FMI faz alerta sobre crise econômica, especialmente o crescimento da dívida pública

Resultado de imagem para dívida pública charges

Charge do Iotti (Zero Hora)

Rosana Hessel
Blog do Vicente Nunes

O Fundo Monetário Internacional (FMI) soltou um relatório nesta sexta-feira (24/05) fazendo um alerta para o risco de baixo crescimento da economia brasileira. O documento reforçou o alerta para o crescimento da dívida pública bruta em 88% do PIB, “uma das maiores entre os mercados emergentes”, devendo atingir o pico em 2024, dependendo da administração fiscal.

O relatório sinalizou que o órgão deverá realizar um novo corte nas projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil para algo entre 1% e 1,5% “ou menos”. O Fundo demonstrou preocupação com a crise doméstica e sugeriu uma “ação política decisiva” para evitar uma desaceleração na economia.

EXPECTATIVA – “O investimento permanece moderado, retido pela grande capacidade ociosa e a persistente incerteza sobre as perspectivas de reformas fiscais e estruturais. Fraco crescimento global e a recessão na Argentina estão atrasando as exportações. O crescimento em 2019 é projetado entre 1 e 1,5%, com riscos significativos de queda”, destacou o documento.

Atualmente, a previsão de expansão do PIB brasileiro deste ano ainda é otimista, de 2,1%, bem acima do projetado pelo governo, de 1,6%, revisado nesta semana pela segunda vez no ano. O Fundo costuma revisar suas estimativas a cada três meses e, na última, em abril, reduziu de 2,5% para 2,1%.

“Uma lenta recuperação está em andamento, limitada pela demanda agregada moderada e baixa produtividade. Uma reforma robusta da seguridade social e medidas fiscais adicionais são necessárias para colocar a dívida pública em uma trajetória sustentável, aumentando, assim, a confiança do investidor”, escreveram os técnicos do FMI no relatório que indica que haverá uma reavaliação dos dados do país. 

NOVA AVALIAÇÃO – Esse diagnóstico é resultado da avaliação da missão de técnicos do organismo multilateral ao Brasil realizada entre os dias 13 a 17 de maio.  O documento do FMI destacou que, depois de encolher 7% entre 2015 e 2016, e “de crescer apenas” 1,1% entre 2017 e 2018, “os indicadores de curto prazo mostram que a fraqueza persistiu no primeiro trimestre”.  “O crescimento historicamente baixo, a alta dívida pública e a desigualdade generalizada exigem uma agenda de reformas arrojada”, reforçou o Fundo lembrando que, desde 1980, o crescimento médio da economia brasileira tem sido de 2,5%, “bem abaixo de seus pares”.

Na avaliação dos técnicos do Fundo, a crise interna pode inviabilizar a recuperação da economia e eles recomendam uma “ação política decisiva”.

“O principal risco doméstico é a incapacidade de aprovar uma reforma previdenciária robusta. Além disso, outras medidas fiscais são necessárias para cumprir o teto de despesas e colocar a dívida em uma trajetória sustentável”, alertou. “A falta de consolidação fiscal pode minar a confiança e impedir o investimento. Os riscos externos incluem o aprofundamento da recessão na Argentina e as tensões comerciais globais”, completou.

PREVIDÊNCIA – “A proposta ambiciosa de reforma previdenciária, que está sendo analisada pelo Congresso, estabilizaria os gastos com aposentadorias na próxima década e tornaria o sistema mais eqüitativo. Para entregar o ajuste fiscal necessário, o Congresso deve preservar o aumento proposto nas idades de aposentadoria e diminuir os benefícios relativamente altos, particularmente para funcionários públicos”, recomendou o relatório.

A expectativa do Fundo é que, com a aprovação de uma reforma da Previdência robusta e condições financeiras favoráveis, “espera-se que o crescimento acelere em 2020, apoiado por uma recuperação do investimento privado”. Entre as recomendações do Fundo, estão medidas para melhorar a supervisão do setor bancário.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O FMI está clamando no deserto, porque a atual equipe econômica não se preocupa com o crescimento da dívida pública. E chega a ser Piada do Ano o Fundo recomendar medidas para melhorar a supervisão do setor bancário. Aqui na filial Brazil não existe “supervisão” do setor bancários, porque são os bancos que mandam no país. (C.N.)

5 thoughts on “FMI faz alerta sobre crise econômica, especialmente o crescimento da dívida pública

  1. Levou a este estado!?
    Já está há muito tempo.

    Esse é o problema do nosso país.
    Tenta-se justificar a situação do mesmo, fazendo-se críticas com conotações políticas.

    Foi fulano, foi sicrano, escondendo-se atrás de figuras que fizeram um bocado de asneiras, mas já se foram.
    Temos que encarar o problema de frente, e se fazer algo diferente.

    • Sem problemas David. Este blog se tornou uma piada pronta, por isso, o meu sarcasmo. Fico triste de constatar que falta bom senso, para não falar outra coisa, para falarem a verdade. O bloguista já está colocando na conta do Bolsonaro o lamentável estado de putrefação da economia que a petralhada deixou o país com tanta corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *