Frederick Wassef trouxe US$ 2 milhões do exterior, aponta relatório do Coaf

Wassef diz que contas bancárias e pagamentos são legais e declarados 

Juliana Dal Piva
O Globo

Um relatório Conselho do Controle de Atividades Financeiras (Coaf), obtido pelo O Globo, aponta que o advogado Frederick Wassef, que começou a atuar na representação da família Bolsonaro no fim de 2018, enviou de uma conta dos EUA US$ 2 milhões no ano de 2016 para suas contas pessoais no Brasil. O documento foi enviado para o Ministério Público Federal (MPF) no Rio, Ministério Público do Rio (MP-RJ) e para a Polícia Federal em 15 de julho.

O relatório do Coaf afirma que Wassef foi “objeto de comunicações de operações suspeitas” e depois descreve que, entre julho de 2015 e junho de 2020, “os créditos no período totalizaram R$ 14 milhões” em duas contas correntes das quais ele é titular. Em seguida, o documento cita que os créditos no período  foram “oriundos principalmente de Bruna Boner Leo Silva e de duas operações de câmbio (ingresso de recursos) oriundos do Wells Fargo Bank N.A nos EUA no valor de US$ 1.000.000,00 cada realizado entre 26/09/2016 e 23/11/2016”.

“LEGAIS E DECLARADAS” – O relatório cita ainda que “de acordo com dados das informações de operação de câmbio do Bacen (…) o remetente foi o próprio Frederick Wassef”. O Coaf não menciona se a conta no exterior foi declarada ou não. Procurado, o advogado disse que suas “contas bancárias e pagamentos recebidos são legais e declarados à Receita Federal e todos impostos foram pagos”. Além disso, ele informou que “jamais existiu qualquer movimentação financeira atípica” em sua conta. Wassef não respondeu o motivo das transações.

Como O Globo revelou esta semana, o documento aponta ainda que, ao todo, desde agosto de 2018, Bruna Boner Leo Silva, ex-enteada de Wassef, enviou valores para a conta dele que “totalizaram R$ 3.259.822,47 realizados por meio de 19 transações” até 2020. No período em que já atuava nos bastidores como advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), de 5 de dezembro de 2018 até 11 de fevereiro de 2020, Wassef recebeu de Bruna um total de R$ 2.374.688,88. Foram oito transferências, quase sempre no início do mês, de R$ 109,3 mil e, duas maiores em fevereiro deste ano, de mais R$ 1,5 milhão.

CRÉDITOS – No relatório, o Coaf registra ainda que “os dois créditos com total de R$ 1,5 milhão, realizados nos dias 10 e 11 de fevereiro de 2020, informados acima foram amparados após o recebimento de recursos da Globalweb Outsourcing do Brasil Ltda, empresa da qual Bruna Boner Leo Silva é sócia”. Bruna é filha de Maria Cristina Boner Leo, ex-mulher de Wassef, além de fundadora e presidente do Conselho de Administração da Globalweb.

Além disso, nas contas do escritório de advocacia de Frederick Wassef, também foi registrado um pagamento de R$ 1,04 milhão da empresa Globalweb e outro para a empresa Maisdoisx Tecnologia em Dobro, que pertence à holding da Globalweb, no total de R$ 1,070 milhão no período que o relatório do Coaf abrange, de 2015 a 2020.

O relatório aponta ainda que a conta do escritório foi abastecida em R$ 2,1 milhões pela Computsoftware Informatica, empresa que vendeu uma Land Rover preta modelo 2009/2010 para o presidente Jair Bolsonaro em 2015. A empresa Computsoftware também teve Maria Cristina Boner como sócia até pouco tempo atrás.

EMPRÉSTIMO – Wassef alegou ao O Globo que os repasses de Bruna foram o pagamento de um empréstimo. Já os valores recebidos por seu escritório de advocacia seriam referentes também a pagamentos de honorários e empréstimos. Bruna e Maria Cristina Boner disseram que não vão comentar transações privadas. A Globalweb informou, por nota, que Wassef atuou para a empresa há cinco anos.

Próximo da família Bolsonaro ao menos desde 2014, Wassef entrou na mira do Coaf após a operação “Anjo” do Ministério Público do Rio que prendeu o ex-assessor Fabrício Queiroz em uma casa pertencente ao advogado em Atibaia, no interior de São Paulo. Wassef defendia o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na investigação do esquema de “rachadinha” e também se apresentava como advogado de Jair Bolsonaro.

DESPESA MÉDICA – O Globo revelou também que Frederick Wassef fez um pagamento de R$ 10,2 mil para o urologista Wladimir Alfer que atende no Hospital Albert Einstein em São Paulo. Alfer foi o primeiro médico a atender Fabrício Queiroz na unidade, em dezembro de 2018, quando ele iniciou uma série de exames para o tratamento de câncer no intestino. Wassef disse que o pagamento ocorreu em um atendimento para ele em setembro do ano passado

###
ÍNTEGRA DA NOTA DE FREDERICK WASSEF

“Todas as minhas contas bancárias e pagamentos recebidos são legais e declarados à Receita Federal e todos impostos foram pagos. Jamais existiu qualquer movimentação financeira atípica em minha conta. Sou vítima de quebra de sigilo bancário e fiscal ilegal e criminoso sem autorização judicial. Membros do Coaf devassaram minhas contas e sigilo bancário a pedido informal, secreto e ilegal de promotores cariocas que querem investigar o caso Queiroz por via transversa e ilegal. Vão se decepcionar pois não vão encontrar nem uma irregularidade em minha vida. Fui aprovado pelo compliance de todos os bancos e clientes. Esta exposição criminosa de minha vida privada e sigilo bancário será meu compliance público e salvo conduto pois não irão encontrar nada de errado. Vou denunciar estes crimes na corregedoria do Coas, Polícia Federal, CNMP. O Coaf enviou tudo para o Rio de Janeiro pois lá já está tudo orquestrado com autoridades cariocas que vão fazer um trabalho direcionado e parcial contra mim e sob ordens do governo e políticos. Esta fraude e armação e para tentar atingir a família Bolsonaro. E uma guerra política suja e já estou esperando todas as maldades e ilegalidades. E também estão vazando criminosamente a conta gotas meu sigilo bancário para o Globo e imprensa para fazerem matérias diárias contra mim e com distorção de informações além de dados omitidos para induzir em erro a todos. Não sou do Rio e nao tenho nada a ver com o Rio. Deveriam ter mandado as informações para meu estado de origem e não fizeram de propósito pois no Rio está tudo armado”.

5 thoughts on “Frederick Wassef trouxe US$ 2 milhões do exterior, aponta relatório do Coaf

  1. Frederick Wassef trouxe US$ 2 milhões do exterior, aponta relatório do Coaf.

    No câmbio de hoje dá quase 12 milhões de contos de réis, nem faz cócegas nos 15,00 contos que metade da população (105 milhões) sobrevive por dia neste Páis de Corruptos.
    Perguntar não ofende.

    Cadê a Receita Federal.??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *