Futuro chanceler vê o marxismo “em toda parte” e promete libertar o Itamaraty

Resultado de imagem para ernesto araujo charges

Charge do Aroeira (Portal de O Dia / RJ)

Rodrigo Turrer
Estadão

O futuro ministro das Relações Exteriores do governo Jair Bolsonaro, Ernesto Araújo, escreveu em artigo publicado na segunda-feira no jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, que vai “acabar com a ideologia em política externa”, e que o presidente eleito confiou a ele a missão de “libertar o Itamaraty” do “marxismo cultural”.

O novo chanceler afirma que pautará sua atuação pelo combate a políticas que compactuam com o que classifica como “alarmismo climático”, “pautas abortistas e anticristãs em foros multilaterais” e a “destruição da identidade dos povos por meio da imigração ilimitada”.

MARXISMO CULTURAL – Araújo diz que para “extirpar das relações internacionais brasileiras a ideologia do PT”, é preciso combater o “marxismo cultural”, que busca controlar não mais os meios de produção material, mas de produção intelectual. “Quando me posiciono contra a ideologia de gênero, contra o materialismo, contra o cerceamento da liberdade de pensar e falar, você me chama de maluco. Mas se isso não é o marxismo, com estes e outros de seus muitos desdobramentos, então qual é a ideologia que você quer extirpar da política externa?”, pergunta ao leitor.

No começo do texto, Araújo diz que “parte da imprensa e dos colegas diplomatas” esperava que Bolsonaro escolhesse um chanceler que mantivesse a política externa em uma torre de marfim, “sob a desculpa de que a política externa é algo demasiado técnico para ser entendido por um simples presidente da República, muito menos por seus eleitores”. Alguém que “saísse pelo mundo pedindo desculpas”, alguém responsável por “frear o ímpeto de regeneração nacional”.

Para o futuro chanceler, no entanto, a nova política externa precisa traduzir a “sagrada voz do povo”, entendida como a voz do presidente eleito. Essa voz, segundo Araújo, deve ser autêntica e não “dublada no idioma da ONU, onde é impossível traduzir palavras como amor, fé e patriotismo”.

ANTIGLOBALISTA – Adotando o discurso “antiglobalista”, Araújo diz que “em uma democracia, a vontade do povo deve penetrar em todas as políticas”, mas que a “mídia” e a burocracia globalista “que gostam tanto de falar em democracia, não sabem disso. Perguntam-se, assustadas: ‘O que vão pensar de mim os funcionários da ONU, o que vai dizer de mim o New York Times, o que vai dizer The Guardian, Le Monde?’”, escreveu o embaixador.

O futuro ministro defende que o País precisa de “alguém que entenda de ideologia” para acabar com ela no Itamaraty, ao reconhecer suas “causas, manifestações, estratégias e disfarces”. “Vencida na economia, a ideologia marxista, nas últimas décadas, penetrou insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte”, afirma. “Se você repudia a ‘ideologia do PT’, mas não sabe o que ela é, desculpe, mas você não está capacitado para combatê-la e retirá-la do Itamaraty ou de onde quer que seja. Ao contrário, você está ajudando a perpetuá-la sob novas formas.”

PRAGMATISMO? – Por fim, Araújo diz que estudou os intelectuais marxistas para poder combatê-los. Segundo ele, não basta dizer “não existe mais ideologia no Itamaraty”.

“Ou basta pronunciar ‘pragmatismo’ como uma palavra mágica que se instalará sozinha? Gramsci, Lukács, Kojève, Adorno, Marcuse estão rindo da sua cara. Ou melhor, não estão rindo, porque marxista não tem senso de humor”, finaliza Araújo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Todo extremista é ridículo e patético, pois se comporta como torcedor de futebol ou fanático religioso. Este futuro chanceler é tão extremista que chego a temer pela saúde mental dele. Antes de escrever e revelar o que tem na cabeça, ele deveria ter tomado o remedinho e pedido instruções ao psiquiatra. O ilustre diplomata diz que vê o marxismo “em toda parte”. Ou seja, está a merecer uma dose forte de Haldol. (C.N.)

30 thoughts on “Futuro chanceler vê o marxismo “em toda parte” e promete libertar o Itamaraty

  1. Marxismo é uma religião (socialismo) e como tal estabelece o cismático e o herege, o pecado e o pecador, o “bem” e o “mal” . Portanto quem dela não comunga geralmente é eliminado física (dezenas de milhões o foram onde essa doença se instalou) ou moralmente.
    É um câncer incurável de fácil contaminação.
    Um produto da mente humana que contraria a natureza e portanto está sempre em conflito com ela, com consequências trágicas para a humanidade.

    “O diabo empalidece comparado a quem dispõe de uma verdade, de sua verdade. Somos injustos com os Neros ou com os Tibérios: eles não inventaram o conceito de herético: foram apenas sonhadores degenerados que se divertiam com os massacres. Os verdadeiros criminosos são os que estabelecem uma ortodoxia no plano religioso ou político, os que distinguem entre o fiel e o cismático.”
    CIORAN

  2. A esquerda entranhada nas redações está perplexa e não sabe reagir.

    Em vez do debate, prefere o insulto. Não rebate com argumentos o que o Ministro diz.

    Infelizmente esse é o caso do Editor deste site que apenas se limita a chamar o Chanceler de extremista, ridículo, patético, fanático e doido sem rebater nenhuma de suas afirmações e demostrar que ele é isso tudo.

    Seria muito útil para todos nós que discutimos ideias se alguém da esquerda (ou mesmo da direita) aceitasse debater com Araujo ou mesmo com Olavo de Carvalho.

    O Olavo de Carvalho vive desafiando a elite intelectual marxista para debater com ele mas ninguém nunca aceitou. Por que será?

    • É isso aí Denisar, concordo plenamente e acrescento, já destruiu dezenas de países desde 1917 e assassinou dezenas de milhões de pessoas e ainda hoje desgraça Cuba e Venezuela bem aqui pertinho de nós.

  3. Quando o PT reinava soberano como se o mundo não existisse fora de si, as críticas a este partido, suas ideias, sua ideologia travestida de democracia, sua inserção em órgãos estatais, ONGs, um universo infiltrado de fazer inveja, assistia-se uma crítica aqui, outra acolá, nada cabeluda.

    Quando aparece alguém que dá nome aos bois, basta algumas declarações e parece que nada escapa ao nome escolhido pelo presidente eleito para isso sim, fazer um limpa e colocar a casa em ordem.

    É fanático, extremista, basta escrever qualquer coisa — e confesso que já lera alguns de seus artigos em METAPOLITICA 17 — e já é tido como destruidor de tudo o que está pela frente.

    Enquanto o PT assistia milhões de venezuelanos serem expulsos de seu próprio país, ditador e sucessor faziam e mandavam, a fome grassava, muito se davam os críticos.

    Por minha conta darei 100 dias de graça para este representante do governo brasileiro ‘lá fora’.

    Por enquanto o que há são críticas de ‘santo-de-pau-oco’. Não valem um tostão.

  4. NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Todo extremista é ridículo e patético, pois se comporta como torcedor de futebol ou fanático religioso. Este futuro chanceler é tão extremista que chego a temer pela saúde mental dele. Antes de escrever e revelar o que tem na cabeça, ele deveria ter tomado o remedinho e pedido instruções ao psiquiatra. O ilustre diplomata diz que vê o marxismo “em toda parte”. Ou seja, está a merecer uma dose forte de Haldol. (C.N.). CCNN ESTÁ SE OLHANDO NO ESPELHO!

  5. Não vejo extremismo em exercer política sem ideologia. Quanto mais leio o que o chanceler fala, mais concordo com ele.
    Aliás, CN, quando se trata dele, acho que você tomou birra e está sendo radical!
    O que tenho visto até agora , na composição do novo governo, é uma total reestruturacao, não indo para o outro extremo mas aniquilando as premissas retrógradas dos governos anteriores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *