Gleisi Hoffmann só precisará de um voto para ser absolvida na Segunda Turma

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo, marido dela (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil)

Gleisi e Bernardo já começam com dois votos a favor


Mariana Oliveira

TV Globo, Brasília

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a próxima terça-feira (19) o julgamento da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), do ex-ministro Paulo Bernardo e do empresário Ernesto Kugler Rodrigues, ligado ao casal. Na semana passada, o ministro Celso de Mello, revisor da Lava Jato no STF, liberou o caso para julgamento. Nesta terça (12), o ministro Ricardo Lewandowski, presidente da Segunda Turma, marcou a sessão destinada à análise do caso.

Segundo a acusação do Ministério Público, os três, “agindo de modo livre, consciente e voluntário”, pediram e receberam R$ 1 milhão desviados do esquema de corrupção que atuava na Petrobras. O dinheiro, ainda de acordo com a denúncia, teria sido direcionado para campanha eleitoral de Gleisi em quatro parcelas de R$ 250 mil.

DOLEIRO YOUSSEF – O repasse teria sido realizado, segundo a Procuradoria Geral da República (PGR), por meio de empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef contratadas pela Petrobras.

Ainda conforme a PGR, os recursos foram liberados pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, cujo objetivo seria obter apoio político de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo para se manter no cargo.

À época em que Gleisi e Paulo Bernardo se tornaram réus no Supremo, a defesa da senadora negou os crimes e apontou supostas divergências entre as declarações de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef nas delações premiadas, especialmente em relação ao modo como o dinheiro teria sido repassado. A defesa de Paulo Bernardo também rebateu a acusação, alegando que não teria sido provada interferência do ex-ministro para manter Paulo Roberto no cargo de diretor na Petrobras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Como se sabe, todo julgamento de político petista na Segunda Turma já começa com dois votos a favor da absolvição. Os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, embora sejam amigos e correligionários dos petistas, jamais se declaram suspeitos. Sobram, então três votos. O relator Edson Fachin vai votar pela condenação, fazendo 2 a 1. E ficam faltando os votos de Gilmar Mendes e Celso de Mello. Portanto, se um deles apoiar Gleisi e Bernardo, os dois estarão absolvidos. (C.N.)

19 thoughts on “Gleisi Hoffmann só precisará de um voto para ser absolvida na Segunda Turma

  1. – Da segundona não se pode esperar boa coisa. Resta aos procuradores preparar de antemão o recurso ao pleno, onde há alguma chance desses corruPTos serem pegos.

  2. E por falar em voto, ainda os brasileiros e as brasileiras acreditam em eleições, enquanto tivermos que sufragar os nossos votos nessas fraudáveis urnas eletrônicas?
    O voto é SECRETO, mas as apurações dos votos têm que ser PÚBLICAS, de modo que o voto deve ser sufragado em cédula de papel, pois se assim não for, induvidosamente não nos livraremos dessa ideologia nefasta em que estamos mergulhados desde 1985 com a implantação da nova república.
    Se não me falha a memória foi Fernando Henrique Cardoso quem implantou essas nefastas urnas eletrônicas porquanto sabia que o apedeuta do Lula jamais ganharia uma eleição para a presidência do Brasil se não fosse por meio delas.
    E por derradeiro não adianta o aposentado general Hamilton Mourão afirmar que os militares vão fiscalizar, na medida em que como fiscalizar algo que pode ser programável, no entanto, se o programa fosse feito e operado pelos militares aí sim eu certamente acreditaria no escrutínio eleitoral, pois a desgraça maior dessas urnas eletrônicas está na TOTALIZAÇÃO DOS VOTOS.

    • Um país que paga R$ 320 bilhões por ano de salários, auxílios e penduricalhos aos seus 633 mil funcionários públicos federais dos três poderes, o que significa para o governo federal o valor de uma Petrobras e meia, certamente só poderá gerar para a imensa maioria do seu povo a MISÉRIA em que se encontra, destituído de educação, segurança, saúde, esgoto sanitário, entre outros bens vitais.

    • Concordo plenamente.

      Caro Jornalista,
      Prezado Amaury,

      Corre nas redes sociais um vídeo onde um cidadão, respondendo a um entrevistador/pesquisador da DATAFOLHA, pede para ver o que o funcionário está marcando no tablet/prancheta de questões, para saber se as respostas do tal questionário eram assinaladas pelo pesquisador de acordo com o que era respondido por ele e se as perguntas feitas eram, REALMENTE, as perguntas que estavam escritas no formulário. O funcionário disse que não era possível ao cidadão ver o precedimento de marcação, nem se as perguntas escritas eram aquelas feitas por ele.

      Como nunca fui entrevistado, pergunto:
      -Será que é isso mesmo?
      -Será que o entrevistado não pode ver o que o pesquisador marca no formulário de perguntas ou se as respostas são marcadas nos locais correspondentes às respostas dadas?
      -E se o funcionário estiver de mau humor, querendo sair para o almoço e inventar as perguntas que bem entender e dar as respostas que achar melhor?
      -Será que tudo é apenas mais uma “notícia fake” ou são as pesquisa eleitorais que são fakes?

      Abraços.

      • Caro leitor e comentarista Francisco Vieira – Brasília – DF,
        Da mesma forma que o amigo, eu também nunca fui entrevistado para pesquisa de intenção de voto.
        Todavia, se eu vier a ser entrevistado e algo parecido com o que foi narrado acontecer comigo, eu simplesmente não respondo mais as perguntas que me forem feitas pelo entrevistador.
        Eu, pessoalmente, não acredito nestas pesquisas eleitorais.

    • Acabar? Onde? Nesta nossa terra de querida? Logo agora que os campeões vão entrar em campo?! Depois do café, quem sabe, a genti podi conversá.

      • Prezado sapo…
        Prezado Paulo…

        Não é aconselhável reclamar.
        Se reclamar, a inflação aumenta, o PIB cai e a democracia passa a correr perigo. O senhor não viu o estrago que os caminhoneiros fizeram com o progresso do país?

  3. Novo presidente será “síndico de uma massa falida”, diz cientista político…

    Gabriela Fujita
    Do Uol, em São Paulo, 14/06/2018

    O brasileiro não foi treinado para o debate democrático, o novo presidente do país será “síndico de uma massa falida” e a corrupção será um tema indigesto para os presidenciáveis. Estas são opiniões do professor Marco Aurélio Nogueira, doutor em Ciência Política pela USP (Universidade de São Paulo) e livre-docente da UNESP (Universidade Estadual Paulista), a respeito de como ele ve a corrida eleitoral a quatro meses do primeiro turno.

    O artigo completo encontra-se neste link >>>>>>>>>> https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/06/14/novo-presidente-sera-sindico-de-uma-massa-falida-diz-cientista-politico.htm

    COMENTÁRIO: O governo atual tem mais de 80% de rejeição e apenas 3% de aprovação. Existe uma convicção entre os comentaristas políticos e econômicos que não haverá reversão de nenhuma medida econômica tomada por este governo, muito menos enfrentamento com o sistema financeiro nacional e internacional que detém a dívida pública federal e se beneficia com seus gigantescos encargos. Se houverem corte de gastos será na área social e o aumento de impostos (carga tributária) deve recair sobre a maior parte da sociedade, principalmente a classe média que paga imposto de renda na fonte. O déficit primário, segundo fontes oficiais, permanecerá durante toda a próxima legislatura (2019 a 2022). Não existe incentivo para o investimento produtivo no Brasil porque as famílias e a sociedade em geral estão se proletarizando depois da Reforma Trabalhista (redução salarial e emprego precarizado). Quem vai investir para ter prejuízo? O desemprego deve continuar alto e os empregos criados pagarão até 1,5 salário mínimo. Não é preciso nem comentar sobre em que níveis estará a violência e a insegurança no país. Inclusive há economistas que prevem que as contas públicas só serão equilibradas no final da próxima década ou início da década de 2030. Finalizando, essa é a realidade com a qual os brasileiros se defrontarão nos próximos anos. As eleições que houverem serão apenas para legitimar medidas impopulares que serão tomadas pelos governantes e a tensão social vai fazer com que aumente a repressão estatal sobre a sociedade. Finalizando, será que estou inventando tudo isso? Não é o que estou lendo na internet e vendo no cotidiano. Aguardo comentários. Obrigado.

  4. Veja como a idade não pode ser motivo para tirar VELHO SAFADO da cadeia:

    “Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira os dois homens que se passaram por agentes da instituição para assaltar um apartamento na Asa Norte, em Brasília. Uma cabeleireira amiga da vítima, uma idosa de 79 anos, também foi presa, apontada como mandante do crime.”
    Fonte: Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *