Foi péssimo o exemplo do Facebook, diz deputado que coordena debates de fake news

diz que vai atuar para promover mudanças no pacote ...

Orlando Silva critica o Facebook e elogia o procedimento do Twitter

Deu na Folha (Painel)

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), coordenador dos debates na Câmara sobre o projeto que visa combater a disseminação de notícias falsas, o Facebook errou ao não tirar do ar fora do Brasil os perfis de bolsonaristas que são alvos do inquérito das fake news.

“Houve uma decisão de bloqueio das contas no Brasil e essas pessoas mudaram as configurações para burlá-la. Há cumplicidade do Facebook com essas atitudes. Considero desrespeito às autoridades judiciárias”.

PÉSSIMO EXEMPLO “A decisão do Facebook é um péssimo exemplo em um ambiente em que estamos discutindo medidas para combater a desinformação e ódio nas plataformas”, diz.

Na análise de Silva, o projeto de lei tem origem, em parte, no que vê como postura pouco colaborativa das empresas. “O texto votado no Senado [do PL] já traz o desprezo de algumas plataformas com a legislação e as autoridades brasileiras”, afirma o deputado, que elogia o Twitter e diz que a plataforma teve postura correta ao bloquear enquanto recorre.

NECESSIDADEPara o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), a decisão do Facebook de não cumprir a ordem de Moraes “fortalece o debate” sobre o projeto de lei. “Com a nova lei todos precisarão respeitar lei brasileira, inclusive as plataformas”, afirmou ao Painel.

Para o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), um dos autores do projeto de lei, as reações das plataformas são coerentes com as respectivas estratégias no combate às fake news. “O Twitter avança mais no combate à desinformação. O Facebook tem uma postura claramente omissa, e é intencional, pois ganha muito dinheiro com isso. Quanto menos regulado for, melhor para eles.”

Um dos debates na Câmara sobre o projeto trata da necessidade de guarda dos dados de usuários no Brasil (data localization) ou, ao menos, que as empresas deem acesso remoto aos dados em seus servidores localizados fora do país.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Na verdade, o todo-poderoso Facebook acabou pagando um mico internacional. A firmeza do relator Alexandre de Moraes, que tem apoio de nove dos outros dez ministros do Supremo, colocou o Facebook de calças na mão, como se dizia antigamente.(C.N.)

15 thoughts on “Foi péssimo o exemplo do Facebook, diz deputado que coordena debates de fake news

  1. Outrora, dizia-se que o Dicionário Aurélio era o ‘”pai dos burros”. Com o advento da Internet, a Google assumia a paternidade de quatro patas.
    Desse modo, se os concorrentes quiserem quebrar a Google, basta orientar todos os filhotes dela a entrarem com pedidos de Pensão Alimentícia. Mesmo que a moeda de pagamento seja capim, será o suficiente para deixar a mega multinacional combalida!

  2. Profundamente decepcionado com o Sr. CN que vem aplaudindo esse inquérito ilegal. A decisão do Min. Moraes é mais uma ilegalidade em um processo crivado por ilegalidades.
    Quem vem pagando um enorme mico internacional é o STF e a mídia brasileira.
    Repito aqui a pergunta do Gabeira ao imbecil Felipe Neto, pode a justiça das Filipinas fechar páginas hospedadas no Brasil? Oras então se um juiz lá na Espanha ordenar o fechamento da Tribuna da Internet, então o provedor onde a TI está hospedada deverá obedecer?
    No afã de ser contra o Bolsonaro a mídia e o Sr. CN vem aplaudindo o nascimento de um monstro que logo, logo, se voltará contra eles mesmos. A Crusoé já foi vítima dessa loucura, não tenham dúvidas que outros serão. E aí Sr. CN não terá poderá reclamar de nada.

      • Considera-se praticado o crime no tempo da ação ainda que noutro momento ocorra o resultado (artigo 4º Código Penal)
        Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria se produzir o resultado (artigo 6º do Código Penal)

        • No direito penal não há punição fora do território, exceto em juridição estendida (dentro de navios militares).
          A constituição ou lei brasileira não pode obrigar outro país a se submeter a ela se não houver reciprocidade firmada em tratado de cooperação.

    • Sr. Jad Bal Ja,
      Jamais a Tribuna da Imprensa será fechada.
      Sabe porque?
      Porque aqui não se propalam notícias falsas.
      Pelo contrário, aqui se combatem o tempo inteiro.
      Liberdade de expressão, não é disseminar mentiras ou assassinar reputações.
      Isso tem que acabar!
      E, vai acabar!
      Pense nisso.
      Despeço-me cordialmente.

      • Não seja tolinho, vc realmente acredita que o STF está interessado em acabar com as acusações “falsas”? Eles querem é silenciar as acusações verdadeiras. E mesmo que eu acreditasse nessa santidade dos ministros e políticos, isso justificai STF criar um inquérito ilegal e inconstitucional? Deixem de ser cegos.

    • Se a empresa de hospedagem no Brasil tiver sede nas Filipinas pode.
      Para começar, pega o funcionário representante da empresa e leve numa condução coercitiva.
      Caso não consiga cooperação, prenda-o.

  3. No primeiro mundo o Facebook auxilia e coopera com as autoridades.
    Aqui no Brasil, quintal dos EUA, só interessa à plataforma ter mais e mais usuários e curtidas.

  4. Vamos colocar a discussão o que seriam as tais fake news, vejamos um texto do senhor Carlos Newton:

    “Por coincidência, é claro, tudo começou exatamente depois que os dirigentes dos três Poderes (Dias Toffoli, Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre), em maio de 2019, acertaram o sinistro pacto de proteção mútua contra a Lava Jato, o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e a Receita Federal.”

    Eu não duvido em nada deste pacto, mas o CN tem provas dele? Tem alguma gravação? Algo assinado? Uma testemunha que abra a boca? Que prova ele tem que isso seja verdade? O Sr. CN esta fazendo uma acusação grave, sem provas, isso é fake news? Uma verdade que não pode ser provada é mentira? Quem vai estabelecer que uma acusação é verdadeira ou falsa sem provas?
    E se o STF mandar o blog apresentar provas ou se calar? O que o CN vai fazer? Vai reclamar com quem?
    Continuem dando corda as ilegalidades do STF acreditando que estas se justificam em nome de um “bem maior” e verão onde isso vai dar, mas lembre-se que uma vez dado poder absoluto a alguém, vc não o toma de volta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *