Favorito nas urnas, o democrata Joe Biden pretende ser o oposto de Trump em tudo

The Moral and Strategic Calculus of Voting for Biden — or Not

Ilustração reproduzida do Arquivo Google

Deu em O Globo

Em pouco mais de dois meses, quando os americanos forem às urnas, o mundo poderá ser outro. É essa a promessa de Joe Biden, sagrado candidato pelo Partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos. Seu recado ao eleitorado na convenção partidária foi cristalino: “Se vocês me confiarem a presidência, tirarei o melhor de nós, não o pior. Serei um aliado da luz, não das trevas”.

No plano das palavras e das ideias, ele não poderia ter sido mais eloquente. No plano da realidade, para desfazer o retrocesso da gestão Donald Trump, Biden precisa primeiro vencer — e isso não está garantido. Mas é favorito, sobretudo porque reuniu uma coalizão eclética em torno de um objetivo comum: tirar Trump da Casa Branca.

NOME DE CONSENSO – Nas primárias, Biden chegou a ser dado como derrotado, mas, depois de demonstrar força com o eleitorado negro na Carolina do Sul, ressurgiu como candidato de consenso. Obteve apoio de todas as correntes no partido — do socialista Bernie Sanders ao capitalista Michael Bloomberg. Na convenção, o sentimento anti-Trump trouxe para baixo de sua tenda uma legião de republicanos insatisfeitos. Tal sentimento só cresceu com a pandemia e o movimento antirracista. Para todos aqueles que se reuniram em torno dele, Biden promete, na essência, ser o oposto de Trump em tudo.

Ou quase. Difícil acreditar que, num eventual governo Biden, diminuam as tensões com a China na disputa pela tecnologia 5G. Mesmo assim, é concreta a perspectiva de distensão na guerra comercial (notícia que pode decepcionar o agronegócio brasileiro).

Mais que isso, Biden traria ímpeto renovado à aliança atlântica, entre Estados Unidos e União Europeia, em detrimento da aproximação de Trump com autocratas da estirpe do russo Vladimir Putin. O impacto disso na geopolítica internacional seria gigantesco.

TUDO DE NOVO – Iniciativas do governo Obama abandonadas, como o acordo nuclear com o Irã ou o tratado climático de Paris, ganhariam novo impulso. Até o novo coronavírus, que encontrou nos Estados Unidos seu habitat mais hospitaleiro, passaria a ter na Casa Branca um inimigo feroz, em vez de um aliado. Uma gestão Biden ameaçaria ainda o ideário nacional-populista no mundo todo, em particular no Brasil de Jair Bolsonaro — admirador e imitador de Trump.

O aparelhamento ideológico do Itamaraty no governo Bolsonaro deixou nossa diplomacia manca para enfrentar uma eventual vitória democrata. De um lado, o Brasil procura alinhar quase todas as suas decisões aos interesses dos Estados Unidos. De outro, tornou-se crítico de tudo o que preconizam democratas como Biden. Como o país resolveria tal contradição ainda é uma incógnita.

Seja como for, não parece haver adjetivo para qualificar o significado, para o planeta, de uma mudança na Casa Branca. Num ano que já trouxe uma pandemia global, incêndios na Amazônia, enchentes e deslizamentos no litoral, explosão no Líbano, nuvem de gafanhotos na Argentina, tornados e até neve no Sul do país, é natural desejar um outro mundo em 2021.

8 thoughts on “Favorito nas urnas, o democrata Joe Biden pretende ser o oposto de Trump em tudo

  1. Por mais que simulem diferenças, mas todos os presidentes norte-americanos preservam um ponto em comum, que é pedra angular daquela nação, qual seja: a cada dia se armar com artefatos mais mortíferos e defensivos, para com esse arsenal “armagedônico” poder aterrorizar, roubar e dominar os países desarmados.
    Dos Aliados que combateram à Aliança do Eixo, durante a Segunda Guerra Mundial, foi ele o mais beneficiado com relatórios tecnocientíficos, fórmulas químicas, cilada de marketing massificante, cientistas cooptados, aliciados e parafernálias para proveito em engenharia reversa. Quase 100% dessas maravilhas brotaram das cabeças sobreexcelentes dos alemães. Uma minoria saiu de luminares doutras pátrias, tais como: Enrico Fermi, Samuel Cohen, Edward Teller, Leo Szilard, Niels Bohr etc.

  2. Tantas discussões inócuas.
    Seja lá quem for eleito, só muda a maneira de agir, a meta é sempre a mesma.

    Manter o domínio, usando-se os métodos necessários….

  3. O jogo não acabou e as viúvas de Obama já estão todas assanhadas. Os “analistas” da Globonews, por exemplo, falam da campanha de Trump com sorrisos marotos e idiotas. E o mais grave, dão opiniões pessoais em torno-sobre a matéria. Patético jornalismo. E ainda ganham salários para dizer tantas bobagens.

  4. Favorito em qual pesquisa?Datafoice? Globolixo?Guga Chacra, o desgrenhado?Trump reeleito, reservando as gargalhadas para essa esculhama, o eleitor americano tradicional, aquele caipira que não sabe votar, os rednecks, não caem mais na ladainha dos democratas, tb conhecidos como petistas do norte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *