Fernando Pimentel, o ministro das consultorias-fantasmas, não responde mais entrevistas da imprensa e até ironiza os repórteres.

Carlos Newton

O baixo nível a que chegou a política brasileira é impressionante. Agarrado ao cargo como um carrapato, o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, não consegue explicar suas atividades de “consultor” e continua fugindo da imprensa. Agora, não dá mais entrevistas e passou até a ironizar os repórteres.

Na sexta-feira, já em clima de Natal, cerca de 30 empresários e amigos promoveram um almoço de fim de ano em homenagem ao ministro no restaurante Vecchio Sogno, um dos mais caros de Belo Horizonte.

Ao descer do automóvel que o conduziu  à comemoração, Pimentel se recusou mais uma vez a responder perguntas do repórter Thiago Herdy, de O Globo, sobre suspeitas de tráfico de influência e contradições de versões apresentadas a respeito de suas atividades como consultor, e também não quis comentar as declarações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de que ele deveria ir ao Congresso dar explicações sobre as consultorias.

Thiago Herdy: O senador Aécio Neves (PSDB) deu declarações hoje, queria repercutir com o senhor. Na opinião dele, o senhor deveria ir ao Congresso Nacional…

Pimentel (interrompendo): Mas você começou a sua pergunta usando o tempo do verbo no tempo certo. Você queria. Continue querendo.

Mas o senhor não vai responder? Meu papel, como repórter, é ouvir o outro lado, é ouvir o senhor.

Pimentel: Eu vou repetir para você, você está me ouvindo. Você queria me ouvir. Continue querendo.

Porque o senhor não responde às nossas perguntas?

Pimentel: Eu vou dizer de novo, pela terceira vez, quem sabe você entenda.

Mas agora eu fiz uma outra pergunta…

Pimentel: Você queria, continue querendo. Bom natal para você.

O senhor não acha que o senhor tem que prestar informações à sociedade? O senhor não acha que, como ministro de Estado, o senhor deve responder pelo menos às perguntas?

Pimentel: Eu já te respondi, querido.

Eu fiz outra pergunta.

Pimentel: A primeira responde todas. Continue querendo…

***

Detalhe importantíssimo da entrevista que não houve (aliás,  é igual às consultorias de Pimentel, que também jamais existiram): o ministro chegou e deixou o encontro no carro do seu antigo assessor na prefeitura de BH e sócio na P21 Consultoria e Projetos, Otílio Prado.

Como se sabe, Prado trabalhava no gabinete do prefeito aliado de Pimentel, Márcio Lacerda (PSB) e deixou o cargo no início deste mês, quando foi revelado que a empresa dela e de Pimentel faturou R$ 2 milhões em dois anos, prestando consultorias suspeitas e até não comprovadas, inclusive a empresários que prestam serviços à própria Prefeitura de BH.

Seguindo o exemplo do chefe e sócio, Otílio Prado também não quis dar declarações. É compreensível. Ambos não têm mesmo o que dizer.

***
FELIZ NATAL A TODOS

Aproveitamos para enviar a todos os comentaristas e leitores, que colaboram para manter na web um blog verdadeiramente livre, independente e democrático, nossos votos de um Natal com saúde, paz e prosperidade.

E vamos em frente, juntos, na luta por um país melhor, num mundo ainda melhor.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *