Filho de Humberto Martins recebeu R$ 40 milhões para exercer influência em processos na Corte, aponta Lava Jato

Eduardo foi denunciado por estelionato, lavagem e exploração de prestígio

Aguirre Talento
O Globo

Em operação deflagrada nesta quarta-feira, dia 9, sobre desvios de recursos envolvendo escritórios de advocacias, a Lava-Jato do Rio aponta que o advogado Eduardo Martins, filho do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Humberto Martins, foi contratado pelo empresário Orlando Diniz para exercer influência em ministros da Corte para obter decisões favoráveis à permanência dele à frente da Fecomércio do Rio.

As provas contra o filho do ministro foram obtidas pela Lava-Jato por meio de documentos da Fecomércio e da delação premiada de Orlando Diniz. Essa é a terceira delação que cita Eduardo Martins, mas a primeira vez que seu escritório se torna alvo de busca e apreensão. Ele também foi denunciado pelos crimes de estelionato, lavagem de dinheiro e exploração de prestígio. O caso ficou na primeira instância porque a Lava-Jato não aponta suspeitas de crimes envolvendo os ministros do STJ, apenas o advogado.

FRAUDULENTOS CONTRATOS – “Os integrantes do núcleo duro da organização criminosa em comento viram em todo esse cenário mais uma oportunidade perfeita para sangrar os cofres, inicialmente da Fecomércio/RJ e, mais tarde, do SESC/RJ e SENAC/RJ, valendo-se, para tanto, de fraudulentos contratos de honorários advocatícios como forma de remunerar, a preços vultosos, Eduardo Filipe Alves Martins, não pela prestação dessa espécie de serviços, mas sim por uma pretensa e propalada influência sua no Superior Tribunal de Justiça, derivada de sua relação filial com o ministro desta Corte Superior, Humberto Martins”, diz a denúncia.

De acordo com e-mails obtidos pela Lava-Jato e o depoimento de Orlando Diniz em sua delação premiada, a contratação de Eduardo Martins foi intermediado pelo advogado Cristiano Zanin, que já atuava para Orlando. Por meio de sucessivos contratos, o escritório de Eduardo Martins recebeu cerca de R$ 40 milhões da Fecomércio.

Segundo a Lava-Jato, os contratos não foram para prestar serviços advocatícios mas sim “a pretexto de influenciar atos praticados por magistrados do Superior Tribunal de Justiça”. Segundo a Lava-Jato, Eduardo Martins recebeu mais R$ 40 milhões por meio de outros escritórios de advocacia parceiros dele.

LIMINAR – Na época, Orlando Diniz estava afastado da presidência da Fecomércio e buscava uma decisão liminar do STJ para voltar ao cargo. Essa liminar foi concedida pelo ministro Napoleão Nunes Maia. Posteriormente, Orlando foi afastado de novo do comando da Fecomércio. Também para reforçar essa influência junto ao STJ é que foi contratado pela Fecomércio o ex-presidente do tribunal César Asfor Rocha, diz a Lava-Jato.

Em sua delação premiada assinada com a Polícia Federal, o ex-governador Sergio Cabral afirmou ter ouvido de Orlando Diniz que contratou escritórios de advocacia, dentre eles o de Eduardo Martins, para repassar pagamentos de propina ao ministro Napoleão Nunes Maia pela decisão favorável. Um inquérito para apurar esse assunto chegou a ser aberto pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, mas acabou sendo arquivado pelo presidente Dias Toffoli.

Eduardo Martins também foi citado na delação premiada do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, que relatou ter contratado seu escritório em troca de obter benefícios em um processo da relatoria do seu pai Humberto Martins. O anexo foi arquivado preliminarmente pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge, sem dar início à investigação.

17 thoughts on “Filho de Humberto Martins recebeu R$ 40 milhões para exercer influência em processos na Corte, aponta Lava Jato

  1. O poder judiciário precisa ser com mandatos tal como os outros poderes. Como são “vitalícios”, as quadrilhas se formam e dificilmente são descobertas. E mesmo assim a punição é na realidade um deboche para os honestos.

  2. Por que será que os tribunais de justiça americanos não têm corrupção como os nossos? O deles funciona. Ora, basta copiar para consertar os nossos.
    Será a formação deficiente dos nossos advogados que contribui para esse espetáculo vergonhoso? O cômico é eles ainda exigirem o tratamento de Vossa Excelência quando se dirigem uns aos outros. Que shit!

    • Sr Sapo, relembrando uma das minhas jabutibas, talvez a maior em termos absolutos, informo-lhe que o Brasil possui 1.670 faculdades de Direito, mais do que o resto do mundo!!! Numa lógica positivista devia-nos ser a nação mais ordeira e obediente da Lei, mas parece que não é bem assim, o que acontece é que o crime impera e o mercado de trabalho para advogado está sempre em alta.

  3. O Brasil fede,

    Apodrece.

    Transforma-se a cada dia em um imenso lixão.

    Ministros dos tribunais superiores ou seus rebentos são flagrados em crimes.

    O Brasil está deteriorado.

    Servidores públicos que recebem proventos milionários, regalias, mordomias, penduricalhos, privilégios, mesmo assim não se contentam com a vida nababesca às custas do cidadão, precisam meter a mão no dinheiro do povo!

    O Brasil não tem mais solução!

    Falimos em definitivo ética e moralmente!

  4. Diante desses acontecimentos deploráveis à nação observo, constrangido e decepcionado, a irresponsabilidade das FFAA quanto à sua CRIMINOSA omissão de combater o mal maior desse país:
    A CORRUPÇÃO!

    A cor da farda dos militares do Exército precisa ser modificada:
    sai o verde e entra o amarelo!

    A milicada só amarela!!!!

    • Tem solução sim, Chico, guerra sem quartel à corrupção. Manifestação continua e intensa contra a praga, demonização dos corruptos, defesa intransigente da Lavajato e do MP, repúdio aos comentaristas críticos da Operação, sob o manto da pseudo tecnicidade processual.
      “Todos contra a Corrupção”
      A causa mater, junto com a isenção fiscal criminosa, da miséria do País.

  5. Moreno,

    Nós estamos na mesma situação das pessoas que residem na mesma casa, e a caixa de gorduras entupiu.

    O fedor é grande, assim como o líquido putrefato sai pela tampa do bueiro.
    Então, os moradores olham a imundície e reclamam:
    – Alguém tem que tomar providência!

    Diariamente as mesmas vozes protestam do fedor, da imagem nojenta, que exala da caixa que trouxe à tona a podridão reinante.
    Mesmo quando alguém passava pelo líquido escorregadio e caia, só reclamações.

    Até que, numa bela tarde de sábado, com todos em casa descansando da semana árdua de trabalho, alguém escorrega na gordura, cai, bate com a cabeça e morre!
    Comoção, tristeza, lamentos …

    Então, depois da tragédia, os moradores decidem abrir a caixa de gordura e limpá-la!

    Moral da história:
    o povo não liga para a corrupção fedorenta, imunda, prejudicial à saúde de todos.
    Enquanto não tivermos cidadãos imolados pela corrupção de maneira direta, continuaremos nessa passividade e irresponsabilidade com relação ao país e a nós mesmos.
    Até porque, meu caro, tem muitas pessoas que não só gostam do fedor como se acostumaram com ele!

    Abração.

  6. Fazer o que? Usaram e abusaram da justiça com fins políticos. Tiraram o PT do poder. A alegação era de que o PT era a quadrilha. Todos os bandidos se uniram e conseguiram o objetivo. Quem se deixou enganar que sofra as consequências.

    • Pô, Ronaldo, menos, não viaja na maionese. O PT é, reconhecido mundialmente, como a maior organização criminosa no poder de um país civilizado, superior, por enquanto, à milícia Bolsonarista.
      Defenda o Lula como um bom colega de boteco, mas nunca quando o assunto se refira a corrupção.
      Saudações

  7. Muito bom Francisco Bendl; mas a meu ver ainda precisamos de mais; muito mais ainda.
    Se morrem diretamente pela corrupção, nas estradas com inclinação em curvas, contrária e deixadas de lado pelo $. Nos buracos das cidades que tapam hoje e não duram hum mês, isto se não chover e por aí vai.
    Você veja bem; tiramos um partido do poder para continuar o combate a corrupção; era uma das bandeiras do “tosco” e veja o que aconteceu!!!
    Tenho certeza que se o “andrade” tivesse ganho, não teria coragem de fazer este “pacto dos três poderes” que o “tosco” fez.
    Agora teremos que recomeçar tudo outra vez e prevejo que isto só acontecerá daqui a duas gerações, no mínimo.

    • Pereira,

      Faz setenta anos que ouço que um dia iremos melhorar, que sairemos do buraco, que o país é rico, blá blá blá.

      Pois de setenta anos para cá, a pobreza, a miséria, desempregados e analfabetos absolutos e funcionais ULTRAPASSARAM a população brasileira dessas sete décadas atrás, pois registrávamos 52 milhões de habitantes em 1.950!

      Che, mas que merda fizeram nossos governantes de lá para cá??!!
      Pois eu digo:
      ROUBARAM, EXPLORARAM E MANIPULARAM o povo de maneira sórdida, vil, covarde e criminosa!

      Se, mediante medidas consideradas normais ou à espera de supostas melhoras decorrentes do fio de esperança que alguns alimentam, a situação só irá piorar pela tradição e costume, então é fazer quando éramos um bando de guris, e não nos deixavam participar das brincadeiras, lembra?

      – Se eu não jogar, esculhambo!

      Pois essa deveria ser a ameaça tácita do povo aos dirigentes:
      – Ou essa bosta melhora ou não vai ter para mais ninguém!!!

      Os poderes constituídos perderam completamente o medo e o respeito pelo cidadão, pelo trabalhador, por aqueles que os sustentam como paxás.
      Pois tá na hora – aliás, muito atrasado – de resgatarmos a nossa autoridade inconteste:
      Ou dá ou desce, ou seja, se não formos melhor tratados o pau vai comer!!

      Abraço,
      (Pereira, a meu ver, não temos mais condição alguma de esperar pacientemente por mais duas gerações que o Brasil reaja, pois não suportaremos mais 10 ou 15 anos desse jeito).

  8. Esse negócio de influenciar ministros da corte para mim é uma balela. Ora, partindo desse princípio, qualquer um pode obter vantagens, desde que tenha prestígio.
    É a mesma coisa do lobby que algumas empresas e representantes de alguns setores fazem perante o legislativo, executivo e judiciário. Muitas vezes as vantagens prometidas ou o medo de perder certos apoios seduzem quem está no poder. É do jogo. Àqueles que resistem meu aplauso. Àqueles que se submetem meu repúdio.

    Afinal de contas, quem é culpado? Para mim está claro: os que se submetem para cometer desvios devem ser punidos. No texto está escrito: “O caso ficou na primeira instância porque a Lava-Jato não aponta suspeitas de crimes envolvendo os ministros do STJ, apenas o advogado”. Os contratos envolvem dinheiro público e são ilícitos? Então, pau nos responsáveis. Alguma sentença favorável suspeita foi deferida? Pau naqueles que deram a sentença.

    Vamos ver no que vai dar, me parece meio confusas essas acusações. Lembrando que advogados sempre vão atuar para ganhar as causas, com métodos, muitas vezes, nem tão lícitos.

  9. Na expressão desse filho do sistema -que já praticamente faz parte dele como tantos- podemos constatar que nossa única solução seria a intervenção militar total para assumir o governo dessa Pátria, removendo todo o sistema e sistemistas, para elaborar com capacitados do povo um novo sistema brasileiro, enquanto ministrava-se pela telinha um curso prático e inteligente de introdução do povo aos conhecimentos políticos e econômicos, e encerrados esses trabalhos reiniciar a vida nacional com eleições gerais e na caneta, fiscalizadas sob pena de morte, com orientação para que o eleitorado desse preferência a candidaturas novas e muito bem estudadas, para reduzir-se ao mínimo o mal da corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *