FHC diz que não existe mais nenhum líder político no Brasil (exceto ele mesmo…)

SAO PAULO, SP, BRASIL, 20.09.16 17h: Entrevista com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (Foto: Marcus Leoni / Folhapress, PODER)

FHC faz autoelogios à sua atuação e critica todos os outros

Daniela Lima
Folha

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) faz um diagnóstico pessimista a quem pretende usar a gestão de Michel Temer para se projetar e recolher dividendos nas eleições de 2018. “Não vejo que o governo tenha como tirar proveito [eleitoral] dessa situação em dois anos”, disse FHC, assinalando não acreditar que nem mesmo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, possa se projetar organizando a economia e repetindo fórmula lançada pelo próprio FHC, em 1993, ao assumir a pasta durante o tormentoso governo de Itamar Franco? “Não creio. E não é que haja uma diferença entre mim e Meirelles. É a situação”.

Para o tucano, mesmo que o ministro consiga sensibilizar a sociedade, ele só irá expor “sangue, suor e lágrimas”. Em sua opinião, Temer precisa olhar apenas para a história e vê fadiga de material na política. Instado a citar um líder, não achou ninguém.

O PSDB se tornou “censor” do governo?
O que o PSDB fez? Uma vez que não tinha alternativa senão apoiar o impeachment –era óbvio que era inevitável–, teve que assumir uma responsabilidade. Acho que fez bem ao condicionar isso a que o governo atue [segundo uma agenda].

Mas isso não faz Temer refém?
Se o PSDB não tivesse essa posição, o presidente também não teria como resistir às demandas clientelistas. Temer tem noção de seu momento histórico. Tem que fazer coisas que não são populares, tomar decisões que podem não agradar, sobretudo às corporações. O desafio é chegar ao outro lado, 2018. Mas só vai chegar se tivermos um horizonte de esperança.

Vê espaço para um levante no qual os insatisfeitos com o impeachment se somem aos afetados pela crise, aos descontentes com as reformas…?
Os assolados pela crise ainda não se manifestaram. Quem esteve na rua antes foi outro tipo de gente e quem está agora é militância. Com essa grande massa não houve conexão. Pode haver? Pode. É perigoso? É.

Há como evitar isso?
Tem que conversar o tempo todo com a sociedade. Dizer que é em nome de um país mais equânime, com menos privilégios. Não pode descer goela abaixo as medidas de austeridade. É preciso insistir em valores que não são do mercado, são das pessoas. Se não explicar que a tragédia deriva dos erros do governo anterior, vai cair na cabeça dele. Já, já o PT vai começar a gritar que é culpa do Temer.

E Temer nessa equação?
O presidente sabe que o poder caiu na mão dele num momento difícil. Ele nunca foi um líder popular. Não se pode pedir à pessoa que seja o que ela não é, nunca foi. Temos que pedir que pense na história. Se fizer isso, mesmo sem popularidade, está feito historicamente.

Meirelles pode ser uma espécie de FHC para Temer?
Não creio. E não é que haja diferença entre mim e Meirelles. É a situação. Naquela época [governo Itamar], o problema mais aflitivo era a inflação. Acertamos em parte no equilíbrio fiscal, ela foi barrada e o bem-estar veio de imediato. Hoje, a situação é de tal gravidade que será preciso ter continuidade durante anos para restabelecer a confiança não só nacional, mas internacional, no funcionamento da economia. E isso não vai dar bônus.

Ele não repetirá o milagre?
Não fiz milagre. O objetivo estava mais próximo. Hoje, longínquo. Não o conheço o suficiente para saber se ele é capaz de se expor de uma maneira que motive as pessoas… Não basta ser racional. É preciso mais. E, ainda que ele seja, vai expor o que? Sangue, suor e lágrimas. Melhor não pensar em beneficiário. Ou pensa em termos históricos, ou vai ter desilusão.

Vale para todos no governo?
Não vejo que o governo tenha como tirar proveito dessa situação em dois anos. O desastre foi muito grande. Foram desmontados os pilares da economia. O horizonte–se houver–, virá depois de 2018, se tivermos sorte de encontrar líderes. Nem digo do meu, de qualquer partido…

Nem sequer faz questão que seja de seu partido?
Prefiro que seja, óbvio, mas o importante é ter alguém.

Vê esse alguém?
Aqui? [pausa] Se tivesse, estava resolvida a questão.

3 thoughts on “FHC diz que não existe mais nenhum líder político no Brasil (exceto ele mesmo…)

  1. Em um ponto a Henriqueta tem razão, o Drácula sempre foi um ” poucos votos” tanto que nunca concorreu a um cargo majoritário, nunca passou dos 100 mil votos no maior colégio eleitoral do país.

  2. Mas não é só no Brasil que está havendo escassez de Líderes Políticos. Nos EUA os dois principais Candidatos a Presidência, Sra CLINTON e Sr. TRUMP “não animam muito” os Americanos. Na Europa, a começar pelo Reino Unido onde o Primeiro-Ministro depois de 5 anos, Sr CAMERON, vinha se firmando, foi derrotado pelo Brexit, e teve que renunciar. A Sra. MAY atualmente não é nem um pouco uma MARGARET THATCHER, etç, o mesmo se passando na Alemanha, França Itália, etc, e até no Japão.
    Onde vemos Líderes Políticos mais fortes são nos Países Autoritários; Singapura, China, Rússia, Malásia…..
    É um fenômeno mundial.

  3. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não lidera mais ninguém.Hoje é carta fora do baralho.
    Sua voz não é mais ouvida nem mesmo por aqueles que um dia foram seus fiéis admiradores.Triste fim para um dos presidentes,mais bem preparados que o Brasil, já teve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *