Entenda como deveria ter sido o ltimo poema de Manuel Bandeira

Resultado de imagem para manuel bandeira frasesPaulo Peres
Site Poemas & Canes

O crtico literrio e de arte, professor de literatura, tradutor e poeta Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (1886-1968) quando jovem teve tuberculose e, consequentemente, passou a vida inteira com a ideia de que morreria em breve, mas viveu at seus 82 anos, razo pela qual O ltimo Poema e muitos poemas de sua autoria carregam a melancolia e a sensao de sempre estar espera do pior.

Vale ressaltar que versos curtos, pensamento objetivo, liberdade no uso das palavras, simplicidade na escrita, ironia e a crtica so caractersticas do modernismo que aparecem no poema, que tambm nos mostra a realidade em flores sem perfume, soluo sem lgrimas e o improvvel quando fala sobre iluso.

Alm disso, o ttulo do poema nos indica como Manoel Bandeira gostaria de ser lembrado, conforme revela o ltimo verso todo seu pensamento. Mas tambm, ao citar a paixo dos suicidas, ele nos conta sobre a falta de sentido, sobre o paradoxo que nosso caminho pela vida. Sobre iluso e desiluso.

O LTIMO POEMA
Manoel Bandeira

Assim eu quereria meu ltimo poema
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluo sem lgrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais lmpidos
A paixo dos suicidas que se matam sem explicao.

2 thoughts on “Entenda como deveria ter sido o ltimo poema de Manuel Bandeira

  1. Manoel Bandeira deseja a simplicidade, transmitindo carinho afetivo pleno de emoo; deseja a beleza da flores que so belas sem fazer alarde disso, mas so discretas, “suicidas que se matam se explicao”, levam apenas um mistrio de sua alma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.