Família pressiona Pedro Corrêa a fazer delação na Lava-Jato

Ligado a Lula, Corrêa pode fazer delação

Eduardo Bresciani
O Globo

A família do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE) tem pressionado o político para que ele faça um acordo de delação premiada e conte o que sabe sobre o esquema investigado na Operação Lava-Jato. Condenado ao regime semiaberto no mensalão, o ex-deputado está preso provisoriamente em Curitiba desde abril pelo envolvimento no escândalo que investiga desvios na Petrobras. Segundo o advogado de Corrêa, Michel Saliba, o cliente resiste à ideia e o Ministério Público Federal não foi procurado para dar início a qualquer negociação.

– A família está muito preocupada com a permanência dele porque vem emendando a prisão. Está preso desde dezembro 2013. A pressão vem principalmente da esposa e de alguns dos filhos – disse Saliba ao Globo.

TEM RESISTIDO

Segundo o advogado, Corrêa tem resistido a ideia por ser pessoalmente contra o instituto da delação premiada e por acreditar que pode ser absolvido ao final desse processo.

– Ele é um cara de muita fibra, é contrário à delação. É uma coisa pessoal dele. É contra esse instituto. É uma questão, para ele, até sociológica, que remonta às origens pernambucanas. Além do mais, acha que dentro da conduta por ele praticada é passível de se alegar a inocência – afirmou Saliba.

O advogado já avisou ao cliente que deixará a defesa, caso ele parta para a delação premiada. Saliba defende outros políticos investigados no caso, vários deles do PP, que poderiam ser citados por Corrêa em eventual colaboração com a Justiça. A filha do político, a ex-deputada Aline Corrêa, é uma das que responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) pela suspeita de ter recebido recursos do esquema.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEmbora seja do PP, Correa era muito ligado ao então presidente Lula. Se fizer delação, vai causar um estrago enorme, ajudando a demolir o que ainda resta de Lula, do PT e do governo. (C.N.)

One thought on “Família pressiona Pedro Corrêa a fazer delação na Lava-Jato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *