Fidel traiu Marx e Engels, que jamais defenderam a tal “Ditadura do Proletariado”

Resultado de imagem para lenin

Lenin inventou a Ditadura do Proletariado e atribuiu a Marx

Carlos Newton

A morte de Fidel Castro é uma boa ocasião para reflexões ideológicas, porque o comunismo está aparentemente superado e fora de moda. O fato concreto é que, nas últimas décadas, a inovadora doutrina criada por Karl Marx e Friedrich Engels deixou de ser discutida em relação à época em que foi idealizada, em meados do século XIX, início da revolução industrial. E o marxismo passou a ser fraudulentamente considerado como sinônimo de ditadura e barbárie, vejam a que ponto as distorções intelectuais e políticas podem chegar.

Não adianta querer atribuir a esses dois grandes humanistas as perseguições, as chacinas e os massacres promovidos por ditadores supostamente tidos como comunistas, como Josef Stalin, Fidel Castro, Pol Pot etc. Nenhum deles era verdadeiramente comunista e seguia as lições de Marx e Engels.

Também não adianta vir aqui defender Vladimir Lenin, alegando que ele era o mocinho e Stalin teria se tornado o bandido, porque na realidade os dois foram parceiros na criminosa manipulação da doutrina marxista para implantação da sangrenta ditadura na Rússia.

DITADURA DO PROLETARIADO? – O maior exemplo das absurdas distorções do pensamento de Marx e Engels é a famosa “Ditadura do Proletariado”. Essa expressão, que passou a ser usada como sinônimo de marxismo ou comunismo, na verdade não existe na extensa obra filosófica, econômica, política e social desses dois pensadores prussianos.

Um dos maiores estudiosos do marxismo foi Karl Johann Kautsky, um filósofo, jornalista, historiador e economista tcheco-austríaco que se tornaria um dos fundadores da ideologia social-democrata. Kautsky nasceu em 1854, justamente quando se discutia na Europa o Manifesto Comunista, lançado em 1848.  Sua obra é extraordinária. Fez estudos profundos e lançou livros sobre o Cristianismo, a Utopia de Thomas More, a Ética e o Materialismo, as Doutrinas Econômicas, a Mais Valia etc.

Foi o maior pensador de seu tempo, deixou uma obra portentosa. E ninguém estudou o marxismo como Kautsky. O mais interessante foi a polêmica travada com Stalin e Lenin. Com total conhecimento de causa, Kautsky destruiu a farsa da “Ditadura do Proletariado”, expressão jamais usada por Marx e Engels em suas obras. Na verdade, Marx não a mencionou nem mesmo na célebre carta escrita ao médico alemão Ludwig Kugelmann em 1871, que é citada como prova de que ele defendia a “Ditadura do Proletariado”.

TRANSFORMAÇÃO PACÍFICA – Ao contrário do que se apregoa hoje com a maior irresponsabilidade, Marx e Engels jamais defenderam nenhuma ditadura, eram humanista, democratas e lutavam pela liberdade de imprensa. O que eles defendiam era a possibilidade da transformação pacífica da democracia burguesa em democracia proletária.

«Atualmente, em 1917, na época da primeira grande guerra imperialista, esta ressalva feita por Marx perdeu a razão de ser”, escreveu Lênin em “O Estado e a Revolução”, livro lançado um mês antes da revolução comunista na Rússia. E acrescentou: “A ditadura do proletariado é o Poder do proletariado sobre a burguesia, Poder não limitado por lei e baseado na violência e que goza da simpatia e do apoio das massas trabalhadoras e exploradas“.

Quando Lenin inventou a “Ditadura do Proletariado” baseada na violência, Marx já estava enterrado em Londres há 34 anos. Portanto, Marx e Engels não têm nada a ver com as atrocidades cometidas pelos ditadores pseudo-comunistas.

RELIGIÃO & COMUNISMO – Toda religião que se preza defende a igualdade, a fraternidade e a liberdade. Não foram os revolucionários franceses de 1789 que inventaram esse lema, apenas copiaram o que aprenderam na Igreja. Não incluíram caridade, dignidade, honestidade e humildade, porque assim o lema ficariam muito extenso e perderia o impacto.

E tudo isso vem desde Krishna na Índia (3 mil anos antes de Cristo); Lao Tse na China (1300 a.C.); Moisés no Egito e Oriente Médio (1291 a.C); Buda na região do Nepal/Himalaia (600 anos a.C.); Confúcio no Nordeste da China (550 anos a.C.); Sócrates na Grécia (469 a.C.); Jesus Cristo na Palestina, com a abertura da atual nova Era; e Maomé (570 depois de Cristo).

Não foi à toa que Karl Kautsky estudou tanto as origens do cristianismo, os evangelhos, as relações de Jesus  com os essênios, seita judaica socialmente evoluída.

CRISTO, O REVOLUCIONÁRIO – Assim como outros grandes historiadores, Kautsky dizia que Pôncio Pilatos, governador da Judeia, no julgamento de Jesus Cristo, não o considerou um simples pregador religioso, mas como um líder revolucionário que lutava para desestabilizar o Império Romano na Palestina. Por isso, condenou-o à crucificação, castigo reservado aos rebeldes e outros inimigos da sociedade, como os ladrões.

Naquela época, os rebeldes eram chamados de “zelotes”, expressão que agora entrou em moda aqui no Brasil, na caça aos corruptos. Mas isso já é outro assunto, e depois a gente volta a ele, na Graça de Deus, porque sou comunista mas não deixei de ser religioso.

48 thoughts on “Fidel traiu Marx e Engels, que jamais defenderam a tal “Ditadura do Proletariado”

  1. Caro Carlos Newton,
    O mediador da TI é o comunista boa praça que eu conheço.
    Parabéns pelo seu equilíbrio e ponderação ao afirmar ser um comunista e, sobretudo religioso.
    Penso que o amigo, a exemplo do Dr. Beja, na verdade é HUMANISTA.

    • Querido amigo João Amaury Belem. Ser religioso de verdade, não importa o credo ou a seita, significa ter um viés de comunismo, uma utopia humanista que foi fraudulentamente usada e desgastada por ditadores sanguinários, que nada tinham de verdadeiros comunistas. Precisamos explicar à opinião pública o que é verdadeiramente a teoria do comunismo democrático visualizado por Marx e Engels, que acabaram levando a culpa pelos desmandos dos outros.

      Forte abraço,

      CN

    • Grato por sua palavras, professor Antonio Rocha, estamos juntos nessa utopia por um mundo melhor, que não conheceremos, mas sabemos que poderá existir, se respeitarem o Homem e a Natureza.

      Abs.

      CN

  2. Caro Newton, o festejado dicionário político de Norberto Bobbio (Editora UNB, 2004) registra a expressão Ditadura do Proletariado como usada por Marx, sim. A expressão Ditadura do Proletariado não foi inventado por Lenin, não. Depois, considerar Karl Marx um humanista… ele engravidou uma empregada e recusou cuidado paternal ao filho, ao mesmo tempo em que escrevia páginas furibundas contra burgueses que abusavam de moças proletárias. Aqui, me parece, este não é um recurso ad hominem estamos apenas mostrando a distancia abissal entre o Karl Marx filósofo e o patrão de Helène Demuth. O primeiro não arca com os erros do segundo. Sinceramente, chamar isto de humanista é exagero do exagero.

    • Desculpe, Sepulveda, mas nesse lance o Bobbio bobeou. Conforme eu escrevei, essa expressão Ditadura do Proletariado jamais foi usada por Marx. Bobbio leu a obra de Lenin e entrou nessa onda furada. Todo mundo erra, Sepulveda. É triste ver um pensador como Bobbio cometer um erro desse quilate.
      Quanto à vida pessoal e sexual de Marx, jamais tive o menor interesse pelo assunto.

      Abs.

      CN

      • É muito cômodo falar que Bobbio se enganou. Mas não foi Lenin o autor da expressão, ela vem de antes de Marx, que também dela fez uso. Poderia citar outros autores igualmente respeitáveis a Bobbio. Como, por exemplo Edmund Wilson no seu Rumo à Estação Finlândia. Se não bastar, posso fazer outra citações. Quanto ao lado da vida pessoal de Marx a referência foi só porque você o chamou de humanista. No meu universo semântico, humanista é aquele que possue sentimento de bondade, benevolência, em relação aos semelhantes, ou de compaixão, piedade, em relação aos desfaorecidos. Defesa desses principios apenas da boca pra fora, pra mim, portanto, é papo furado.
        Obrigado pela atenção

        • Então, Sepulveda, você poderia citar pelo menos uma vez que Marx tenha usado a expressão Ditadura do Proletariado, uma só vez. Estamos aguardando.

          Outra coisa: quando Edmund Wilson nasceu, Marx já estava há 12 anos no cemitério de Londres.

          Abs.

          CN

          • Bem, apenas para cumprir a solicitação, cito trecho do livro de Edmund Wilson porque considero inválida a sua contra-argumentação de que quando este autor nasceu Marx já teria morrido havia doze anos. Considero inválido como argumento porque suponho que você também não seja era contemporâneo de Lenin e faz referencias a ele. Vamos ao texto: “Após os eventos de 1848, com o fracasso dos parlamentos alemão e francês, Marx acrescentou a seu corpo doutrinário uma nova característica que está ausente no Manifesto comunista e que ele próprio considerava uma das suas únicas contribuições originais à teoria política socialista: o conceito de DITADURA DO PROLETARIADO. Parecia-lhe claro que não bastaria o proletariado assumir o poder; ele seria obrigado a destruir as instituições burguesas, começar a construir o socialismo a partir de uma tábua rasa; e, para realizar isso, seria necessário reprimir todas as forças que inevitavelmente continuariam a tentar reinstalar o Estado capitalista….” (Edmund Wilson, Rumo a Estação Finlândia, Companhia das Letras, Edição de 1987, página 308). Outra: Mas o que resta das realizações do próprio Marx? Numa carta a Weydemeyer, Marx, escreve sobre elas: “ Ora, quanto a mim, não alego ter descoberto nem a existência de classes na sociedade moderna nem a luta entre elas. Muito antes de mim, historiadores burgueses haviam descrito o desenvolvimento histórico dessa luta entre as classe assim como economistas burgueses havia descrito sua anatomia econômica. Minha contribuição foi: 1. Mostrar que a existência de classes está simplesmente em ligação com certas fases históricas do desenvolvimento da produção: 2. Que a luta de classes necessáriamente conduz à ditadura do proletariado; 3. Que essa ditadura em si constitui nada mais do que a transição até a abolição de todas as classes e até uma sociedade sem classes”. (Martin Cohen – Philosophical Tales (Casos Filosóficos), Editora Civilização Brasileira). Penso que basta. Abraços

  3. Caro Newton, permita lembrar dois “fraternistas” de nossa era, Gandhi, exemplo de Amor fraterno, que libertou sua Pátria, a Índia do jugo inglês, sem dar um “tapa”, e Allan Kardec, que Codificou as Mensagens do Mundo Espiritual, tendo como Pedra fundamental o “Livro dos Espíritos”,codificando-as, didaticamente,
    formando a Doutrina Espírita, Filosófica e Ciêntifica, pondo sua Moral, Dignidade e Ética, no Evangelho de Jesus (seu 3º livro), como Código moral, sintetizando em 2(duas) Leis cósmicas:: “A cada um segundo suas obras” e “Pagarás, até o último ceitil”, que acontecerá no além túmulo, no Tribunal da Consciência, com as sentenças: “Luz e Paz”, ou “Ranger de
    dentes! Deus, sempre nos amparou, enviando mensageiros a nos alertar, o que somos, de on de viemos, porque estamos aqui, e para onde vamos, por sermos Espíritos Eternos, criados simples e ignorantes, postos nos Mundos materiais, através da Reencarnação, para progredir à Caminho da Luz.
    O Espírito Governador da Terra, encarnou, entre nós chamou-se Jesus,para nos dar o Código da Vida, seu Evangelho de Amor, conforme ele mesmo declarou: Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, e ninguém vai ao Pai a não ser por mim, mas “nosso Caim” o torturou e o assassinou na Cruz, e nos deu um exemplo: Pai, perdoa, eles não sabem o que fazem, significa uma previsão, que seus Ensinos e Exemplos, não seriam seguidos, e que os Cains, o transformariam, a Terra, em um Mundo de DOR, com a materialização do Espiritual, desprezando o Espiritual.
    O codinome de Allan Kardec, do Professor e cientista Hyppolite Leon Denizard Rivail, o assumiu, para assinar a “Obra de Codificação” por reconhecer que não era obra sua, mas, dos Espíritos, portanto não é OBRA DO HOMEM, MAS DOS ESPÍRITOS, que viveram na matéria, e, o acrescimo da Misericórdia Divina,nos veio, através de Chico Xavier, Fiel discípulo de Jesus, o Cristo, com mais de 400 obras, em todos os campos do conhecimento,
    Chico, Espírito da Luz, poucas letras, o Mundo dos Espíritos, à mostrar a Humanidade, o que somos, nossas responsabilidades, nossos destinos, que coroamos com a Luz do Progresso Espiritual, ou a Dor como companheira, nas Reencarnações.
    Infelizmente a Humanidade, prefere ficar cega e muda, e o resultado, está colhendo, muita dor de resgate na matéria, e os autores da Dor, amargarão nas trevas, por séculos e milênios, a Dor que criaram.
    Newton, escrevi esse comentário, por Dever de Consciência Cristã, não ficarei, chateado, se não publicar, mas teremos um Natal de Jesus, puramente material, o grande esquecido Espiritual, Jesus, o Cristo.
    O Brasil, Coração do Mundo e Pátria do Evangelho, livro psicografado pelo Chico, assinado por Humberto de Campos, o irmão X,
    mostra a responsabilidade de nossas reencarnações no Brasil, e seus dirigentes, irão para o Ranger de dentes, pois a “Cada um segundo suas obras”, será a pena, da Lei Cósmica.

    • Prezado Théo Fernandes,
      Perfeito o seu esclarecimento cristão.
      Como seria bom, na verdade ÓTIMO, se todos os brasileiros lessem o que se contém neste esclarecimento cristão e, sobretudo sobre ele refletissem.
      Diga-me aonde é que eu o assino?
      Um grande abraço.
      Belem

      • Caro Belem, já publiquei a tempos, um artigo seu, no boletim de nossa Associação de Amigos e Ciddãos de Guapimirim, lhe dando o credito, tenho a certeza, o chamado para a “espiritualização” de Amor Fraterno, deve ser divulgada, Jesus, nos deixou esse recado, em seu Evangelho, quando nos apresenta Deus, como um Pai Misericordioso para nós, Espíritos em evolução, para LUZ.
        Considero como assinada, e por todos aqueles, que buscam, como filhos pródigos, a Luz Divina.
        O momento para a humanidade, é crucial, estamos na hora da separação do “joio do trigo”, oxalá possamos ser trigos, para futuras reencarnações, não dolorosas, para o resgate de nossos erros de vidas passadas.
        Que Deus, abençoe a Humanidade, e o nosso Brasil.
        Essa Doutrina que abracei, a quase 80 anos (estou com 87), a estudo até hoje, e me esforço para a pratica do exemplo de Jesus, nosso Mestre, para isso, Ele veio ao Mundo Carnal, nos trazer seu Evangeho – Código da vida,, deturpado pelos homens.

  4. Em um tempo marcado:

    Construção do Ser

    ““Vivemos em um tempo marcado por processos antagônicos que ampliam os desafios que a humanidade enfrenta: De um lado, o processo objetivo de globalização de pessoas e capitais impulsionada pelo desenvolvimento tecnológico que modificou a própria estrutura de produção de manufaturas e serviços, buscando a integração incessante de países e culturas. De outro, o impulso a regressão de um nacionalismo cada vez mais excludente, com seu rosário de preconceitos e intolerâncias, marcando uma posição com perigosas características xenófobas, e avessas aos processos de integração em curso.” Roberto Freire, nov. 2016

    “…hasta la victoria, siempre.” Raul Castro, 25 de nov. 2016, anunciando morte de seu irmão Fidel

  5. Ninguém levantou essa tese Newton, você é imaginoso. Condenar Fidel ou quem quer que seja por querer reformar o mundo como traidor de Marx e Engels e um exagero. Teóricos e teoristas, sempre ficam no plano das idéias. Nunca vão ao campo raso da luta para prová-las. Falou Bobio com muita propriedade do “homem e sua circunstância”. (Se alguém modificou o mundo sem sangue foi um segredo não revelado para humanidade). Misturar política com religião é outra bobagem. Já dizia Cristo antecipando-se a essa incompreensão: Dai a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus. Pergunto: De que valem idéias se não forem materializadas? Não se materializam ideias com outras ideias. Não havemos de querer ser os policias da história. Será que alguém pode sê-lo?

    • 1) Prezado Aquino, respeito o seu ponto de vista, mas …

      2) “Aqueles que dizem que a religião nada tem a ver com a política não sabem o que a religião significa” = Gandhi.

      3) Livro: ” Os Grande Líderes: Gandhi”, Catherine Bush, editora Nova Cultural, 1987.

  6. Prezado e ilustre, nosso incansável Editor/Moderador Sr. CARLOS NEWTON,

    A meu ver, LENIN, MAO e FIDEL só tiveram sucesso, por seguirem perfeitamente as instruções de MARX, implantando implacavelmente a Ditadura do Proletariado.

    Até a época de MARX, o único Governo Socialista OPERÁRIO na prática havia sido a “Comuna de Paris”, (1871) que durou 3 meses.

    Derrotada a França na Guerra Franco-Prússia e com o Imperador da França NAPOLEÃO III prisioneiro dos Prussianos ( Alemães ), surgiu um Governo Provisório Burguês na França sob THIERS, que se preparava para negociar a capitulação.

    Irrompe então em Paris, uma Revolução Proletária baseada na Prefeitura de Paris, usa as Unidades da Guarda Nacional, e se propõe a continuar a Guerra, fazendo uma Guerra Patriótica Nacional.
    A liderança era de Partidos da Esquerda, especialmente o Socialista, junto a Anarquistas e mais alguns Patriotas exaltados.
    O Exército Prussiano vencedor ainda não tinha entrado em Paris,estacionado a +- 30 Km. O Governo Provisório THIERS foi obrigado a se retirar de Paris, indo para Versailles +- 25 Km de Paris, no momento só com 2 ou 3 Batalhões para sua Defesa.
    A Comuna de Paris, prepara com barricadas/artilharia ,etc a defesa de Paris, mas não institui a Ditadura do Proletariado, pelo contrário faz uma Eleição. Não ataca imediatamente com todas as Forças Versailles dando tempo assim ao Gov. Provisório THIERS de ir se reforçando, até com a ajuda dos Prussianos.
    Em 3 meses foi atacada e vencida. MARX fez a análise do ocorrido e apontou exatamente seus defeitos, causas da derrota: Não implantar imediatamente e implacavelmente a Ditadura do Proletariado, e não ter atacado imediatamente Versailles.

    Tanto isso é verdade, que quando o Governo Bolshevista LENIN completou a duração da Comuna de Paris + 1 dia, fizeram grande Festa.

  7. Proudhon advertiu Marx sobre os riscos da ditadura do proletariado com a seguinte frase : ” Não vá fazer como Lutero , que destruiu um monstro e criou outro pior ” ….

  8. Consta que Krishna, tal como Jesus Cristo, nasceu sem uma união sexual, mas por meio da “transmissão mental” de Vasudeva no ventre de Devaki há exatos 5.244 anos e é o oitavo avatar de Vishnu, que é o deus responsável pela manutenção do universo.

    Ou seja, o comunismo é divino e tem 5.200 anos.

    Conta outra que tá ficando engraçado…

    • 1) Licença Fróes.

      2) No livro “Socialismo e Espiritismo”, pág. 36, do filósofo francês Léon Denis, (amigo de Alan Kardec), edições CELD, 2012, terceira edição.

      3) O autor diz que: “comunismo (…) é o regime social que reina provavelmente nos mundos superiores”.

      4) Quiçá em outros planetas e esferas angelicais…

      5) A primeira edição deste livro pode ser lida na web (certamente outra página).

      6) Uma vez eu falei desse livro aqui na TI, não entenderam e fui muito criticado…

      7) Abraços dominicais !

      • Como a humanidade não vive em “mundos superiores” nem em “em outros planetas e esferas angelicais”, fica difícil discutir sobre a viabilidade do comunismo nesses termos.

        De mais a mais será que Léon Denis já visitou esses “mundos e esferas” para nos dar um testemunho veraz ou a coisa fica só no “provavelmente”?

        Abraços.

  9. O eterno problema do intérprete, do intérprete, do intérprete…. Por isso que Foucault disse que um autor deveria lançar apenas o primeiro livro em seu nome real, para evitar interpretações apressadas. Assim às vezes é bom consultar o original.

    No livro de coletâneas das correspondências entre Marx e Engels, intitulado “ El Libro Rojo – Y Negro – com seleção realizada pelo Carlos Dias, – Ediciones Jucar – 1977- o capítulo V é todo dedicado à Ditadura do Proletariado ( pags. 60 -66 ) .
    Logo no segundo parágrafo há essa frase do Marx, retirada do livro Crítica ao Programa de Gotha:

    “ Entre a sociedade capitalista e a comunista, existe o período de transição revolucionária entre ambas. A esse período de transição política, o Estado não pode ser outro senão a ditadura revolucionária do proletariado”.

    • procure se informar melhor, Virgilio. Marx não escreveu o documento “Crítica ao programa de Gotha”, nem é um livro propriamente dito. Na carta ao amigo médico, que citei aqui, Marx não escreveu a expressão Ditadura do Proletariado. Aliás, a frase citada por você nem fala em Ditadura do Proletariado, é apenas “atribuída” a Marx.

      Pesquise mais um pouco e a verdade surgirá.

      Abs.

      CN

      • Pesquisando…

        “ Mucho antes que yo, los historiadores burgueses habián descrito el desarrollo histórico de esta lucha de classes, y los economistas burgueses la anatomia econômica de las clases. Lo nuevo que aporte fue demonstrar : 1) que la existência de clases está vinculada únicamente a fases particulares , históricas, del desarrollo de la produción ; 2 ) que la lucha de clases conduce necessariamente a la ‘ ditadura del proletariado’; 3) que esta misma ditadura sólo constituye la transicion de ‘ la abolición de todas las clases’ y uma sociedade sin clases”
        Marx: << Carta a Weydemeyer—, Obras VIII marzo de 1853 , p. 55.

        Abs.

        • Grato pela informação, Tamberlini. O comentarista Carlos Cazé já tinha em enviado, com tradução em português, e daqui a pouco a gente vai publicar um artigo do Cazé a respeito do assunto, que é interessantíssimo, a meu ver, no rescaldo da morte de Fidel.

          Abs.

          CN

  10. Toda religião prega a equidade, que é o princípio da Justiça, dá a cada um conforme sua necessidade. Falar em igualdade é ferir a própria ideia da criação, afinal se Deus quiséssemos todos iguais não teria nos feito tão diferentes. Além disso, o senhor apequena sua inteligência ao colocar Cristo no mesmo patamar dos demais, que não passaram de homens sedentos pelo poder. Não confunda as coisas. Não confunda o secularismo no qual caiu a Igreja com a ideia da pobreza de espírito do Reino dos Céus. Pensar assim, fazer essa confusão e justificar na gororoba de misturar religiões só demonstra que o senhor nada entende de religião, logo, com todo respeito, estás sendo pedante.
    O senhor não é obrigado a entender de tudo não, o senhor não é obrigado a ter opinião formada sobre tudo não, o senhor não precisa se justificar aqui dizendo que é um comunista like não. Agora não é elegante tratar de conceitos quando os mesmos não estão bem estabelecidos, corre o risco de passar vexame.
    Abraço!

  11. E a carta a Wedeymeyer em 1852? (5 de março de 1852 em Karl Marx & Frederick Engels, Collected Works Vol. 39 (International Publishers: New York, 1983) paginas 62–65.). E foi este, Joseph Wedeymeyer, quem criou a expressão, nesta publicação: http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00236566208583900 O que não adianta é ficar dizendo que todas as experiências tentadas em nome de Marx, não foram verdadeiras ou aprofundadas suficientes, foram até demais, resultaram em milhões de morte.

  12. Ausente desde ontem à tardinha até agora não analiso as pessoas através da política ou regimes ou movimentos ou sistemas, mas pelo que são para as demais, pelo modo como se comportam com relação ao próximo.

    Dito isso, eu que tenho pelo Newton uma grande admiração e amizade, calcadas no respeito e reverência diante do trabalho excepcionalmente bem feito, que nos coloca à disposição em forma de blog e incomparável espaço democrático, não me importa se comunista, religioso, ateu, budista, capitalista … pois a sua personalidade e caráter extrapolam em muito aquela pessoa que conhecemos durante nossas existências.

    Newton é uma exceção, e se comunista, também religioso porque crê em Deus, eu que tenho sido um crítico cáustico do comunismo – este que o nosso Mediador segue, desejo para mim!

    Se o comunismo de Newton enaltece o ser humano como ele tem feito, ao proporcionar uma página na Internet, que tem se sobressaído pela qualidade da apresentação, articulistas, comentaristas e pelos seus editoriais, ser uma pessoa extraordinária, que cuida e muito de bem de seus queridos familiares, mantendo seus amigos e aumentando o rol de amizades a cada dia que a Tribuna da Internet tem sido postada sou comunista, além de constatar que para me aproximar de Newton nessas suas qualidades indiscutíveis, terei de percorrer ainda um longo caminho!

    Portanto, festejemos a presença de Newton entre nós e a sua Tribuna da Internet, e tratemos de pedir a Deus que receba Fidel Castro e o analise conforme Sua bondade e onisciência, pois o Seu Filho nos ensinou que não devemos julgar, pois se assim o fizermos seremos julgados da mesma forma.

    Tenho recriminado Fidel pelos males que fez ao povo cubano, tanto por ter sido responsável pela morte de milhares de compatriotas – ontem li que Fidel seria responsável pela morte de cinco mil cubanos, outras reportagens afirmando que teriam sido quinze mil -, quanto pelo cerceamento de suas liberdades, afora ocasionar uma vida de escassez e divorciada do conforto e tecnologia para o povo insular.

    O meu abraço forte e fraternal a Carlos Newton por ser comunista, e ter me convencido que se trata da melhor opção que eu poderia ter conforme minhas convicções!

    • Grato por suas palavras, amigo Bendl. Acho Fidel contraditório, mas ele nunca foi marxista. Fez boas coisas (educação, saúde, esportes), mas foi um mau governante, não criou indústrias, nada, nada. Perseguia a oposição, mantinha censura à imprensa, como dizer que era marxista?

      O comunismo é uma utopia, acredito religiosamente que é o futuro do homem, mas só daqui a muitas gerações, quando nos livrarmos do egoismo e das fraquezas que hoje caracterizam o ser humano.

      Muita saúde e paz, amigo.

    • Caro Bendl, assino em baixo, Os articulistas e comentaristas, desse Blog impar, mesmo com as divergências de pensar e sentir, o que é bom, por nos fazer pensar sobre a Vida, formam um centro de força espiritual, que nos ajuda e a nossos irmãos de jornada, a nossa Redenção espiritual. Forte abraços a todos, e sejamos fraternos.

    • Obrigado por suas palavras, mestre José Carlos Werneck. Infelizmente, cometi um erro no texto, ao dizer que Marx jamais mencionara a Ditadura do Proletariado. Realmente, na obra dele, a expressão não existe. Porém, Marx citou a Ditadura do Proletariado numa carta a um amigo prussiano, em 1852.

      Nosso comentarista Carlos Cazé me corrigiu o deslize, e daqui a pouco a gente publica um artigo dele, que dá detalhes sobre o pensamento democrático de Marx e Engels, confirmando o teor de meu texto.

      Abs.

      CN

      • Perfeitíssimo!,mas realmente em sua obra escrita,mencionada no artigo,e na qual foi embasado,não se vê por UMA VEZ a expressão “ditadura do proletariado”.Por esta razão,você não cometeu falha alguma!
        A citação “ditadura do proletariado”,realmente consta da correspondência mantida com o amigo prussiano,em 1852,Marx,faz menção a expressão tão a gosto de seus seguidores.Mas repito,em suas obras de referência o brilhante pensador,JAMAIS,usou tal expressão!

  13. Comunismo, socialismo… pueris conjuntos de ideias de homens simplórios que imaginaram ser possível construir alguma nação onde houvesse a igualdade de oportunidades para todos, nos mais variados aspectos, sejam eles materiais ou intelectuais.

    Porém, na aplicação prática, os tais ideais SEMPRE falham. Porque, por enquanto, só podem ser implantados e mantidos à força, perante a opressão, e de forma ditatorial.

    Afinal na maioria dos homens desta Terra (encarnados ou desencarnados) ainda predomina o orgulho e o egoísmo, que impedem a implantação da filosofia de: “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.

    Pois é… as ferramentas para a construção de uma Terra cada vez mais justa estão dentro desta filosofia que citei acima!

    Uns dizem por aí a tolice de que Jesus fora então um socialista, pois pregou tal filosofia. Obviamente é uma tentativa de reduzir e encaixar Jesus dentro de conceitos criados por homens ainda imperfeitos.

    Jesus está MUITO além, MUITO acima desse “suposto socialismo” onde tentam enquadrá-lo.

    – “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. É dentro deste Norte que funcionarão as nações mais justas, desenvolvidas, equilibradas, pacíficas, honestas e amorosas desta Terra, num futuro não muito distante!

  14. Não costumo deixar comentários nesta tribuna, todavia quando assim o faço, tento primar por uma escolha apropriada das palavras visando sobretudo não perder a objetividade e ao mesmo tempo expressar-me com o devido respeito aos demais participantes, todavia já tive pelo menos dois comentários retirados deste site por razões que só posso presumir se devam ao fato de que eu tenha contestado o viés doutrinário do marxismo que frequentemente exala dos responsáveis pelos artigos aqui publicados, que muito embora pareçam enaltecer o direito à liberdade de expressão, na prática são endossados por pessoas que censuram quem discorda de sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *