Falsa tentativa de dividir o país

Carlos Chagas

Antes mesmo do início da propaganda gratuita, quinta-feira, a presidente Dilma praticou a primeira baixaria de sua campanha. Foi na quarta-feira, no Piauí, onde pedia votos. A companheira-candidata abriu um confronto perigoso, desnecessário e profundamente injusto ao sustentar que os tucanos menosprezam o Nordeste. Acusou os adversários de dizer “que os votos da região são de pessoas de menos compreensão e que não sabem votar”. Criticou “a visão elitista dos que diminuem a opinião dos nordestinos”.

Estaria Dilma, para se reeleger, disposta a estimular a secessão no país? A dividir-nos geograficamente, atribuindo-se o papel de defensora dos pobres e oprimidos do Nordeste pelo fato de o Sul e o Sudeste concentrarem mais riqueza?

Seria bom que a presidente interrompesse essa estratégia, capaz de acirrar os ânimos. Deveria, durante seus quatro anos de governo, ter atendido com mais ênfase as carências do Nordeste (e do Norte), acima e além da distribuição do bolsa-família, que efetivamente beneficia mais os desprotegidos da região do que no restante do Brasil. Por uma questão evidente, dado o abandono com que governos anteriores, desde o Descobrimento, atuaram em favor do Sul e do Sudeste.

Dilma atribuiu essa falsa noção de integridade nacional “àqueles que nunca estiveram, no Nordeste e desconhecem a qualidade de seu povo”. Precisava ter meditado antes de embarcar na falsa tentativa de dividir o país. E lembrado que o Lula é nordestino, nascido em Pernambuco, projetado em São Paulo. Concordaria o ex-presidente com tamanho despautério?

Resta saber se Aécio Neves cairá na armadilha. Sua votação no Nordeste foi pífia, por isso ele prepara viagens à região. Mas se chegar lá defendendo-se, estará dando razão à adversária.

TEMORES

Cresce no PT e adjacências o temor de que venham a vazar antes do dia 26 os depoimentos de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef feitos nos últimos dias à Polícia Federal e ao Ministério Público. Pelo que se sabe, eles tem revelado muita sujeira praticada junto à Petrobras, inclusive com nomes de políticos, parlamentares, governadores, ministros e penduricalhos. Uma lista inicial foi conhecida há semanas, mas o grosso da tropa ainda permanece em cone de sombra. Muitos foram reeleitos no último domingo, pelo que se sabe integrantes do PT, do PMDB e do PP. Não dá mais para cassar-lhes o registro. Só os mandatos…

3 thoughts on “Falsa tentativa de dividir o país

  1. Meu palpite, até certo ponto, tem mais de oráculo do que o cauteloso, do jornalista…

    Sei não…
    Simplificando, com o andar da carruagem, antes da divulgação das listas – blindadas até agora como de prerrogativas do silêncio de justiça – não é impossível acontecer, da parte do Congresso Nacional após a eleição, mas antes dos procedimentos de posse do presidente eleito, ser aberto um processo de impeachment da presidente, visando liquidar uma fatura que está mais do que madura, pedindo para cair…
    Da parte do Congresso, é uma alternativa desesperada, tal qual farinha pouca, meu pirão primeiro…
    Aguardemos…não será a primeiro, nem o último.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *