Entre as 50 cidades mais violentas do mundo, 19 estão localizadas no Brasil

Resultado de imagem para violencia urbana

Cenas como esta são comuns nas grandes cidades

Francisco Bendl

Notícias de agora, na manhã desta sexta-feira, dão conta que das 50 cidades mais violentas do mundo, 19 estão no Brasil! Não tenho ideia do número de cidades no mundo, mas este dado sobre a situação brasileira, que fornece às estatísticas deploráveis índices de negligência e descuidos com seus cidadãos por parte das autoridades constituídas, é altamente comprometedor e qualifica o governo como irresponsável e diretamente culpado pela violência que hoje ceifa a vida de milhares de pessoas a cada ano neste País.

A bem da verdade, Temer recebeu como herança esta situação estarrecedora, ele não é o causador, mas também desde que assumiu não se importou em combater os assassinatos, o tráfico de drogas e armas, os latrocínios, muito menos equipar e treinar os policiais civis e militares de acordo com esta escalada da violência em patamares nunca antes registrado na história republicana nacional.

NATAL É A PRIMEIRA – O Portal Terra, de onde colhi as informações, registra que Natal, RN, na décima posição do ranking mundial, é a cidade mais violenta do País com quase 70 homicídios por cem mil habitantes. Em seguida, estão Belém e Aracaju. E a lista  inclui Feira de Santana (15ª), Vitória da Conquista (16ª), Campos dos Goytacazes (19º), Salvador (20º), Maceió (25º), Recife (28º), João Pessoa (29º), São Luís (33º), Fortaleza (35º), Teresina (38º), Cuiabá (39º), Goiânia (42º), Macapá (45º), Manaus (46º), Vitória (47º) e Curitiba (49º).

O site informa que “das 50 cidades da lista, 19 estão no Brasil, oito no México, sete na Venezuela, quatro nos Estados Unidos, quatro na Colômbia, três na África do Sul, duas em Honduras, uma em El Salvador, uma na Guatemala e uma na Jamaica”. Em relação a 2015, duas cidades brasileiras deixaram o ranking no ano passado: Porto Alegre e Campina Grande.

IMPUNIDADE – A lista é baseada no número de homicídios por 100 mil habitantes e analisa municípios com mais de 300 mil habitantes. Segundo o Terra, os níveis de violência na América Latina não são uma surpresa e refletem a impunidade dos homicidas, que no Brasil atinge 92% dos casos, e na Venezuela, El Salvador e em Honduras, chega a 95%.

Certa feita, escrevi que a Educação seria a maior preocupação de qualquer governante neste mundo. Menos no Brasil. Nossos índices de criminalidade são altíssimos, na razão direta do descaso de nossas autoridades. Informações que recebi apontam que os policiais militares do Rio de Janeiro, Estado que contabiliza quase 50 PMs mortos este ano, correm cerca de trezentas vezes mais mais riscos de vida do que os soldados que lutaram na Segunda Guerra Mundial ou na Guerra da Coréia, do Vietnã, e da Bósnia!

INCOMPETÊNCIA – Em meio a essa situação, nosso Parlamento apenas se preocupa em nos tirar direitos, aumentar o tempo de serviço para a aposentadoria, proteger-se do envolvimento na Lava Jato.

Na mesma sintonia da omissão sobre a violência, o Executivo, demonstra ser o governo de Temer o mais incompetente que tivemos, o mais relapso, tanto em relação à economia, que não consegue reativar, quanto em amenizar a intimidação a que está sujeito o povo, à mercê de hordas de criminosos absolutamente impunes pelos crimes praticados!

A continuar esse desprezo pela violência nas cidades brasileiras, certamente nossos poderes Legislativo e Executivo não deveriam ter medo apenas de panelaços e vaias em aeroportos e restaurantes. Um dia haverá reação, é claro.

57 thoughts on “Entre as 50 cidades mais violentas do mundo, 19 estão localizadas no Brasil

  1. Contei 16 cidade brasileiras entre as 50 mais violentas, alem de natal a mais violenta do país

    E outra: como podem existir 17 cidades no brasil mais violentas q a capital fluminense ?

  2. Caro Bendl, assino 100 vezes, 13.500 milhões de desempregados, coloca chfes de familia, em riso, para matar a fome dos filhos, a a corja dos crimes hediondos sediadas em Brasília, vivendo como nababos, verdadeiros morcegos, a chupar o sangue do trabalhador, e o governicho, ainda tem o desplante de acusar o trabalhador como responsável, pela corrupção.
    um amigo no dia 05/04, foi roubado em seu veiculo modesto de trabalho, com toda sua documentação, e objetos, sob as armas de 4 bandidos, 2 , querendo matá-lo, todos jovens, com certeza drogados, meu amigo, sob o risco de ser baleado, está estremecido, será mais um na estatística macabra, nossa cidade, pacata, está sendo alvo da bandidagem, os jovens, sem valores éticos, sem escola, sem esperança, estão perdidos, por verem a corja, roubar bilhões e protegidos pelas leis fajutas de auto-proteção, do foro privilegiado.
    Temer, está vendendo a Soberania do Brasil, e os 3 patetas, caladinhos, esquecidos do Almirante Barroso na guerra do Paraguai: quando conclamou a tropa: o Brasil espera que cada um cumpra seu Dever.
    Roguemos a Deus para termos um Brasil decente e justo, mas, façamos nossa parte, indo as ruas, protestar, contra a podridão que nos avassala, nos humilhando perante as Nações, como o País mais corrupto.

  3. Meu caro e decano Theo,

    Obrigado pela tua participação.

    Os números surpreendem, chocam, nos deixam preocupados.

    A negligência e o descaso das autoridades com a segurança pública demonstra inquestionavelmente também o desprezo pelo cidadão, o descuido com a sua vida, e o Estado deixa de cumprir uma de suas funções mais importantes, a proteção ao indivíduo.

    A bem da verdade, esta desconsideração vem sendo amplamente comprovada pelos roubos praticados, pelos assaltos ao erário, pela corrupção, desonestidade e incompetência dos poderes Legislativo e Executivo em todos os seus níveis.

    Esta informação de hoje ratifica uma de minhas frases, de que o inimigo a ser enfrentado pela população é o governo.

    Um abraço, Theo.
    Saúde e paz, meu caro.

    • Caríssimo Werneck,

      Incomparável a mídia sobre o Rio quanto à atenção da imprensa sobre as demais cidades brasileiras.

      E, os dados estatísticos, levam em conta os crimes no universo de cem mil pessoas.

      Ora, 50 assassinatos no Rio e o mesmo em Belém, por exemplo, a capital paraense apresentará um percentual bem maior, pois diluído no total da sua população, quatro, cinco vezes menor que a cidade fluminense.

      Impressiona na Cidade Maravilhosa o número de PMs abatidos, e cujo dado curioso é a comparação entre o risco de morte que soldados enfrentaram nas guerras mais violentas que tivemos, e se constatar que o policial militar tem trezentas vezes mais chances de morrer nas ruas do Rio!

      Obrigado pelo comentário.

      Um forte abraço.
      Saúde e paz.

      • Falo isso porque vou sempre ao Rio,onde tenho um apartamento.
        Moro em Brasília,que como você bem sabe,já foi um paraíso em termos de segurança e,hoje,é uma cidade muito perigosa.

  4. Alguém acredita nos números que a secretaria de segurança do RJ apresenta?
    Latrocínio vira homicídio que vira acidente que vira AVC.
    A adolescente Hosana de 13 anos que foi morta na mesma semana da outra adolescente também em Acari vai entrar nas estatísticas como “tiro acidental” segundo a SSP apurou através de “depoimentos” dos moradores da comunidade.. Quem atirou foi o namorado, um adolescente traficante chamado Vitor bala de 15 anos. Não vai entrar na estatística da violência… E a rede goebels nem aí com essa morte, com o enterro, com o choro dos parentes…

    • Na verdade, Aranha, nada que seja oficial é de se acreditar!

      Evidente que os números são manipulados, mas os que existem é que servem como base às estatísticas, lamentavelmente.

      Assim, podemos constatar que, se Rio, São Paulo e Porto Alegre não estão nesses dados apresentados, algo existe no reino da Dinamarca, que se não está podre, os dados oferecidos ao público são falsos!

      Obrigado pela participação.
      Um abraço.

  5. Educação?
    Educa-se a violência.

    Enquanto a educação mingua no Brasil, cada dia mais jovens seguram um smartfone.
    A atração pelos videogames, hoje transferidos para a tela do celular, tornou um smartfone na ferramenta mais eficiente para obter a atenção total do jovem, algo muito almejado numa sala de aula.

    Já notaram o que se “ensina” essa nova “educação” ??
    O jovem, nos mais agradáveis jogos, une 3 polígonos iguais, salta obstáculos, completa níveis de dificuldade crescentes, e de repente surge um bloqueio, para avançar é preciso pagar, esperar horas, ou reduzir ate 100% o tempo de espera assistindo a vários vídeos promocionais de outros jogos, que podem ser baixados grátis em seus celulares…

    Esses vídeos impostos sobre uma “juventude sedenta por educação” (não tenha duvida quanto a isso, o problema é a m* que lhes é servida), mostram cenas de combate, lutas medievais, lançamentos de misseis, operação e destruição de tanques de guerra; todos os vídeos apresentados por garotas de 15, 16 anos, ou garotos de até 20 anos, plantados nesses vídeos para incutir a sensação de que jogar aquele jogo de guerra é o máximo!!!

    Assim funciona a educação brasileira, não é no ambiente acadêmico, é na subversão ideológica.

    Como no Jornal Nacional que quando vai falar de uma apreensão de cocaína (patrocinado??), coloca uma imagem como pano de fundo do ancora William Boner (durante o horário nobre pico de audiência) de um prato cheio de cocaína, contendo uma gilete e uma seringa….
    BOOM!!! A audiência de viciados em cocaína recebe “de graça” essa motivação para cancelar a abstenção e procurar um meio imediato de consumir mais cocaína….

    Imagine se os jovens tivessem o mesmo tipo de comportamento (estimulo, não o vicio em si) para educarem-se.

    O problema é, quem quer viver de violência?
    Quem quer viver dirigindo tanques e matando?
    Estes não chegam a 1% da população….
    Mas a Ordem persiste, não se educa NADA, zumbizada volta ao joguinho de videogame, numa tentativa de esquecer ou burlar a sensação de que todos, sem distinção, estamos sendo roubados….
    E mesmo os jovens abastados, nos melhores colégios brasileiros, todos pagamos o pato, juntos…

    • AndréBR,

      Grato pelo comentário.

      Há um propósito bem definido por partes de nossos governantes quanto a deixarem os Ensinos Fundamental e Médio medíocres, sem qualquer investimento nessa duas etapas decisivas ao salto de qualidade do profissional no futuro.

      A falta de senso crítico e a ausência de consciência cívica!

      Em outras palavras:
      Analfabetismo absoluto e funcional.

      Nessas condições, o ser humano é facilmente manipulável, convencido, acredita em promessas, deposita confiança em crápulas, imagina até em salvadores da pátria e pais dos pobres!

      Um abraço.
      Saúde e paz.

  6. Agora, quanto a esse governeco do Temer, há como praticar atrocidade maior que gratificar o careca Alexandre, o qual era responsável por combater a violência no Brasil, promovendo-o ao cargo de ministro do STF?

  7. Como estamos tratando da violência, fruto da impunidade e, esta, filha da ignorância, corroboro um dos segmentos do pensamento exposto pelo autor, salientando como fundamental a retomada dos fundamentos educacionais objetivos e bem estruturados para consolidar a transmissão adequada de Conhecimento para que este leve à Sabedoria. Aí, então, o processo animalesco em que vivemos começará a ser revertido, possibilitando o retorno à humanidade da nossa sociedade. Além deste comentário, recomendo fortemente o acesso ao endereço que indico abaixo. É triste, eu sei!, sua leitura, mas é a realidade vivida por nossa nacionalidade. Sem sabermos, ou por estarmos afastados da escola há muito, ou por não prestarmos a devida atenção aos conteúdos de aula dos nosso filhos e netos, vivenciamos a formação, via lavagem cerebral institucionalizada, de uma geração que comandará o País amanhã. Paramos para pensar e, necessariamente, vêm-nos à mente como ocorreram as revoluções comunistas há décadas passadas, todas elas falidas e enterradas. Aquelas ainda sobreviventes são cômico-cruéis e retrógrado-dependentes, sempre penduradas em benefícios pedidos aos outros, aqueles que ainda lhes têm simpatia.
    Afinal, não é admissível sermos enganados por pautas desse tipo, que formam nossos futuros cidadãos.

    __________________________________________
    http://spotniks.com/5-exemplos-de-como-a-doutrinacao-ideologica-atua-na-educacao-brasileira/

    • Bacega,

      Obrigado pelo comentário procedente, pontual e adequado ao tema.

      Quando o PT assumiu o governo havia um plano de desestruturação da família brasileira, de seus costumes, tradições e , principalmente, princípios e valores.

      Toda e qualquer ideologia cuja intenção é comandar o povo, conduzi-lo e manipulá-lo da forma mais conveniente ao comandante, tem como base afastar alicerces que sustentavam a ética e a moral daquela sociedade, de modo que iniciem com o processo de lavagem cerebral à implementação do sistema que pretendem para dominar o povo.

      O PT alegava a sua preocupação com o pobre, a ponto de condená-lo à miséria através do Bolsa Família, pois sem contrapartida alguma, mas tão somente a cooptação de votos.

      Consequentemente, a escola Fundamental e Média seria um dos principais alvos desta ideologização de corações e mentes, de modo que a criança levasse para dentro de sua casa questionamentos importantes a respeito da estrutura que mantinha aquele clã, aquela célula da sociedade.

      Indiscutivelmente, parte do sintoma dessa ideologia retrógrada, ultrapassada e genocida, mediante as mortes anuais contabilizadas no país, teve início com os falsos direitos humanos, onde a morte de pessoas ricas ou bem sucedidas era plenamente justificada, haja vista a injustiça social que o criminoso era vítima!

      Ora, foi fácil o crime descambar no Brasil porque o pobre era previamente perdoado de suas ilicitudes, considerando que apenas “reagia” à miséria de sua vida!

      Enquanto não proibirmos esse tipo de escola ligada a partidos políticos ou tendências de esquerda ou direita, o Brasil será solapado e sabotado no seu desenvolvimento econômico e social, e jamais ascenderemos á categoria de um país independente, porém dependente de ciência e tecnologia alheia para sempre.

      Um abraço.
      Saúde e paz.

  8. O pai do Chico Buarque disse que o brasileiro é cordial. Ele ERROU imensamente! O brasileiro é VIOLENTO.

    A violência urbana (e até a rural) explodindo neste país é um ASSOMBRO. Aqui mata-se mais, em tempos de paz, do que em muitas regiões da Terra onde há guerras declaradas!

    São assassinadas mais de 50 mil pessoas por ano, neste país. Numa divisão simples, são quase 137 pessoas assassinadas a cada dia!

    Mata-se mais por dia, no Brasil, do que se mata em UM ANO INTEIRO, no Canadá! Quem duvidar, pode pesquisar e encontrará muitos dados, aqui mesmo na internet.

    Parece que estamos numa guerra civil, porém não declarada!

    São inúmeros os fatores causadores dessa calamidade. Mas um deles não pode ser negado:

    – O brasileiro é VIOLENTO! Mas não quero generalizar, por favor, pois há incontáveis exceções!

    O brasileiro do qual me referi acima briga e mata no trânsito, até em incidentes simples. Mata em brigas relativas a paixões futebolísticas! Mata em saídas de boates, por motivos torpes.

    Brasileiros (e brasileiras!) “ainda adolescentes” matam em brigas dentro de escolas, por motivos ridículos, relativos à inveja ou a ciúmes!

    Ou seja, não são somente os ditos “criminosos contumazes” que matam, em situações de roubos ou ligadas ao tráfico de drogas!

    E nossa sociedade parece viver anestesiada frente ao problema que só aumenta.

    Quando um pai joga uma filha pela janela do apartamento, ocorre uma grande comoção! Mas o ocorrido logo cai no esquecimento.

    Os bares estão lotados… os estádios de futebol também! O carnaval bate recordes de multidões, ano após ano!

    A sociedade que deseja um país melhor aparentemente NADA faz para tal conquista! Pensa que o “país melhor” nascerá em um passe de mágica!

    O brasileiro não quer mudar. No entanto espera que o outro, o vizinho, amigo, o político, o fiscal, ou o juiz mudem!

    • Tribunário Isac Mariano
      Obrigado por ajudares a escrever o que não tenho mais paciência para fazer!
      Teu relato é a verdade que a maioria quer esconder.
      As pessoas tem vergonha de dizer que “estão fazendo coisas erradas”.
      Me permita assinar embaixo. Já copiei para meus arquivos.
      Abraço e saúde.
      Fallavena

    • Na Guerra do Paraguai os brasileiros “ditos cordiais” massacraram os paraguaios. Foram tantos os brutais assassinados de paraguaios, a maioria combatentes do sexo masculino, que ocorreu até um desequilíbrio populacional entre mulheres e homens naquele nosso país vizinho!

      No entanto os nossos livros de história continuam narrando aquilo como se tivesse sido uma grande glória das nossas forças. Quando foi na verdade um verdadeiro MASSACRE, cruel, estúpido e até COVARDE!

      Pois é, Isac Mariano… o brasileiro, além de violento, é também COVARDE!

      Vide os muitos que hoje estão na política. Roubaram covardemente este nosso país, e hoje se acovardam perante um juiz federal comum da primeira instância…

      • Juca, meu guri,

        Não te esqueces que não lutamos sozinhos contra o Paraguai, mas éramos nós, Uruguai e Argentina, a Tríplice Aliança.

        Mais a mais, na guerra, as maiores vítimas são as mães e a verdade.

        Dito isso, eu ainda não qualificaria o brasileiro como covarde, mas omisso e irresponsável consigo mesmo e com o Brasil, razão pela qual o parlamento e os governantes agem de maneira incompetente porque corruptos e desonestos graças à nossa permissividade.

        Um abraço, meu amigo.
        Saúde e paz.

    • Isac, meu amigo,

      Na razão direta do descaso do governo pela nossa segurança;
      Conforme negligência dos governantes com o bem-estar de seus cidadãos;
      De acordo com o menosprezo pela vida da população, o povo inculto e incauto, analfabeto absoluto e funcional, sem consciência cívica e senso crítico, resolve seus problemas ou mazelas … matando.

      O crescimento do tráfico de drogas e armas como o causador maior das mortes violentas no Brasil, seguido do latrocínio – deixo de lado o trânsito -, apontam esta nação como violenta, sem controle e, principalmente, caracterizada pela impunidade!

      Na verdade nos encaminhamos céleres para uma terra de ninguém, onde as leis são flexíveis dependendo do acusado, e rígida quando se tratar do joão ninguém, ocasionando a injustiça social que, somada à social, temos um caldeirão de água fervente pronto para transbordar e queimar quem estiver por perto!

      Obrigado pelo comentário, Isac.

      Um forte abraço.
      Saúde e paz.

  9. O projetista técnico, conferencista internacional espírita, e um dos líderes do movimento “MovPaz Brasil – Movimento Internacional Pela Paz e Não-Violência”, Clóvis Nunes, tem publicados (no youtube) vários vídeos de diversas palestras suas, abordando o tema “violência”.

    Escolhi uma delas, que é um pouco longa, para publicar aqui:

    https://www.youtube.com/watch?v=xNt4USPGaJw

    • Clóvis Nunes põe tão às claras a ABSURDA violência neste país que chegou a ser PRESO, injustamente, é claro. Numa estranha (e aparentemente forjada) operação de uma equipe da Polícia Federal.

      Mas a sua inocência foi rapidamente comprovada e logo ele voltou à liberdade.

      No entanto ficou uma IMENSA suspeição de que a referida operação teve por trás os escusos interesses da indústria brasileira de armas.

      Assistam ao vídeo que o Isac Mariano publicou acima! Vale a pena!

  10. Bendl, vou escrever sobre o Tucanistão pois é onde vivo, que segundo nosso comentarista é o melhor para se viver, melhor que Japão, Suiça, Suécia, Dinamarca , Noruega, Finlândia, estes Páisecos devem chorar de tanta dor de cotovelo e raiva por não poderem se espelhar na ‘Grande Administração da Tucanolândia.”””….
    Pois bem,
    Está semana a carnificina foi além da conta,
    Duas Chacinas no mesmo dia, com intervalo de 1 hora de uma da outra, com vários mortos.
    Com um detalhe, uma das chacinas foi bem pertinho de uma Base da Pólicia Militar (tipo dessas UPPs)., mais ou menos 150 metros da Base,
    Veja bem, 150 metros de uma Base da Policia Militar……!!!
    Na Quinta-Feira, quando o Pato Donald mandava misseis na Síria, a Quadrilha do Marcola atacava um Carro-Forte, numa ação que nem Hollywood faria melhor.
    Para interceptar o Carro-Forte a Quadrilha apenas Explodiu vários carros, caminhões, e depois Explodiu o Carro-Forte….
    Levando todos os malotes de grana….
    Bom, para terminar, o famoso Santo da Opus Dei,(atolado na Lava-Jato), protegido e blindado no Cofre do Pálacio pela Santa Mídia Protetora dos Tucanorruptos, nem deve saber o que aconteceu nesta semana.
    Está se preparando para seguir o caminho de Brasília………

    abraços

    • Armando,

      Obrigado pelo comentário.

      A violência explode e não se vê por parte dos governantes atitudes adequadas à gravidade do momento, que ceifa a vida de milhares de pessoas e outro tanto de inocentes, imolados pelo descaso governamental!

      A lamentar, e digo isso com raiva, que parlamentares e governantes ladrões e assassinos não sejam alvos dessa violência do povo contra o povo, permanecendo impunes como criminosos e responsáveis pela violência que deixaram acontecer!

      Um abraço.
      Saúde e paz.

  11. Amigo e irmão Bendl
    Belo artigo. No entanto, como mesmo afirmas, as estatísticas não merecem credibilidade. As distorções são muitas. E nem vou entrar no campo dos interesses. Quando os leitores desconhecem valoração dos percentuais oferecidos, pergunto: para quem servem as estatísticas?
    De tudo que o artigo e comentários contem, desejo reforçar algo que não abro mão: a culpa é nossa, só nossa e sempre será nossa!
    Insegurança e problemas “educacionais” só são resolvidos pelos governos DO POVO e quando o POVO cobra e COBRA para que seja feito CORRETO!
    Sob este aspecto, depois de 30 anos no meio do povinho, te afirmo: o lixo da política é produzido pelo lixo da população.
    E deixo aqui uma comparação. Que tipo de representantes pode ter um povo que joga lixo nas calçadas, nas ruas, em todos os lugares? Da mesma forma, joga lixo nas câmaras municipais, assembleias e no congresso nacional, passando também pelos governos, nos três níveis.
    Se o judiciário fosse eleito pelo povo, nas três instâncias, alguma dúvida que seriam eleitos iguais e piores do que temos hoje?
    Bendl, nos falta liga, nacionalidade, responsabilidade, ética, moralidade e quantas coisas mais.
    Sem isto não existe solução. A não ser que alguém consiga fazer suco de laranja com bolinha de cinamomo!
    Abraço e saúde.
    Fallavena

    • Meu caro Fallavena,

      Na verdade o Brasil necessitaria começar de novo!

      E só há um jeito de quase começarmos do zero:
      Fechar o congresso e mandar os ladrões embora, e intervenção no Planalto!

      Não existe outra alternativa de o povo ter assegurado seus direitos, sua segurança, saúde, e voltar a ter esperança no futuro.

      Depois das reformas imprescindíveis e urgentes, então a convocação de eleições com as novas regras em vigor.

      Grato pelo texto.

      Um forte abraço.
      Saúde e paz.

    • Juca,

      Qualquer comparação com a quantidade de mortos que as guerras produziram ultimamente, os números são menores que os nossos dizimados pela violência, impulsionada pelo descaso governamental e impunidade!

      Outro abraço.

  12. Na Síria, que está em guerra, foram mortas 256 mil pessoas, em 4 anos.

    No Brasil, nos mesmos 4 anos, foram mortas quase 279 mil pessoas. Em “tempos de paz”!

  13. Toda paz e toda a violência, são estados de espírito.
    Não e difícil resolver…
    O problema e que não querem que se resolva.
    Por isso, a humanidade, que evoluiu de uma ameba unicelular ao projetista de inteligência Artificial, enredou para este zeitgeist, este espírito da era…

    Jiddu Krishnamurti deixou bem claro:

    “Dizíamos, o quão importante é trazer à luz da mente humana, a revolução radical.
    A crise é uma crise na consciência.
    Uma crise que não pode mais aceitar as velhas normas, os antigos padrões, as tradições antigas.
    E, considerando como o mundo está agora, com toda a miséria, conflito, brutalidade destrutiva, agressão, e assim por adiante.
    O Homem ainda é como era; ainda é bruto, violento, agressivo, aquisitivo, competitivo. E construiu uma sociedade nessas linhas. […]

    Estamos a tentar, em todas estas discussões e conversas, é ver se não conseguimos radicalmente trazer uma transformação da mente. Não aceitar as coisas como estão. Mas para percebê-las, entrar nelas, examiná-las; entregar o coração e mente com tudo o que temos para descobrir uma maneira de viver diferente. Mas isso depende de ti e não doutros. Porque nisto não há professor, pupilo, líder, guru, mestre, salvador; tu mesmo és o professor, o pupilo, o mestre, o guru, o líder… és tudo. E, compreender é transformar o que é.” –

    https://youtu.be/9RKnDh-B6tk

    =======================

    E aqui , uma nota do outro Krishnamurti:

    “Não houve nenhuma mudança qualitativa no pensamento do homem. Sentimos por nossos vizinhos o mesmo que o homem das cavernas sentia em relação aos dele. A única coisa que mudou é a nossa capacidade de destruir o nosso vizinho, e sua propriedade.”
    – UG Krishnamurti

    http://acard.blogspot.co.uk/2015/11/belo-monte-belo-monte-de-morte.html

  14. E você queria o quê? Mais da metade da nossa população é negra, 388 anos de escravidão, nenhuma política pública para elevar o padrão de vida dos negros, exceto as recentes cotas tão cretinamente amaldiçoadas, uma desigualdade social cavalar etc. O quê você queria? Sugiro que veja uma palestra de meia hora do Jessé Souza para que entenda em qual país você vive. Vale a pena, na boa.

    https://www.youtube.com/watch?v=7wSCZgZzNig

    • Alverga,

      Vou responder ao teu comentário como se as palavras do teu texto fossem endereçadas a mim, pois me deixaram dúvida se eu seria o destinatário.

      A vergonhosa escravidão terminou, em tese, em 1.888.
      Faz 129 anos, portanto, que esta monstruosidade não existe no Brasil.

      Nesse meio tempo, o país teve negros exuberantes na literatura, nos esportes, no atletismo, no jornalismo e na política.

      Da mesma forma, desde que tivemos a Proclamação da República, em 1.889, os brancos ou a classe pobre jamais tiveram a atenção dos governantes, haja vista que a miséria da população nacional não está restrita aos negros, mas a todos os brasileiros!

      Brancos, pardos, negros, sararás, mamelucos, cafuzos, caboclos, todos, sem distinção, hoje se encontram desempregados, inadimplentes, desesperados e sem futuro!

      Entretanto, questiono respeitosamente a tua colocação, no sentido de que o próprio negro não se ajuda neste particular.

      Nomes famosos de cantores, artistas de TV e cinema, jogadores de futebol, governadores, senadores e deputados negros (o meu RS tem o Paim, senador, e teve um negro como seu governador, o Collares, vários deputados federais e estaduais), jamais defenderam a sua etnia ou apresentaram projetos que fossem ao encontro de suas necessidades, convenhamos.

      E seria uma discriminação inaceitável que governos eleitos pelo povo, portanto, de todas as origens étnicas, fossem preteridos para que o negro fosse alvo de atenções especiais!

      As cotas nas universidades foram exemplos de atitudes impensadas de um governo que quis o voto do negro, menos compensar as desigualdades sociais, indiscutivelmente!

      Se houvesse a preocupação efetiva com os negros, o governo deveria investir e pesadamente na escola Fundamental e Média, e com chances para todos os brasileiros cursarem uma faculdade!

      As cotas atuais pecam e gravemente porque a maioria dos negros não conclui o curso escolhido por não ter condições de se manter na universidade por falta tanto de condições materiais (dinheiro, emprego …), quanto pela falta de ensino básico, então não acompanha o desenrolar do curso.

      Se houvesse preocupação com os negros por parte do próprio negro, e pela importância na cultura e esportes, literatura e política, os seus pares famosos e ricos deveriam desfraldar bandeiras em prol de suas comunidades, porém jamais ensejando que as diferenças fossem enaltecidas na cobrança de atenções mais para este do que aquele, pois inocentes pagariam pelo preço de uma escravatura que sequer eram nascidos!

      A violência de hoje que graça no Brasil não tem nada a ver com etnias, mas injustiças sociais ocasionadas por governantes incompetentes, corruptos, desonestos e criminosos, que gozam as delícia de seus atos ilícitos que lhes proporcionaram riqueza e conforto, enquanto que o cidadão, negro e branco, tem as suas costas curvadas pelo peso de uma carga tributária insuportável;

      Enquanto negros e brancos ganham um salário mínimo aviltante, parlamentares recebem proventos que atingem 70/80 vezes mais, e negros e brancos deputados e senadores, ignoram as carências do povo em áreas cruciais!

      Muito mais importante que as cotas raciais (o nome é odioso e repulsivo, pois raça provém de animais e não de seres humanos), teria sido o governo concentrar atenções em estruturar as comunidades com saneamento básico, ruas calçadas e asfaltadas, escolas públicas em turno integral, e retirar a criança das ruas e de estar à mercê do tráfico, mas negros e brancos, qualquer brasileiro!

      Não vejo como salutar e saudável que se jogue para cima do cidadão branco, tão explorado e roubado quanto o cidadão negro, o preconceito étnico.

      Deveríamos era lutar pela igualdade de condições, de oportunidades, de emprego, de escola condizente e de qualidade, menos alimentar uma diferença calcada na cor da pele e que, desta forma, jamais será abandonada, mas permanentemente mantida como causa de situações onde não se enquadraria como verdadeira, mas tão somente especulativa!

      Negros e brancos sofrem neste país; negros e brancos ricos existem neste país; negros e brancos cometem seus crimes neste país; negros e brancos inocentes sofrem as injustiças que governantes e parlamentares, negros e brancos, lhes ocasionam!

      Aliás, as estatísticas são tão cuidadosas neste sentido, que não apontam a etnia que mais matou, se o negro ou se o branco, justamente porque ambos, se criminosos, são assassinos!

      Um abraço, Alverga.
      Saúde e paz!

      • BAH! TCHÊ!
        Novamente confirma que deixou de tomar um mate!
        Como pode escrever:
        – A violência de hoje que graça…??? é grassa tchê!
        – Deveríamos era lutar pela…??? Sem era tchê!
        Gaúcho reflete enquanto toma um mate!!!

        • Amaral,

          Muito obrigado pela correção e me perdoa a ignorância!

          Comprovo entretanto, que pertenço mesmo à plebe ignara, e me esforço em ser pelo menos compreendido.

          Por outro lado, sujeito a esta violência desmedida, inconscientemente devo estar pedindo pela GRAÇA divina em proteger a minha família e eu, lá pelas tantas, almejando eu ser atendido neste clamor que faço.

          Um forte abraço, professor, Amaral.

        • Amaral,

          Mesmo gaúcho de quatro costados não gosto de chimarrão, chê!

          Não me dou com água quente descendo o bucho.

          Talvez a falta do mate seja mesmo a responsável pela minha dificuldade com o idioma, mas agora é tarde, pois não tenho mais tempo com 68 no lombo!

          • Sabes que a temperatura da água deve ser tal que o cusco sai queimado quando leva o cuspe do índio velho!
            Recomendo-te então um tererê geladinho; também ajuda a refletir!
            Sempre é tempo, mas se achas que é tarde com 68; então pare de escrever Tchê!!!

          • Eis uma sugestão, Amaral, que devo mesmo levar em conta, parar de escrever.

            No entanto, se eu tomasse esta decisão, tu não terias me dado a honra e satisfação de postares teus comentários neste espaço, e continuarias desconhecido de todos nós.

            Certamente o blog precisa de comentaristas do teu nível, que corrigem os erros de português daqueles que se manifestam sobre os temas postados, no entanto, em favor de textos mesmo com seus defeitos com relação ao nosso idioma, faz-se mister enaltecer a coragem dos que escrevem.

            Afora possíveis críticas que receberão sobre suas observações, também os alertas de seus erros ortográficos, de concordância verbal, tempos de verbos, colocação de pronomes átonos e oblíquos, frases em sentido, pontuação, enfim, uma situação que poderia amedrontar um comentarista por mais que este tenha a dizer a respeito do tema proposto para debate.

            E é este o caso, onde a coragem e a vontade de colaborar com a Ti excedem a importância que eu deveria dar à tua sugestão de não mais escrever, e por eu também entender que a minha experiência nessas alturas contribui para deixar registrado algumas das causas mais importantes da violência e como minimizá-la.

            Aceito as tuas reprimendas quanto aos erros que pratiquei neste particular e apontado por ti porém, na minha avaliação, prepondera o recado transmitido, o teor da mensagem, muito mais do que a perfeição do texto, consequentemente deixarei de escrever quando entender ter chegado o momento adequado, que não é agora, para tua decepção lamentavelmente.

            Mas a vida é assim mesmo, de alegrias e tristezas. Fiquei alegre pelas tuas correções sobre meus comentários, e tu ficarás triste porque seguirei adiante mesmo escrevendo tão errado!

            Outro abraço.
            Feliz domingo, Amaral.

    • A violência neste Brasil é multi-racial. São vítimas brancos, negros, amarelos e vermelhos. E são também assassinos brancos, negros, amarelos e vermelhos!

      Falar em questão racial para tentar explicar ou justificar a nossa violência epidêmica é de um ridículo que chega até mesmo a ser ingênuo!

  15. Prezado Bentl,

    O teu artigo expõe a total ANARQUIA em que vivemos, travestida de DEMOCRACIA.
    E não é de hoje.

    Veja, abaixo, um artigo do ANO DE 2006, do jornalista/colunista Ubiratã Lorio. Tem pontos de vista que discordo. Mas o recheio é a mais pura verdade:

    “A ESQUERDA E A VIOLÊNCIA
    A afirmação do filósofo Olavo de Carvalho, em seu artigo da última quinta-feira aqui no JB, de que o crescimento do banditismo e da violência insuportável que assola as grandes cidades e o campo guarda forte correlação com a ascensão de governos – locais e, agora, em nível nacional – de esquerda é uma constatação tão irrefutável que nem mil estratagemas ”politicamente corretos” podem desalojar a verdade que contém.

    É evidente que a causa da violência urbana e rural, bem como da proliferação de toda a sorte de vícios, é o relativismo moral, que o papa Bento XVI, logo no início de seu pontificado, apontou como o grande mal do mundo de hoje. Quando esse relativismo – endossado e incentivado pelas esquerdas -, em que a culpa por crimes, de roubos de galinhas a assassinatos, passando por seqüestros, invasões de terras, estupros e outras monstruosidades, é solertemente desviada de seus autores reais para entes abstratos e impalpáveis, como ”pobreza”, ”má distribuição de renda”, ”capitalismo” ou ”neoliberalismo”, é usado para o objetivo doentio de implantação do modelo socialista, chega-se ao lastimável estado em que se encontra a segurança pública.

    Sempre fez parte da estratégia ”esquerdopata” para impor o ”outro mundo possível” a desagregação da sociedade, haja vista a semeadura do ódio que seus mentores e pretensos ”intelectuais” lançam diariamente, de negros contra brancos, homens contra mulheres, heterossexuais contra homossexuais, ”elites” contra ”povo”, bem sucedidos contra os que não tiveram igualdade de oportunidades; de há muito integra seu torpe jogo a defesa do aborto, a título de ”libertação” da mulher; há décadas alinha seu abominável arsenal a execração da Europa e dos Estados Unidos e a defesa de narcotraficantes e terroristas internacionais. Sim, tudo isto e muito mais consta de seu repertório, em que os fins execráveis de instalar na América Latina cópias da desmoronada União Soviética ou da patética Cuba justificam quaisquer meios, mesmo que entre estes esteja o de acobertar ou, até mesmo, o de incrementar a violência, para desmontar a coesão social, moral e econômica e, assim, permitir ao partido no poder a oportunidade de estabelecer a ”redenção” – que prefiro chamar de servidão – ao Estado.
    Até o ex-presidente Fernando Henrique, um esquerdista hoje moderado, na mesma entrevista que lhe valeu um processo, por ter declarado que ”a ética do PT é roubar”, não deixou de afirmar que ”eles não fazem isto por mal, mas porque acreditam que é o melhor para o país”…
    -Como?
    -Não fazem por mal?
    -Então, o que seria o ”mal”?

    No Rio, até os paralelepípedos das ruas mais remotas sabem que tudo começou no primeiro governo de Brizola, com aquela história – capaz de render muitos votos – de ”polícia cidadã” e, desde então, já que os governos que se lhe seguiram emanaram quase todos da mesma fonte, o problema não fez senão crescer, sempre com o apoio da mídia, que prefere criticar a violência e a corrupção policial e acobertar bandidos do que tratar a coisa como deve ser tratada.
    Para princípio de conversa, ”polícia cidadã” é um mero pleonasmo, útil para enganar trouxas que são incapazes de pensar. Polícia é polícia, existe para combater o crime. Ou não? Imaginem um coronel da PM, ao invadir um presídio em rebelião, ou ao tentar interromper um assalto, dirigindo-se aos bandidos nestes termos: ”Senhores meliantes, gostaria de pedir-lhes o obséquio de deporem as armas e entregar-se”… Mamma mia, até a maluquice tem limites!

    Em nível federal, o PT nada mais fez do que repetir seu discurso velho, esfarrapado e mentiroso de apontar causas ”sociais” para justificar e deixar de combater com coragem o crime, para desespero da maioria dos cidadãos – da favela e do asfalto – que vivem apavorados e engaiolados, prisioneiros do medo.

    -Cadê os presídios que prometeu construir?
    -De que tem servido a tal Força de Segurança Nacional?
    -Onde está o reforço no aparelhamento e na inteligência das polícias?
    -Por que abrandaram as penas sobre crimes hediondos?
    -Será que em suas cabeças todos os pobres são criminosos ou possuem um salvo-conduto ”social” para um dia virem a sê-lo?
    -É o cúmulo da falta de senso que membros e ex-membros deste governo ainda ousem pronunciar-se sobre segurança pública!
    Os cidadãos honestos precisam votar dando um basta a esta prestidigitação do ”social”! ”

    Abraços.

    • Caríssimo Xará,

      O teu comentário é antológico!

      Aborda a questão política neste caldeirão fervente e composto por vários ingredientes, que formam a violência desmedida, desbragada!

      Alverga apontou o racismo, que, respeitosamente, discordei. Bandido é bandido e de várias etnias.

      No entanto, tu mencionas o descaso dos políticos e seus planos mirabolantes para aplacar a violência não só sem resultados, mas ressurgir com mais impetuosidade ali adiante, pois os problemas básicos de segurança, saúde e educação são desprezados!

      Não há um Planejamento Familiar em curso no Brasil por parte de qualquer governo, municipal, estadual e, lógico, o federal;

      Não se discute o ensino integral, mas como os parlamentares se protegerão da Lava-Jato;

      Não temos qualquer projeto de combate efetivo ao tráfico de drogas e armas, mas se liberam os assassinos em suas comunidades portando armas de guerra, e as cracolândias como demonstração inequívoca e indiscutível de menosprezo pela vida do povo!

      Ora, esta omissão odiosa é fruto da incompetência, e dos parlamentares destinarem seu precioso tempo – porque objetivado em roubar – em elaborar meios de assaltar o erário e explorar o povo, no lugar de melhorar a vida de seus eleitores e da população brasileira!

      Nada relativo à etnia, sexualidade, altura, peso, beleza … nada, porém com muita ênfase na droga, na arma, no assalto porque os receptadores pagam pelos objetos roubados e furtados, existindo uma tabela quanto aos automóveis, e cuja motivação maior é a manutenção dos tráficos mencionados.

      Não bastasse a violência, o desemprego leva pessoas a encontrarem alguns trocados no … contrabando, no comércio formiga do Brasil e Paraguai, aumentando consideravelmente os assaltos a ônibus nas estradas que levam a Foz do Iguaçu, certamente a razão pela qual Curitiba surge na lista como a 49ª cidade mais violenta do mundo, e a 19ª nacional!

      Precisamos guardar esses comentários, Francisco, pois nossos colegas contribuíram com textos preciosos sobre esta matéria, incluindo este teu, que reputo como fundamental para se chegar na causa principal desta violência, a política abjeta, ignóbil, perversa e deletéria!

      Um grande abraço, meu caro.
      Saúde e paz!

  16. Nao sei se e verdade pois nao acompanho esse troco, mas entrou agora uma mensagem no meu celular :

    “-Entenda o que e o Brasileiro

    107 milhões de votos para um paredão do Big Brother Brasil

    Menos de 2 milhões de votos contra a reforma da Previdência e Terceirização…

    Entendem agora porque estamos nessa situação?”

  17. AndréBR,

    Perdão, mas o Big Brother é reflexo da omissão e irresponsabilidade do povo consigo e com o país!

    Prefere a distração ao compromisso, então os governantes e parlamentares se aproveitam para roubar e explorar, pois sabem que não faremos nada a respeito porque passivos, não agimos em defesa própria, e seremos os primeiros a divulgá-los como candidatos excelentes à reeleição.

    O ladrão do Lula é o sintoma clássico de um povo alienado, inculto e incauto, sem senso crítico e e sem consciência cívica!

    Outro abraço.

    • Talvez seja no bar que discutes temas tão importantes como a violência, que não é o meu caso, mas também nada contra sobre os locais preferidos de cada pessoa.

      O debate está sendo proposto neste blog, e não está interligado à questão étnica, mas à violência.

      Aliás, peço perdão porque não entendi a insistência do teu trabalho, que afirmei ser meritório, mas não vejo como anexá-lo ao tema postado sob pena de eu cometer uma injustiça imperdoável.

      O artigo não tem uma palavra que aborda a questão étnica como causa da violência, e não poderia, lógico, consequentemente acho esta discussão e tuas chamadas de atenção sobre mim inócuas, desnecessárias, haja vista não se apontar quem cometeria mais crimes, se negro ou branco.

      Ambos, se matam são assassinos, repito, e querer amenizar a gravidade desse crime porque o autor era pobre e negro ou rico e branco, reitero que seria uma irresponsabilidade e eu não estaria colaborando com a verdade dos fatos.

      A pobreza, a miséria, a falta de oportunidades, as diferenças sociais, a etnia, decididamente não podem e não conseguem justificar a violência, sequer explicá-la, pois matar advém de índoles, temperamentos mal formados, distúrbios da personalidade e de até mesmo patologias, pois ninguém de sã consciência, negro ou branco, mata por que quer, por prazer.

      Exemplo?

      O “microondas” que submeteram o jornalista Tim Lopes!

      Não me lembro de crimes depois deste e com esta selvageria que tenha sido repetido, portanto, os traficantes negros e brancos continuam se enfrentando e morrendo por causa do tráfico, menos porque o Zé era pardo, o João negro e o Francisco branco, mas pela disputa de território, interesse pecuniário.

    • Os dois artigos publicados não culpam as diferenças raciais pela violência epidêmica em nosso Brasil.

      Exatamente porque a violência no Brasil tem causas múltiplas, e imensamente mais profundas do que isso.

      Apesar da implantação contínua e crescente de políticas de inclusão racial, nas últimas 2 décadas, a violência continua aumentando, deixando claro a linha de pensamento que eu expresso.

      Algumas das causas da nossa violência epidêmica passam: pela destruição dos valores familiares, dos valores de respeito ao próximo e de convivência em sociedade; pelo materialismo cada vez mais forte que fomenta o individualismo e o egoísmo; pela impunidade que é proporcional ao tamanho da faixa de renda.

      Mas também não se restringem a isso. Até o ensino brasileiro, tanto particular quanto público, tem suas culpas sobre o problema. Pois não propaga o respeito ao próximo, à família, e à vida em sociedade no mais amplo sentido.

      Ou seja, é tão amplo o tema que um reducionismo a questões de desigualdades raciais não tem cabimento.

      • Juca,

        Tens plena razão quanto às causas da violência serem múltiplas, e apontaste com precisão algumas delas.

        Eu te auxiliaria neste particular acrescentando a impunidade, que foi uma invenção dos parlamentares em benefício próprio, mas que acabou sendo consagrada pela criminalidade em face de também outros fatores os mais diversos, dentre eles a inexistência de vagas em presídios, obrigando juízes a soltarem os condenados por falta de vagas em casas de detenção!

        E quantos traficantes, ladrões e assassinos que são presos, e imediatamente soltos após pedido de seus advogados?

        O problema sobre a violência é tão grave que não sabemos onde atacar primeiro para debelar um pouco a sua ferocidade, a sua intensidade, pois vinda de vários pontos ao mesmo tempo.

        E, um deles, indiscutivelmente, parte do próprio governo com relação à forma como nos trata:
        Escravos por seis meses;
        Roubos em profusão pelos parlamentares e governantes, que retiram de áreas primordiais as verbas necessárias ao atendimento da população;
        Salários milionários em comparação ao mínimo pago ao trabalhador;
        carga tributária insuportável;
        Tabela de correção do IR defasada há anos, demonstrando o quanto o governo é desonesto;
        O parlamento e os governantes agem permanentemente em desa de seus pares por mais envolvidos que estejam em crimes praticados conta o país e povo, gerando na população flagrante injustiça por esta forma de tratamento que vai de encontro às leis, enquanto resta ao povo tão somente obedecer e outorgar poderes!

        Outro abraço, Juca.
        Feliz domingo juntos aos teus.

  18. Alverga,

    Reconheço a tua capacidade como mestre, professor, que me obriga a concordar que não tenho condições de debater contigo qualquer tema relacionado à sociologia, política e economia.

    Escrevi um artigo impessoal, apenas apontando a violência que impera no Brasil, sem discutir as suas causas porque não mais interessam às vítimas, e seus parentes querem justiça para os criminosos!

    Mesmo eu pertencendo à plebe ignara, sem ter qualquer faculdade, tenho o direito de expor o meu ponto de vista, que tanto pode ser diferente do teu quando semelhante em qualquer tema postado por este blog ou qualquer outro.

    O artigo em tela não apresentava as minhas razões quanto à origem da violência e suas causas, apenas os dados que demonstram as cidades mais violentas do globo e do Brasil.

    Tu me questionaste perguntando, queres o quê?

    E alegaste a situação do negro como causa desta violência que estamos discutindo, em face da sua pobreza, ganhar salários menores que os brancos, e um passado que envergonha a humanidade sobre os 388 anos que durou a escravidão, pelo menos no Brasil.

    Bom, eu continuaria discordando de ti, e respeitosamente, no sentido de a pobreza e a situação do negro não poderem ser a causa do que estamos debatendo porque seria uma generalização imperdoável, ou seja, se é negro e pobre é bandido!

    Muito menos aceito que sobre as minhas costas pousem resquícios de remorsos pela escravidão, haja vista que nasci 450 anos depois da descoberta deste país, e 62 após a Lei Áurea!

    Hoje, mais do que nunca, devemos é nos unir, menos cobrar do ser humano e brasileiro dívidas de um passado que não pode ter o condão de nos remeter a ele, mas de nos projetarmos para o futuro sendo negro ou branco, e aplainarmos as arestas que, se existem, decididamente não podem ser atribuídas ao povo, mas às autoridades responsáveis pelo descontrole que se constata na segurança pública!

    O tema é este, a violência, praticada por negros e brancos, e cuja motivação maior pelo que li a respeito, acusa o tráfico de drogas como a causa principal de assassinatos nesta terra, a conquista de territórios.

    Reverencio o trecho do teu trabalho, magnífico, conforme link indicado no último comentário, que critica a escola pública Fundamental, que brancos e negros frequentam, devendo ser alvo de atenções especiais de qualquer governante que considerasse o povo como a causa do seu trabalho em proporcionar uma qualidade de vida efetiva à cidadania, o que não acontece.

    Porém, quanto ao assunto em questão, torna-se irrelevante o autor, mas as vítimas que tombaram pela violência, e não são poucas, pelo contrário.

    Não estou abordando a situação econômica de grupos étnicos brasileiros, negros, índios, brancos, não, mas a escalada da violência que nos coloca nas manchetes internacionais com 19 cidades mais violentas do mundo!

    O tema que envolve o negro é outro, muito mais amplo, com muito mais variáveis, que não pode ter conclusões simplórias, tipo a sociedade atual ter de arcar com erros do passado.

    Tanto é injusto para os que nasceram muito tempo depois da escravatura quanto para os que nasceram livres.

    Assim, qualquer política governamental que priorize uma certa etnia em detrimento de outras comete, no mínimo, crime de segregação, razão pela qual devemos, brancos e negros, nos unir e reivindicar nossos direitos vilipendiados por governantes há décadas, e que mistura brancos e negros indistintamente no sofrimento e nas injustiças que têm sido alvos.

    O teu trabalho é digno de elogio e reconhecimento, que faço publicamente, mas não posso conectá-lo à violência, caso contrário estarei sendo preconceituoso, leviano e venal, atribuindo à pobreza e à cor da pele a causa de milhares de vidas sendo ceifadas anualmente no Brasil.

    Tanto seria irresponsável da minha parte, que os ladrões parlamentares que roubaram a Petrobrás, fundos de pensão, BNDES, empréstimos consignados, receberam propinas das empreiteiras, e demais crimes cometidos, a maioria é branca, ganha bem, otimamente situada na sociedade, tem poder porque representante popular no Legislativo, salários milionários acompanhados de indenizações pessoais, que não impediram que seus comportamentos fossem corruptos, desonestos, abjetos, deletérios, nocivos e nefastos ao povo e País!

    E não sou ingênuo como me acusaste acima, mas tu que foste um tanto agressivo ao me questionares sobre o que eu almejaria com relação à violência, se a situação do negro é difícil, argumento que não entendi porque justamente o pobre, inculto e incauto, analfabeto absoluto e funcional, é o mais pacato membro da sociedade desigual que nos tornamos, incluindo negros e brancos, pois me refiro às distâncias salariais existentes entre o trabalhador e as castas que imperam no Brasil de hoje, principalmente o Judiciário e Legislativo!

    Se quisermos diminuir as diferenças entre brasileiros negros e brancos, devemos iniciar justamente pelos que têm poder de aplainar o caminho para a justiça social, e esta medida implica ou subir os salários do pobre negro e branco ou, então, diminuir os proventos que excedem o piso estabelecido, de modo que sobre dinheiro para os miseráveis negros e brancos, e estes consigam ascender para escolas de qualidade e depois no custeio de seus cursos universitários, menos culpando as etnias e separando-as mais ainda por causa de um passado distante, que deve ser permanentemente lembrado quando negro e branco estarem juntos e com as suas mãos unidas em defesa de seus direitos e reivindicações àquelas pessoas que usurparam direitos alheios, e que condenaram brancos e negros à miséria, à pobreza, à condição de dependência permanente de governos corruptos e desonestos!

    Parabéns pelo trabalho irrepreensível, enquanto o meu foi apenas um artigo, e onde copiei citando a fonte, os dados de violência no Brasil e no mundo.

    Reitero o meu abraço.

  19. Prezado Bendl, desculpe se fui ríspido e a questão da ingenuidade não tinha nada a ver com você, mas era relativa a outro comentarista. Você é um cara muito inteligente e escreve muito bem, e tem condições de debater em alto nível qualquer assunto com qualquer pessoa. O que penso ser difícil é dissociar o nosso passado escravocrata e a conseqüente desigualdade abissal que nos caracteriza dos níveis de violência que vivenciamos nas grandes metrópoles brasileiras. A cor da pobreza no Brasil nos leva à triste constatação de que são os jovens negros que habitam nossas periferias as grandes vítimas do genocídio que todo ano ocorre no Brasil.Abraço fraternal e desculpe alguma agressividade.

    • Alverga,

      Só poderia ter partido de uma pessoa da tua escol esta manifestação, que agradeço muito, pois coloca pingos nos “is” e “jotas”.

      Mesmo assim valeu a discussão, pois nobre, interessante, e de alto nível, que não poderia ser diferente.

      Um grande abraço.
      Saúde e paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *