Fux desfaz ilusões de Bolsonaro e diz que Forças Armadas não são ‘poder moderador’

Ministros do STF querem levar liminar de Fux a Plenário - Tribuna ...

Na liminar, o ministro Luiz Fux deu uma grande aula de Direito

Fernanda Vivas e Márcio Falcão
TV Globo — Brasília

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma liminar (decisão provisória) nesta sexta-feira (12) fixando que as Forças Armadas não atuam como poder moderador em um eventual conflito entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

A decisão do ministro atende a um pedido do PDT, que apresentou ação na última quarta-feira (10) questionando pontos de leis complementares que tratam da atuação das Forças Armadas. Estas leis definem as Forças Armadas e explicitam a atuação delas na “garantia dos poderes constitucionais”.

QUATRO ATRIBUIÇÕES – A decisão de Fux explicita quatro atribuições das Forças Armadas:

  1. Missão institucional das Forças Armadas na defesa da Pátria, na garantia dos poderes constitucionais e na garantia da lei e da ordem não acomoda o exercício de poder moderador entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário;
  2. A chefia das Forças Armadas é poder limitado, excluindo-se qualquer interpretação que permita sua utilização para indevidas intromissões no independente funcionamento dos outros Poderes, relacionando-se a autoridade sobre as Forças Armadas às competências materiais atribuídas pela Constituição ao Presidente da República
  3. A prerrogativa do Presidente da República de autorizar o emprego das Forças Armadas, por iniciativa própria ou em atendimento a pedido manifestado por quaisquer dos outros poderes constitucionais – por intermédio dos Presidentes do Supremo Tribunal Federal, do Senado Federal ou da Câmara dos Deputados –, não pode ser exercida contra os próprios Poderes entre si;
  4. O emprego das Forças Armadas para a “garantia da lei e da ordem”, embora não se limite às hipóteses de intervenção federal, de estados de defesa e de estado sítio, presta-se ao excepcional enfrentamento de grave e concreta violação à segurança pública interna, em caráter subsidiário, após o esgotamento dos mecanismos ordinários e preferenciais de preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, mediante a atuação colaborativa das instituições estatais e sujeita ao controle permanente dos demais poderes, na forma da Constituição e da lei.

PODERES DO PRESIDENTE – “Convém ressaltar, ainda, que a interpretação conforme que ora se concede ao verbete não reduz nem amplia os poderes constitucionais do Presidente da República”, afirmou o ministro.

Em sua decisão, Fux ressaltou que não está limitando nem ampliando os poderes do presidente mas apenas explicando. “Uma vez fixado que (i) o presidente da República, como autoridade maior das Forças Armadas, exerce o poder de supervisão administrativo-orçamentária desse ramo estatal, e que (ii) o presidente da República e os demais chefes de poder não podem empregar as Forças Armadas para o exercício de tarefas não expressamente previstas na Constituição, não há razão jurídica para reduzir-lhe a prerrogativa constitucional expressa”, escreveu.

DISCRICIONARIDADE – O ministro negou o pedido de restringir o uso das Forças Armadas a estado de sítio, defesa e intervenção nos estados. “Não se está aqui a reduzir o espaço de discricionaridade política e administrativa do Chefe do Executivo nacional. Pelo contrário, a medida aqui concedida tem caráter meramente explicativo, na medida em que reafirma cláusula elementar de qualquer Estado Democrático de Direito: a supremacia da Constituição sobre todos os cidadãos, inclusive os agentes estatais, como mecanismo de coordenação, de estabilização e de racionalização do exercício do poder político no ambiente naturalmente competitivo de uma democracia plural”, escreveu.

Em sua decisão, o ministro Luiz Fux analisou o trecho de uma lei de 1999 que detalha o emprego das Forças Armadas. A norma prevê que as Forças Armadas são “instituições nacionais permanentes e regulares”, “organizadas com base na hierarquia e disciplina e sob autoridade suprema do Presidente da República”.

SEM SOBREPOSIÇÃO – No entendimento do ministro, a expressão “autoridade suprema” deve não deve ser interpretada como uma sobreposição a outros poderes. Fux ressaltou que nenhuma autoridade está acima das demais e da Constituição.

“Deveras, a ‘autoridade suprema’ sobre as Forças Armadas conferida ao Presidente da República correlaciona-se às balizas de hierarquia e de disciplina que informam a conduta militar”, afirmou.

Segundo ele, isso “não se sobrepõe à separação e à harmonia entre os Poderes, cujo funcionamento livre e independente fundamenta a democracia constitucional, no âmbito da qual nenhuma autoridade está acima das demais ou fora do alcance da Constituição”.

“AUTORIDADE SUPREMA” – Para o ministro, “descabe conceder à expressão ‘autoridade suprema’ interpretação que exorbite o exercício circunstanciado, por parte do Presidente da República, de suas próprias responsabilidades constitucionais, sempre sob o controle e, quando cabível, sob a autorização dos demais Poderes”.

“Impõe-se, assim, reconhecer que, em um Estado Democrático de Direito, nenhum agente estatal, inclusive o Presidente da República, dispõe de poderes extraconstitucionais ou anticonstitucionais, ainda que em momentos de crise, qualquer que seja a sua natureza. A Constituição bem tratou de definir os limites rígidos de atuação dos poderes estatais, seja em períodos de normalidade institucional, seja em períodos extraordinários. Destarte, todo e qualquer exercício de poder político deve encontrar validade na Constituição e nela se justificar”, acrescentou.

ARTIGO 142 – A lei de 1999 também regulamenta o artigo 142 da Constituição. Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro invocam o artigo 142 como argumento para uma intervenção militar, reivindicada em faixas de manifestantes de atos pró-governo. Essa interpretação é rechaçada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pela Câmara dos Deputados, por juristas, especialistas e ministros do STF.

O artigo 142 regulamenta a competência das Forças Armadas, mas não autoriza intervenção militar. Textualmente, diz o seguinte: “Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

OUTROS PONTOS – O ministro afirmou que a missão institucional das Forças Armadas coincide inicialmente com a preservação da soberania do Brasil frente à ameaças externas. Mas ressaltou que “isso não significa, porém, que a atribuição constitucional se restrinja à intervenção federal e aos estados de defesa e de sítio”.

“A República Federativa do Brasil se fundamenta na soberania e alicerça suas relações internacionais em diversos princípios, como a independência nacional, a defesa da paz e a igualdade entre os Estados. A defesa da Pátria de que trata o artigo 142 inscreve-se na proteção material da soberania brasileira, mas compreende quaisquer medidas que a lei permitir para a proteção dos interesses da República Federativa do Brasil. Nesse ponto, tais medidas não se iniciam nem se esgotam nas hipóteses excepcionais de intervenção, de estado de defesa e de estado de sítio. Pelo contrário, há uma miríade de possibilidades de atuação prévia das Forças Armadas para a proteção das faixas de fronteiras, dos espaços aéreos e marítimos, inclusive em períodos de paz.”

PODERES LIMITADOS – Fux também considerou que tanto em cenários de “normalidade institucional como em cenários extremos de guerra”, os poderes do presidente da República sobre as Forças Armadas não são absolutos.

“Destaque-se que, tanto nos cenários de normalidade institucional como em cenários extremos de guerra e defesa da soberania, os poderes do Presidente da República sobre as Forças Armadas não são absolutos, submetendo-se também a mecanismos de controle explicitamente delineados no texto constitucional”.

O ministro analisou ainda os questionamentos sobre a atuação das Forças Armadas na “garantia dos poderes constitucionais”.

GARANTIA DOS PODERES – “Em uma leitura originalista e histórica do artigo 142 da Constituição, a expressão “garantia dos poderes constitucionais” não comporta qualquer interpretação que admita o emprego das Forças Armadas para a defesa de um Poder contra o outro. No desenho democrático brasileiro, a independência e a harmonia entre os poderes devem ser preservadas pelos mecanismos pacíficos e institucionais de freios e contrapesos criados pela própria Constituição”.

“Assim, inexiste no sistema constitucional brasileiro a função de garante ou de poder moderador: para a defesa de um poder sobre os demais a Constituição instituiu o pétreo princípio da separação de poderes e seus mecanismos de realização”.

O ministro também citou que a Constituição adotou o princípio da separação dos poderes, o que torna incabível a interpretação segundo a qual as Forças Armadas poderiam atuar na intervenção em outros poderes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
– Foi como uma sexta-feira 13 para Bolsonaro e seu “consultor” jurídico Jorge Oliveira, aquele major da PM que se reformou aos 42 anos, fez um curso de Direito, diz ser “jurista”, e Bolsonaro acredita. Cotadíssimo para ser nomeado ao Supremo, o ministro Oliveira é uma besta quadrada que leva Bolsonaro por caminhos tristonhos, como diria Ary Barroso, lembrando as folhas mortas que a corrente transporta. E la nave va, cada vez mais fellinianamente. (C.N.)

10 thoughts on “Fux desfaz ilusões de Bolsonaro e diz que Forças Armadas não são ‘poder moderador’

  1. O seu Jair não para em pé; cada dia toma uma banda. Coitado!

    Deve tá com o traseiri doendo de tanta banda que toma.

    A TI poderia instituir o concurso Otário do Ano. O seu Jair seria hors concours.

    Vai ser mané assim lá em Rio das Pedras.

  2. Desde os primórdios da civilização humana, quem sempre subjugou, foi aquele que manipulou e, sobretudo, que matou com maior eficácia. Tal sinequanon prevalecerá, enquanto o ser humano for sugestionável e, principalmente, MORTAL!
    Religiāo, filosofia, esporte, arte, diplomacia, política; tudo isso são apenas lubrificantes de uma mega engrenagem nefasta, cujo combustível são vidas humanas aterrorizadas e trucidados.
    Porquanto, toda vez que os negociadores diplomáticos, estadunidenses, arrancam a concordância de suas contrapartes, não significa dizer que a diplomacia norteamericana seja a mais eficiente do mundo. Quem concordou, em verdade, rendeu-se ao terror bélico de um arsenal nuclear, o qual faz a retaguarda daqueles negociadores, quase sempre, triunfantes!

  3. Logo depois de o Ministro Fux dar a decisão, veio a Secom, órgão de Governo, responsável pela comunicação, como o nome sugere, emitir uma nota iniciada com os seguintes termos:

    “LEMBRO À NAÇÃO”

    – Em 1ª Pessoa.
    – Rasgaram completamente o Manual da Redação Oficial da Presidência da República.
    – Veja o nível.

  4. Esse Montesquieu de Cabeleira é o que interpreta.
    Se tivesse que definir a palavra bonito, teceria longos comentários com muita erudição eivada de cultura bacharelesca para arrematar que nas atuais circunstâncias, não é bonito ser bonito.
    É como voto, conforme poderia ter dito o conselheiro Acácio.

  5. Maus militares mercenários das nossas FFAA embarcaram na gaiola das loucas de Jair Bolsonaro, em troca do vil metal. Mas precisarão cair na realidade de que não há qualquer espaço para golpe. E as leis serão aplicadas, inclusive perante o presidente da república.

  6. O problema é simples: A Constituição determina “harmonia” entre os poderes da Republica. Quebrada tal “harmonia” como voltar para uma convivência harmoniosa?

    O judiciário que é uma parte dos poderes em conflito justo não seria quem poderia sanar esta anomalia, não? Aí parece que realmente os Constituintes deixaram as Forças Armadas para cumprir esta missão de “encontrar a harmonia perdida”.

    O judiciário ainda mais não poderia ser o quem deveria ter essa missão porque justamente quando o STF e agora juízes de primeira instância “não respeitam outros poderes” quando Instagram inquéritos ilegais e inconstituicionais, limitam prerrogativas do Presidente da República, ditam leis e outras decisões netamente de ativismo judicial. Os membros do judiciário não eleitos por ninguém não tem poder dos outros poderes conferidos a eles pelo voto do povo. Não pode quem Zero votos impor limitações a quem recebeu mais de 57 milhões de votos. Isto é uma verdadeira aberração que prejudica ao país.

    Porém o problema é maior, o Senado da República recebeu dezenas de pedidos de impedimento de Ministros STF, porque o Senado não da prosseguimento à estes pedidos? Porque os Ministros STF ficam em silêncio ante esta situação? É o toma-la-da-cá? O Supremo e os Ministros atingidos deveriam ser os primeiros a pedir o julgamento pelo Senado ou no STF ter um órgão de controle para estas denúncias que provavelmente muitas devem ser infundadas. Porém enquanto o Supremo e o Senado não fizerem nada o povo tem direito a se indignar, porque na Suprema Corte deveríamos ter gente com decência, ética e moral.

    O pior de tudo é o ativismo judiciário. Juízes advindos como militantes de partidos políticos tentando criar problemas ao governo que não é de sua antiga filiação ou aliados destes. Veja-se que partidos que não alcançaram sequer 1% do eleitorado são os campeões em recorrer ao STF ou justiça comum para atrapalhar o governo. Porém como pode estar passando isso? Porque no STF temos ativistas judiciários que “monocraticamente” tomam decisões que só atrapalham o Brasil.

    O grande problema está aí. Evidentemente ninguém quer ceder menos o STF que agora praticamente governa e dita leis no Brasil. O fato mais saltante de todo isto é o inquérito ilegal e inconstituicional que o Ministro relator sem vergonha é sem pudor sustentou como legal e constitucional. Valeu-se de escritos de autores, outras decisões, etc. esquecendo que qualquer coisa que esteja contra a Constituição é inconstituicional e se quer mudar ela tem os caminhos legais no Congresso que faz as Leis e pode fazer via Enmendas a Constituição e o único que poderia e deveria fazer o STF seria apontar se as Leis ou Emendas são constitucionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *