Freio de arrumação no PMDB

Carlos Chagas

A presidente Dilma decidiu encarar o PMDB, rejeitando a imediata nomeação do senador Vital do Rego para o lugar de Fernando Bezerra, que renunciou ao ministério da Integração Nacional depois de o  PSB haver desembarcado do governo.  A decisão foi comunicada ao vice-presidente Michel Temer, que não abandonou a pretensão e  alertou  as bancadas do partido para conterem qualquer reação.  A designação do secretário-geral do ministério, um técnico mas também filiado ao PSB , irritou deputados e senadores do maior partido nacional, que contavam ocupar esse novo  espaço na administração federal.

O movimento feito pela presidente no tabuleiro da Esplanada dos Ministérios pode constituir o  prenúncio de polêmicas mudanças. No final do ano ou no máximo em janeiro, deverão ser demitidos  entre 12 e 16 ministros, candidatos às eleições de outubro. Que critérios serão adotados para a escolha de seus substitutos? Dilma continuará privilegiando os partidos de sua base parlamentar? Ou promoverá os secretários-gerais? Aproveitará para compor o ministério de seus sonhos, sem políticos, indicando os técnicos mais habilitados? Mas sendo candidata à reeleição, arriscar-se-á a perder apoio partidário?

Muitas variáveis pairam sobre o palácio do Planalto, mas um fator prevalece agora: o PMDB não manda e nem pode tanto no governo quanto seus dirigentes imaginavam. Levou um freio de arrumação.

AS MEDALHAS E A FELIZ DISPUTA

Poucos  conhecem as historinhas que merecem ser repetidas. Visitava o Brasil a  Rainha Elizabeth II, com o Príncipe Phillip  a tiracolo. Em Brasília, o casal compareceu a uma recepção de gala, no palácio da Alvorada, já que o ministério das Relações Exteriores  ainda não tinha sido inaugurado. Todo mundo de casaca e condecorações. O mal educado consorte, sempre adiantado três ou quatro doses de uísque, foi apresentado ao chefe do Gabinete Militar do presidente Costa e Silva.  De primeiro uniforme, carregado de medalhas, o general Jaime Portella mais parecia uma árvore de natal. Grosso, o inglês indagou maliciosamente: “todas essas medalhas, o senhor ganhou na guerra?” Resposta pronta de Portella: “Ganhei por merecimento. E as suas, o senhor ganhou na cama?”

No Rio, a Rainha foi ao estádio do Maracanã. Era um domingo de Fla-Flu, as arquibancadas lotadíssimas. Fazendo as vezes de anfitrião, na tribuna de honra,  o governador Negrão de Lima  ouviu trágica  pergunta da ilustre convidada, que queria saber o significado daquele imenso coro popular iniciado quando o juiz marcou uma falta contra o Flamengo. A velha raposa mineira respondeu na hora: “É uma saudação do público  ao juiz e aos jogadores. Estão gritando “Feliz Disputa! Feliz Disputa!”

 

 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “Freio de arrumação no PMDB

  1. Uma coisa mudou, o PMDB não tem mais a opção de apoiar o gov. Eduardo Campos, além do mais parece que Aécio vai ter que desistir da sua candidatura…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *