Estudo pioneiro reúne a genealogia dos titulares do Império no Vale do Café

A Fazenda Paraizo é uma das relíquias da era dos barões do café

José Carlos Werneck 

Pela primeira vez, um estudo traça a genealogia do elenco completo dos titulares da Monarquia que ajudaram a transformar o vale do rio Paraíba do Sul na região mais rica do Brasil, graças à cultura cafeeira. Ao todo 124 membros da nobreza brasileira – 90 barões, 23 viscondes, seis condes e cinco marqueses – foram identificados ao longo de pouco mais de um ano de pesquisas do historiador José Roberto Vasconcelos Nunes, que acaba de lançar o livro “Titulares do Império no Vale do Café”.

Entre os barões que figuram no livro está Pedro Corrêa e Castro, Barão de Tinguá, que nunca se casou, mas viveu em um palacete, na cidade fluminense de Vassouras, ao lado de Laura, uma ex-escrava africana, com quem teve vários filhos que reconheceu em testamento, tornando-os herdeiros de sua grande fortuna.

Outro citado na obra foi Francisco Paulo de Almeida, o único negro elevado a titular do Império, com o título de Barão de Guaraciaba e que teve grande descendência. Começou sua vida como tropeiro, tendo constituído imensa fortuna, como proprietário de fazendas de café, luxuosos palacetes em Petrópolis e no Rio de Janeiro e sócio de diversos bancos.

O HISTORIADOR

O escritor, nascido em 1969, natural da cidade de Três Rios, é resultado de uma combinação genealógica interessante: se pelo lado paterno é oriundo de uma família de escultores, pintores e fotógrafos, pelo materno descende de historiadores, jornalistas e jurisconsultos.

Apaixonado por História e ciências afins, José Roberto tem se dedicado notadamente à investigação genealógica e ao estudo e difusão do patrimônio heráldico, especialmente o brasileiro e ibero-americano. Detentor da láurea concedida pela Instituto Histórico e Cultural Pero Vaz de Caminha, de São Paulo, tem alguns de seus livros adquiridos pela Biblioteca do Congresso norte-americano,em Washington,  em razão da “relevância para a História e Cultura brasileiras”.

SINOPSE

Nenhuma outra parte do vasto território brasileiro concentrou, em diminuta porção geográfica, tão numerosos titulares de nossa monarquia quanto o vale do rio Paraíba do Sul, em seu trecho na outrora Província do Rio de Janeiro.

Por sua vinculação à monocultura cafeeira, de vasta produção e importância econômica para o Brasil ao longo do século XIX, fez dos fazendeiros fluminenses os súditos mais ricos do Império. Sua riqueza, importância política e serviços prestados por muitos ao Estado e a sociedade, fizeram dos cafeicultores titulares da Monarquia.

A região do vale do Paraíba do Sul, pelo processo de efetiva ocupação de seu território rural e vinculação inicial de seu elevado desenvolvimento econômico baseado na grande lavoura cafeeira, acrescido do fato de possuir um legado arquitetônico histórico e artístico vinculado às grandes sedes de fazendas, igrejas e elegantes palacetes urbanos, há muito é objeto de interesse dos historiadores.

4 thoughts on “Estudo pioneiro reúne a genealogia dos titulares do Império no Vale do Café

  1. Muito interessante.
    Embora nascido em Três Rios, saí de lá bem cedo por circunstâncias familiares. Depois de anos na Cidade Maravilhosa, o destino me leva a Itaipava (bem perto da região).
    Parabenizo o escritor – que não conhecia – pelo trabalho de pesquisa. E pelo SUCESSO tb.
    Pretendo conhecer estas fazendas.
    E quem não conhece Três Rios, fiquem atentos porque mesmo em meio à crise a cidade cresce e se destaca tb.

  2. Pingback: Estudo pioneiro reúne a genealogia dos titulares do Império no Vale do Café – Debates Culturais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *