Governador Agnelo Queiroz se encontrou com Cachoeira, mas foi somente ‘uma visita de cortesia’.

O governador Agnelo Queiroz (PT-DF) reconheceu que esteve com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, investigado por comandar um esquema de jogo ilegal e suborno a políticos e autoridades dos mais diversos partidos e cargos.

Segundo disse à Folha o porta-voz do governo, Ugo Braga, o encontro ocorreu “em 2009 ou 2010”, quando Agnelo exercia cargo de direção na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em Brasília. Segundo o porta-voz, um grupo de proprietários de indústrias farmacêuticas recebeu Agnelo durante uma visita a um laboratório na cidade de Anápolis (GO). No grupo estava Cachoeira, que também participou da conversa com o hoje governador.

“Conversaram sobre amenidades, com o grupo todo”, disse Braga. Segundo o governo, o objetivo da conversa foi “uma visita de cortesia”.

Antes de surgir essa informação do relacionamento de Agnelo Queirozcom Cachoeira, na terça-feira o chefe de gabinete do governado do DF, Cláudio Monteiro, deixou o cargo após a revelação de que seu nome, segundo a investigação, aparece ligado ao esquema do grupo de Cachoeira.

A Folha revelou que diálogos telefônicos interceptados pela Polícia Federal sugerem que a construtora Delta, uma das maiores do país, pagou propinas para receber pagamentos por serviços prestados ao governo do Distrito Federal. A PF sugere que, em outra conversa gravada, o próprio Agnelo pediu para conversar com Cachoeira.

O terceiro-sargento da Aeronáutica Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, que atua para Cachoeira, diz que o “zero-um”, o “Magrão”, quer falar com ele. Além disso, outro ex-assessor de Agnelo, o policial civil Marcello Lopes, o Marcelão, é investigado por ligação com um esquema de interceptação ilegal de e-mail.

De acordo com a investigação da Operação Monte Carlo, desencadeada em fevereiro pela Polícia Federal, Cachoeira comanda um laboratório farmacêutico, Vitapan, sediada em Anápolis, registrado em nome de sua ex-mulher. O porta-voz do governo, contudo, disse que não foi essa a empresa visitada por Agnelo Queiroz quando era diretor da Anvisa. O governador afirmou, segundo o porta-voz, não se lembrar do nome correto da empresa visitada, vejam só que memória fraca tem Agnelo Queiroz, que é médico de profissão.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Esta não é a primeira e única suspeita sobre Agnelo Queiroz, que antes de ser governador comprou uma mansão no Lago, com seus modestos vencimentos de funcionário público. Ontem, pressionado pelas novas denúncias, Agnelo fez um movimento político para mostrar que, apesar da crise, tem o apoio dos partidos aliados. Após reunião com o governador, 19 deputados da Câmara Distrital, de um total de 24, divulgaram uma nota em que declararam confiança na gestão do petista. “As práticas criminosas não têm vez no governo Agnelo”, diz trecho da nota. Mas será mesmo? Vamos aguardar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *