Era só que faltava: entra em cena a possibilidade de privatização da Eletrobrás

Charge do Amorim, reprodução do Arquivo Google

Carlos Newton

Conforme demonstramos na edição deste sábado aqui na Tribuna da Internet, o novo presidente da Petrobras, Pedro Parente, foi responsável direto por um prejuízo de US$ 1 bilhão, que a estatal petrolífera acumulou em função da alternativa adotada  no governo FHC para enfrentar o apagão da energia elétrica. Parente era chefe da Casa Civil e atua como “gestor da crise”. A pedido do governo, empresários montaram as termelétricas, o lucro deles estava garantido em contrato e a Petrobras forneceria o combustível (gás ou diesel) e cobriria a diferença para assegurar a lucratividade das usinas privadas.

ESCÂNDALO ABAFADO

Dois anos depois, no primeiro governo Lula, o então diretor da Petrobras Ildo Sauer, realmente um grande executivo, nacionalista e corajoso, iniciou um processo de arbitragem dos contratos com os empresários das usinas termelétricas, que usufruíam do chamado capitalismo à brasileira, em que não há risco e o lucro está sempre garantido.

Sauer conseguiu um acordo extraordinário, que reduziu os pagamentos da Petrobras e ainda deu à estatal o direito de comprar as usinas.

Desta forma, ao invés de pagar três vezes o valor das usinas em 10 anos e acabar sem nada, conforme estava contratado, a Petrobras pagou 2,5 vezes o valor das usinas termelétricas e se tornou proprietária das unidadas. Nas palavras do próprio diretor Ildo Sauer: “Convertemos um escândalo num mau negócio”.

NOVA CRISE ENERGÉTICA

No decorrer da nova crise energética de 2012-2015, mais uma vez as térmicas foram chamadas a operar e novamente a Petrobras foi convocada a dar sua contribuição, ao fornecer combustível para geração elétrica.

Em pagamento, a estatal recebeu uma espécie de “vale” da Eletrobras, porque o governo de Dilma Rousseff não quis repassar o custo direto para os consumidores. Foi um novo rombo que se avolumou, chegando a 6 bilhões de reais (ou seja, mais US$ 1,5 bilhão de dólares de prejuízo para a Petrobras, desta vez, uma Pasadena e meia).

CONTABILIDADE DESTRUTIVA

Agora entra em cena a contabilidade destrutiva (verdadeira denominação da “contabilidade criativa” implantada criminosamente pelos governos do PT): este valor do “vale” da Eletrobrás (R$ 6 bilhões) foi contabilizado como prejuízo no balanço de 2015 da Petrobras. Quer dizer, a estatal assumiu que nunca mais iria receber este dinheiro, o que contribuiu para formar o prejuízo contábil (de papel) de R$ 35 bilhões no ano passado.

Mas o fato verdadeiramente curioso é que a Eletrobrás também contabilizou este dinheiro como prejuízo contábil, que estava aprovisionando para pagar à Petrobras os mesmos R$ 6 bilhões, vejam como a esculhambação reinava no Brasil.

FESTIVAL DE LOUCURAS

Realmente, a irresponsabilidade administrativa das estatais na Era do PT é inacreditável. Esta declaração de prejuízo contábil deu início à crise da Eletrobras, que sofre hoje com ameaças de execução de suas dívidas na corte de Nova York.

Em resumo: uma estatal jura que paga, a outra diz que nunca vai receber, e ninguém se entende nem se conversa na República da Jabuticaba.

O pior é que a solução agora proposta é privatizar a Eletrobras e “desinvestir” as termoelétricas da Petrobras. Como se diz popularmente, o marido traído, flagrando sua esposa com o amante no sofá, resolve tirar o sofá da sala. Sinceramente…

13 thoughts on “Era só que faltava: entra em cena a possibilidade de privatização da Eletrobrás

  1. Caro NEWTON, assino em baixo, infelizmente o cidadão eleitor sem ESCOLA CÍVICA e os intelectuais, mal intencionados aproveitam a “santa ignorância” do trabalhador, para formação dos currais eleitorais, com o voto obrigatório, para ter o PODER HIPÓCRITA COM SUAS PROMESSAS DE MENTIRAS, o resultado está aí:PODRIDÃO IRRESTRITA NOS PODERES.
    A JUSTIÇA, NO PARANÁ, PERSEGUE JORNALISTAS DO JORNAL DO POVO, COM AMEAÇAS DE CADEIA, EM RAZÃO DA DENUNCIA DA CORRUPÇÃO DE VENCIMENTOS ABSURDOS DOS JUÍZES (RÁBULAS DA JUSTIÇA, QUE ESTUPRAM E VILIPENDIAM,A sRª JUSTIÇA).
    A ABI, TEM QUE BOTAR A “BOCA NO TROMBONE”, PARA QUE A VERDADE SEJA INFORMADA AO POVO, INDO AO STF, DENUNCIAR ESSA SAFADEZA, APESAR DO STF, NÃO ESTA A MERECER CONFIANÇA, POR ESTAR NA MESMA SITUAÇÃO, MAS…É O QUE TEMOS, RUI BARBOSA, É MORTO TODOS OS DIAS, PELOS QUE TEM O DEVER DE OFÍCIO RESPEITAR A sRª JUSTIÇA.
    SÓ NOS RESTA: DEUS NOS ACUDA. E PROTEJA OS VERDADEIROS JUIZES, COMO O DR. SERGIO MORO E EQUIPES MPF E PF,, QUE ESTÃO DANDO EXEMPLOS DE AMOR E RESPEITO A sRª JUSTIÇA.
    O ÚLTIMO BALUARTE DA CIDADANIA, A JUSTIÇA, ESTÁ PODRE, SALVO AS PEQUENAS EXCESSÕES, COMO DR. MORO.
    LEMBRO AOS JUÍZES TERRENOS, QUE TEM UM JUIZ EM NÓS,DEUS- A CONSCIÊNCIA – TRIBUNAL DIVINO, QUE NOS JULGARÁ ALÉM TÚMULO, CONFORME MENSAGEM DE 2 MIL ANOS: “A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS” E “PAGARÁS ATÉ ´ULTIMO CEITIL” JESUS, O CRISTO, SÃO LEIS DIVINAS, E ACRESCENTO MAIS UMA: “MUITO SERÁ COBRADO A QUE MUITO É DADO”.À VIDA CONTINUA ALÉM TÚMULO, ACREDITEMOS OU NÃO,

  2. Caro Newton, não pude gravar, por pane no computer, o artigo que fala do lição Budista sobre as esposas, se possível, republicar ou indicar a TI que publicou, pois pretendo publicar no Boletim,/jornal, da nossa Associação de Amigos e Cidadãos de Guapimirim.
    Agradeço antecipadamente a atenção, estamos na luta de esclarecer e orientar nos princípios morais de nossos irmãos de jornada, cumprimento o Código da Vida: O EVANGELHO DE JESUS, SEM FANATÍMOS, MAIS POR CRER QUE JESUS, REPRESENTA DEUS EM NOSSAS VIDAS. MUITA SAÚDE E ILUMINAÇÃO.

  3. Não é só a Eletrobrás., a Midiazinha Fascista Pró-Avenue Foch em São Paulo já estão soltando as notinhas de que não dá mais para o Efeagaécio alckimin-tira tocar o Sistema Metrô-Ferroviário em São Paulo devido sua (In) competência crônica aguda em administrar alguma coisa que lhe dão para administrar…….
    As notinhas dos jornalistas amestrados contam que as Linhas de Trens Urbanos estão no limite da (ir)responsalidade do desgovernador, ele tem coisas mais importantes á fazer do que ficar tomando conta de Trens Velhos para o povão que come pão com mortadela. e acorda ás 5 horas da madrugada para ir ao trabalho.
    Agora Efeagáecio alckimintira está mirando o Palácio dos Jaburus em Bra´silia e nada melhor do que entregar as Linhas de Trens áqueles que (empreiteiras)., pagam sua campanha eleitoral.
    O famoso “favor” dos entreguistas efeagacianos…..

    Je suis Petit Gâteau..

  4. Caro CN,

    Eu não acredito em promessas mas em resultados, não defendo utopias mas o que está funcionando . Não é o caso das estatais.O que assusta não é nem o estado pré falimentar no qual se encontram a Petrobrás e a Eletrobrás , mas sim , o fato inquestionável de que o governo
    Dilma , as conduziu a tal calamitoso estado de insolvência , sem que a sociedade e as instituições pudessem ifazer NADA para impedir
    o crime e, muito menos , às suas catastróficas consequências para a economia e para o povo deztepaiz. É disto que se trata.

    Acredito no modelo escandinavo, por exemplo, absolutamente bem sucedido e flexível , que se mantém no topo de todos os rankings mundiais , graças a uma economia livre e a um profundo bem estar social .

    Para mim o Estado deve intervir , em setores específicos como saúde , educação , segurança pública e olhe lá.

    A corrupção encontra terreno fértil no intervencionismo econômico. Toda vez que alguém precisa de uma autorização ou uma licença para fazer negócios, a tentação de oferecer e de tomar atalhos se instala. É tão fácil pagar para poder brincar. Por que ,afinal , os empreiteiros e os políticos se juntaram , sob as bençãos do Executivo , em uma organização criminosa?

    O maior das corrupções está na manufatura de MPs e de Leis especiais ou desvirtuadas – as famosas jabuticabas – para favorecer certas atividades econômicas em detrimento de outras

    Esta abundância de burocracia , a falta de
    transparência e de planejamento, a ineficiência e as considerações políticas e ideológicas doidas de pedra que orientam as políticas econômicas , é o que leva empresários a financiar campanhas e distribuir bolas a fim de receber privilégios mais tarde.

    Se queremos realmente diminuir a corrupção – no Brasil ou na China – o remédio é claro: separar a coisa pública da privada, os domínios políticos dos econômicos, o compadrio e nepotismo do profissionalismo. A meritocracia tem que ser mainstream da sociedade. Não temos mais tempo para improvisos.

    Governos não devem ter o poder de conceder privilégios ou de se intrometer com o mercado. Devem limitar-se a garantir o Estado de direito e de defesa contra os criminosos que o atacam e assaltam.

    Se realmente queremos acabar com a corrupção , então nós temos que erradicar os incentivos que lhe dão vida.

      • Em 2014 as empresas estatais (federais, estaduais e municipais) acumularam um prejuízo de R$7,7 bilhões. Em 2015 um prejuízo de R$10,0 bilhões e, em 2016, até março, as estatais (aforando os grupos Petrobras e Eletrobras) já acumularam um prejuízo de R$2,4 bilhões.

        Se olharmos os demonstrativos financeiros do Grupo Eletrobras veremos que o prejuízo em 2014 foi de R$2,9 bilhões e em 2015 o prejuízo foi de R$14,9 bilhões.

        Já com a Petrobras o prejuízo em 2014 foi de R$21,9 bilhões e em 2015 o prejuízo foi de R$35,1 bilhões.

        Não há majoração da carga tributária que dê jeito nisso.

    • Inocente, aqueles que fomentam e conseguem entregar de bandejas AS RIQUEZAS de seus país, com certeza levarão o “por fora” por muito tempo. Ou você, inocente, acha que é por amor que se entrega o ouro ao inimigo. O que você, inocente, ganha com as privatizações? Roubar, sempre vão roubar ( ou você já viu alguma empresa internacional baixar valores de algum produto ou serviço, assim que levam de bandeja as nossas riquezas, vide os serviços telefônicos e de internet, caríssimos, de péssima qualidade e agora-a internet- pronta para se tornar limitada e ainda mais cara), só que não se esqueça, que para aqueles estrangeiros que você tanto se abaixa, você como brasileiro não passa de um cão com sarna.

  5. Prezado Editor:

    Realmente, a palavra exata é a do final do artigo: Sinceramente.

    Sinceramente, a única saída do governo interino para sustar a crise é entregar os ativos do Estado. Como a Reforma da Previdência não adiantará muita coisa em relação a diminuição do rombo nas contas públicas, os quais foram a meu juízo inflacionados para causar temor no povo, o governo quer no curto prazo fazer dinheiro para alavancar a economia e gerar emprego que vai num crescendo assustador.

    O que os governos mais temem na vida é com certeza, o clamor popular gerado pelo desemprego pela desesperança e pela inflação que corrói os salários dos trabalhadores da ativa.

    Vejam o absurdo das medidas do governo do Rio de Janeiro, cujo vice interino, o Sr. Dornelles anunciou a venda do Palácio de verão do governador , numa ilha próximo a Ilha de Paquetá. O que esse dinheiro irá reduzir a grave crise que assola o Rio de Janeiro? Praticamente nada. Erros e mais erros administrativos de Cabral e Pezão, que não pensaram no futuro achando que os royalties do petróleo eram fonte que jamais secariam, pois secou indelevelmente arrastando o Estado para a maior crise de todos os tempos. Já venderam quase todas as estatais do Rio de Janeiro, os governos do PSDB e do PMDB. A única que restou foi a CEDAE, que agora tencionam colocar no leilão para quem der mais dinheiro levar a estatal. Pergunto aos senhores: A venda das outras estatais adiantou alguma coisa em relação a eficiência dos serviços públicos? E já respondo por mim mesmo com um exemplo: O serviço público dos trens urbanos, que está ainda pior do que o prestado pelo serviço público. Há outros, mas vou me quedar inerte para não aborrecê-los demasiadamente.

    Então é isso, a falta de criatividade dos governos Estaduais e principalmente do governo Federal para debelar a crise geral, ampla e irrestrita é vender ativos, que jamais serão recuperados.

    Na próxima crise sobrará apenas a alma dos governos, que venderão para o diabo fazer delas o que o monstro de vermelho quiser ou venderão territórios como fez criminosamente no passado, o governo da Bolívia ao vender o Acre para o Brasil.

  6. Renan, parecendo achar que o novo governo está superfaturando rombos, ficou de perguntar a Meirelles se o rombo inicialmente encontrado era mesmo de R$170 bi.

    Não se sabe se Renan levou a pergunta ao ministro da Fazenda. Se levou, qual foi a resposta de Meirelles? Um simples SIM não justifica a pergunta. Se Meirelles demonstrou de outra forma, gostaria de saber como fez isto, se em contas caipiras de mais e de menos. Tô esperando a resposta. Ou o novo governo tb anda superfaturando rombos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *