Excetuados os trucidados pela traição covarde, os assassinados ou desaparecidos (alguma diferença?), os perseguidos que não saíram do Brasil, nada se compara a “Liberdade, Liberdade”, de Millôr e Flávio Rangel, o apogeu da resistência sem sangue.

Helio Fernandes

Um jornal de Goiânia, “O Popular”, bravo, destemido, atuante, resistente e sempre participante, faz toda semana uma resenha das obras que participarão do vestibular da Universidade Federal de Goiás. A última é a respeito de “Liberdade, Liberdade”, a peça e o livro de Millôr Fernandes e Flávio Rangel.

Que lembrança, que satisfação, que admiração. Exibida em 21 de abril de 1965, em plena ditadura, que data, na nossa História. Hoje, passados 48 anos, é emocionante para todos que participaram, antes, durante e depois do espetáculo.

Foi a mais dura crítica que o regime arbitrário sofreu, qualquer que tenha sido a forma ou o veículo utilizado para a contestação. Os generais estavam apenas há um ano no Poder, mas já haviam imposto a prepotência, a arrogância, a intimidação, a tortura. E receberam a apresentação de “Liberdade, Liberdade” (o único título da peça, escolhido pelos autores meses antes, quando escreveram) como desafio e contestação, que os ditadores não podiam aceitar sem repressão.

A ESTRÉIA MEMORÁVEL

Que noite aquela, o 21 de abril honrava as datas anteriores e abria caminho para outras, mas seguramente não tão empolgantes, emocionantes, até mesmo delirantes. Era a estreia no Teatro Opinião. Na rua, uma multidão que queria entrar para assistir, outra multidão de policiais, apenas interessados em não permitir.

Fiquei um tempão na rua (escrevi dias sobre aquela noite), não podia perder nada. O espetáculo ia começar, entrei, fiquei lá em cima, num andaime improvisado, ao lado de Flávio Rangel. Ele, autor, diretor, comandava a iluminação, na verdade fazia tudo, não por vontade, mas pela dedicação, convicção, empolgação, obrigação.

Com 31 anos de idade, morreria 21 anos depois, mocíssimo. Mas deixou marcada, traçada e projetada sua participação na História escrita, pensada e dirigida do país.

LIBERDADE, LIBERDADE ATINGIA
DIRETAMENTE A DITADURA, “REVOLTADA”

Os autores construíram um libelo com o próprio texto, mas citaram personagens e episódios que estão para sempre na História. O primeiro delírio na plateia foi provocado pelo principal autor, Paulo Autran.

Ele cita o julgamento de Sócrates, quando o filósofo afirma, sem o menor temor: “Não podeis me ferir, porque não podeis me atingir. Podeis apenas matar-me, exilar-me ou cassar meus direitos políticos. Mas eu não sou o primeiro, e não há o perigo que eu seja o último”.

A atualidade de Sócrates, vibrante e sem que pudesse ser ignorada mesmo pelos ignorantes de plantão. Era tão direta que levou os generais ao desespero, aumentando a repressão e não a conciliação.

Na fala de Sócrates estava construído o libelo contra o que os ditadores mais praticavam: morte, exílio, cassação, todo o resto, que para eles era o resto mesmo.

Paulo Autran foi aplaudido de pé, relembravam Sócrates, repudiavam a arbitrariedade, a crueldade, a tortura, tudo já em plena execução (a palavra exata verbalmente e torturante nos subterrâneos insondáveis da ditadura).

A LIBERDADE AMPLA E ABRANGENTE,
NÃO APENAS A LIBERDADE IDEOLÓGICA

Os autores deixaram bem claro que tendo resolvido escrever “Liberdade, Liberdade”, precisam se apoiar em grandes pensadores que pudessem ser utilizados contra a ditadura. E acertaram em todas as consultas.

Usaram então de tudo o que podia ser usado. As citações são muitas, diversas, alinhadas sem precedência. Tragédia, ópera, artigo, drama realista, discursos, poemas, canções, tudo foi utilizado por Millôr e Flavio.

O que estava “guardado” na memória ou até que haviam registrado parcialmente ou não. E citando a fonte. Mesmo que fosse uma nota de rodapé. E até o que teria saído em matéria da revista Time.

Surgiu então importante fator para a peça e sua divulgação e engrandecimento, lido assim pelo notável Paulo Autran: “A segregação racial é fruto do concubinato entre a imoralidade e a desumanidade. Não se pode tratá-la com a vaselina da contemporização”.

Isso há 48 anos da peça e depois de 148 anos de Lincoln e da aprovação da emenda número 13 à Constituição dos EUA, que “acabou” com a escravidão, sem tocar na escravização que insiste, persiste, existe.

“LIBERDADE, LIBERDADE”, O LIVRO

Ainda na mesma página de “O Popular”, análise magistral de Yani Rebouças (formada em Direito, licenciada em Letras, com especialização em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Goiás, mestrado em Estudos Literários, professora de Literatura também em Goiás).

Moça, não assistiu à peça nem pôde vibrar com aquele ambiente, impossível de se reproduzir. Mas com a mente privilegiada e tão bem abastecida, escreve com tal facilidade que, se alguém não souber sua idade, vai se convencer que Yani estava presente, assistiu e anotou tudo. Na mente ou em algum caderno imaginário.

Textual de Yani, entre tão esclarecedoras análises: “Essa “Liberdade, Liberdade” e a data escolhida homenageiam um mártir da Independência, Joaquim José da Silva Xavier, Tiradentes, símbolo do sacrifício a que os inconfidentes estavam dispostos a se entregar pela libertação do Brasil do jugo da metrópole portuguesa”.

A seguir, usando sua formação, coloca com simplicidade e profundidade o que Millôr e Flavio Rangel pretendiam e realizaram: “Este mártir é lembrado não só na data escolhida para a estréia da peça, mas também nos fragmentos de “O Romanceiro da Inconfidência”, de Cecília Meirelles, na transcrição da sentença proferida contra ele e retirada dos Autos da Inconfidência Mineira e até no samba-enredo da  Escola de Samba Império Serrano de 1949: “Exaltação a Tiradentes”.

Yani Rebouças: cultura, conhecimento, capacidade de análise, desprendimento e reverência ao espírito popular representado pelas Escolas de Samba.

PS – Tenho que terminar. Mas preciso aproveitar os 40 anos do morticídio do Chile e os quase 50 do golpe de 64, para lembrar os que morreram traídos, mas lutando.

PS2 – Não fui e não sou contra a guerrilha (disse isso a alguns que pediram a minha análise), e o que me preocupava e até assustava era a desproporção.

PS3 – Mostrei a todos, “vocês são 60 contra 60 mil militares, vai se repetir o que aconteceu em Canudos”.

PS4 – Não escapou NENHUM, perdão, só uma pessoa conseguiu escapar daquele inferno.

PS5 – Também é importante lembrar sempre: o Brasil e o Chile jamais estiveram perto de serem “tomados” pelos comunistas. Foi apenas artifício de golpistas patrocinados e apoiados pelos EUA.

PS6 – A chamada “Intentona” comunista de Prestes, em 1935, deixou isso bem claro e incontestável.

 

 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

28 thoughts on “Excetuados os trucidados pela traição covarde, os assassinados ou desaparecidos (alguma diferença?), os perseguidos que não saíram do Brasil, nada se compara a “Liberdade, Liberdade”, de Millôr e Flávio Rangel, o apogeu da resistência sem sangue.

  1. Num dia, colocam Prestes no céu como herói. Noutro, colocam Prestes como um louco no inferno.
    Para muitos que acham que estou abatido de maneira mortal com meus erros… confesso, estou morrendo!…Morrendo de rir.

  2. Caros senhores.

    E a traicao de prestes ao assassinar os companheiros de farda, enquanto dormiam?

    Isso foi ato HEROICO?

    PARABENS PELA DESFACATEZ! CARETICE DE PAU E APOLOGIA AA COVARDIA.

  3. Permanente estado de apreensão

    Somente para os que viveram de olhos bem abertos para com tudo que ia acontecendo naqueles terríveis tempos das sangrentas e corruptas ditaduras militares, instaladas na América Latina com forte suporte e muitos dólares dos EUA, pode avaliar melhor a coragem dos que ousaram, de uma maneira ou de outra, ultrapassar os limites estabelecidos pela opressora ditadura militar. Sempre havia no ar uma inquietante apreensão. Nos meios universitários, a contínua presença de colegas dedos-duros, era muito constrangedora. Até ler o burguês Jornal do Brasil, parecia suspeito aos olhos da informação. Nos tempos vagos, bom mesmo, era falar de mulher, futebol, carros e outras mais.

  4. Rodrigo
    13 de setembro de 2013 até 2:13 pm · Reply

    Prezado jornalista Hélio Fernandes,
    não vejo sua labuta jornalistica de outra forma se não pautado em fatos, suor, honestidade e histórias, por sinal, muitas histórias.
    Gostaria se possível, para dissipar dúvidas postas, se pode relacionar mais de dez obras feitas pelas mãos de Prestes que tenham contribuído para o pais ser melhor. Seja em qualquer área, econômica, cultural, saúde ou educacional.
    Falam de vida, de emoções, de grandeza moral, a biografia de Prestes é vasta e passional, mas Luis Carlos Prestes parecia ser lobotomizado, robotizado destas qualidades inatas aos homens. Destruiu famílias inteiras de sapateiros, barbeiros, estudantes, alfaiates, camponeses, jornalistas, militares entre tantos outros que deram suas vidas iludidos por uma “causa” insana.
    Mao, Stalim, Fidel tomaram o poder e temos: História e histórias. E Prestes? Foi aquele sem nunca ter sido.
    Hoje o camarada injustiçado é José Dirceu. Pergunto, e qualquer um pode responder: que contribuição Dirceu fez para o Brasil ser melhor? Ao cinco ações concretas.
    Muitas prensas pelo pais afora fantasiam a ditadura Vargas, hoje, a própria Rede Globo que tanto escondeu comunistas, pisca para a nova ordem.

    PS. Sobre Lula faço as seguintes avaliações: Lula nunca comeu pão de ló, por exemplo, feito por Romeu Tuma e outros em vão. Lula sempre foi agente duplo e traiu todos( até a Mariza “cara de bolacha molhada” Letícia). A profissão do operário padrão é de TRAIDOR. Sempre traiu, a tudo e a todos. Lula é o bin Ladem brasileiro. Com uma diferença bin Ladem nasceu rico e Lula nasceu pobre. A semelhança é que como bin Ladem, Lula morrerá rico e fedendo. José Dirceu, Genuíno e Delúbio e Cunha também entre muitos outros terão o mesmo fim. Este são meus votos!

  5. O dado fundamental da história: o advento da mente ou consciência.

    A mente mente.

    Ela instalada, jamais cessará de funcionar.
    Sua luta contra os fatos é interminável.
    Prisioneiro da imaginação , fatos valem pouco diante dela.

    A mente mente.

    Poucos sabem que não se pode confiar nem na própria.

  6. É difícil descrever a História com exatidão. Nem a que aconteceu poucos minutos antes.
    História verdadeira somente admite fatos e números.
    Narrativas de todos os tipos de acontecimentos existem aos montes. Servem para os devidos fins.

    Mas a verdade….

  7. COM ESTA DEMOCRACIA DA ROBALHEIRA NAO TEMOS SAUDE EDUCAÇAO SEGURANÇA QUEM MANDA E A BANDIDAGEM SE DEMOCRACIA E ESTA BAGONÇA PREFIRO UM REGIME MAIS FECHADO PARA NAO CHAMAR OS CORRUPTOS ESCELENCA

  8. LEMBREM-SE: A LIBERDADE é FILHA e não a DONA DO DIREITO!

    POIS é ENQUANTO ISSO, HOJE funcionam várias CDCs empalhados pelo nosso querido Brasil, principalmente nas Universidades.

    E o que é isso: (CDC) CENTRO DE DIFUSÃO DO COMUNISMO.

  9. Eis a GRANDE DIFERENÇA entre CHILE e BRASIL:
    O CHILE é respeitado lá fora pelos ditos DESENVOLVIDOS
    como a verdadeira SPARTA da América Latina.

    O BRASIL é desreitado por todos, visto como o país da impunidade, da corrupção e outras mazelas mais. E a úl-
    tima,tem medinho de espionagem.

    E O PORQUE DISTO: Lá o PINOCHET fez o serviço bem
    direitinho e aqui, passaram a mão na cabeça e tomem MEN-
    SALÕES.

  10. Luís Carlos Prestes. Um dos mais importantes brasileiros em todos os tempos. Com sua “Coluna”, percorreu 13 Estados, 25 mil kms. Foi é e para sempre será O Cavaleiro da Esperança. Sua Marcha, em 1924, durou somente 2 anos e 4 meses. Por que não prosseguiu? Porque seus 1500 homens já não tinham água, comida e … munição. Muitas mortes causadas pela cólera e em combates. Já não havia cavalos suficientes. Na sua época, as eleições tinham seus resultados apurados em Câmaras, Assembleias e nos próprios locais da votação. Cidadãos votavam muitas vezes. Após a contagem, descobria-se que os perdedores haviam derrotado os vencedores e vice-versa. A fraude era uma Instituição Nacional. As cédulas eram distribuídas nas ruas: as pessoas pegavam (sob as gargalhadas dos “fiscais”) quantas quisessem. Prestes foi à luta! Seus homens tinham somente 750 mosquetões e 750 revólveres (curto alcance), mas ele decidiu partir para o confronto! Interessante. No contato direto com o povo dos sertões e agrestes, Prestes constatou que o cidadão analfabeto, excluído e abandonado, também sonha, também sente e sabe que não há a vontade política de a ele conceder dignidade na vida. Prestes conduziu aos deserdados uma Mensagem. Mensagem de que devemos participar das atividades do país. Foi a Esperança móvel!!! Prestes foi uma inspiração para todas as gerações de brasileiros que não se conformam com o abandono de milhões de cidadãos. Hoje, quem representa tal inspiração? Hoje, quem teria a coragem e o desassombro de percorrer o país (pessoalmente!!!) para dizer: “Isto não pode continuar! Basta! O povo tem fome e sede! Juntos podemos e devemos lutar, lutar!!!, por uma vida digna!”
    Antes de Luís Carlos Prestes tivemos Antonio Conselheiro, um cearense “arretado” que juntou índios, camponeses e escravos recém libertos e peregrinou pelo sertão do nordeste, onde encontrou doenças, fome, sede e miséria. Levava mensagens religiosas e conselhos para as populações carentes. O povo o considerava um santo, dizia que ele fazia milagres. “Deus não está feliz, pois o mundo não foi feito para ser assim”, dizia Antonio Conselheiro para as populações, que o ouviam e respeitavam. O governo federal iniciou forte ofensiva, pôs o exército na luta e Conselheiro foi morto, ferido por estilhaços. “Ele trazia riscos para a nossa sociedade”.
    Pessoas como Luís Carlos Prestes e Antonio Conselheiro deixam mensagens que jamais serão esquecidas. Atuaram de verdade!!! Pegaram em armas!!! Não se conformaram com a crueldade e exploração como os governantes ladrões, covardes, e canalhas tratam o povo!!! Nos inspiraram!!!
    Ah! Se tivéssemos outro Luís Carlos Prestes!!!
    Já pensaram como teriam sido as manifestações atuais??? Glórias Eternas aos HOMENS que lutam pelos seus ideais!!! Lutam pelos que nada têm!!! São eles que deixam os verdadeiros EXEMPLOS para as gerações futuras.

  11. Liberdade,liberdade, abre as asas e o foco sobre nós. Prezado Hélio Fernandes, que bom seria viver neste país se todos fossem iguais a vocês, e se pessoas com esses sentimentos, hábitos e condutas tão simples, tão elementares, tão necessários e tão saudáveis à boa convivência humana estivessem permanentemente à frente e capitaneando todos os poderes da república. Mas, infelizmente, não é assim, porque assim tb, salvo muitas exceções, não tem sido o tripê que tem feito até aqui a história deste país: situação, oposição e gollpismo-ditatorial (e seus agregados), entre os quais, históricamente, são encontráveis muitos psicopatas apaixonados por poder e dinheiro e que fazem qualquer coisa para consegui-los, conservá-los para si e os seus, e até ampliá-los, conforme conclusão a que estamos chegando em pleno século XXI, já no terceiro milênio, depois de Cristo. E é aí que a porca torce o rabo. Movidos unicamente pelo poder da obsessão e da compulsão rumo a esses objetivos, ainda que sob falsos pretextos, às vezes até apenas imaginários, criados pelas suas próprias mentes doentes e malandras, elles se agigantam, ocupam espaços e se perpetuam à moda oportunistas que conseguem chegar antes dos idealistas que se movem mais lentamente premidos por padrões, pacíficos, éticos, escrúpulos, honestidade, verdade, honra e por ideais nobres. Os idealistas são uma espécie de Leão, e os psicopatas oportunistas são as hienas humanas que espreitam e perseguem o tempo todo o Leão, e o atacam em bando quando o Rei consegue abater uma presa, como resultado do seu próprio esforço, e a roubam na cara dura, sem nenhum escrúpulo. Para o Leão, um idealista, detectar e abater a presa não é difícil, o problema maior, todavia, é lidar com as hienas, colocá-las nos deus devidos lugares.

  12. Opinião nem a minha.

    Vamos aos fatos.

    Prestes e Olga mandaram assassinar uma jovem de 16 anos por achar (achar), que ela traiu o seu “maravilhoso” movimento da salvação do Brasil.

    Os EUA sempre apoiaram qualquer ação anti-comunista, enquanto a URSS fomentava em todos os países a tomada do poder pelos comunistas.
    Isto é a situação básica.

    Os países sob a esfera americana progrediram espetacularmente, a começar da Alemanha e Japão que estiveram sob o domínio americano depois da guerra.
    O tal operário que é o foco da “salvação” marxista leninista ganha nos países capitalistas de 3 a 6 mil dólares, enquanto são escravizados nos países comunistas como em Cuba, ainda hoje, ganhando 20 dólares.

  13. Rodrigo, para você sou um “safadinho” etc
    Agora … sou um Lixo. É a sua forma de expressão. Isto te satisfaz. Você se acomoda bem, opinando assim, sendo violento com quem nada te fez, apenas pensa diferente.
    Mas ser Lixo junto aos que admiro, para mim é um “Luxo”. Por que me tratar deste modo …???

  14. EUA X URSS. Até quando ? Quando será que conseguiremos nos libertar desse espírito de colonizado que teimam em nos impor o tempo todo ? Será que o nosso Brasilzão ainda não é grande o suficiene para criar, desenvolver e guiar-se pelos seus próprios parâmetros desenvolvimentistas ?

  15. Embora materiais didáticos e pedagógicos para um entendimento do Brasil para além dos camelódromos opiniáticos, juro que não reportar-me-ei às resenhas com títulos de “500 anos de periferia” (Samuel Pinheiro Guimarães – 2002, 168 páginas ), nem às expostas em “500 anos de Periferia” (Eliane M. Lopes, Cynthia G. Veiga e Luciano M. de Farias – 2007, 606 páginas)…também vou poupá-los de fazer referência das práticas psiquiátricas dos dias do Brasil Império aos dias da Imperatriz Dilma de Golbery Sarney Franco Collor Henrique Ignacio Silva e Fulano de Tal. Incesto? Quem ousaria?. Vá lá, Liberdade!

    Liberdade, no meu caso, – nascido rico, belo e já aos 4 anos com um patrimônio de centenas de palavras em grego, latim, aramaico, hebraico e javanês -, consistiria modestamente terminar o projeto de harém com 360 mulheres e 8 bilhões de amigos por veredas e mares aos horizontes. E, por que não, um sonho cada ano mais remoto, bem maior, “Liberdade de Expressão”, aprender no mínimo a oralidade da Língua Portuguesa (BR), mesmo que de recursos limitados tais os de logradouros públicos e puteiros privados.

    Aproximadamente, gastei 5 horas para elaborar o texto acima, devendo lembrar-vos que não foi por impulsos narcisísticos, nem por alguma aposta com o Demônio ou pretensões cabalísticas.

  16. NÂO É SOMENTE O INTERESSE QUE LEVA OS HOMENS A SE MATAREM. TAMBÉM É O DOGMATISMO.
    NADA É TÃO PERIGOSO QUANTO A CERTEZA DE TER RAZÃO.NADA CAUSA TANTA DESTRUIÇÃO QUANTO A OBSESSÃO DE UMA VERDADE CONSIDERADA COMO ABSOLUTA.TODOS OS CRIMES DA HISTÓRIA SÃO CONSEQUÊNCIA DE ALGUM FANATISMO. ( F. Jacob)

    VALE UMA REFLEXÃO!

  17. Vianna, saudações.
    “Vale uma reflexão”, você sabiamente escreveu.
    Creio que tudo sempre vale mil reflexões e indagações, já que o dogmatismo assemelha-se ao sectarismo, ambos produtores infalíveis de tantas misérias neste mundão que temos. São intolerantes, fixam-se em suas posições e não admitem o oposto, respondem com deboches e agressões.
    Um dos Fatos mais expressivos da História do Brasil é a Marcha, a Coluna Prestes, ocorrida em 1924, quando o nosso país estava entrevado num sistema cruel e desumano. Prestes embrenhou-se nos sertões brasileiros e lutou bravamente. A verdade dele, que é a minha também, foi a não conformação com o quadro de doenças, fome, sede e miséria do povo. Prestes cometeu erros? Foram muitos? Aí estão os historiadores, para detalhar tudo. Antonio Conselheiro cometeu erros? Canudos para sempre será uma página extraordinária na nossa História. Negar o enfrentamento direto produzido por Prestes e Conselheiro, é não querer ver nada. São Movimentos Históricos. Como brasileiro, ambos são para mim motivo de imenso orgulho.

  18. Tá vendo só, Hélio Fernandes, em que este blog se transformou: em um covil de fascistas e ultra-direitistas, que fogem do debate, mas apelam para a violência verbal e para o desrespeito contra os mais velhos, contra os já mortos, contra as testemunhas oculares da história, enfim contra a inteligência e o conhecimento. Alguma coisa está errada por aqui.

  19. Um fato claro: pessoas que vem aqui falando de maneira generalizada, sem apontar aquilo que os desagradam ou rebater argumentos com fatos se descreditam.

    João Armínio poderia nos explicar melhor, apontando quem e o que o fez se exacerbar em suas generalizações.

  20. Sou cético de carteirinha e não acredito nem na minha própria mente.

    A mente mente. Já, o corpo….

    Por essas e outras só me interesso por fatos concretos. Sejam eles apresentados por um anjo ou por um demônio.

    Não tenho preconceito.

  21. Hehe, esses coments tão engraçados…

    Almério, acompanho seus posicionamentos a algum tempo. E partilho da maioria de seus pontos de vista.

    As maioria das pessoas tem “medo” de quem abala a ordem estabelecida. É normal.

    Preferem viver como “homens coelho” confortavelmente instalados em suas tocas.

    Como não tem coragem para lutar, vivem a troçar dos que tentam mudar a realidade.

    Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *