Espaço e movimento (Barcelona X PSG)

Tostão (O Tempo)

No empate entre Paris Saint-Germain e Barcelona, Messi fez o primeiro gol e foi substituído, no intervalo, com problema muscular. Se tivesse jogado no segundo tempo, teria chance de fazer mais gols, por causa do avanço do time francês. O primeiro gol do PSG foi em claríssimo impedimento. Thiago Silva e Daniel Alves foram brilhantes. Lucas só atuou bem no primeiro tempo.

Todos os treinadores e armadores deveriam assistir aos jogos do Barcelona só para observar Xavi jogar, como ele faz a passagem da bola de um lado para o outro, de pé em pé. Xavi quase não erra passes porque é craque nesse fundamento e porque nunca dá o passe para o jogador marcado. Espera sempre o momento exato para tentar o passe decisivo.

Corinthians, São Paulo e Atlético jogam hoje e amanhã pela Libertadores. Corinthians e São Paulo fizeram um bom jogo no domingo. Cada equipe com seu estilo. O São Paulo, com muita troca de passes, enquanto o “inglês” Corinthians, com duas rígidas linhas de quatro, próximas à área, privilegiava o contra-ataque. Essa disciplina tática foi importante para a conquista de títulos.

O São Paulo jogou bem graças ao desprendimento e ao talento coletivo de Jadson, fora de posição, pela direita. Mesmo assim, foi brilhante no gol. Ganso teve mais uma boa atuação. Pena que toca a bola e não avança para recebê-la.

O Atlético melhorou muito com Tardelli. Ele é o elo, a ponte, entre os passes espetaculares de Ronaldinho, a velocidade de Bernard e o centroavante Jô. Antes de Tardelli, a maioria das jogadas ofensivas era pelo alto.
Tardelli não é centroavante, meia de ligação nem ponta. Ele é uma mistura de tudo isso. Toca e avança. Dribla, dá passes e faz gols.

Falta à seleção um atleta com esse estilo, com talento coletivo, agregador em campo, que aproxima jogadores de posições diferentes. A seleção possui volantes que marcam, meias-atacantes que driblam em velocidade e um centroavante fixo. Tudo compartimentado. É necessário misturá-los, sem perder a organização tática.

Pelas características, Ganso e/ou Ronaldinho preencheriam esse vazio, esse elo entre os setores. Ronaldinho, por não ser tão veterano, deveria ser o mestre da seleção, como é no Atlético. Ganso seria, no imaginário de todos, o herdeiro da inteligência espacial e cinestésica de Ronaldinho. Os dois não estão na seleção principal. Só agora Ganso voltou a ser titular no São Paulo. Quando foram escalados, os dois não foram bem. Muitas coisas não se explicam. Acontecem.

O futebol brasileiro e a seleção precisam aprender e gostar de jogo coletivo. Hoje, com poucos craques, é importantíssimo. Essa dificuldade é, em parte, reflexo do narcisismo e do individualismo da sociedade.

JOGO DIFÍCIL

O Atlético não deveria achar que a partida de hoje, em casa, contra o Arsenal, será fácil, por causa da goleada na Argentina. O adversário, no Morumbi, contra o São Paulo, jogou bem e empatou em 1 a 1. Bernard deve fazer falta.

Josué estreou bem. Fez até gol, o que é raro. Hoje, será reserva. Ele e Pierre têm as mesmas características. Mas, se Josué jogar no Atlético como atuou em seus melhores momentos, no São Paulo e na Alemanha, será superior a Pierre e a Leandro Donizete. Josué tem um melhor passe que Pierre. Os dois se destacam muito pelo desarme. Volante que marca bem não é o que tromba e derruba o adversário. É o volante rápido, que antecipa e sai com a bola, como fazem os dois.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *