologia da Libertação não tem esse dom mágico. Como disse o filósofo Antônio Candido sobre o socialismo, basta buscá-la, mesmo que saibamos que é de difícil concretização. O importante é ir de encontro ao sonho utópico, pois nessa caminhada conseguiremos a diminuição do fosso abissal existente entre ricos e pobres no mundo globalizado deste século.

  5. Querer o mundo à nossa imagem e semelhança implica em lutar pelo poder para consegui-lo.
    Essa gente tipo Boff, marxista-leninista ou islamita, luta pelo poder, que, uma vez conseguido, estabelecerá seu reino de “amor” e “justiça”.
    Querem por que querem ser os donos do mundo para nos salvar.
    História velha.

    Canadá, Coreia do Sul, Japão, EUA, Alemanha e outros do tipo mostram como chegar lá e isto não tem nada a ver com ideologias ou religiões.
    A própria China abandonou sua religião vermelha que não resolveu seus problemas e caiu na real do capitalismo, que pode ser ruim, mas muito pior sem ele.
    Soluções há, mas não através de misticismos ideológicos ou religiosos

  6. Roberto Nascimento, saudações.
    Identifico-me com seu texto, tão clarificador e lúcido. A Teologia da Libertação, assim denominada por um padre peruano nos anos 50, buscava a interpretação das Escrituras, visando o socorro aos pobres. Na ocasião, em função da pobreza mais do que franciscana da América Latina, ela foi associada a Karl Marx. Hoje – repetindo a visão inteligentíssima do Papa Francisco – os tempos mudaram e a Igreja Católica também mudou. Já não vale mais a pena a fixação em dogmas ou doutrinas. O que vale mesmo é: o que fazer para combater o “Deus Dinheiro”, como destacou corajosamente o Papa Francisco. Olhemos para frente, vejamos o que pode e deve ser feito para que a “Globalização da Indiferença” citada por Francisco não prossiga nos moldes atuais e que está levando o mundo para um buraco gigantesco. E … por que será que o Papa Francisco pediu o livro de Boff e está comunicando-se com ele? Boff aderiu ao PT no passado? E daí? Quantos de nós erramos e prosseguimos errando em nossas avaliações? Mas quanto ao que pregou o padre peruano, a Teologia da Libertação está correta em sua essência. Colocá-la em marcha – assim me parece – é um desafio tamanho família para o Papa Francisco. Afinal, o nome Francisco de Assis é a própria Teologia da Libertação. A “Palavra de Deus” em favor dos pobres. Mas … se Jesus que é Jesus é alvo de deboches e escárnios … quanto mais as pessoas que a Ele apoiam.

  7. Meus caros Roberto Nascimento e Almério Nunes, mas meus caros amigos mesmo,
    Escrevi que não acreditaria nas palavras deste homem inteligente(Boff), enquanto eu não visse obras com base na sua Teologia da Libertação para tirar o ser humano desta miséria.
    Teologia da Libertação… de quê?!
    Da alma presa aos bens materiais?
    Mas essas pessoas não têm nada!
    Libertá-las dos grilhões que as detém em suas péssiams condições de vida?
    Como?
    Lendo o Evangelho tão somente e dizendo para si mesmo e outros que, “Deus quis assim”?!
    Que a pobreza é a trilha melhor e mais rápida para se chegar aos céus?
    Vivo ou morto?
    Que se faz necessário sofrer nesta vida para que a outra seja compensada ao lado de Deus?
    Então se trata de sadismo, haja vista Deus saber que o nosso destino é padecer para voltarmos ao seu lado e, mesmo assim, permite que passemos por privações, vamos e venhamos, um capricho divino inaceitável para os padrões de infinita bondade de Deus e da nossa capacidade de suportar injustiças!
    Ora, se não vejo na Teologia da Libertação ações práticas de como extirpar do pobre a sua vida miserável, do que ela me vale?
    Consolo pela má sorte de vir a este mundo como sem camisa, pelado, sem futuro, condenado a ser esmoleiro e aprender a viver de restos e, em consequência, resignar-me com meu destino?
    Repito, meus amigos:
    Na razão direta do bem social que trouxe o Bolsa Família e, paradoxalmente, este benefício determina que seus beneficiados continuem na condição de dependentes, a Teologia de Boff deveria vir acompanhada de fórmulas para diminuir a pobreza e não mantê-la, por favor, me entendam!
    Que o ex-frei é inteligente, tem suas preferências políticas, escreve maravilhosamente bem, seus textos possuem conteúdos interessantes não discordo. Minha contestação se fundamenta que, de nada adianta, eu enaltecer o pobre, caracterizá-lo como vítima do sistema, do Capitalismo, de exploradores nacionais e internacionais, e apenas acenar-lhe com a palavra de Deus como esperança única de vida melhor, mas não nesta existência, porém depois que ele morrer!
    Volto à vaca fria:
    Talvez eu estudasse para ser padre aos 63 anos, e membro da pastoral que implementa a Teologia da Libertação, caso estivesse agregado a ela o Ensino Público NÃO IDEOLÓGICO, mas integral, como eram os CIEPS.
    Enquanto a Teologia da Libertação permanecer no patamar da Teoria, sem qualquer ação prática de mimizar esta chaga da Humanidade, a pobreza, Leonardo pode até ganhar o Prêmio Nobel da Paz, entretanto, fará parte do rol dos nossos governantes omissos e irresponsáveis quanto ao Ensino, a verdadeira LIBERDADE DO SER HUMANO, que reside no CONHECIMENTO, evidentemente adquirido de professores em salas de aulas e nas escolas, e não no meio do mato, em acampamentos, em invasões, em uma vida nômade e, menos ainda, como objetivo de qualquer partido político!

  8. Sou levado a concordar com o Sr. Mauro Júlio, quando declara que “soluções há, mas não através de misticismos ideológicos ou religiosos”. Em outras palavras, não através de doutrinas.
    Qualquer solução que vise o desenvolvimento tem que começar, caminhar e continuar com a educação. Misticismos desviam o foco da educação. Tendem a nos colocar no mundo de Alice no País das Maravilhas.
    Gostei desse Papa e do que ele declarou, mas não vislumbrei qualquer apologia à pobreza, embora ele tenha mencionado Cristo. Este, se existiu de fato, era intolerante contra os ricos.
    Aliás, Cristo não era um exemplo de tolerância. E em seu nome, muita bobagem é divulgada, como, por exemplo, o que disse C.K. Chesterton, segundo o qual “se as pessoas param de acreditar em Deus elas não passam a acreditar em nada, mas em qualquer coisa.”
    Portanto, a ideia de um Deus criador do universo por sua livre e espontânea vontade está cristalizada na cultura judaico-cristã. Mas do ponto de vista científico, tal pressuposto acarreta mais indagações do que respostas. A dificuldade implica a natureza do tempo. Como se sabe hoje, tempo está ligado a espaço, sendo ambos elásticos. O espaço-tempo faz, tanto como a matéria, parte do universo físico, segundo as descobertas da física quântica. A segunda lei da termodinâmica preconiza o caos e a entropia com ele gerada. O tempo tem suas próprias leis de mudança e comportamento, as quais são parte da física, da nova física.
    Portanto não tem significado dizer que Deus criou o universo, já que isto é o mesmo que dizer que Deus criou o tempo, e, segundo a nova física, uma causa tem que preceder um efeito. A criação é uma atividade temporal, o que significa que o tempo já existia antes de a atividade ser causada. Eis porque certos físicos gabaritados declaram que a imagem que a imagem ingênua de Deus existindo antes da criação do universo (toda a matéria cósmica) é claramente absurda, já que não existia um “antes”.
    Sou evolucionista. Mas não tenho dificuldade em conceber uma criação sem Deus. Qualquer tipo de educação precisa se desvencilhar de misticismos. Como declarou Niels Bohr, “quem não se sentir chocado com a teoria quântica é porque não a compreendeu.”

  9. Segundo as últimas pesquisas amplamente divulgadas, menos de 60% dos brasileiros se declararam Católicos Apostólicos Romanos. Se são ou não praticantes é outro caso. Essa Teologia da Libertação é problema dos católicos a resolver, de pessoas como o frade entrevistado com a Igreja que ele diz acreditar. Como foi a TFP no tempo do Plinio que teve problemas com a Igreja Católica e outras correntes mais. Que relação com o governo brasileiro ou com o PT, que nem majoritário é politicamente no congresso? Quantos desses chefões aí do PT praticam o catolicismo, confessam, comungam, vão às missas, etc.etc.? Muitos já desrespeitaram o matrimônio, considerado pela fé católica uma graça divina. Já têm até amantes na segunda união. O governador da Bahia, que é um dos chefões do PT, é judeu. Por acaso está afiliado à Teologia defendida por algum frade ou monge? Pelo que sei, o frade entrevistado foi punido por um papa que discordou de suas idéias ou, sei-lá, não foi com sua cara, porque tudo foi decidido no Vaticano entre eles. Agora ele está a dizer numa entrevista a um jornal espanhol que espera que o atual papa reverta sua punição. Problema de um religioso com sua Igreja.

  10. Che Guevara, o santo PJoteiro
    ESCRITO POR FELIPE MELO | 09 ABRIL 2013

    “O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu Reino não é deste mundo.”
    João 18, 36.

    “Eu não sou Cristo nem filantropo, minha velha, eu sou totalmente o contrário de um Cristo… Eu luto pelas coisas em que acredito, com todas as armas à minha disposição, e tento matar o outro homem para que eu não seja pregado numa cruz ou em qualquer outra coisa.” O autor dessas palavras escreveu-as a sua própria mãe em uma carta datada de 15 de julho de 1956. Seu nome era Ernesto “Che” Guevara. Em outra oportunidade, esse mesmo homem proferiu a seguinte pérola: “De fato, se o próprio Cristo ficasse no meu caminho, eu, como Nietzsche, não hesitaria em esmagá-lo como a um verme.”

    Che Guevara é tratado ainda hoje como uma espécie de Cristo revolucionário, que deu sua vida por muitos em nome de um projeto divino de Paraíso. Nada demais, uma vez que o culto messiânico a líderes socialistas é uma das características essenciais da mentalidade revolucionária. Esse apelo messiânico é, aqui na América Latina, uma das grandes armas para arregimentar idiotas úteis à causa socialista – afinal, a religiosidade cristã é algo pulsante na cultura e no modus vivendi da população latino-americana. Como bem sabemos, essa estratégia tem dado muito certo. E, para ilustrar, vamos utilizar um exemplo emblemático e bastante prático.

    A imagem acima foi publicada nas redes sociais pela Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Fortaleza/CE– uma organização “católica”. Nada mais apropriado para atrair a simpatia das pessoas do que o sentimentalismo barato: uma criança nos braços, um barbudo sorridente, uma frase “inspiradora”, e pronto, a máquina de agitação e propaganda começa a funcionar. Não há como não se sentir tocado por essa imagem, por seu apelo sentimental, ainda mais em se tratando de nós, latinos, tradicionalmente analfabetos em qualquer assunto importante e nascidos no maior laboratório revolucionário do mundo. Mas não é um tremendo contra-senso defender um sujeito que era claramente anticristão? Bom, seria, se as pessoas que o defendem realmente conhecessem alguma coisa sobre a história recente da América Latina e sobre a Igreja.

    O socialismo foi, desde seu surgimento, uma doutrina profundamente anticristã. Em suas origens, esse sentimento anticristão era algo muito mais explícito e aberto, facilmente identificável. Um dos objetivos principais de todas as correntes socialistas foi, desde sempre, a supressão da religião, notadamente a religião cristã, a quem combatiam externamente com todas as forças. No entanto, os socialistas notaram que isso era muito contraproducente, de modo que buscaram outra maneira de destruir a religião cristã: infiltrando-se nela e corroendo-a desde dentro. A chamada Teologia da Libertação é o exemplo mais ilustrativo disso: uma conciliação surreal e herética entre Cristo e Marx.

    A Igreja condena o socialismo desde seu princípio. O Papa Leão XIII foi um dos maiores oponentes do marxismo, de que tratou com particular preocupação nas encíclicas Quod Apostolici Muneris e Rerum Novarum. A posição da Igreja acerca do marxismo não mudou: todos os sucessores do Papa Leão XIII não só mantiveram, como reafirmaram o posicionamento da Igreja:

    O Papa João XXIII, na carta encíclica Mater et Magistra, por exemplo, relembra o ensinamento da Igreja reafirmando “não se poder admitir de maneira alguma que os católicos adiram nem ao socialismo moderado: quer porque ele foi construído sobre uma concepção da vida fechada no temporal, com o bem-estar como objetivo supremo da sociedade; quer porque fomenta uma organização social da vida comum tendo a produção como fim único, não sem grave prejuízo da liberdade humana; quer ainda porque lhe falta todo o princípio de verdadeira autoridade social.”

    Na carta apostólica Octogesima Adveniens, dizia o Papa Paulo VI: “Muito freqüentemente, os cristãos atraídos pelo socialismo têm tendência para o idealizar, em termos muito genéricos, aliás: desejo de justiça, de solidariedade e de igualdade. Eles recusam-se a reconhecer as pressões dos movimentos históricos socialistas, que permanecem condicionados pelas suas ideologias de origem.” Ao esmiuçar as diversas facetas do socialismo, o Papa Paulo VI afirma que o marxismo é “prevalentemente o exercício coletivo de um poder político e econômico, sob a direção do partido único, que intenta ser, ele somente, expressão e garantia do bem de todos, subtraindo aos indivíduos e aos outros grupos toda e qualquer possibilidade de iniciativa e de escolha.” Ou seja: uma ideologia totalitária, pura e simplesmente.

    O Papa João Paulo II, que tanto trabalhou pelos jovens do mundo e viveu na pele os horrores do marxismo – seu país, a Polônia, foi um dos que mais sofreu na Europa sob o jugo comunista –, assim escreve na carta encíclica Centesimus Annum: “[…] o erro fundamental do socialismo é de caráter antropológico. De fato, ele considera cada homem simplesmente como um elemento e uma molécula do organismo social, de tal modo que o bem do indivíduo aparece totalmente subordinado ao funcionamento do mecanismo econômico-social, enquanto, por outro lado, defende que esse mesmo bem se pode realizar prescindindo da livre opção, da sua única e exclusiva decisão responsável em face do bem ou do mal. O homem é reduzido a uma série de relações sociais, e desaparece o conceito de pessoa como sujeito autônomo de decisão moral, que constrói, através dessa decisão, o ordenamento social. Desta errada concepção da pessoa, deriva a distorção do direito, que define o âmbito do exercício da liberdade, bem como a oposição à propriedade privada.”

    Seria razoável pensar que tudo não se passa de um mal-entendido, algo que poderia ser facilmente corrigido. Antes fosse. E algumas evidências estão abaixo:

    E aos que pensam em nos acusar de falta de caridade, de perseguição, de preconceito e quaisquer outras balelas pseudo-cristãs e politicamente corretas, recomendo que meditem as seguintes palavras de São Francisco de Sales: “É verdade que se pode falar abertamente dos pecadores públicos reconhecidos como tais, mas deve ser em espírito de caridade e compaixão e não com arrogância ou presunção por um certo prazer que se ache nisso; este último sentimento denotaria um coração baixo e vil. Excetuo somente os inimigos de Deus e da Igreja, porque a estes devemos combater quanto pudermos, como, são os chefes de heresias, cismas, etc. É uma caridade descobrir o lobo que se esconde entre as ovelhas, em qualquer parte onde encontramos.”

    Felipe Melo edita o blog da Juventude Conservadora da UnB.

  11. As FARC já têm representante legal no Brasil

    ESCRITO POR GRAÇA SALGUEIRO | 29 MAIO 2013

    Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre-RS serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. Enquanto isso, no mesmo período o presidente colombiano Juan Manuel Santos reunia-se na cidade de Cali com os presidentes do México, Peru e Chile, no encontro da “Aliança do Pacífico”, mais um desses organismos inúteis que só servem para seus membros fazerem turismo às custas do contribuinte, e estabelecer projetos que jamais serão cumpridos e menos ainda cobrados por quem quer que seja.

    No evento em Cali houve festa e apresentações culturais, nos quais o irresponsável presidente ria, dançava e festejava, enquanto nesse mesmo dia – e em dias anteriores – as FARC, que estão em “negociações de paz” com o governo colombiano em Havana, assassinavam 10 soldados e o ELN, que pretende participar desta farsa, assassinava 13 policiais.

    Há tempo eu tenho conhecimento de membros das FARC no Brasil, inclusive com status de “exilados”, como é o caso de Francisco Cadena Collazos, cognome “Oliverio Medina”, mas com esse evento em Porto Alegre tomei conhecimento de que há mais um exilado e é evidente que se trata de um membro das FARC. Pesquisando, encontrei que Mauricio Avilez (foto), de 30 anos, refugiado há seis anos e vivendo há quatro no Brasil, diz que foi “preso e torturado em seus país”. Ocorre que este elemento foi preso em 10 de junho de 2004, em Barranquilla, junto com mais 9 elementos das FARC pela tentativa de assassinato do então candidato presidencial Álvaro Uribe Vélez. Avilez pertencia à organização comunista “Comissão Eclesial de Paz” (formada por adeptos da teologia da libertação), e foi defendido pela banca de advogados “José Alvear Restrepo”, a mesma que denunciou o Coronel Plazas Vega e tantos outros militares inocentes, cujos advogados são conhecidos por serem “ex” terroristas aos quais defendem com testemunhas e testemunhos falsos. Se Avilez não pertencesse às FARC não estaria hoje como “porta-voz” da sucursal brasileira da “Marcha Patriótica” e da “Agenda Colômbia-Brasil”, uma vez que esta ONG, que pertence oficialmente ao Foro de São Paulo, foi criada e é mantida pelas FARC, fato há tempo denunciado pelas Forças Militares da Colômbia.

    No começo do mês de abril o Grupo de Trabalho do Foro de São Paulo reuniu-se em Bogotá em reunião extraordinária, para estabelecer metas para o Encontro anual e atividades paralelas visando a, sobretudo, apoiar a farsa mantida entre o Governo Santos e as FARC em Havana. No dia 9 de abril houve uma passeata em apoio a estas conversações, cujo organizador foi a “Marcha Patriótica”. Já ocorreram eventos similares na Argentina e Uruguai, e agora ocorreu no Brasil. No próximo encontro (http://forodesaopaulo.org/?p=2713), que será entre os dias 31 de julho e 4 de agosto em São Paulo, os brasileiros verão dentre seus participantes membros das FARC que agora, mediante essas “negociações de paz”, já não têm motivos para negar que são fundadores da criminosa organização criada por Lula e Fidel Castro, e que nunca deixaram de pertencer como membros efetivos com direito a voz e voto. Também não será mais possível ao governo brasileiro negar que conspira contra as liberdades e democracia no continente, sobretudo na Colômbia e Venezuela, e que apóia terroristas recebendo-os no país como pessoas de bem, como o terrorista das FARC Mauricio Avilez, que preside foros em território nacional com a conivência dos vereadores gaúchos.

    forumfarcNa tarde do dia 25 estava programada uma vídeo-conferência entre os participantes do evento e os “negociadores da paz em Havana”. Entretanto, os “negociadores” ouvidos foram apenas os das FARC, evidenciando que não há interesse real na paz da Colômbia, e sim respaldar e fortalecer politicamente o bando terrorista.

    Nos vídeos abaixo pode-se ouvir as mesmas mentiras velhas e carcomidas de que essa guerra insana é por culpa da “oligarquia”, de “problemas sociais” e que eles são as grandes e injustiçadas vítimas. O que os representantes da mesa de negociações por parte do Governo pensam ou tinham a dizer, não importa, niguém sabe ou lhes deu o direito à palavra.

    Aqui (http://forumpelapaznacolombia.blogspot.com.br/2013/05/declaracion-final-foro-por-la-paz-en.html) pode-se ler o documento final desse encontro, onde as palavras mais usadas são “amor” e “paz”, “igualdade” e “justiça social”, palavras completamente vazias de sentido quando se as pronuncia ao mesmo tempo que bombas e minas terrestres explodem pessoas inocentes, e soldados são assassinados com tamanha selvageria que ficam quase irreconhecíveis. Também é importante notar que esse encontro contou com a presença de uma deputada do Euskal Erría, o partido político do bando terrorista basco ETA e que essa paz alucinógena teve, como não podia faltar, defensores de um Estado palestino.

    O discurso versou sobre os mesmos temas repetidos por Santos à exaustão, de rotular de “inimigos da paz” àqueles que se opõem a esse circo macabro disfarçado de “mesa de negociações”, dos delírios em afirmar que o “imperialismo estadunidense” é quem comanda as reações militares porque quer “roubar” os recursos naturais do continente e para isso pedem o fim do “militarismo”, um dos pontos-chave defendidos pelas FARC para finalmente assinar o acordo de paz. E as ações seguem durante o ano inteiro num foro permanente, como forma de pressão aos seus desejos de transformar o continente Sul-Americano em uma republiqueta comunista, comandada desde Havana pelos decrépitos ditadores Castro.

    O mundo inteiro ficou chocado e estarrecido com o assassinato brutal de um soldado inglês por um psicopata muçulmano na semana passada. Uno-me à repulsa mundial e lamento a morte deste jovem soldado. Entretanto, na mesma semana 23 jovens soldados colombianos, alguns ainda imberbes, foram igualmente assassinados pelas FARC e o ELN com requintes de crueldade, e não se ouviu uma palavra – ao menos informando o fato – da mídia brasileira. Como dar a notícia a essas famílias? Como dizer que seus filhos, irmãos, pais tiveram suas cabeças perfuradas por um projétil que lhes arrancou metade do crânio? Como perdoar monstros que praticam essas barbaridades em nome de uma paz utópica e mentirosa, e depois vê-los sentados no Parlamento legislando, criando leis para que suas vítimas as cumpram?

    A mídia brasileira não deu um pio acerca deste notável encontro em Porto Alegre que, enquanto os guerrilheiros assassinavam soldados e policiais que cumpriam com o seu dever de defender a pátria, uma horda de comunistas insanos aplaudia e incentivava as FARC a continuar ensangüentando o país com suas ações terroristas, e cinicamente falando de “paz” num vídeo, sabendo que mentiam descaradamente pois o que desejam é a tomada do poder absoluto. Quando uma mídia chega a esse ponto de insensibilidade e conivência, já não é mais digna de merecer o respeito como “fonte de informação” e sim o escárnio e o repúdio como convém aos cúmplices de tanta desgraça.

    http://notalatina.blogspot.com

  12. Prezado Solon,
    Então também concordas comigo, pois na minha contestação sobre a Teologia da Libertação prego a necessidade de a Educação estar ao lado desta teoria, e como possibilidade concreta de se retirar o pobre da situação que se encontra.
    Apenas a divulgação do Evangelho e arrebanhar fiéis à Igreja, a meu ver não vão resolver este grave problema que aflige bilhões de pessoas.
    Saudações.

  13. É lamentável esses balões de ensaio lançados por Leonardo Boff em sua pregação em prol de si mesmo. Desejar a morte do papa Bento XVI, é demostração suficiente de ter uma mente doente e ardilosa. Para não dizer covarde, pois sabe que suas teorias são fracas diante do trono da Santa Igreja e age com comportamento vil para dizer que o papa Francisco está alinhado com a Teologia da Libertação (ou seria da Escravidão?). Boff representa mais um horror que recebe a proteção como luvas do Foro de São Paulo para sobreviver.

  14. Prezado Rodrigo,
    Importante texto que nos apresentas a respeito do socialismo e de seu líder mais difundido, Chê Guevara.
    O povo desconhece a teoria a respeito, incluindo Marx, Engels, e se apega à figura do assassino Chê pela vontade que traz dentro de si de pegar em armas contra as injustiças sociais, sua exclusão ao desenvolvimento, e de ser oprimido permanentemente.
    A falsa propaganda que alega Cristo como um revolucionário e socialista, anima a imaginação popular em participar de revoluções, matar os inimigos do socialismo, sangue, mortes, compensações e… mais ódio, miséria, pobreza, divisões na sociedade e pobres a perambular pelos quatro cantos deste mundo como consequência!
    Se o rico fosse morto e seu patrimônio ou dinheiro passasse às mãos dos necessitados, o motivo estaria explicado pela uso da violência empregada, no entanto, não é o que acontece.
    A fortuna fica intocável;
    Os herdeiros ou a organização do assassinado transferem o capital para outro país;
    A nação empobrece com a saída dos que possuem dinheiro para empreendimentos, propiciar emprego, instalações de indústrias e comércio, lavoura e pecuária;
    A miséria aumenta porque a população e o país ficam à mercê de si mesmos, surgindo o caos político, econômico e social, e com o surgimento natural de um líder que decide recorrer à mesma violência empregada anteriormente contra os detentores do capital, agora contra os miseráveis, de modo a colocar ordem na baderna!
    Não preciso citar Cuba, Coréia do Norte, Camboja, a extinta União Soviética, a China, antes de abrir suas portas para investimentos estrangeiros…
    Enfim, eis uma das razões pelas quais o socialismo ainda arregimenta adeptos, evidentemente com base em supostas revoluções salvadoras e sem qualquer análise posterior a tais conflitos entre a população após esses terminarem, cujo rescaldo será a ruína de um povo e de seu país!

  15. Prezado “silvio da rocha correa”,
    .
    Amazonense por nascimento, infância em Porto Velho, carioca por adoção, paulista por formação,baiano de coração,o mundo em proveitosa e inesquecível passagem, que tem por sergipe um doce recanto escolhido para adoçar este velho, irrequieto e indócil coração.
    .
    Alguns poucos e distantes familiares em Belém, portanto, talvez algum barata em humaitá.
    .
    Grato, à disposição e Sds.

  16. Prezado Francisco Bendl,
    por trás da Teoria da Libertação(?) há uma ânsia de não só destruir, como desvirtuar a palavra de Jesus Cristo.
    Se nos anos 60 houve o desbunde dos “revolucionários” burgueses com drogas e rock and roll e proteção dos padres, ocorre o mesmo com Leonardo Boff que saiu de suas angustias egoístas para se apegar e propagar os sonhos enganosos das ideias do socialismo de mentirinha.
    Hoje, proibido de falar em nome da igreja, buscou refúgio no FSP e outras entidades para continuar se achando influente e o único possuidor da verdade com suas teorias escravizantes. Leonardo Boff é uma mentira!

  17. Deve ser o Agildo Ribeiro Barata Filho, que trabalha atualmente no Zorra Total. Vi não faz muito ele lá pelas cercanias da Casa de Saúde São José, no bairro do Humaitá. É pai agora aos 81 anos. Nada a ver com o frei Boff.

  18. Prezado Francisco Bendl. Concordo plenamente que a chave do desenvolvimento de uma nação é a Educação, como você declarou. O que estraga esta constatação é justamente o misticismo que se manifesta sob vários aspectos, todos baseados em medo da morte, culpa e superstição, como disse Sigmund Freud. E também no apego à riqueza, como declarou o atual Pontífice. Para essas coisas, é necessário manter o povo na ignorância.
    No nosso caso, não importa que seja superstição católica, protestante, espírita, ou lá o que for. Todas são inibidoras do pensamento lúcido e do raciocínio, pilares da Educação.
    Não estou aqui a combater o pensamento de ninguém, mas apenas declarando o meu, dentro do espírito deste blog (informação e opinião). Como disse o divertido Woody Allen, “a única coisa que lamento na vida é não ser outra pessoa.”
    Na física quântica, conforme nos ensina Bohr com sua experiência sobre as realidades híbridas, ou você mede a posição de um átomo, ou mede seus movimentos. As duas coisas é impossível. E parafraseando eu digo que ou você cultiva o misticismo, ou a Educação em relação ao povo de uma nação. As duas coisas é impossível.
    De acordo com David Hume, se o mal do mundo provém das intenções de Deus, então não é benevolente. Se o mal é contra seus intentos, não é onipotente. Não pode ser ao mesmo tempo onipotente e benevolente (como grande parte das religiões afirmam).

  19. Leonardo Boff foi confontrado com o Cardel Ratzinger para explicar a sua Teoria da Libertação. Foi massacrado pois queria “misturar” as palavras de Cristo com as teorias de Marx. Leonardo Boff saiu do Vaticano “de maca” dizendo que foi julgado como na época da Santa Inquisição. Hoje quando ouve falar em Ratzinger tem desmaios e alucinações. Muito criativo agora que emplacar “Fé e Política”. Sua cabeça é tão complicada que ninguém se surpreenda se amanhã for internado em um hospício. Mas existe quem goste e se delicie com suas teorias. Boff na realidade é um teorista.

  20. Estou estarrecido com tantos “DEMOCRATAS” e “FILÓSOFOS”. Realmente é surpreendente.

    O Papa veio, O Papa foi, e tudo continuará igual.

    O Papa demonstrou está cheio de idéias para tentar mudar a Igreja, mas ele é apenas o chefe religioso e está sujeito a pressões terríveis.

    Tentará, mas com certeza será confrontado por grupos altamente conservadores, tenham certeza disso.

  21. Concordo com vc DAVID! E são sempre os mesmos comentando… RSRS

    Eu acho que o senhor Boff esta se …. se alguém concorda ou discorda das ideias dele. Eu não sou ideologicamente comunista. MAS, o sistema econômico mundial pode fazer a jun- ção dos dois: comunismo e capitalismo. Alguns países, à duras penas, como a China, já vivem esta realidade. Se não fosse pelos bilhões de pessoas, a realidade seria outra. Os senhores pelo menos podem não concordar, mas têm que ser HONESTOS intelectuais.

  22. O falecido Hugo Chávez deixou um projeto mais escancarado que Lula sobre as intenções do Foro de São Paulo, deu com as linguas nos dentes antes da hora.
    Hoje, dia 31 a 4 de julho, dando continuidade ao projeto comunista no Brasil, membros da Organização se reúnem em São Paulo.
    O que é comunismo social do Leonardo Boff? A resposta está nos 50 anos de Cuba sob o regime dos irmãos Castro.
    Aqueles que querem ver parte do projeto do Foro de São Paulo e da irmandade de Boff, favor acessarem aqui no link:http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=2IeeH6-qMhU

  23. David,
    Assim escreveste:

    “Estou estarrecido com tantos “DEMOCRATAS” e “FILÓSOFOS”. Realmente é surpreendente.”

    Das duas uma:
    Ou detestas filósofos e democratas ou, então, preferes ignorantes e totalitários!
    Muito antes de criticares quem comenta sobre os temas postados, deverias apresentar o teu pensamento a respeito, sob pena de seres enquadrado na última alternativa.

  24. Mônica,
    Não são sempre os mesmos que comentam os assuntos colocados à disposição. Cometeste um equívoco neste particular.
    E, se achas que alguns comentaristas são mais conhecidos que outros, mostra-nos o teu pensamento, as tuas idéias, os teus conceitos ou não tens argumentos para comparar com os nossos?
    Por outro lado, se “o senhor Boff esta se …. se alguém concorda ou discorda das ideias dele”, conforme escreveste acima, eu te afirmo o mesmo com relação ao que ele prega que, nós, estamos também não dando a mínima pelo que ele diviulga!
    O que fazemos é alertar os incautos e incultos que esporadicamente frequentam este espaço democrático mediante críticas infundadas aos comentaristas, haja vista estas pessoas despreparadas se sentirem sensibilizados por palavras bem colocadas, porém sem entendê-las quanto ao significado.
    A tua opinião referente ao descaso de Boff sobre o que pensamos a respeito da sua Teologia da Libertação é maior que imaginas, a partir do momento que arregimentarmos mais pessoas que pensam igual a nós e darmos sequência ao esvaziamento desta doutrina, ficando o ex-frei pregando no deserto.
    Observa – e sou obrigado a salientar este detalhe diante da tua inexperiência e juventude – que não somos opositores ao cidadão Leonardo Boff, ótimo escritor, pessoa honrada, decente. Eu, particularmente, e mais alguns colegas, discordamos de suas idéias, razão pela qual apresentamos para debates nossos pensamentos para que também sejam analisados.
    Desta forma, Mônica, comentário como o que fizeste ou que deixasse de fazê-lo não adicionaria e nem alteraria a discussão proposta, mas permitiste a constatação que os teus registros podem passar incólumes neste Blog incomparável pela falta de conteúdo, essência, apenas palavras simplórias, nada mais.

    Mônica

    julho 31, 2013 até 12:01 pm · Reply

    Concordo com vc DAVID! E são sempre os mesmos comentando… RSRS

    Eu acho que o senhor Boff esta se …. se alguém concorda ou discorda das ideias dele. Eu não sou ideologicamente comunista. MAS, o sistema econômico mundial pode fazer a jun- ção dos dois: comunismo e capitalismo. Alguns países, à duras penas, como a China, já vivem esta realidade. Se não fosse pelos bilhões de pessoas, a realidade seria outra. Os senhores pelo menos podem não concordar, mas têm que ser HONESTOS intelectuais.

  25. Apesar de declarações um tanto fascistas contra Leonardo Boff, figura muito respeitada nos países avançados do planeta, creio que ele fez uma boa análise da atitude fundamentalista do atual Papa, que tudo indica querer restaurar o verdadeiro cristianismo dentro da Igreja Católica. Seu artigo se coaduna com o do Percival Puggina, por alguma razão rapidamente retirado do blog, mas muito inspirador. É evidente, para quem tem um mínimo de entendimento, que o cristianismo busca não apenas a fraternidade espiritual, mas também a solidariedade entre as pessoas. Não é isso que prega a parábola do Bom Samaritano? A menos que queiram também “reinterpretá-la”, para atendimento aos interesses dos poderosos magnatas que dominam o mundo…

  26. Opinião.
    .
    Se há um espaço na internet que sempre quando me ausento sinto saudades é aqui. A intocável e imediata liberdade de expressão, qualidade dos textos e comentaristas, honorabilidade do histórico Helio, denodo do Newton fazem dele um diferencial único, merecedor de destaque e respeito entre os Blogs nacionais.

  27. Maus Bofes.
    .
    A mente humana possui atributos psicológicos característicos. Uma ideologia (lógica de uma ideia), qualquer, que se nos é apresentada de imediato nos faz tentar uma imagem do apresentador com o intuito de perceber até onde se pode levar a credibilidade da tese; o valor do argumento de autoridade. Embora com a ressalva de H. Arendt: “A sociedade tende a aceitar uma pessoa pelo que ela pretende ser, de sorte que um louco que finja ser um gênio sempre tem certa possibilidade de merecer crédito, pelo menos no início”. Foi este início que não concedi.
    .
    No caso desse Senhor de maus Bofes, nunca o levei a sério, sequer entrei no mérito de suas proposições. Razão muito simples: nutro um profundo respeito pela instituição Igreja Católica principalmente pela extrema seriedade na fé. Portanto, quando ela se manifesta em assuntos de fé a ponto de expurgar os seus, cortar na própria carne não cometo a presunçosa e inútil ousadia de avaliar o mérito.
    Um sacerdote que pretenda misturar assuntos da fé cristã com ideologia, quer se por no lugar de Cristo, ao invés de seguir a Cristo. Uma contradição (sinônimo de nulidade) na vocação sacerdotal.
    Um ser que sequer encontrou seu próprio caminho, como prentendê-lo capaz para influenciar o destino da humanidade? Lutero, Stalin e Hitler são personagens paradigmáticas que levaram aos mais horrendos e estúpídos desastres que a história universal contempla justamente por terem posto em prática suas lucubrações diabólicas.
    Nietzsche deixou dois pensamentos muito apropriados:
    .
    Não foi a luta das opiniões que tornou a história tão violenta, mas a luta da fé nas opiniões, isto é, nas convicções ”; e,

    “As convicções são inimigas da verdade mais perigosas que as mentiras.”

  28. Perderei mais uma vez o meu tempo com o pilantra Boff.
    Leonardo Boff, descaradamente, quer porque quer, que o Cristianismo deve ser marxista.
    Nada a ver. O Cristianismo busca a transcendência, uma outra vida, já o Marxismo é ateu.
    A maioria das mortes que tivemos no século XX, totalizando 100 milhões, deve-se ao marxismo. Na China,Rússia,Leste Europeu, Ásia, milhões de pessoas foram assassinadas por discordarem, por pensar diferente.
    As idéias do Sr. Boff não resistirão ao tempo, não passa de fogo fátuo.

  29. Prezado Agamenon A. Prado,
    Cometes um erro crasso ao julgar como fascistas comentários que se contrapõem às idéias de Boff.
    Não tens razão qualquer que te fundamente nesta ofensa que me fazes e aos demais que compartilham comigo a mesma idéia, a não ser demonstrares o teu ranço ideológico.
    Sou um dos que discorda da Teologia da Libertação, conforme vastos textos meus acima esclarecendo as razões pelas quais tenho esta posição, e não me considero fascista, ao contrário. As tuas palavras radicais, no entanto, me autorizam a te caracterizar como sádico porque deves te divertir com a miséria alheia e, diante de algum pobre, estende-lhe a mão com o teu óbulo também POBRE e ficas feliz por teres sido “solidário”!
    Quem sabe amanhã ou depois repetes o mesmo gesto e continuas dormindo bem, na tua cama quente, no teu bom emprego ou comércio ou indústria, enquanto que o miserável continua no seu calvário!
    Sobre a parábola mencionada, deverias saber que todas são interpretadas de formas desiguais, não havendo padrão para se afirmar qual foi a verdadeira ou a equivocada, pois elas dependem do estado de espírito da pessoa, sua condição escolar, da sua vida, do seu estágio mental, portanto, existirão divulgações as mais estranhas possíveis ou aquelas que mais se aproximarem da mensagem deixada por Cristo, de acordo com o gabarito de cada um.
    Desta forma, eu te afirmaria que esta parábola não se enquadra na Teologia de Boff que citaste como exemplo e, se tu prestares atenção, os samaritanos são um pequeno grupo étnico-religioso aparentado aos judeus que habita nas cidades de Holon e Nablus situadas em Israel. Designam-se a si próprios como Shamerim, que significa, “os observantes” (da Lei); desde há alguns anos os samaritanos usam o termo “israelita-samaritanos”. Em hebraico moderno, os samaritanos são de Shomron, ou seja, os da Samaria.
    A religião dos samaritanos baseia-se no Pentateuco, tal como o judaísmo. Contudo, ao contrário deste, o Samaritanismo rejeita a importância religiosa de Jerusalém. Os samaritanos não possuem rabinos e não aceitam o Talmud dos judeus ortodoxos.
    Os samaritanos não se consideram judeus, mas descendentes dos antigos habitantes do antigo reino de Israel (ou reino da Samaria). Os judeus ortodoxos consideram-nos por sua vez descendentes de populações estrangeiras, que adotaram uma versão adulterada da religião hebraica; como tal, recusam-se a reconhecê-los como judeus ou até mesmo como descendentes dos antigos israelitas. O Estado de Israel reconhece-os como judeus, entretanto.
    Hoje eles são mais de 750. Seu idioma de uso comum é o hebraico moderno e o árabe palestino, enquanto para atos litúrgicos utilizam o hebraico samaritano.
    O que esta explicação pode te dizer, Agamenon, sobre o samaritano que ajudou o viajante depois deste ter sido roubado?
    Simplesmente, o seguinte:
    O samaritano que ajudou o ferido foi caridoso, mas não solidário!
    A Teologia da Libertação NÃO É CARIDOSA E NEM SOLIDÁRIA e, de acordo com o resgate que fazes desta parábola, não será a Teologia de Boff que vai salvar os feridos ou protegê-los de novos ataques de bandoleiros, pois a fragilidade do pobre perante as leis impostas pelo homem e suas dificuldades de sustento serão permanentemente tentações para ser enfrentadas.
    Boff quer, na sua Teologia da Libertação, LIBERTAR O POBRE DE SEUS PECADOS cometidos contra o homem, contra o patrimônio alheio, contra o rico, matando-o, roubando-o, invadindo propriedades alheias, e sem que tenha remorsos ou seja punido pelo comportamento nefasto à sociedade como COMPENSAÇÃO da sua exclusão social, da sua miséria, da falta de futuro!
    Em síntese:
    Os culpados pela pobreza são os ricos, menos os pobres que continuam a botar filhos no mundo sem condições!
    Por último:
    Pobre, ser ou não ser, eis a questão!
    Ao lermos o capítulo 15 do Deuteronômio (o último livro do Pentateuco), vemos a questão dos pobres. Eles vão sempre existir ou não vão existir?
    No versículo 4 lemos:
    Assim, não deverá haver pobre algum no meio de vocês… e no versículo 11:
    Sempre haverá pobres na terra…
    Como fica essa história? Dois versos tão próximos, escritos pelo mesmo autor, Moisés, teria ele errado em um deles? E os pobres nessa situação, há esperança para eles?
    Olhemos atentamente para o contexto:
    A promessa do versículo 4 está intrinsecamente ligada ao versículo 5:
    Contanto que obedeçam em tudo ao SENHOR, o seu Deus, e ponham em prática toda esta lei que hoje lhes estou dando.
    Um dos mandamentos existentes no Antigo Testamento (que nós infelizmente negligenciamos muito hoje em dia) se refere ao empréstimo liberal, com mão aberta ao que precisa, ao necessitado (Dt 15:8).
    Sendo assim é óbvio que se esse mandamento fosse cumprido para cada pessoa pobre, haveria uma nobre – HAVERIA UMA NOBRE, repito – que o ajudaria em suas necessidades. Em consequência, o pobre não seria mais pobre, pois seria socorrido por um mais favorecido, um RICO!
    Inversamente a isso, se o mandamento (de ajuda liberal) não fosse cumprido, então os pobres nunca deixariam de existir, conforme relatado no versículo 11.
    Deus prometeu que, se as pessoas obedecessem o mandamento de suprir as necessidades do pobre, não haveria pobres no meio delas!
    Interessante é notares, Agamenon, o sentido mais adequado do hebraico ao ser traduzido ao pé da letra:
    No versículo 4, NÃO diz, “não haverá pobre” e, sim, “não DEVERÁ haver pobre no meio de vocês”. Quer dizer, não há razão para ter pobre, pois há recurso, há comida, há benção de Deus e a provisão divina através do mandamento dos versos subsequentes é suficiente. Então, o que acontece é que infelizmente a ganância, cobiça, exploração do homem pelo homem produz a perpetuação da pobreza.
    Assim, a melhor forma de se viver continua sendo na DEMOCRACIA, em princípio;
    Que haja oportunidades para todos, consubstanciado no fato de os governantes proporcionarem os meio de desenvolvimento ao povo e País;
    LIBERDADE! De culto, de expressão, de ir e vir, de direitos individuais e coletivos assegurados, de podermos escolher a vida que queremos ou podemos nos dar!

  30. Sr Bendl,longe de querer polemizar como sr ou outros.

    Os senhores tem que perceberem que muitos que leem ou participam desse saudável espaço querem muitas vezes adquirir conhecimentos e dar algumas “pitadas” nos assuntos aqui propostos.

    Qto a preferir a ignorância ou não, talvez o sr tenha sido um pouco injusto. Muitas vezes praticamos a dita cuja, por IGNORÂNCIA. Tenha um pouco mais de paciência, faz bem a alma pode acreditar.

    Qdo disse que estava estarrecido com tantos “domocratas” e “filósofos”, é que muitas vezes tem-se observado uma certa disputa e muitas vezes falta de democracia em aceitar pensamentos outros.

    A vivência nos mostra que aprendemos muito ouvindo os “ignorantes” ou mais desprovidos de intelecto.

    Desculpe-me se estou sendo deselegante.

  31. Pronto, David,
    De forma elegante, educada e respeitosa, deixaste-me envergonhado pela observação que eu fizera contigo acima.
    MINHAS DESCULPAS, meu prezado David, se carreguei nas tintas!
    Eu mesmo tento me policiar quando vou responder a comentários movido pela emoção, pela rapidez em questionar, de manter o debate e, erro!
    E, se não aprendemos com os ignorantes ou desprovidos de intelecto como disseste, David, a respeito de Ciências, essa gente humilde nos ensina respeito, tolerância, e que devemos mais compreender que sermos compreendidos!
    David, o meu abraço e meu perdão.

  32. Ora sr Bendl,

    O sr mostrou ser umA pessoa digna, inteligente e especialmente HUMILDE.

    Prossigamos conversando, discordando e concordando tambem.

    São atitudes assim que nos engrandece como seres humanos.

    BOOOM DIA E MUITA PAZ A TODOS.

  33. Assim só restará a você entrar no Reino dos Céus somente com o que te resta do lado direito do corpo, do lado esquerdo talvez uma muleta, por que como se há de apoiar o lado direito? Parece-me que as asneiras não cessam e com ela o pré-julgamento, e da Bíblia fazem gato e sapato!

  34. Sou ateu convicto, mas respeito e admiro uma pessoa franca, sincera e verdadeira como Leonardo Boff. Vejo que os valores cristãos o acompanham em sua trajetória de vida. Seu modo de falar e de escrever é com fé no Deus que acredita e no ser humano; com mansidão, evitando a ofensa, mas de modo firme. Não foge da verdade, a enfrenta; não esconde o mal que lhe fizeram, mas deixa para o Deus que crê e para a história que julguem a esses.
    Precisamos de mais pessoas assim, creia no Deus que crer, ou em nenhum, mas que tenha virtudes para servir de exemplo para alguém. O mundo precisa de líderes, líderes da tolerância, do respeito, líderes de sensibilidade com os que sofrem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *