Evangélicos são mais unidos e participam cada vez mais da política

Isabella Lacerda (O Tempo)

Apesar de a população católica ser maioria em todo o país, o crescimento do número de seguidores das religiões evangélicas é evidente. O fato vem se refletindo em todo o país. Na Assembleia de Minas e na Câmara Municipal de Belo Horizonte, as bancadas evangélicas têm se mobilizado para representar seu eleitorado.

De acordo com o Censo de 2010, 25% da população de Belo Horizonte são evangélicos. Já no Legislativo da capital, considerando o universo de 41 vereadores, nove são evangélicos – 21% dos parlamentares -, o que indica que a representatividade no Legislativo municipal está muito próxima da realidade.

Apesar de não haver na Câmara uma bancada oficial de evangélicos, é comum os vereadores dessa religião votarem de forma conjunta e se unirem para a defesa de interesses comuns.

Pastor e superintendente da Igreja do Evangelho Quadrangular, o vereador Autair Gomes (PSC), afirma que seus colegas sabem separar a fé da política. “Mas você não consegue desvencilhar a política dos seus princípios. Por isso, muitas vezes, votamos e defendemos juntos alguns projetos”, argumentou.

Na mesma linha, o vereador eleito para o primeiro mandato, Juliano Lopes (PSDC), da Igreja Batista, é enfático ao afirmar que “a Câmara é laica”. “Acredito que os vereadores não podem legislar pensando na sua religião. A Câmara, a prefeitura, a Assembleia, essas instituições têm a obrigação de serem laicas”, disse.

Existem apenas dois católicos atuantes na Câmara e que desenvolvem ações voltadas para a religião: Adriano Ventura (PT), que atua na Pastoral da Criança e Orlei (PTdoB), ministro da Eucaristia na igreja do bairro Padre Eustáquio.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Evangélicos são mais unidos e participam cada vez mais da política

  1. Não duvido que entre os funcionários destes parlamentares só há membros da sua religião.
    Infelizmente, nos dias atuais, órgãos públicos que deveriam priorizar concursos para contratação dos mais bem preparados, ou licitação de empresa para execução do serviço – vide o caso do caro cafezinho do Senado – estão cheios de comissionados contratados para prestar “assessoria”.
    E em muitas dessas Câmaras e Assembleias Legislativas, também são utilizados culto, local que deveria ser destinado para discussão dos assuntos de interesses locais.

  2. MUITO BOM, “DEUS PERDOA TUDO”.

    Dos 73 integrantes na câmara.23 Têm processos no STF por formação de quadrilha, roubos de recursos públicos, falsidade ideologica, doc. falsos,lavagem de dinheiro e erriquecimento ílicito.

  3. Se nào me falha a memória foi o papa Joào Paulo VI que proibiu qualquer clérico da participar da vida política, quem qualquer dos poderes. E esta ausência não fez falta até hoje. Porem como agora estão liberando geral, os cristãos precisam se unir. Se a lei anti homofobia, não tivesse sido brecada pelo bispo Crivela, a bíblia seria banida do país, por afirmar que Deus é contra o homoxesualismo! Alguem precisa moderar a lebertinagem geral, só a pedofilia está AINDA proibida, mas o sadomasoquismo, o incesto (desde que sejam maiores de 18anos), a zofilia, e outras formas de obtenção do prazer sexual, estão aí. Só falta algum tipo de incentivo governamental. Lembram do video que seria distribuido com o kit gay?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *