Entre a cruz e a Opus Dei, a vingança do papa

Pedro Porfírio

Renunciou para fazer o sucessor. Nada mais despropositado, porém nada mais verdadeiro. Nada mais sintonizado com a personalidade de Joseph Alois Ratzinger, adestrado na Juventude Hitlerista em sua formação.

Foi o que restou ao irascível papa germânico, ao se sentir totalmente isolado desde que entrou em choque com sua principal aliada e “monitora”, a obscurantista Opus Dei, como consequência do afastamento do representante do Banco Santander em Roma desde 1992, Ettore Gotti Tedeschi, da direção do Instituto para Obras de Religião – o Banco do Vaticano, em meio a uma saraivada de denúncias protagonizadas pelo cardeal Carlo Maria Viganò, ex-secretário geral do Vaticano, aos mil documentos contrabandeados pelo mordomo Paolo Gabriele e um fogo cruzado incontrolável de mexericos.

Tedeschi é um “supernumerário” da poderosa organização de 90 mil seguidores fanáticos, cognominada como “o Exército do Papa”, numa reportagem de novembro de 2008 da revista “Superinteressante”. Fundada em 1928 (reconhecida em 1982 como uma “Prelazia Pessoal” do Papa,a única na estrutura da Igreja romana) pelo confessor do ditador Francisco Franco, o espanhol Josemaría Escrivá Balaguer, que morreu em 1975 e foi declarado santo em 2002 pelo Papa João Paulo II, num rito sumário, a Opus Dei foi a principal articuladora das escolhas dos dois últimos papas, como demonstrou o jornalista espanhol Juan Bedoya, no El País, de Madri, e como sabe muito bem qualquer repórter setorista do Vaticano.

HIPOCRISIA E LUTA INTERNA

Numa “vingança perfeita”, nas palavras de um diplomata credenciado na “Santa Sé”, segundo relato de Paolo Ordaz, outro jornalista do El País, o ex-futuro Papa pegou pesado na missa da quarta-feira de cinzas ao apontar a “hipocrisia religiosa” e a luta interna pelo poder, como causas da crise que o levou a um gesto dramático, que desautoriza o dogma da infalibilidade de um sumo pontífice.

Qualquer clérigo ou seminarista sabe que a intriga é o caminho das pedras no reino de São Pedro. E sabe mais ainda que tanto Karol Józef Wojtyła como Joseph Alois Ratzinger só se tornaram papas no estuário dos conflitos dentro da Corte (cúria em latim) vaticana, devidamente manipulados por influentes cardais “numerários” ou aliados da Opus Dei.

Como demonstração de gratidão pelo apoio recebido na sua eleição, após 8 votações, João Paulo XXII concedeu a esse grupo, em 1982, o status de “Prelazia Pessoal”, que a subordina diretamente ao Papa e fez do seu fundador santo, num dos processos mais sumários de canonização, só superado pelo de madre Tereza de Calcutá.

Bento XVI não fez por menos: em 2005 mandou instalar uma estátua de 5 metros do agora São Josémaria Escrivá na fachada exterior da Basílica de São Pedro, que benzeu pessoalmente numa festiva solenidade religiosa em 14 de setembro daquele ano.

Além disso, chamou dois influentes cardeais do Opus Dei para seu primeiro escalão: Julián Herranz, presidente emérito do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, e o secretário da Pontifícia Congregação para os Bispos, arcebispo Francesco Monterisi.

Há quem garanta que o cardeal Tarcísio Bertone, principal homem na cúpula vaticana e pivô da crise que levou à inesperada renúncia, também tenha o respaldo da organização, razão pela qual Bento XVI não conseguiu livrar-se de sua incômoda companhia.

(artigo enviado por Sergio Caldieri)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Entre a cruz e a Opus Dei, a vingança do papa

  1. Pingback: Os segredos e o poder das novas seitas da Igreja Católica Romana « Associação Rumos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *