Facções a favor e contra Lula foram separadas e não vai haver confronto

Número de militantes foi bem menor do que era esperado

Carlos Newton

Segundo o G1, o número de manifestantes pró-Lula é muito inferior ao esperado e tudo indica que não haverá confronto. A Polícia Rodoviária Federal afirmou ter vistoriado 168 ônibus de manifestantes a caminho de Curitiba até as 14h30 desta quarta-feira. Isso significa que seriam 6,7 mil militantes. Mas muitos ônibus passaram sem ser abordados, e o total deve chegar a 10 mil pessoas. A maioria deles dos ônibus veio de outros estados. Apenas um ônibus foi escoltado e retido, em razão de irregularidades. Os números não batem, porque a PM diz que na manifestação só há cerca de 5 mil pessoas. De toda maneira, foi um fracasso, diante do que estava programado.

A Secretaria da Segurança Pública do Paraná informa que cerca de 3 mil profissionais de segurança pública (das esferas municipal, estadual e federal) participam da Operação Civitas em Curitiba. São aproximadamente 1,7 mil policiais militares que atuam em toda a cidade de Curitiba. Há policiais civis, guardas municipais, agentes federais e policiais rodoviários na manutenção da ordem.

FACÇÕES SEPARADAS – Os partidários do ex-presidente Lula estão na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba, a cerca de 2,5 km de distância dos partidários da Lava Jato, que estavam em frente ao Museu Oscar Niemeyer, no Centro Cívico. O protesto dos manifestantes a favor da Operação Lava Jato, que ocorria em frente ao Museu Oscar Niemeyer, foi encerrado por volta das 18h20.

Segundo o G1, às 16h30, a Polícia Militar afirmou que havia apenas 4 mil pessoas na Praça Santos Andrade. No local se concentram partidários do ex-presidente Lula. Os manifestantes pró-Lava Jato, por sua  vez, estavam a cerca de 1,5 km do prédio da Justiça Federal, no bairro do Ahú, onde ocorreu o depoimento de Lula.

PARLAMENTARES – Muitos políticos do PT e de partidos aliados foram apoiar Lula. Entre eles, a ex-presidente Dilma Rousseff, os ex-ministros Gilberto Carvalho, Luis Marinho e Maria do Rosário; os senadores Paulo Rocha, Lindberg Faria, Gleisi Hoffmann e Vanessa Graziotin; os deputados federais Carlos Zarattini e Paulo Teixeira; Guilherme Boulos, coordenador do MTST, e João Pedro Stédile, da coordenação nacional do MST; Tião Viana, governador do Acre; Wellington Dias, governador do Piauí; e Rui Falcão, presidente do PT.

6 thoughts on “Facções a favor e contra Lula foram separadas e não vai haver confronto

  1. Em outras palavras:

    Políticos, parlamentares e dirigentes petistas que foram apoiar o ladrão, correspondem à nata da criminalidade no país e da quadrilha chefiada pelo bêbado indivíduo!

    Situação como esta, de ver um bando de bandidos solidarizando-se com um criminoso e aplaudido por uma turma certamente comprada para agir como animais amestrados, dá vontade de mandar esta gentalha à merda e que ela se dane!

    Por mais roubos que tenha praticado a quadrilha petista e seus ladrões, e ainda tem gente que beija-lhes as mãos, deveriam lambê-las depois que fazem também suas necessidades fisiológicas, cambada de imundos!

    • Bendl
      Saberia dizer-nos que tipo de gente beija a mão de ladrão?
      E mais. Agora o Lula está bebendo a bebida também dos mortos?
      Será uma nova seita?
      Abraço
      Fallavena

    • Luis
      Uma hora destas alguém precisa perguntar a esta senhôra, onde existe regime comunista no mundo e se o que seu partido quer para o Brasil é o mesmo?
      Abraço.;
      Fallavena

  2. E a manifestação falhou por falta de grana!
    Com os roubos controlados e a coleta dos “fundos mail havidos” pela operação LAVA-SUJOS, como levar milhares de pessoas para o circo petralha?
    E daqui para frente vai diminuir até sumir.
    E mais.Tem de pegar os vídeos do Stédile e mandar para degravação e após para a justiça. Este sujeito, está cometendo crime e um deles e a derrubada do presidente. E agora, isto é golpe!
    É preciso encaminhar todo o criminoso político para a cadeia!
    Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *