“Foi uma foto infeliz”, diz o juiz Moro sobre o flagrante junto a Aécio Neves

Na foto, Moro parece estar contando uma piada ao senador

Deu na Folha
(Deutsche Welle)

Entre aplausos e vaias, o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, afirmou em palestra em Heidelberg, na Alemanha, nesta sexta-feira (9), que as investigações sobre desvios de recursos da Petrobras são imparciais e não sofrem influência de interesses políticos. Questionado pela DW Brasil sobre a criticada foto em que aparece rindo ao lado do senador Aécio Neves (PSDB-MG) durante a premiação “Brasileiros do Ano de 2016”, da revista “IstoÉ”, Moro afirmou que o político não está sob sua jurisdição.

“Foi um evento público, e o senador não está sob investigação da Justiça Federal de Curitiba. Foi uma foto infeliz, mas não há nenhum caso envolvendo ele”, disse.

FOCO NA PETROBRAS – Aécio Neves, um dos políticos mais citados nas recentes delações de executivos da Odebrecht e de funcionários da Andrade Gutierrez, teria recebido propina de Furnas, estatal do setor elétrico.

Moro destacou que as investigações estão focadas na Petrobras e, por isso, é natural que políticos da oposição não apareçam. “Se o crime é provado, haverá consequências. O PTB, o Solidariedade, PP e PT aparecem nas investigações, então não posso ver onde está a parcialidade na condução das investigações”, disse.

Ele evitou comentar a notícia de que a Odebrecht teria pago caixa 2 ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), nas campanhas eleitorais de 2010 e 2014. “Casos envolvendo políticos são encaminhados ao Supremo”, argumentou.

PROCESSO LEGAL – O juiz disse discordar “totalmente” das críticas de que o processo legal não tem sido cumprido na Lava Jato. “A operação não é uma bruxa caçadora”, justificou ao dizer que não “joga com a política”. “Nenhuma prisão aconteceu com base em opiniões políticas, mas em evidências de que crimes foram cometidos.”

Para Moro, a Lava Jato dá ao Brasil a oportunidade de superar a “prática vergonhosa” de pagamento de propinas. “Há uma profunda erosão na confiança na democracia”, afirmou. “A Lava Jato revela que muito pode ser feito para combater a corrupção sistêmica.”

O juiz federal declarou que o Executivo e Legislativo precisam implementar políticas para combater a corrupção. Ao setor privado cabe implementar meios de controle interno para acabar com a “regra do jogo” do setor público, guiada pelo pagamento de propinas.

PROTESTOS – Um grupo de cerca de 30 juristas e acadêmicos enviou uma carta à Universidade de Heidelberg argumentando que Moro não tem credibilidade para discursar sobre combate à corrupção no Brasil, por ser “parcial” em favor de partidos como PSDB e PMDB.

“O juiz federal Sergio Moro incorreu em posturas as quais foram determinantes para o clima político de derrubada de um governo legítimo servindo, desta forma, aos piores interesses antidemocráticos”, diz o texto, em referência ao vazamento de uma escuta telefônica entre a então presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no período de crise pré-impeachment.

No auditório da universidade, brasileiros levantaram cartazes com dizeres “Moro na cadeia” e “parcialidade fere a democracia”. Outros gritavam “Moro, meu herói”. Os grupos trocaram insultos.

ÁUDIO DE LULA – Perguntado por uma pessoa na plateia por que divulgou os áudios de escutas telefônicas de Dilma, Moro afirmou que as pessoas têm o direito de saber o que seus governantes fazem.

“É estranho que numa democracia as pessoas reclamem de uma revelação como essa. Desde o início das investigações decidimos que não iríamos esconder nenhuma informação do público”, declarou ao ressaltar que a atitude “não foi uma exceção à regra”.

Moro não quis comentar a crise entre o Legislativo e o Supremo Tribunal Federal (STF) instalada nesta semana após o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se negar a se afastar do cargo depois de determinação do ministro Marco Aurélio Mello.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEm tradução simultânea, somente o fato de ter comentado que “foi uma foto infeliz” já denota que Moro tem um visão negativa em relação a Aécio Neves. (C.N.)

62 thoughts on ““Foi uma foto infeliz”, diz o juiz Moro sobre o flagrante junto a Aécio Neves

  1. Foi uma DESCULPA infeliz.
    Duvido que ele se deixasse fotografar assim ao lado de outros políticos.
    Seu sorriso e seu estado tão à vontade sinaliza, no mínimo, a simpatia de Moro pelo senador mineiro.

    Fiquei decepcionada.

  2. Armação! Daqui a pouco vamos saber que estava comungado com os EUA , em troca de entregar nossas empresas, sem precisar dar um tiro sequer, como fizeram com Iraque e Afeganistão, nossos políticos fazem o serviço sujo entregando a nação. Pobre Brasil, descoberto por saqueadores e governado até hoje por eles.

  3. “Temer decidiu… esperar, claro (O Antagonista)

    Brasil 10.12.16 13:31

    Os assessores de Michel Temer se esforçam para espalhar a versão de que o Planalto apenas acompanha o desenrolar das delações da Odebrecht.

    A ordem é “esperar a poeira baixar”, informa o Estadão.

    O real motivo para ficar na moita é diverso, revelado por outro interlocutor do presidente: “A gente não conhece ainda o que virá depois”.”

  4. Não vejo nada que não seja fuxico. O juiz Moro era a estrela da festa. Seria deselegante que ficasse fechado. Não podia ser diferente. Foi um evento público. Isso seria suspeito se fosse na casa do Aécio, por exemplo. Mas não foi. Uma imagem sozinha não fala tudo das coisas. Claro que pela foto ele estava à vontade, mas quem não estaria? Quem não gosta de ser admirado? Quem não gosta de ter seu trabalho reconhecido?
    Além do mais, essa gente poderosa não se encontra sob a ossada do Moro não. Essa gente aí Moro nem trisca, pois essa gente tem foro privilegiado. Vamos com calma, pessoal.

  5. Se alguém tinha dúvidas quanto á Réu-pública Imparcial de Curitiba, a foto do Super-Juiz e a permanência no recinto com vários entubados, enlatados, delatados ladrões e corruptos do Partideco da Rainha da corrupção, á duvida foi esclarecida….

    Como dizia Dona hebe e o Sr. Paulo,
    “Inimigo do meu Inimigo é meu Amigo””

    Vive La France.!!!!!

  6. Para fechar o sabadão com chave de ouro, vou publicar uma frase do nosso querido Velho Sábio Chinês que dizia há mais de 300.000 mil anos atrás, CãoFúncio……

    “Uma imagem vale mais que mil palavras”

  7. Foi escrito em 2007, pelo jornalista Beto Trajano, mas que serve para os atacantes do blog, hoje e sempre:

    “Não sou igual a você

    Topar de cara com realidades e ideologias diferentes da sua é algo estranho para qualquer pessoa. Nem sempre pode ser bom, mas sempre trará algum benefício. Crescer com as divergências, poder conhecer e aceitar diferentes formas de pensamento, ideologias e costumes é um grande desafio para o ser humano.

    Saber que ao seu lado tem uma pessoa que pensa diferente de você e faz coisas que você não faz e vive outras realidades que nada tem a ver com a sua desperta emoções inesperadas em qualquer pessoa. Pode ser alegria, raiva, tristeza, amor etc. Não é possível prever como receberemos uma diferente forma de viver.

    O que vale a pena quando o seu grupo entra em choque com outro grupo? Brigar, discutir, partir para a agressão – isso é fácil. Difícil mesmo é aceitar a ideia do outro e saber que, assim como você, o outro tem seus costumes, suas crenças e comportamentos e que ele vai defendê-los, assim como você defende os seus. Difícil é viver em paz com o vizinho totalmente diferente de você.

    Se todos fossem iguais, a vida seria muito sem graça. Olhar para o lado e não ver nada diferente seria muito ruim. É um desafio para o ser humano conviver pacificamente com as diferentes formas de viver. Será que você consegue?”

    Não sou nenhum Virgilio, Bendl, Cesar, Dr. Béja. o editor do blog, Carlos Newton, e outros que deixo de citar, que têm o verbo fácil, por isso faço das palavras do jornalista Beto Trajano, as minhas.

    E não vou responder mais nada a respeito. Vai perder tempo quem quiser continuar me atacando.

  8. POR QUÊ O CUSTODIADO SERGIO CABRAL FOI PARAR NA PRISÃO DA LAVA JATO? Por que seu parente Aécio Neves fez pedido ao pé do ouvido ao juiz Sergio Moro. Sergio Cabral é casado com uma prima de Aécio. E pode ter “ajudado” Aécio em alguma coisa. Aécio amiguinho de Moro não custa nada pedir para proteger seu primo. Só o tempo dirá se o que pensamos é verdade ou não. O certo não era Cabral ir para Curitiba. Tinha que ficar preso aqui.no Rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *