Filosofias diferentes de se jogar futebol

Tostão

Real Madrid e Barcelona são os dois melhores times do mundo e os grandes representantes das duas filosofias de se jogar futebol. A do Real é a mesma de quase todas as grandes equipes da Europa e, agora, de vários times brasileiros. Começou com o Corinthians, na Libertadores. A equipe marca mais atrás, geralmente com oito jogadores, e contra-ataca com velocidade.

Cada equipe possui suas particularidades. Em algumas ocasiões, esses times também marcam por pressão, como faz o Corinthians, quando joga no Pacaembu.

A filosofia do Barcelona é a mesma dos times treinados por Bielsa, por Sampaoli e por raríssimos outros técnicos. São equipes que marcam por pressão, dominam o jogo e colocam muitos jogadores no campo do adversário. Há também diferenças. O Barcelona troca mais passes curtos e fica mais com a bola. Os outros jogam um futebol mais veloz.

Todos esses times, quando perdem a bola no campo do adversário, deixam muitos espaços na defesa. A Universidad de Chile foi, coletivamente, melhor, mas o Santos, nos contra-ataques e graças a Neymar, ganhou. Nos jogos do Santos, existem duas partidas, a do time e a de Neymar. Uma independe da outra. Na seleção, quando enfrentar fortes adversários, Neymar só vai brilhar se houver um bom conjunto.

As duas filosofias podem ser eficientes. Muito mais importante que o estilo é a qualidade dos jogadores. A Universidad de Chile piorou muito em relação ao ano passado, com a saída de vários titulares. O técnico é o mesmo.

Não é correto dizer que o estilo do Barcelona é o mesmo das grandes equipes brasileiras do passado. A seleção de 1970, com a marcação mais recuada, parecia mais com o Real do que com o Barcelona. Além de marcar por pressão, o que não existia na época, o Barcelona é uma equipe com mais troca de passes curtos, mais posse de bola, mais previsível e com um estilo mais coletivo.
Se, no passado, o futebol coletivo não era a principal qualidade dos times brasileiros, isso é hoje marcante, com a grande diferença de que há menos craques para decidir. Pioramos na parte individual e no conjunto. É impressionante como os times brasileiros perdem a bola. Escrevo isso há mais de dez anos. Cansei.

Minhas críticas são muito mais ao estilo dos times brasileiros. A seleção, por ter jogadores superiores e por orientação do técnico, tenta, sem ainda conseguir, praticar um jogo mais coletivo e mais agradável. Tenho esperanças.

Seria muito bom se os times brasileiros trouxessem técnicos de fora, diferentes, como Guardiola, Bielsa, Sampaoli. Isso não significa que eles sejam excepcionais e que os do Brasil sejam uma porcaria. Mas é preciso diversificar. A mesmice passou dos limites.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *