Faltam esgotos para a metade do pas, mas sobram corrupo, inrcia e sonegao

Resultado de imagem para valas negras

Valas negras – um problema que atinge todos os Estados do pas

Pedro do Coutto

Metade da populao brasileira no conta com rede de esgoto, o que torna crtico o projeto de saneamento e, na ausncia de medidas concretas, avanam as doenas. Na minha impresso, quase a metade das molstias causadas por contaminao so resultado da deficincia nos servios bsicos de abastecimento de agua e tratamento de esgotos. O tema, manchete principal da edio de O Globo, domingo, baseia-se na reportagem de Marcelo Correia.

Os dados oficiais, de outro lado, acentuam uma segunda contradio. Do ano 2010 a 2017 as estatais de saneamento investiram 59,7 bilhes de reais e gastaram 68,1 bilhes com as folhas de pagamento.

AGRAVAMENTO – Um absurdo. como se constata, mas a contradio maior ainda: de 2010 a 2017 a populao cresceu 7%. Isso quer dizer que surgiram em nosso pas 14 milhes de crianas, grande parte das quais vtimas da falta de saneamento. As folhas de pessoal nesse perodo subiram acima da inflao acumulada. Os investimentos perderam para os ndices inflacionrios. Sintoma claro do agravamento do problema.

Como possvel que sucessivos governos tenham se omitido nesse setor to fundamental para a sade e existncia humana. Faltou, e est continuando a faltar, preocupao tanto com o presente quanto em relao ao futuro.

ESTATIZAO – A criao de empresas estatais no resolveu o desafio, pois acumularam dficits sociais numa sequncia impressionante da inrcia e at mesmo de um relaxamento essencialmente criminoso. Basta indagar quantas pessoas morreram de 2010 para c em consequncia direta da falta de saneamento bsico.

Ainda que parea incrvel, a reportagem expe que as atuais redes no atendem a 100 milhes de pessoas, metade da populao. Por reflexo, crescem velozmente as doenas que exigem tratamento mdico. Os servios pblicos de sade enfrentam uma sobrecarga muito alta, consequncia direta da falta de saneamento adequado e o nmero de leitos no SUS est diminuindo, ao invs de aumentar.

POVO CARENTE – As favelas cariocas, por exemplo, abrigam na cidade aproximadamente 2 milhes de pessoas. No interior brasileiro, o saneamento parece fadado a atingir uma meta inalcanvel. Assim, ainda focalizando as favelas do Rio chega-se concluso de que alm da violncia que as atingem deve se somar a falta de saneamento bsico que atinge a todos.

Eis aqui um captulo que se incorpora dramtica situao da realidade social brasileira, e o presidente diz que no tem dinheiro para nada.

 

16 thoughts on “Faltam esgotos para a metade do pas, mas sobram corrupo, inrcia e sonegao

  1. Sim falta muito mas permita nos uma pergunta:
    desde fhc, fhc, lula, lula, dilma, dilma, temer o quanto foi realizado em termos de saneamento pblico?
    quase 23 anos que pouqussimo fizeram neste aspecto.
    Ora o atual governo s tem sete meses e meio portanto a conta do saneamento vem destes caras retro citados.
    Agora que o pas est quebrado em face da rapinagem petista ao bndes, fundos de penses, estatais, etc. cabe a pergunta bvia? de onde tirar o dinheiro para o saneamento pblico.
    Somente uma resposta: PRIVATIZAR TUDO!

    • “… fundos de penses…”, nos quais o Guedes est envolvido, n ? E durante os 21 aos de ditadura, quanto foi realizado em termos de saneamento, alm de botarem o troonaro pra correr pra fora do exrcito jogando no esgoto da milcia carioca, trooduto esse que o levou presidncia da repblica 171, mais quebrada do que arroz de terceira, com a corrupo j raspando o fundo do tacho, j passando para a fase de triturao dos ossos da populao contribuinte ?

    • E “depois que privatizar tudo a populao restar privado de tudo”, obrigada a comer nas mos sujas dos monoplios e oligoplios privados, a preos impagveis. Vai para o infernos com as suas privatizaes bandidas.

  2. E tem gente como o Chico Bendl, p.ex., j prximo dos 100 anos, que, ao que deixa transparecer em seus comentrios, prefere morrer de velho sob esse eterno pesadelo, a Sonhar e acreditar na Utopia possvel do Leo, a RPL-PNBC-DD-ME, que de fato muda toda essa desgraceira secular num prazo mximo de 20 anos para propiciar pelos menos 100 anos de paz, estabilidade e prosperidade, com a diferena que a Utopia do Leo diz alto e em bom som, firme e forte, como operar o milagre, dando a todos a chance de contest-lo. Enfim, em cada cabea uma sentena, e o que de gosto regalo da vida.

  3. Basta ver como se resolvem os problemas no Brasil e poderemos projetar para bem adiante qualquer poltica que possa, sequer dar a impresso de que est se pensando de fato no assunto. As autoridades no so cobradas com se deveria. No tem espao para presos? Solta-se. No tem (mais) dinheiro para pagar funcionrios? Atrasa-se ou muda-se a lei cortando direitos como se estes jamais tivessem existido. As crianas no so escolarizadas? Muda-se a forma como so aprovadas. No tem vaga nos hospitais pblicos? Prende-se o mdico. Temos polticos de to baixa qualidade? Obriga-se o eleitor a ter de votar em algum. Enquanto a mediocridade for nosso carto de visita, este pas no tem perspectiva.

  4. Antes do Bolsonaro, todos, sem exceo, mesmo nas favelas, tinham tratamento de esgoto de primeiro mundo hospitais e escolas pblicas padro FIFA. Aps 1 de janeiro de 2019, virou esse caos! Tudo culpa do Bolsonaro!

  5. No consigo dar ateno a nenhum problema de importncia para o pas depois de saber que a primeira dama da repblica teve a sua vida bisbilhotada pela imprensa e publicada nacionalmente. Estou to deprimido que tenho que recorrer a calmantes. Que So Lulcas a abenoe.

  6. E esse esgoto todo lanado nos rios, lagos e praias, matando, diretamente, a fauna e flora aquticas por todo o pas e, indiretamente, homens, mulheres e crianas.
    Mas isso no interessa a Alemanha, nem a esquerda. O que interessam so a fauna, a flora e as pessoas da Amaznia.

  7. Depois da caixa preta do BNDES, Bolsonaro tem que abrir a caixa preta do meio ambiente. Quem so estas 100.000 ONGs na Amaznia? O que fazem? Como prestam contas? Quem obteve licena ambiental do governo? A quem esto ligados? O que foi feito com os recursos colocados no fundo da Amaznia? Para quem/para onde foi? Quem esta operando na regio ilegalmente? Explorando ilegalmente? Creio que a estratgia de expor tudo ao pblico corretssima! Expecialmente agora que vemos uma gritaria dentro e fora do Brasil, um indicativo de que quem esta atuando ilegal e criminosamente na regio, teme essa exposio pblica que ir revelar a verdade para o mundo. Esse um tema de interesse internacional. No exterior s se fala disso. Bolsonaro esta no olho do furao. Logo logo daro um jeito de assassina-lo. Esta incomodando…

  8. De acordo com o estudo, cerca de 90% dos sistemas de gua mundiais ainda so de gesto pblica.

    Satoko afirma que h inmeros casos de litgios similares, extremamente dispendiosos aos cofres pblicos e que geralmente refletem um desequilbrio de recursos entre as esferas pblicas e privadas.

    “Quando as autoridades locais entram em conflito com uma companhia, vemos batalhas judiciais sem fim. Em geral, as empresas podem mobilizar muito mais recursos, enquanto o poder pblico tem recursos limitados, e muitas vezes depende de dinheiro proveniente de impostos para enfrentar o processo.”

    Outro exemplo que destaca o de Berlim, onde o governo privatizou 49,99% do sistema hdrico em 1999. A medida foi extremamente impopular e, aps anos de mobilizao de moradores – e um referendo em 2011 -, ela foi revertida por completo em 2013. Foi uma vitria popular, diz Satoko, mas por outro lado o Estado precisou pagar 1,3 bilho de euros para reaver o que antes j lhe pertencia.

    “ um caso muito interessante, porque a iniciativa popular conseguiu motivar a desprivatizao”, diz Satoko. “Mas isso gerou uma grande dvida para o Estado, que vai ser paga pela populao ao longo de 30 anos.”

  9. De acordo com um mapeamento feito por onze organizaes majoritariamente europeias, da virada do milnio para c foram registrados 267 casos de “remunicipalizao”, ou reestatizao, de sistemas de gua e esgoto. No ano 2000, de acordo com o estudo, s se conheciam trs casos.

    Satoko Kishimoto, uma das autoras da pesquisa publicada, afirma que a reverso vem sendo impulsionada por um leque de problemas reincidentes, entre eles servios inflacionados, ineficientes e com investimentos insuficientes. Ela coordenadora para polticas pblicas alternativas no Instituto Transnacional (TNI), centro de pesquisas com sede na Holanda.

    “Em geral, observamos que as cidades esto voltando atrs porque constatam que as privatizaes ou parcerias pblico-privadas (PPPs) acarretam tarifas muito altas, no cumprem promessas feitas inicialmente e operam com falta de transparncia, entre uma srie de problemas que vimos caso a caso”, explica Satoko BBC Brasil.

    O estudo detalha experincias de cidades que recorreram a privatizaes de seus sistemas de gua e saneamento nas ltimas dcadas, mas decidiram voltar atrs – uma longa lista que inclui lugares como Berlim, Paris, Budapeste, Bamako (Mali), Buenos Aires, Maputo (Moambique) e La Paz.

  10. A Rede Globo – est a apoiar Guedes e Bolsonaro (02 cabeas vazias) – realmente uma Globo lixo, que no verificar o que est ocorrendo ao redor do mundo com a politica de saneamento. Se polticos do passado e os atuais agentes pblicos roubarem menos, vai sobrar dinheiro para o saneamento. Com a privatizao vai visar lucro para os acionistas e no investimento. Querem privatizar empresas prontas e no aquelas para fazer – vai faltar dinheiro ao cidado sem emprego, sem sade, sem habitao, sem segurana … e sem cala para pagar conta – tarifa dobrar para investimento e no ir atingir a universalizao dos servios.

Deixe um comentário para Jaburu Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.