FMI prevê que o Brasil pode voltar a ter superávit primário em 2020

Resultado de imagem para fmi charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Deu no Estadão

O Brasil deve voltar a ter superávit primário em 2020, alcançando 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com projeções divulgadas nesta quarta-feira (5/10) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no relatório Monitor Fiscal, que avalia a situação das contas públicas dos países-membros. Ao mesmo tempo, o documento afirma que a dívida total do governo brasileiro deve continuar em trajetória de alta e ser a maior entre os principais emergentes em 2019.

A relação dívida/PIB, um dos principais indicadores de solvência de um país e avaliado de perto pelas agências de classificação de risco, deve fechar 2016 em 78,3%, ultrapassar os 80% no ano que vem e bater em 90,8% em 2020, para chegar em 2021 em 93,6%. O FMI ressalta que leva em conta para este cálculo os títulos do Tesouro detidos pelo Banco Central, montante que não é considerado nos cálculo do governo brasileiro.

A dívida bruta brasileira segue acima da média dos emergentes, na casa dos 40%. Mesmo considerando apenas os países da América Latina, a média está ao redor de 60%. Atualmente, apenas alguns poucos emergentes, considerando as 40 principais economias avaliadas pelo FMI no relatório, têm a dívida como proporção do PIB maior que o Brasil, entre eles a Ucrânia, a Croácia, o Egito e o Sri Lanka.

DEPOIS DO PICO – Já o déficit nominal do Brasil, que inclui as despesas com juros, deve atingir um pico este ano, batendo em 10,4% do PIB, e depois começar a cair. No ano que vem, o indicador deve recuar para 9,1%, batendo em 7% em 2020 e 6,4% em 2021, número ainda alto comparado com anos anteriores. Entre 2007 e 2013, o déficit nominal ficou na casa dos 2,5%.

No caso das despesas primárias, a projeção do FMI é de déficit de 2,8% do PIB este ano, número que deve ir se reduzindo até se transformar em superávit em 2020. No ano que vem, o déficit primário deve ser de 2,2%, caindo para 1,2% em 2018 e 0,5% em 2019. O último ano que o país teve superávit primário foi em 2013.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGSó pode ter ocorrido um milagre, porque até agora o governo Temer ainda não fez nada, rigorosamente nada, e a economia já estaria saindo da recessão. Daqui a alguns dias, o FMI vai dizer que situação da dívida pública também já está sob controle, por simples osmose. Em outro estudo, que a gente publica daqui a pouco, o FMI anuncia que a dívida pública brasileira é uma bola de neve, comparada a de outros países. Desse jeito, o FMI está querendo disputar o troféu internacional da Piada do Ano. (C.N.)

16 thoughts on “FMI prevê que o Brasil pode voltar a ter superávit primário em 2020

  1. Newton, é preciso saber a verdade sobre a conta de 349 milhões de dólares descoberta nos EEUU em nome de Palocci e de Dilma. Está dito em blogs e no JB. Seria uma festa para os “admiradores????? de Dilma”.

    • Não acredito nisso. Aquino. Dona Dilma é completamente idiota, mas ainda não creio que seja pessoalmente corrupta. No entanto, está comprovado que aceitou e facilitou a corrupção, para irrigar o caixa 2 que a favoreceu.

      Abs.

      CN

  2. Um Governo como o da Presidenta DILMA (68) PT, que perdeu o controle Político no Congresso, a CONFIANÇA do Mercado, e levou a Economia do País a maior Recessão desde 1929, deixa qualquer Governo que lhe siga em muito difícil situação para REVERTER o quadro.

    O Governo TEMER (75) PMDB, seu experiente e competentíssimo Ministro da Fazenda MEIRELLES (70) PSD, estão mostrando que tem apoio Político no Congresso para aprovar LEGISLAÇÃO, estão recuperando a CONFIANÇA do Mercado e revertendo a Recessão, que primeiro tem que ser “Freada” para depois “Acelerar”.

    A meu ver, o prognóstico do FMI está correto, até um pouco conservador. Só lá por 2020 começaremos a ter Superavit Primário, e até lá nosso Endividamento em relação ao PIB continuará crescendo.

    Me parece muito rigorosa a análise de nosso Editor-Moderador, o grande e experiente Jornalista Sr. CARLOS NEWTON, de que o Governo TEMER/MEIRELLES ainda não fez praticamente nada, e a Recessão já estaria acabando.
    O Governo TEMER que assumiu interinamente no meio de Maio, e em 01 Setembro plenamente, controlou o Câmbio que havia batido em 1 US$ Dollar = R$ 4,20, para R$ 3,30,
    preparou as bases para já no mês que vem o COPOM começar a baixar a Tx. Básica SELIC com viés contínuo de Baixa, aprovar a Lei de Repatriação de US$ Dollares no Exterior o que injetará rapidamente mais de US$ 20 Bi na Economia Nacional com potencial de m u i t o mais adiante, outras Legislações, e especialmente a Lei de Teto das Despesas Públicas Federais por 20 Anos, com Balanço de situação aos 10 Anos.
    A partir da aprovação dessa Lei Básica, tudo o mais começará a “deslanchar”.
    Eu não acho isso pouca coisa.

  3. E é claro que os gastos com juros não serão incluídos no teto de gastos, que abrangerá as despesas com custeio, saúde , educação, salário do funcionalismo e benefícios sociais e previdenciários. Leiam o artigo de Antonio Correa de Lacerda ontem no Estadão se quiserem ter uma análise lúcida sobre nossa real situação econômica. Essa política monetária de juros reais mais altos do mundo está resultando no desastre fiscal de queda de 10 % na arrecadação tributária federal e na explosão dos gastos com juros de cerca de R$ 420 bi em 2016 (cerca de 6% do PIB), tudo isso efeito da política monetária conduzida pela autarquia presidida pelo ex acionista do Itaú.

  4. O déficit de R$ 170 bilhões previsto pelo governo interino de Michel Temer para 2016 seria equacionado com folga se os mais de R$ 339 bilhões de impostos sonegados no País desde o início do ano fossem recuperados. É o que revela o Sonegômetro, placar digital criado pelo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz) que foi exposto ontem pela primeira vez em Porto Alegre. O painel, fruto de um estudo da entidade, objetiva chamar a atenção dos brasileiros para os valores astronômicos da sonegação no país.

    A meta fiscal de 2016 terá um déficit primário que representa o terceiro rombo anual seguido nas contas públicas. O resultado primário é a diferença entre receitas e despesas – a maior parte da receita primária é arrecadada com impostos cobrados sobre os grandes industriais e comerciantes. O Sonegômetro demonstra que a recuperação dos créditos inscritos na Dívida Ativa da União – que fechou o ano passado em R$ 1,5 trilhão –, além de conter o déficit, evitaria o aumento dos impostos que recaem sobre a população brasileira.

    O Sinprofaz estima que, dos R$ 339 bilhões registrados pelo Sonegômetro, R$ 271 bilhões, isto é, 80% do total, foram escoados em operações de lavagem de dinheiro. Por isso, ao lado do Sonegômetro, foi instalada a Lavanderia Brasil, máquina de lavar gigante que simboliza os valores sonegados com a lavagem de dinheiro no País. Tanto a Lavanderia Brasil como o Sonegômetro fazem parte da “Campanha Nacional da Justiça Fiscal – Quanto Custa o Brasil pra Você?”, criada pelo sindicato.

  5. Pouco mais de uma década de administração petista e o estrago foi gigantesco. Praticamente destruiram a economia e jogaram no lixo a credibilidade de muitas instituições. Isso tudo não pode ser produto apenas de incompetência. Para realizar uma façanha dessas tem de treinar muito e se especializar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *