FHC e Lula, o antecessor e o sucessor, podem se enfrentar num novo projeto pessoal e ambicioso. Serra tem compromisso com FHC de nomeá-lo embaixador na ONU. Lula tem um acordo com ele mesmo, de ser Secretário Geral da ONU

Os dois presidentes, uma já ex, o outro resistindo de todas as formas a assumir essa condição, se enfrentam nos bastidores. E não apenas nos bastidores. Há exatos 3 meses revelei aqui, com exclusividade: se não conseguir emplacar sua vontade e intenção de continuar no Planalto-Alvorada, Lula pretende ocupar o cargo de Secretário Geral da ONU.

Sem ter sido desmentido, apesar da repercussão no próprio Planalto-Alvorada (ninguém sabia), acrescentei dois pontos. 1 – Lula considera que se for candidato, será eleito facilmente, devido ao relacionamento que mantém hoje, com a quase totalidade de Chefes de Estado e Chefes de Governo.

2 – Lula não esconde mais, que fora da presidência, para ele, o cargo de MAIOR VISIBILIDADE é a Secretaria Geral da ONU. O que ele diz, e no caso é rigorosamente verdadeiro: “Não serei funcionário ocupando o cargo, e sim um presidente da República, que chama todo mundo de você”.

(Agora, quinta-feira, sexta e sábado, no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, reproduzem a minha nota, podiam pelo menos citar a fonte. Políbio Braga em Porto Alegre, Ana Amélia Lemos no Zero Hora, e Cacau Menezes, no Diário Catarinense, “descobrem” que  Lula gostaria de ser Secretário Geral da ONU”. Podiam ter dito que leram ou viram aqui. Vá, lá).

Outra nota que dei há dois meses, (que ninguém também sabia) VAI HOSTILIZAR E BATER DE FRENTE COM A CANDIDATURA DE LULA À SECRETARIA DA ONU: Serra tem compromisso de, se eleito presidente da República, nomear FHC embaixador na ONU.

Como a carreira de Serra foi toda ou quase toda alicerçada, encaminhada e reforçada pelo então presidente, é lógico que o compromisso teria que ser cumprido. Mas sendo Serra quem é, pode se eleger (quer dizer: pensa (?) que pode ser presidente, mas nada surpreendente que deixasse FHC na esteira, fazendo exercício, mas sem qualquer futuro, físico, político, diplomático ou extra-territorial).

FHC tem medo da “própria sombra”, Serra não tem coragem para coisa alguma. Politicamente um tem medo do outro, mas por causa da idade, não se enfrentarão, nem se prejudicarão.

(FHC faz 79 em junho, se Serra se elegesse e cumprisse o compromisso, iria para a ONU com 80 anos, nenhum perigo para Serra. Poderiam até se completar, adoram se enganar e enganar a coletividade)

Para Lula a situação é inteiramente diferente. Completa 65 anos em outubro, poderia ir para a ONU com a mesma idade. Isso se conseguisse fazer o sucessor. (Já que sucessora, não há possibilidade em um milhão). Voltaria com 69 anos, a tempo de disputar a presidência em 2014. (Isso, é bom esclarecer, se nenhuma das ilusões que espalha, conseguisse iludir a maioria).

Sem que eu queira ser a favor do Lula ou contra FHC, (coloquem também o vice-versa, como nos ônibus) mas apenas sendo analista. Os equívocos do atual presidente são colossais, trata de política como quem estivesse em Las Vegas, olhando apenas o pano verde. Não tem nem aceita conselheiros, leiam esse espantoso Projeto dos Direitos Humanos.

Mas também tem conseguido fraternalmente, aquilo que diziam de Vargas: “Era o pai dos pobres e a mãe dos ricos”. O ditador nem chegou perto da dubiedade, que palavra, de Lula.

Já FHC não tem nada para contar ou a História para reproduzir. Sem ética na política, não conhecia também a ética na vida particular. Seu lema foi sempre a reprodução da espécie, fosse com alunas ou com jornalistas.

(O grande título comparativo de FHC com Marx, surge de forma inesperada mas consagradora. Os dois tiveram filhos com empregada doméstica. Diferença: Jenny, a mulher de Marx, sabia e aceitava. A mulher de FHC, Dona Ruth, soube e despediu a empregada. Mas já era tarde).

* * *

PS – Como tudo isso por enquanto é apenas hipóteses, (toda análise em último caso se baseia no “pode acontecer”) uma conclusão. Os dois na ONU, de jeito algum. Mas Lula, se acontecer, chegará primeiro, impedindo a ida de FHC.

PS2 – Ressalva, que vale pouco: a indicação do embaixador na ONU, é exclusiva do Brasil. A eleição do Secretário Geral é coletiva. Mas Lula, sendo Secretário Geral, Serra aproveitará para não nomear FHC. Isso na absurda constatação de que ele será presidente.

PS3 – Em suma: Lula tem estrela, FHC apenas soberba, arrogância e pretensão. Lula tem futuro, FHC nem presente. Mas minhas restrições aos dois, continuam cada vez mais vigorosas e irrevogáveis.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *