Falta um líder que possa levar o Brasil a se beneficiar de seu enorme potencial

O povo brasileiro anseia por um líder que seja realmente sério

João Amaury Belem

Lamentavelmente a República Federativa do Brasil faliu. Precisamos cerrar as portas, fazer o inventário, para depois fundar uma verdadeira república, onde a coisa pública seja de todos e não de alguns. Nesta república falida em que vivemos, as instituições públicas e privadas não convivem em harmonia, a livre iniciativa não é respeitada e tornou-se banal o enriquecimento ilícito na política e na administração pública. Como cidadão brasileiro, me sinto refém do poder público.

No Brasil, já passou da hora de termos uma política de Tolerância Zero”, não só na segurança, mas sobretudo na administração e na política em geral. Mas lamentavelmente, aqui debaixo do Equador, a tenebrosa realidade é que os governantes e as autoridades primeiro cuidam de si, o resto que se dane.

Ou seja, a coisa pública não é de todos, mas daqueles que se dizem administradores públicos. Portanto, também já passou da hora dessa excrescência acabar e o Brasil encontrar seu próprio rumo.

AS PRIORIDADES – De fato, o grande desafio que hoje deve ser debatido no Brasil é como poderemos evoluir para atingir a estabilidade econômica, a educação pública de qualidade para todos, a assistência médica universal e a justiça social para todos. Estas precisam ser as prioridades.

Um povo a quem lhe são negadas as mais básicas necessidades, ou seja, saúde, educação, segurança, moradia e trabalho, mesmo assim conseguiu fazer jogos Pan-americanos em 2007, Copa do Mundo em 2014 e Olimpíada em 2016. E se teve condições de promover esses gigantescos eventos internacionais, grandiosos e exuberantes, o que esse povo conseguirá fazer quando tiver atendidas suas necessidades básicas?

Certamente, faltam líderes para alavancarem o potencial do povo brasileiro, pois capacidade nós temos. Apesar de estarmos vivendo uma das piores crises de nossa história, que nos atinge em termos éticos, morais, financeiros, econômicos e sociais, fomos capazes de deslumbrar o mundo com a festa de abertura da Olimpíada e sua custosa realização.

Em meio a tudo isso, quem se habilita a conduzir esse povo para o bem comum? Precisamos desesperadamente de um líder.

13 thoughts on “Falta um líder que possa levar o Brasil a se beneficiar de seu enorme potencial

  1. Bom texto, mas a solução não é esta do último parágrafo. Chega de salvadores da pátria. Precisamos não só de líderes, no plural, mas também de uma maior participação, consciente, realista e não imediatista do povo. E arejar as idéias, porque o que não falta é gente “bem-intencionada” com discursinho mofado engana-trouxa que na prática resulta nesse país que temos aí…

  2. O Dr.Belem escreve um artigo interessante e oportuno sobre a falta que faz um líder verdadeiro para o Brasil.

    Por outro lado, mesmo que ele surja como por encantamento, resta perguntar:
    O povo irá aceitá-lo ou rejeitá-lo?!

    Não faltam exemplos na história de políticos que não foram eleitos porque não souberam “falar” com o povo, não souberam como se aproximar, não souberam transmitir a mensagem que queriam.

    O brasileiro é inculto e incauto, sem educação política, vota de acordo com a sua situação pessoal e não do país, e se alegra quando o isentam de ser o responsável pela sua vida de dificuldades, culpando eternamente as “elites” como as causadoras de seus problemas e fracassos!

    Lula quando assumiu o poder usou este discurso, e mesmo sendo íntimo das tais “elites”, quando se apresentava ao povo batia na mesma tecla.

    A necessidade de o pobre se vingar daqueles que lhe dizem quem é o culpado de suas atribulações porque não tem emprego, dinheiro, casa, é tanta, que não importa se o presidente da República é ladrão ou mal intencionado, mas falou o que o povo quer ouvir, ainda mais se recebe esmolas durante o mês, independente de ter sido condenado à miséria porque não consegue avaliar adequadamente que está sendo usado como massa de manobra criminosamente!

    O alto índice de analfabetismo absoluto somado ao analfabetismo funcional são os dois maiores entraves que temos para o cidadão brasileiro saber votar, discernir entre o populismo irresponsável com programas de governo em nível nacional, que visem o país e não somente classes sociais, mas todos os brasileiros, indistintamente.

    Se precisamos de um líder que nos conduza ao desenvolvimento, muito bem registrado pelo dr.Belem, também precisamos que o povo saia dessa situação de não saber decidir o seu próprio futuro, de depender de alguém, de estar à mercê de decisões de uma pessoa para atravessar a distância que o separa da dependência do governo para a sua liberdade social e econômica, indiscutivelmente alcançadas pela educação e trabalho, “COINCIDENTEMENTE” negadas pelo PT quando ampliou o Bolsa Família, no lugar e promover o estudo e abrir frentes de trabalho, mesmo com o Brasil em situação melhor que esta de agora!

    Decididamente o povo é o problema, muito mais que se encontrar um líder, pois, a meu ver, ele existe, mas sabe de antemão que não adiantará se apresentar enquanto o pensamento da população é obtuso, pensa somente na individualidade e não na coletividade, no seu bem-estar e não no bem comum!

    Mas, o texto, muito bem escrito e argumentado, que não poderia ser diferente em se tratando de um brilhante advogado, serve como alerta das carências mais prementes que temos, e uma delas é de fato um presidente no mínimo honesto, mesmo que não seja competente de imediato, mas que tenha uma conduta decente e obtenha, dessa forma, a confiança para implementar asa reformas que necessitamos e nos fazer crer que a política não é apenas corrupção e desonestidade, roubos e desfalques, alianças espúrias e acordos imorais!

    • Comentário muito propício. Muito bem explanada a razão deste estado de coisas. Não tenho casa própria, minha situação financeira deixa muito a desejar, etc, etc, mas de uma coisa tenho certeza, isto não é por culpa deste ou daquele governo, mas sim por falta de uma correta análise comportamental, que me fizesse ver os prós e contras de escolhas feitas, que de um modo geral não foram as mais desejáveis.
      Assim a culpa é de cada um.

  3. Depois de Getúlio Vargas será difícil, a maioria se locupleta, agora estão tirando direito dos trabalhadores e daí para pior, a não ser que surja um líder de verdade e que seja patriota, mas será muito difícil termos um líder preocupado com o bem estar do povo, um país como o Brasil sempre teve tudo para dar certo, mas hoje o que assistimos é um poder executivo corrupto, um judiciário passivo e sua morosidade proposital e um legislativo corrupto e conivente, espero que possam alavancar este país, tem riquezas que não voltam para seu povo, vejam a educação, saúde, segurança, todas estão falidas, os estados não se desenvolvem, assim como os municípios, o povo tem sua parcela por aceitar migalhas de certos candidatos, mas o principal é o enganador político, promete e não cumpre e assim vai o Brasil, de mão em mão se desgastando, pobre país.

  4. O artigo é perfeito, mas com a maioria do eleitor alienado, políticos oportunistas que privilegiam leis em causa própria e 35 partidos com a finalidade de se locupletarem, não vejo a curto e médio prazo, que os problemas fundamentais do Brasil sejam resolvidos.

  5. A consciência coletiva do povo atrai o governo que nerece, por efeito de eletromagnetismo, inerente à Lei da Atração. Pouca consciência, pouca capacidade de cocriar coisas positivas.

  6. Precisamos é mudar o sistema de governo, para não ficarmos dependendo de “salvadores” da pátria.
    Nos momentos mais críticos de nossa política, o presidencialismo tem se mostrado traumático.

    Na Europa, o parlamentarismo é o regime vigente, tanto nas repúblicas, quanto nas monarquias constitucionais.
    Lá existe o voto distrital misto, voto no partido e não em candidatos e listas fechadas com os nomes indicados pelas agremiações.

    É claro que precisamos diminuir o número de partidos, porque o que existe aqui é uma “bagunça partidária”.
    Muitos deles sem ideologias, sem programas, sem projetos, vendidos, à disposição de interesses de seus líderes.
    Espero que surjam lideranças que defendam o regime parlamentarista.

  7. CARO Dr.. BELEM, VIVEMOS EM UMA, SOB UMA FALSA REPUBLICA DEMOCRÁTICA, o O PAI DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA, SÓCRATES, RESUMIU: GOVERNO DO POVO, PARA O POVO, ESCOLHIDO POR VOTO LIVRE E CONSCIENTE.
    oO QUE TEMOS: VOTO OBRIGATÓRIO, SOB PENALIDADES SE NÃO VOTAR, FORMADOR DE CURRAIS ELEITORAIS, DE PARTIDOS, CUJOS MEMBROS, SÓ PENSAM EM ROUBAR O COFRE DA NAÇÃO, ISTO É O SANGUE, SUOR E LÁGRIMAS DO TRABALHADOR DE SALÁRIO MISERÁVEL, VERDADEIROS VAMPIROS, O RESULTADO DESSA HIPÓCRITA DEMOCRACIA , QUE CHAMO DE DEMOCRADURA, O RESULTADO AÍ ESTÁ, E NÃO NOS DEIXA MENTIR, CRIMINOSOS NOS 3 PODRES PODERES, ARRUINANDO O PAÍS.
    QUE DEUS NOS AJUDE, A FAZER UMA BRASIL DECENTE E JUSTO, DEUS NOS DEU UMA RIQUEZA NATURAL SEM IGUAL NO MUNDO, MAS, LADRÕES POLITIQUEIROS AOS MONTES. ONDE VAMOS PARAR???

  8. Por falar em LIDER
    Um desses “lideres” de momento, que são contra a CORRUPISSAUM, integrande do Movimento do Japones kim kataguaris, é candidato a vereador pelo DEM de são Paulo.
    Agora a pergunta
    Eles todos não se diziam “APARTIDÀRIOS”..???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *