Financiamento de campanha eleitoral quase triplica e pode chegar a R$ 5,7 bilhões

Charge do Casso (Arquivo Google)

Daniel Weterman e Camila Turtelli
Estadão

Uma mudança feita no projeto da Lei de Diretrizes pelo relator Juscelino Filho (DEM-BA), pode elevar a verba pública destinada ao financiamento de campanhas eleitorais para quase R$ 6 bilhões, em 2022, ano de eleições presidenciais e nos Estados.

O governo paga dois tipos de fundos para as legendas, o partidário (destinado à manutenção das siglas, como aluguéis) e o eleitoral (para o financiamento de campanhas). Em 2020, último ano com eleições no País, foram R$ 2,03 bilhões para o fundo eleitoral e R$ 959 milhões para o partidário.

DIZ O RELATOR – O texto da LDO 2022, enviado pelo governo ao Congresso em 15 de abril, previa a manutenção das regras aplicadas em anos anteriores. No entanto, o relator Juscelino Filho propôs uma mudança na conta que, na prática, aumenta o valor de modo significativo.

Segundo técnicos legislativos, com a nova regra proposta, os valores podem chegar a R$ 5,7 bilhões apenas para o fundo eleitoral.

O montante só é definido na Lei Orçamentária Anual (LOA), a ser enviada pelo Executivo em agosto, mas a regra da LDO pode amarrar a verba. Conforme o Estadão/Broadcast Político apurou, a proposta é patrocinada pelo Centrão, integrante da base do governo do presidente Jair Bolsonaro, e por outras legendas representadas na Câmara e no Senado.

NEGOCIAR COM O GOVERNO – Parlamentares incluíram o dispositivo na LDO prevendo já a hipótese de um veto de Bolsonaro sobre o valor, mas afirmam nos bastidores que vão negociar com o governo para garantir o aumento. Um dos argumentos é irrigar as campanhas com dinheiro público para compensar o fim do financiamento privado, proibido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2015.

O relator também incluiu como novidade uma “resguarda de contingenciamento” para proteger órgãos e programas como Embrapa e Censo Demográfico.

Também foram incluídos nessa ressalva as despesas relacionadas à Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino em Tempo Integral, com universalização do acesso à internet com apoio a iniciativas e projetos de inclusão digital.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Se depender da classe política, o Brasil será sempre um país dividido em castas. Apenas isso. (C.N.)

14 thoughts on “Financiamento de campanha eleitoral quase triplica e pode chegar a R$ 5,7 bilhões

  1. Viva a Corrupção..!
    Acaba com tudo.
    Final de semana com festas de arromba.
    E em festa de ratos não sobra queijo.
    Que maravilha para as Ratazanas..

    • Convenhamos, se usassem esses 6 bilhões para comprar bosta seca de gado ajudaria muito a nossa agricultura. Outro tipo de bosta não me parece conveniente.

  2. Não é a classe política, isso ai é coisa da ditadura partidária, dona do monopólio eleitoral, que não tem sequer noção do que é a Política, são impostores políticos, penetras, invasores da Política, crias do sistema apodrecido. E se querem continuar chamando isso de democracia fiquem vontade, mas quem sequer tentar me obrigar a aceitar isso como democracia eu ou mandar à PQP, até porque, como já foi definido, certamente, pelo HMM isso é plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia.

  3. Maravilha! O fundo eleitoral triplicou de valor, chegando a 6 bilhões. Mas para o senhor “Barrose”, bem como para a maioria do STF, não podemos gastar 2 bilhões para implementar o voto impresso auditável. O que dirá o STF diante de tal absurdo? Nada, absolutamente nada!

    “Eu por mim, colocava esses vagabundos todos na cadeia, começando pelo STF”
    Abraham Weintraub

    • basta de gastar velas boas e caríssimas com defuntos ruins, temos que colocar essa gentalha é no xilindró, reparem que as canalhices financeira contra o erário e o povo, que prostituíram tb o lulopestismo, saem sempre do mesmo lugar, infelizmente.

  4. O governo não paga nada, que paga somos nós que trabalhamos duro para manter essa curriola que a maioria os chama de politicos. Que políticos?

    São bandidos, e não sabem nada de.politica, aliás, não sabem nem o significado do nome.

    Enquanto engrossarmos o coro de mídia mancumunada com essa bandidagem do diabo, representada, em última análise, por Luiz Inácio, Bolsonaro, Dilma, Dirceu, toda tornando STF, congresso, estatais, funcionalismo público, e a bem da verdade, com raríssimas exceções, vamos entregando o ouro e eles em festa permanente.

    A miséria aumenta à medida que a roubalheira se espalha em todo o país, não bastasse a incompetência desses homens públicos que se travestem de políticos e só falta nos chamar de otários com todas a letras.

  5. Todo e qualquer centavo que é obtido com os impostos ou com as reformas, sob a justificativa de que são para sanear as contas do governo e cortar gastos, tem um destino na sua grande maioria. Vocês já sabem onde vai parar.

    • De oantagonista: Flávio vai ao Conselho de Ética do Senado contra Renan.

      Vejam só, um cara acusado de fazer rachadinas, lavar dinheiro de corrupção com loja de chocolate e compra de apartamentos, associação com milicianos e mais ainda: filho do sujeito mais incompetente do mundo, vai recorrer á comissão de ética!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *