Gilmar tenta humilhar Fachin, que responde com ironia: “Minha alma está em paz”

Resultado de imagem para fachin

Fachin já desistiu de levar  Gilmar  a sério

Mariana Oliveira
TV Globo, Brasília

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta terça-feira (12) no plenário da Segunda Turma que o caso JBS, que enfrenta procedimento de revisão das delações, é um “grande vexame” para a Corte e afirmou que o relator do tema, o ministro Luiz Edson Fachin, corre o risco de ter seu nome manchado. Ao término da fala de Mendes, Fachin, que também é da Segunda Turma, respondeu que não se constrange por julgar com base na prova dos autos e afirmou que a alma dele “está em paz”.

A discussão ocorreu após o início do julgamento sobre o recebimento da denúncia apresentada na Operação Lava Jato pela Procuradoria Geral da República contra o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE).

VOTAÇÃO – O Ministério Público pediu abertura de ação penal por identificar provas de que o deputado cometeu o crime de corrupção passiva ao participar de uma negociação entre o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, que morreu em 2014, e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa para barrar, em 2009, as investigações da CPI da Petrobras no Senado.

Fachin votou pelo recebimento da denúncia e o ministro Dias Toffoli divergiu, votando pela rejeição da acusação e o arquivamento do caso, porque considerou que a denúncia se baseou apenas em delações, sem coletar mais provas.

Em seguida, o ministro Ricardo Lewandowski pediu visTa, mais tempo para analisar o caso. E Gilmar Mendes, então, pediu a palavra para falar sobre o caso JBS.

“MOMENTO DELICADO” – Mendes falou por cerca de 15 minutos sobre o tema. Disse que o Supremo vive “momento delicado” em razão das delações. Ele se referiu à suspeita de que executivos da JBS tiveram auxílio de um procurador que estava deixando o cargo, Marcelo Miller, o que está sob investigação.

“Os casos que agora estão sobre a mesa são altamente constrangedores. O que está saindo na imprensa e o que sairá nos próximos dias, meses, certamente vão corar frade de pedra. Já se fala abertamente que a delação de Delcídio foi escrita por Marcello Miller. É um agente que atuava. Agora já se sabe que ele atuou na Procuradoria da República. Sabe-se lá o que ele fez aqui também. Portanto nós estamos numa situação delicadíssima. O STF está enfrentando um quadro de vexame institucional. Certamente, no lugar onde está, o ministro Teori está rezando por nós, dizendo: ‘Deus me poupou desse vexame’. Nós estamos vivenciando um grande vexame, o maior que já vi na história do tribunal”, afirmou o ministro Gilmar Mendes.

“LUDIBRIADO” – Depois, Mendes disse que Fachin, que referendou as delações da JBS e é relator da Lava Jato, foi “ludibriado” e pode ter seu nome manchado. “Nesse caso, imagino seu drama pessoal (dirigindo-se a Fachin). Ter sido ludibridado por Miller ‘et caterva’ (e comparsas) deve impor um constrangimento pessoal muito grande. (…) Não invejo seus dramas pessoais, porque certamente poucas pessoas ao longo da história do STF se viram confrontadas com desafios tão imensos, grandiosos. E tão poucas pessoas na história do STF correm o risco de ver os eu nome e o da própria Corte conspurcado por decisões que depois vão se revelar equivocadas”, disse o ministro. Gilmar Mendes afirmou, então, que se Lewandowski não tivesse pedido vista do caso Eduardo da Fonte ele rejeitaria a denúncia.

Depois disso, Fachin agradeceu as palavras de Gilmar Mendes e respondeu que mantinha sua posição. “Eu reitero o voto que proferi com base naquilo que entendo que é a prova dos autos. E por isso agradeço a preocupação de vossa excelência, mas parece-me que, pelo menos ao meu ver, julgar de acordo com a prova dos autos não deve constranger a ninguém, muito menos um ministro da Suprema Corte. Também agradeço a preocupação de vossa excelência e digo que a minha alma está em paz”, afirmou Fachin.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Como se vê, Gilmar Mendes retomou sua campanha para desmoralizar e destruir o Supremo. Tentou humilhar Fachin, de uma forma altamente cafajeste, não deu certo. Realmente, o ministro Gilmar Mendes não está bem, deveria ser submetido a uma junta médica, formada por Freud, Lacan, Jung e Pinel. (C.N.)

17 thoughts on “Gilmar tenta humilhar Fachin, que responde com ironia: “Minha alma está em paz”

  1. De fato, Gilmar Mendes está visivelmente transtornado. Talvez já não seja só pela ameaça à liberdade de seus amigos Temer e Aécio. Pode haver coisas menos nobres que a amizade aí. Patrocínios obscuros, talvez.

  2. Ao juízo da mais ingênuas das criaturas, Gilmar Mendes perpassa à sociedade um dissabor de quem perdeu uma grande aposta: “Os meus heróis morreram de overdose, meus inimigos estão no poder; ideologia, eu quero uma pra viver……” Do saudoso, CAZUZA.
    Nesta nação corrompida, niguém mais se atreve a sacralizar uma pessoa e/ou uma instituição. O banditismo nacional se faz presente em todos os segmentos: sem questionar se a síntese representativa respeita as devidas prporções homiziadas na população! fráGIL MAR, das Bahamas, seco pelo furacão irma!

  3. Algum “agente”do Ministério Público pode dizer o que fazer com isto?
    Gilmar está transtornado, incontrolável, desesperado. Suas declarações são um desrespeito ao cargo que ocupa. se os colegas não o interditarem, poderemos estar assistindo o início do fim do STF.
    A república se esboroa, fede e não mostra sinais de vida.
    E o povo continua “zapeando”. Ontem, quando em ônibus lotado, num metro quadrado, contei 8 pessoas “esfregando dedos” nos seus celulares.
    acho que o povo está feliz!
    Fallavena

    Em tempo:
    vale a pena ler e ouvir material do link.
    http://gaucha.clicrbs.com.br/rs/noticia-aberta/gestao-de-bebado-diz-gilmar-mendes-sobre-janot-206798.html

    • Fazer o quê, seu Fallavena. É preciso uma força externa para que um corpo mude a direção do movimento ou se acelere. A força externa, neste caso, é a presença de lideranças.
      O povo morre nas ruas como mosquitos dedetizados, morre em filas de hospitais, e se vira nos 30 diariamente para sobreviver. Não lhe sobra energia para mais nada. O celular é um terapia.
      Até o comandante do exército renunciou á sua natural liderança em casos de caos – que é o que estamos vivenciando. Em vez disso, nos ofereceu o seu sistema fajuto de pesos e contrapesos que funciona em democracias civilizadas. O descaso das autoridades é total. Revolução? Não! Cortar sacos? Sim!

  4. Nada disso gente!
    O sapo bocudo está à beira de um ataque de nervos.
    Ele está comprometido até o TALOOOOO!!!!
    Este PILANTRA já levou muita grana pra aliviar os comparsas dele.
    A vida pregressa deste “homem” não aguenta quinze segundos de investigação.
    Então, relaxem! Ele não está louco, louco somos nós que assistimos a esta sacanagem explícita sem nada fazer.
    Atenciosamente.

  5. Gilmar Mendes não pode mais ser levado a sério. Está totalmente transtornado.
    Se deixarem, ao invés de afundar a Lava-Jato, ele vai afundar o já desacreditado STF.

  6. Existem os que falam e os que fazem. Gilmar está inserido em qual deles? Qual a relevância do que Gilmar tem feito e a que Fachin tem feito? A quem o tribunal da história vai apoiar e a quem condenar? Os dois tem plena consciência da resposta.

  7. “Something is rotten in the state of Denmark”. É só seguir o mau cheiro ou o dinheiro.

    “Quem quer mais do que lhe convém, perde o que quer e o que tem.” (Antonio Vieira). Ouviu, seu ministro?

  8. O JB, no mensalão, classificou Gilmar Mendes na área dos canalhas, é sinistro juizeco, a estuprar e vilipendiar a Srª Justiça. A 2ª turma, sem o Fachin, que no momento é ministro-relator, é lixo. Presidente Carmem Lúcia, o STF está stf, descreditado pelo Povo, sacaneado e humilhado, queira Deus, que saiamos pacificamente desse oceano de lama,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *