FHC articula a sucessão de Temer, que não renuncia e só sai se for derrubado

Resultado de imagem para fhc charges

Charge do Benett (Folha/UOL)

Pedro do Coutto

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – reportagem de Pedro Dias Leite e Paulo Celso Pereira, O Globo desta segunda-feira – iniciou articulações políticas para formar um novo governo, articulações que incluem até o PT, visando, segundo ele próprio diz, uma saída controlada, caso o presidente Michel Temer não resista.

O próprio Michel Temer em entrevista a Fabio Zanine, Danila Lima e Marina Dias, Folha de São Paulo, admite sua saída do Palácio do Planalto e acentua ter sido ingênuo ao conversar com Joesley Batista, da JBS. Mas disse que não renuncia: “Se quiserem me derrubar, que me derrubem”.

A segunda-feira, portanto, não foi nada favorável ao presidente da República. Inclusive, sob o ângulo político, acrescentou reflexos à fracassada tentativa de promover um jantar na noite de domingo a líderes políticos de diversos partidos, no Palácio da Alvorada. Pode-se dizer que o cenário da alvorada tornou-se o crepúsculo de seu mandato.

DESPEDIDA DO PODER – O tom da entrevista a Folha de São Paulo foi praticamente um tom de despedida do poder, sobretudo porque apenas dois ministros o acompanharam no anoitecer: Eliseu Padilha e Moreira Franco.

A articulação assumida por Fernando Henrique Cardoso representa um sinal de que está atuando no PSDB para retirar o apoio ao governo e participar da escolha de um novo presidente para completar o mandato que termina em 2018. Se o PSDB retirar o apoio, não restará mais nada na base de sustentação de Michel Temer.

FHC sinaliza que está apoiando essa retirada. Pois diante da tempestade que varre o convés do Palácio do Planalto, o código político é binário: a opção entre apenas dois caminhos. O caminho para manter MIchel Temer e o roteiro para promover sua substituição.

NO SUPREMO – Como na quarta-feira o Supremo Tribunal Federal vai decidir se mantém ou não o inquérito pedido por Rodrigo Janot e aceito por Edson Fachin, o desfecho da crise de hoje parece estar próximo, ou seja, dentro das próximas 48 horas.

Fernando Henrique, segundo O Globo, está vendo Michel Temer sem apoio suficiente para permanecer. Seu pensamento, de FHC, é claro. Se ele achasse que o apoio poderia ressurgir, não estaria propondo articulação para escolha do novo presidente. Sobretudo porque a inclusão do PT possui um alvo certo: incorporar o Partido dos Trabalhadores em novo esquema de poder, evidentemente com a exclusão de seu principal líder, Lula, às voltas com processo contra ele que pode terminar na sua condenação.

Curiosa a vontade do destino: a passagem do poder sem Dilma Rousseff, sem Michel Temer e sem Luiz Inácio Lula da Silva. Mas com FHC. Aguardemos, portanto, o que o STF vai decidir na quarta-feira.

7 thoughts on “FHC articula a sucessão de Temer, que não renuncia e só sai se for derrubado

  1. A título de curiosidade:

    “Ao ter conhecimento que os Comandantes Militares, o Ministro da Defesa e o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional iriam reunir-se com o presidente Michel Temer, na sexta-feira, 19 MAIO 2017, bateu o pânico na Rede Globo.
    Conduzindo no momento, a maior Guerra Informacional (com características de Guerra Híbrida) no mundo, contra o Presidente Michel Temer, a Troika Marinho passou a recear que os Comandantes pudessem, não apoiar de forma explícita o governo, mas engajarem seus serviços de informações e exporem as ações irregulares até então realizadas…”

    Artigo completo: http://www.defesanet.com.br/gi/noticia/25829/Globo-Constrange-Comandantes-Militares/

  2. Sauditas no Conselho de Proteção à Mulher. Acredite se quiser.

    Luiz Eça – 141º lugar foi a co­lo­cação da Arábia Sau­dita, em re­la­tório do Global Gender Gap que, em 2016, ava­liou os di­reitos das mu­lheres em 144 países. Os sau­ditas só ga­nharam do Pa­quistão, Síria e Iêmen.

    Esse re­sul­tado não im­pres­si­onou as 54 na­ções do Con­selho Econô­mico e So­cial da ONU.

    Para o UN Watch, que mo­ni­tora as ações da ONU, ao menos 15 países que pro­movem a igual­dade dos sexos vo­taram a favor do reino de Riad.

    Antes de dar a sua opi­nião, co­nheça agora al­gumas res­tri­ções que as mu­lheres so­frem no país.

    Até de­zembro de 2015, elas não po­diam votar nem ser vo­tadas. Nessa data, pas­saram a gozar desse di­reito, mas so­mente nas elei­ções mu­ni­ci­pais. Ali po­de­riam es­co­lher seu can­di­dato numa re­lação pre­vi­a­mente apro­vada pelas au­to­ri­dades reais.

    De­pois de 2013, caso so­fressem agres­sões ou abusos se­xuais, as sau­ditas pas­saram a ter di­reito de re­correr à jus­tiça. Quando, even­tu­al­mente, seus agres­sores po­de­riam ser con­de­nados. Mas não à prisão, o pa­ga­mento de uma quantia em di­nheiro cos­tuma ser su­fi­ci­ente.

    Ge­ral­mente, há a pre­sunção de que a mu­lher foi res­pon­sável pela bru­ta­li­dade, ao tentar o homem ou tomar al­guma ati­tude re­pro­vável contra ele.

    No país dos pe­tro­dó­lares, os ho­mens nunca falam que mu­lher são sabe di­rigir. E não é por ci­vi­li­dade, já que, por lei, elas não têm esse di­reito.

    Vi­ajar, so­mente acom­pa­nhadas por algum membro da fa­mília – ma­rido, pai ou irmão. Ou se tiver au­to­ri­zação por es­crito do seu ma­rido.

    Biquínis são con­si­de­rados aten­tados à moral. Uma in­de­cência. Além deles, saias curtas, vestes sem manga – forget it! Nas pe­quenas lo­ca­li­dades, é re­co­men­dável usar uma burka, “ves­tido” que cobre a mu­lher dos pés à ca­beça. Com o con­forto de ori­fí­cios para en­xer­garem. Es­tranho pensar o que elas fazem para se ali­mentar.

    Con­versar com um homem é tabu para as mu­lheres do reino, em qual­quer lugar pú­blico. Ou mesmo num carro ou loja ou res­tau­rante ou… Agora, tudo bem se o papo for com um membro da fa­mília.

    Sair à rua so­zinha também não é um di­reito es­ten­dido às se­nhoras e se­nho­ritas sau­ditas. Como sempre, tendo a com­pa­nhia do ma­rido, pai ou irmão, nada a opor.

    En­trar num ce­mi­tério, só dentro de um caixão. Fora dessa si­tu­ação, as mu­lheres são proi­bidas de en­trar em ce­mi­té­rios. Por­tanto, se es­ti­verem num cor­tejo fu­ne­rário, não po­derão passar do portão de en­trada.

    Até os Jogos Olím­picos de Lon­dres, não po­deria haver mu­lheres sau­ditas entre os par­ti­ci­pantes. A partir desse evento, a proi­bição foi re­mo­vida, desde que a com­pe­tição seja no ex­te­rior. Evi­den­te­mente, as atletas são obri­gadas a estar de­vi­da­mente co­bertas do pes­coço aos pés. Agora, dis­putar qual­quer mo­da­li­dade es­por­tiva no in­te­rior do reino, isso ja­mais – é to­tal­mente proi­bido.

    Se numa pis­cina par­ti­cular ou pú­blica, houver ho­mens na­dando, a lei diz que as sau­ditas têm de passar ao largo. Se quem es­tiver na pis­cina for uma mu­lher, não está claro se um homem que chega deve re­tirar-se ou se é ela quem terá de sair.

    Con­sultar um mé­dico so­zinha, nem pensar. Se o ma­rido, irmão ou pai não puder acom­panhá-la, me­lhor tomar re­mé­dios ca­seiros. Claro, numa emer­gência, por exemplo, perna fra­tu­rada ou ataque car­díaco, a lei ad­mite uma ex­ceção: caso um membro da fa­mília não es­teja dis­po­nível, a mu­lher tem di­reito de pro­curar aten­di­mento mé­dico so­zinha.

    Fi­nal­mente, com­prar uma Barbie para a filha não é pos­sível. A lei sau­dita baniu essa bo­neca do país, por sua “con­duta” imoral. Ela tem na­mo­rado, roupas in­de­centes – enfim, é uma in­fluência ma­lé­fica para as ino­centes me­ninas sau­ditas.

    Como se vê, Arábia Sau­dita membro de um con­selho de­di­cado à de­fesa dos di­reitos fe­mi­ninos é uma ironia cruel.

    Como disse Hillel Neuer, di­retor da UN Watch: “seria o mesmo que no­mear um in­cen­diário para chefe dos bom­beiros”.

    Eleger a Arábia Sau­dita para um con­selho de­di­cado à pro­moção dos di­reitos fe­mi­ninos só mesmo por ra­zões po­lí­ticas ou fi­nan­ceiras.

    Há Es­tados que fazem questão da ami­zade sau­dita e ou­tros que de­pendem do di­nheiro de Riad para en­cher suas car­teiras es­va­zi­adas.

    http://correiocidadania.com.br/2-uncategorised/12541-sauditas-no-conselho-de-protecao-as-mulheres-acredite-se-quiser

    Do site Controvérsia

  3. Além de selar consenso com Lula, já firmado a meu ver (aqui sou adepto da assertiva ‘quem cala consente’), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ligou ao presidente Michel Temer aconselhando a “ficar firme” no cargo.

    Com franqueza tenho minhas dúvidas se Temer cai e não sei se isto seria benéfico, sabendo que o sistema está em ruína e busca sobrevida na esperteza de suas cúpulas ou numa reciclagem caso as pontes entabuladas se rompam. Não sejamos ingênuos, embora estimando que sejam observados os ritos legais.

    Com efeito, num alongado processo de impeachment o presidente golpista deve angariar mais apoio parlamentar do que a presidente deposta Dilma Rousseff obteve, ainda que lhe falte condições objetivas se equiparar na defesa tamanhas suas implicações, diretas ou indiretas, em atos ilícitos.

    O enfrentamento está posto e não será com outro impostor de plantão, eleito à toque de caixa por via indireta ou antecipação isolada do pleito de 2018 (escolha só presidencial), que conseguiremos reverter o placar a favor do povo brasileiro. Ao contrário, se cairmos nessas cumplicidades e tramoias de Brasília, eles retomam fôlego. As gestões ‘paz e amor’ de Lula tanto cederam que encerraram no deprimente espetáculo que assistimos diariamente, capitalistas e conservadores não compõem senão ampliando espaços e emplacando interesses.

    Afinal, qual seria a cartada das Organizações Globo nessa forma espetaculosa como difundiu as delações da JBS? Alguns dos anunciantes da emissora dos Marinho são vinculados ao grupo empresarial formado por vinte ou trinta empresas, que na formação do governo Temer ‘emprestou’ Henrique Meirelles para assumir como super ministro da Fazenda.

    E agora que a ‘Ponte para o Futuro’ chancelada por ele faz água, levando o navio à deriva, tornou-se alto risco que deixem sangrar e por isto tentam estancar a sangria sem perder o comando mais adiante. Assim, torna-se crucial um remendo na ponte ensejando ambiente favorável para que a travessia se concretize como foi desenhada. Bem simples. https://oglobo.globo.com/brasil/fh-ve-temer-sem-apoio-busca-negociacao-com-pt-21372713#ixzz4hoijfF5R

    Em 25/03/2017 registrei como isto já estava em andamento, acessem pra ver: http://www.facebook.com/photo.php?fbid=1866151280267801

  4. Veremos em breve se a luta de Janot para permanecer no cargo vai surtir efeito…

    ou se estará sepultada a escolha do primeiro da lista tríplice para ser o procurador geral da república…

    será que estamos vendo os últimos golpes do corporativismo contra estado democrático de direito?

    Ou teremos ainda mais capítulos.. até a escolha do novo procurador geral em setembro?

  5. FHC não tem moral nem credibilidade para articular nada , alem de não contar com apoio publico , seu partido está altamente envolvido nao somente neste escandalo , como tambem em varios outros . Como presidente quebrou o pais , dilapidou o patrimônio publico os entregando por bagatelas , entre outros escandalos . Abutre almejando o poder na eminente queda de um comparsa.

  6. FHC disse, é:?…
    No xadrez (jogo) em curso, muito oportuno o raciocínio do jornalista Pedro do Coutto, quanto ao provável movimento de Fernando Henrique, mexendo peões contra o rei…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *