Exportação de médicos cubanos deu origem à ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América)

Carlos Newton

Recordar é viver. Tudo começou na cidade de Havana, em 14 de dezembro de 2004, com um acordo entre Venezuela e Cuba, assinado pelos presidentes Hugo Chávez e Fidel Castro. Cuba precisava desesperadamente do petróleo venezuelano e não tinha como pagar. A exportação de médicos foi a solução. Cuba é o segundo país com maior número de médicos por habitantes. Só perde para o principado de Mônaco.

Inicialmente chamada de Alternativa Bolivariana para as Américas, a ALBA surgiu como uma plataforma de cooperação internacional baseada na ideia da integração social, política e econômica entre os países das Américas. Nada contra, é claro.

Em 29 de abril de  2006, a Bolívia (tendo Evo Morales como presidente) somou-se ao grupo, a partir do Tratado de Comércio dos Povos, termo que foi acrescentado ao nome oficial do bloco, que resultou na sigla ALBA-TCP.

Atualmente a ALBA-TCP é composta por oito países, e quatro deles possuem governos de cunho socialista. Além de Venezuela, Cuba e Bolívia, aderiram ao bloco: Nicarágua, Dominica, Equador, Antigua e Barbados, e São Vicente e Granadinas.

UM PROBLEMA FUTURO

Ninguém pode ser contra a contratação de médicos para municípios carentes. É uma questão de bom senso, caridade e sobrevivência. O que causa repulsa é a situação particular dos cubanos. Os médicos provenientes de outros países já chegaram com suas famílias, mas os cubanos têm de vir sozinhos, para que não peçam asilo político aqui.

Apesar desses “cuidados” do governo de Havana, alguns médicos e enfermeiros cubanos que “servem” na Venezuela não aguentaram mais, fugiram para os Estados Unidos e pediram asilo lá. Já noticiamos isso aqui no Blog, inclusive com os nomes deles e tudo o mais. Querem ser indenizados pela estatal venezuelana PDVSA, que trocava petróleo pelo trabalho deles.

É claro que essa situação vai se repetir aqui no Brasil. Não é preciso ser pitonisa para perceber isso. O governo brasileiro já avisou que não concederá asilo aos médicos. Mas os cubanos sabem que o regime castrista não conseguirá se manter indefinidamente nos moldes atuais. A exemplo do que aconteceu na União Soviética, terá de haver uma “Glasnost” (abertura), que possibilite uma “Perestroika” (restauração da economia), que aliás já começou. Muito timidamente, mas já começou.

Traduzindo: os médicos cubanos, que hoje representam uma solução, serão um problema futuro. Podem apostar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

10 thoughts on “Exportação de médicos cubanos deu origem à ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América)

  1. Por uma questão de “justiça” acho que seria interessante pensar-se na sugestão que corre na internet. Confira.

    Não deixa de ser uma boa idéia
    Devido ao longo tempo necessário para o judiciário julgar os casos de corrupção, por uma evidente falta de juízes, a presidenta poderia agir como fez com os médicos:
    Contratar juízes estrangeiros , dispensando-os do exame de Ordem e do exame de admissão à Magistratura.

    Seriam ótimos os juízes chineses, japoneses, árabes, que até cobram as balas para fuzilamento de condenados, cortam as mãos de ladrões, etc. E mandá-los para as regiões mais carentes como Brasília, Maranhão, Alagoas, para avaliar os gastos da Copa, mensalões, dinheiro na cueca, verbas e demais desvios,dos quais Lula e Dilma nunca sabem de nada.

  2. …sigiro ao Luis Alvaro, incluir, tambem esse caso. http://www.ocafezinho.com/2013/08/16/leao-cobra-r-19-bilhoes-do-itau/ e esse: http://heliofernandes.com.br/?p=71133
    …há Luis, desculpe, mas sei que isso nao interessa a voce, e a outros, pois nestes casos nao tem nenhum centavo de Ze Dirceu, Geneino, ou qualquer um que pudesse estar ligado a alguem do governo ou do pt, como nos casos explorados tambem nao tinha, mas por suposiçao é impossivel negar. Imagine, se tiver a minima capacidadde para isso, quantos mensaloes daria, em ? . Dica: é só dividir os 19 bi e o mais de 1 tri pelos 55 milhoes envolvidos no mensalao (dinheiro privado)

    ha se indignassemos da mesma forma com todos os casos.

  3. Engana-se, caro Jose a: tudo isto me interessa e pode indignar-me, sim, inclusive com relação aos bilhões de US$ que brasileiros têm nos paraísos fiscais. Pena que, como cidadão, não tenho ferramenta para lidar com toda a bandalha que assola o País, em todas as áreas de atividade, a não ser pelo “grito dos mudos” – como faço aqui, agora. Se é devedor o tal Banco, ou um universo maior de devedores de bilhões de reais ao Estado – INSS, por exemplo – quem tem que recuperar é o Governo, por seus prepostos, seus fiscais, seus órgãos de controle e pela deprimente, entrevada e morosa Justiça. Não estou preocupado com o centavo de seus heróis; preocupa-me a lambança que fizeram, todos, como cidadãos eleitos pelo voto popular, ao conspurcarem seus mandatos e criarem a oportunidade para que se expusesse as pútridas entranhas do Poder Público. Lamentável é que todos vocês procurem justificar a lambança do mensalão com a indiscutível existência outros delitos do gênero, históricos ou mais recentes. Na verdade, reconheça-se, a ladroeira “nessepaís” vem de longos invernos, mas nos seus dez anos de governo, os seus companheiros conseguiram superar qualquer prognóstico mais conservador. E para terminar, falta aos partidos que compõem a base do governo o saco roxo para lutar e encarar o mensalão mineiro, provavelmente por não ter onde esconder o rabo.

  4. Já comentei aqui anteriormente, que o que está acontecendo aqui no Brasil com esse programa Mais médicos é uma ignomínia!!
    Aceitar que “comercializem” profissionais, ferindo regras básicas de contratação formal, em troca de favores a um governo comunista, onde os direito humanos nada valem é, no mínimo, desprezível.
    E será que o governo petista é tão amigo assim? Será que não haverá retorno desse valor enviado a Cuba, como forma de “doações” às campanhas? Começo a crer que sim.
    O velho Brizola dizia que o sapo barbudo era capa de pisar até no pescoço da mãe para conseguir o que queria. E ele que poder!!

  5. Repetindo, desculpem o erro de digitação :

    O velho Brizola dizia que o sapo barbudo era capaz de pisar até no pescoço da mãe para conseguir o que queria. E ele quer muito se manter no poder!!
    As manifestações mais agressivas têm dedos (mãos!!) das FARC. Foram bem orientados a produzir seus explosivos e a tudo destruir, com violência colossal.
    Claro, ali também há inocentes úteis. Mas não me enganam mais!

  6. Os problemas da saúde brasileira são causados pela falta de um sistema estruturado. Levar médicos as regiões remotos não vai resolver o problema: faltam exames mais sofisticados, vagas suficientes nos leitos, postos de saúde, medicamentos e um plano de carreira. O resto é pura xenofobia da classe e desvio do foco em parte do governo. O sistema de Cuba funciona porque o governo sempre investimento pesado na medicina preventiva e universal. Se gasta menos em procedimentos caros em razão da inexistência dessa praga chamada planos de saúde.

  7. Senhor Jornalista Carlos Newton,
    Falando em Venezuela, me lembrei da estória contada nesta Tribuna. Não me lembro quem. Mas é aquela que no hospício, um maluco colocou e numerou todos os doentes em um pé de manga. Depois mandou cair um a um que estava maduro. Quando chegou na manga sete, ele (que seria a sete) gritou que não estava maduro. Só que não disse a verdade. Ele é atual presidente da Venezuela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *