G20 volta a apontar necessidade de o mundo pôr ordem no capitalismo

Resultado de imagem para Malcolm Turnbull no G 20

Premier da Austrália diz que é preciso “civilizar o capitalismo”

Clóvis Rossi
Folha

Logo depois que o comunismo ficou sepultado sob os escombros do Muro de Berlim, comentei com o então senador Roberto Campos, o mais agudo e consistente porta-estandarte do capitalismo no Brasil, que, depois da vitória sobre o adversário ideológico, o capitalismo tinha a obrigação de provar que poderia servir às grandes massas marginalizadas.

Quase 30 anos depois, essa tarefa civilizatória não foi ainda cumprida. Desta vez, não sou eu quem o diz, mas algumas das mais lustrosas lideranças do universo capitalista. O comunicado final da cúpula do G20, recém-encerrada na China, repete, com mais verborragia, o que disse a Campos anos atrás.

Diz o texto: “Trabalharemos para assegurar que nosso crescimento econômico sirva às necessidades de todos e que beneficie a todos os países e pessoas, inclusive e particularmente, mulheres, jovens e grupos desfavorecidos, gerando mais emprego de qualidade, atacando as desigualdades e erradicando a pobreza, de modo que ninguém seja deixado para trás.”

CIVILIZAR O CAPITALISMO – Não é tudo. O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, chegou a dizer, nas sessões fechadas, nas quais é possível utilizar mais franqueza do que no comunicado final, que era necessário “civilizar o capitalismo”, segundo o relato do “Financial Times”.

Detalhe nada irrelevante: Turnbull, antes de entrar na política, havia sido banqueiro da Goldman Sachs, uma das grifes da face menos civilizada do capitalismo.

Reforçou Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI e, como tal, comandante de uma instituição sempre vinculada, justa ou injustamente, à face menos civilizada do capitalismo: “O crescimento tem sido demasiado baixo por demasiado tempo e em favor de demasiados poucos.”

O que incomoda é que o G20, essencial para evitar que a crise de 2008/09 se transformasse de recessão em depressão, esteja sendo incapaz já não digo de “civilizar o capitalismo”, mas até de reverter o cenário descrito à perfeição por Lagarde.

DESIGUALDADE OBSCENA – No caso do Brasil, com 73 milhões de pobres e sua desigualdade obscena, a impossibilidade de reversão parece nítida: tudo bem que consertar as contas públicas seja uma necessidade inadiável ante o desastre herdado pelo novo governo. É uma condição necessária, mas insuficiente para a retomada do crescimento e, com ela, do emprego.

Cito, a propósito, estudo do Observatório Francês de Conjunturas Econômicas no qual se afirma que “a consolidação orçamentária na França e na Europa teve um impacto negativo importante, de 0,8 ponto por ano em média, entre 2012 e 2016”. Prossegue: “A simultaneidade de políticas de austeridade na Europa amplificou seu impacto recessivo, deprimindo a demanda interna e também a externa”.

O Brasil prepara-se, teoricamente, para aplicar políticas de austeridade em 2017, no momento em que o governo e a maioria dos analistas acreditam que estará saindo da recessão. Sem um plano B também para o crescimento, não parece haver chance nem sequer de civilizar a recessão, quanto mais o capitalismo.

10 thoughts on “G20 volta a apontar necessidade de o mundo pôr ordem no capitalismo

  1. As grandes Cabeças mundiais estão preocupadas com a estagnação do Padrão de Vida mundial, nos últimos 30 anos, especialmente nos EUA, Europa, Japão.
    A continuar assim, os filhos sentem que serão bem mais Pobres que seus Pais, isso para quem conseguir Emprego/se estabelecer. Isso não é bom.
    Sintomas do mal estar Social aparecem nítidos no BREXIT da Grâ-Bretanha da UE, do crescimento dos Partidos Xenófobos/neo-Nazistas, especialmente na França com o Front Nacional de LePen, etc, mas quase por toda a parte, do crescimento político do Candidato Republicano EUA, Sr. DONALD TRUMP que advoga uma Política ISOLACIONISTA, Autônoma e anti-Imigrantes, etc.
    Realmente, o Capitalismo praticado atualmente terá que voltar a dar ESPERANÇA ao Povo, ou coisas ruins vão acontecer.

  2. Caros CN e Flávio José Bortolotto … saudações!

    Peço paciência comigo quando apresento outra versão ao que sabiamente escrevem … minha intenção não é contestar – é só colaborar!!! até costumo usar o apelido ‘chegamais uma nova versão dos fatos’, resumidamente chegamais.

    Ontem mostrei que a Petrobrás está com tendência positiva; pois a produção aumentou depois de uns 5 anos estabilizada … e até a alavancagem está diminuindo significativamente.

    Quanto ao capitalismo:

    1 –

  3. Consideremos as origens do capitalismo atual:
    1 – “1. Eis a posteridade dos filhos de Noé: Sem, Cam e Jefet. Estes tiveram filhos depois do dilúvio. … 6. Filhos de Cam: Cus, Mesraim, Fut e Canaã. 7. Filhos de Cus: Saba, Hevila, Sabata, Regma e Sabataca. Filhos de Regma: Saba e Dadã. 8. Cus gerou Nemrod, que foi o primeiro homem poderoso da terra. 9. Ele foi um grande caçador diante do Senhor. Donde a expressão: “Como Nemrod, grande caçador diante do Eterno.” 10. Ele estabeleceu o seu reino primeiramente em Babilônia, Arac, Acad e em Calane, na terra de Senaar. 11. Daí foi para Assur e construiu Nínive, Recobot-Ir, Cale 12. e Resem, a grande cidade entre Nínive e Cale. (Gn 10)

    Nemrod foi rei caçador e peregrino; certamente, se mudava em procura de caça para si e os que a ele aderiram … certamente é o criador de Estado.

  4. Depois temos o episódio das vacas gordas e das magras em Gn 41 … que ocasionou: “13. E faltou pão em toda a terra, porque a fome era tão violenta que a terra do Egito e a terra de Canaã estavam esgotadas. 14. José tinha ajuntado todo o dinheiro que se encontrava no Egito e em Canaã, como preço do trigo que compravam, e o tinha depositado no tesouro do faraó. 15. Quando havia acabado todo o dinheiro do Egito e de Canaã, todos os egípcios vieram dizer a José: “Dá-nos pão. Por que morreremos na tua presença por falta de dinheiro?” 16. José respondeu: “Trazei vossos animais, se não tendes dinheiro, e dar-vos-ei pão em troca.” 17. Trouxeram, pois, seus animais a José, o qual lhes deu pão em troca dos cavalos, dos rebanhos de ovelhas, dos bois e dos jumentos. Dessa forma, naquele ano, fornecera-lhes pão em troca de todos os seus rebanhos. 18. E aquele ano passou. No ano seguinte, voltaram a ele e disseram-lhe: “Não podemos ocultar do meu senhor que o dinheiro, tendo-se esgotado, e nossos animais, tendo já passado para as mãos de meu senhor, não nos restam agora senão nossos corpos e nossas terras para oferecer ao meu senhor. 19. Por que perecermos diante de teus olhos, nós e nossas terras? Compra-nos a nós e a nossas terras em troca de pão, e nós e nossas terras seremos escravos do faraó. Dá-nos sementes, para que vivamos e não morramos, e não seja desolado o nosso solo”. 20. José adquiriu, assim, para o faraó, todas as terras do Egito, porque cada egípcio vendia o seu campo, obrigado pela fome; e o país tornou-se propriedade do faraó. 21. De um extremo a outro do território, ele reduziu a população à servidão. 22. As terras dos sacerdotes foram as únicas que não comprou, porque estes recebiam do faraó uma ração determinada para o seu sustento. Por isso não venderam suas propriedades. 23. José disse ao povo: “Eu vos comprei hoje, vós e vossas terras, para o faraó. Aqui tendes sementes: semeai vossos campos. 24. No tempo da colheita, dareis a quinta parte ao faraó: as outras quatro partes vos servirão para semente do campo e para vosso alimento com vossos filhos e os que moram convosco.” (Gn 47)

  5. Ao sair do Egito … “O Senhor é rei para sempre, sem fim!”” (Ex 15,18) … Moisés não se torna rei!!!

    “Conquistou, pois, Josué toda a terra, como o Senhor tinha dito a Moisés, e deu-a em herança a Israel, repartindo-a segundo suas tribos. E a terra repousou da guerra”. (Js 11,23) … a terra foi repartida por todas as tribos … de escravos a proprietários, né???

  6. “Naquele tempo não havia rei em Israel, e cada um fazia o que lhe parecia melhor”. (Jz 17,6) … “Naquele tempo não havia rei em Israel. Por essa mesma época a tribo de Dá buscava uma possessão para habitar nela, porque até então nada tinha recebido entre as tribos de Israel”. (Jz 18,1) … “Naquele tempo, como não havia rei em Israel, aconteceu que um levita, vindo fixar-se no fundo das montanhas de Efraim, tomou ali por concubina uma jovem. de Belém de Judá”. (Jz 19,1) … “Naquele tempo não havia rei em Israel, e cada um fazia o que lhe parecia melhor”. (Jz 21,25)
    … … …
    “4. Todos os anciãos de Israel vieram em grupo ter com Samuel em Ramá, 5. e disseram-lhe: Estás velho e teus filhos não seguem as tuas pisadas. Dá-nos um rei que nos governe, como o têm todas as nações. 6. Estas palavras: Dá-nos um rei que nos governe, desagradaram a Samuel, que se pôs em oração diante do Senhor. 7. O Senhor disse-lhe: Ouve a voz do povo em tudo o que te disseram. Não é a ti que eles rejeitam, mas a mim, pois já não querem que eu reine sobre eles. 8. Fazem contigo como sempre o têm feito comigo, desde o dia em que os tirei do Egito até o presente: abandonam-me para servir a deuses estranhos. 9. Atende-os, agora; mas declara-lhes solenemente, dando-lhes a conhecer os direitos do rei que reinará sobre eles. 10. Referiu Samuel todas as palavras do Senhor ao povo que reclamava um rei: 11. Eis, disse ele, como vos há de tratar o vosso rei: tomará os vossos filhos para os seus carros e sua cavalaria, ou para correr diante do seu carro. 12. Fará deles chefes de mil e chefes de cinqüenta, empregá-los-á em suas lavouras e em suas colheitas, na fabricação de suas armas de guerra e de seus carros. 13. Fará de vossas filhas suas perfumistas, cozinheiras e padeiras. 14. Tomará também o melhor de vossos campos, de vossas vinhas e de vossos olivais, e dá-los-á aos seus servos. 15. Tomará também o dízimo de vossas semeaduras e de vossas vinhas para dá-los aos seus eunucos e aos seus servos. 16. Tomará também vossos servos e vossas servas, vossos melhores bois e vossos jumentos, para empregá-los no seu trabalho. 17. Tomará ainda o dízimo de vossos rebanhos, e vós mesmos sereis seus escravos. 18. E no dia em que clamardes ao Senhor por causa do rei, que vós mesmos escolhestes, o Senhor não vos ouvirá. 19. O povo recusou ouvir a voz de Samuel. Não, disseram eles; é preciso que tenhamos um rei! 20. Queremos ser como todas as outras nações; o nosso rei nos julgará, marchará à nossa frente e será nosso chefe na guerra. 21. Samuel ouviu todas as palavras do povo e referiu-as ao Senhor. 22. E respondeu-lhe o Senhor: Ouve-os; dá-lhes um rei. Samuel disse aos israelitas: Volte cada um para a sua cidade”. (1Sm 8)

    “Samuel expôs em seguida ao povo os direitos do rei, consignou-os em um livro que depositou diante do Senhor, e despediu todo o povo, cada um para a sua casa”. (1Sm 10,25)

  7. Caros CN e Flávio José Bortolotto … estas são as origens do capitalismo selvagem … um rei que é dono de tudo e de todos … pois atualmente não são mais os reis os donos; porém, são os detentores de capital financeiro, né??? ??? ???

    É aí que entendo o comunismo do CN … e por isto comentei ontem citando que:
    1 – Jesus Cristo “Aí não haverá mais grego nem judeu, nem bárbaro nem cita, nem escravo nem livre, mas somente Cristo, que será tudo em todos”. (Cl 3,11)
    2 – “E, quando tudo lhe estiver sujeito, então também o próprio Filho renderá homenagem àquele que lhe sujeitou todas as coisas, a fim de que Deus seja tudo em todos”. (1Cor 15,28)

    Por primeiro haverá uma dominação de Jesus Cristo … e depois será definitivamente de Deus, Seu Pai e nosso Papázinho!!! !!! !!!

  8. CN … é o Joaquim Levy na foto?

    Caro Delmiro Gouveia … antigamente alguns tinham o “Direito Divino dos Reis” – acabou, né … … … e as Monarquias hoje são Constitucionais!!!

    No Brasil, por exemplo, nossa Constituição Federal deixou de ser plenamente CIDADÃ quando emendaram tirando os juros de 12%!!!
    http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumario.asp?sumula=1205: “Súmula Vinculante 7
    A norma do § 3º do artigo 192 da Constituição, revogada pela Emenda Constitucional nº 40/2003, que limitava a taxa de juros reais a 12% ao ano, tinha sua aplicação condicionada à edição de lei complementar.

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc40.htm com:
    Presidência da República
    Casa Civil
    Subchefia para Assuntos Jurídicos
    EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 40, DE 29 DE MAIO DE 2003
    Altera o inciso V do art. 163 e o art. 192 da Constituição Federal, e o caput do art. 52 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

  9. Há formas sim de civilizar o capitalismo. A forma selvagem é que não pode prevalecer. Por exemplo: o BNDES ao invés de aplicar bilhões em pouquíssimas empresas como se viu nos últimos anos, deve espraiar os investimentos em milhares de pequenas empresas que poderão empregar milhões de pessoas. É apenas uma das vertentes. Há muitas outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *